Posts

Cerca de 25% dos jovens entre 20 e 29 anos já se vacinaram contra o sarampo, afirma Ministério da Saúde

A meta da segunda fase da campanha nacional é vacinar 9 milhões e quatrocentos mil pessoas dessa faixa etária

De janeiro a novembro de 2019, cerca de 25% das pessoas entre 20 e 29 anos se vacinaram contra o sarampo. A meta da segunda fase da campanha nacional é vacinar 9 milhões e quatrocentas mil pessoas dessa faixa etária.

No último sábado (30), os postos de vacinação de todo o país ficaram abertos para o dia “D” de mobilização nacional contra o sarampo. Isso porque a faixa etária de 20 a 29 anos é a que acumula o maior número de casos confirmados da doença. Para esse público, o maior problema não é a gravidade da doença, mas o fator de transmissão para os grupos mais suscetíveis às complicações, caso das crianças.

O sarampo é uma doença infecciosa grave, causada por um vírus, que pode ser fatal. Sua transmissão ocorre quando o doente tosse, fala, espirra ou respira próximo de outras pessoas. A única maneira de evitar o sarampo é pela vacina.

Se você tem entre 20 e 29 anos e não lembra se já tomou a vacina contra o sarampo, a recomendação é procurar o posto de saúde mais próximo. Não esqueça de levar sua caderneta de vacinação e um documento com foto.

 

*Cintia  Moreira/ Agência do Rádio

Segunda fase da vacinação contra sarampo inicia nesta segunda-feira

Etapa prioriza recebimento de doses por jovens com idades entre 20 e 29 anos

A segunda fase da Campanha Nacional de Vacinação contra o Sarampo começa nesta segunda-feira em todo o país. As pessoas, na faixa etária de 20 a 29 anos de idade, são o alvo desta etapa. De acordo com o último boletim epidemiológico sobre sarampo do Ministério da Saúde, esta faixa etária é a que mais acumula número de casos da doença. Nos últimos 90 dias de surto ativo, foram confirmados 1.729 casos em pessoas de 20 a 29 anos.

O secretário de Vigilância em Saúde, do Ministério da Saúde, Wanderson de Oliveira, disse que um dos motivos é que esse público não tomou a vacina em nenhuma fase da vida e, se tomou, não voltou para aplicar a 2ª dose, necessária para a proteção.

Para atingir essa faixa etária, o ministério adotou algumas estratégias. Uma delas é a realização da segunda fase da campanha de vacinação em locais de grande circulação dessas pessoas. A ação será realizada em conjunto pelas três níveis de governo: federal, estadual e municipal.

* Agência Brasil

Brasil atinge meta global de vacinação contra o sarampo

Saúde alerta para estados e municípios abaixo da meta de imunização

Balanço parcial divulgado pelo Ministério da Saúde (MS) indica que o Brasil atingiu a meta global de vacinação de sarampo para crianças de 6 meses a menores de 1 ano, com o registro de 95% da população geral nessa faixa etária imunizada. O desempenho da cobertura vacinal não foi uniforme, no entanto, entre todos os estados.

Estão abaixo da meta de vacinação Acre, Amapá, Amazonas, Bahia, Distrito Federal, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Piauí, Rondônia, Roraima, Rio de Janeiro e Rio Grande do Norte. Em relação aos municípios, o ministério contabiliza que 34,5% (1.923 cidades) precisam reforçar os esforços para atender à meta de vacinação.

A segunda etapa da campanha de vacinação está prevista para começar em 18 de novembro. O governo federal tem expectativa de que agentes comunitários de saúde de combate às endemias façam busca ativa em residências para vacinação.

O foco é a população adulta. “Um novo grupo, composto por adultos de 20 a 29 anos que não estão com a caderneta de vacinação em dia terá a oportunidade de se vacinar até 30 de novembro, quando termina a campanha.

Novo boletim epidemiológico do sarampo será publicado no dia 6 de novembro e “trará como registro, dos últimos 90 dias, 5.660 casos confirmados” da doença, antecipa o Ministério da Saúde. “Dezenove estados estão na lista de transmissão ativa da doença e 90,5% dos casos confirmados estão concentrados no estado de São Paulo”.

A pasta alerta que o sarampo é uma doença infecciosa grave que pode causar a morte, especialmente de crianças. “Nos últimos 90 dias, foram confirmadas 14 mortes pela doença no Brasil, sendo sete em menores de 5 anos de idade, três na faixa etária de 20 a 29 anos e quatro em adultos maiores de 40 anos. Foram 13 óbitos registrados em São Paulo e um em Pernambuco”, detalha nota do ministério.

No total, 304 municípios (5,5% das cidades brasileiras) apresentaram casos de sarampo. O Ministério da Saúde tem expectativa que o próximo boletim assinale queda de casos recentes da doença

Sintomas

 De acordo com informe do Ministério da Saúde, a transmissão do sarampo ocorre pelo ar, quando uma pessoa infectada tosse, fala, espirra ou respira próximo de outras pessoas. A única maneira prevenir a doença é pela vacina.

Há uma preocupação especial da pasta a partir do final do ano: o período de férias – que ocasiona aumento de circulação de pessoas adultas pelo país para celebrar o Natal, descansar no veraneio e brincar o carnaval.

Além disso, o aumento de chuva de verão pode elevar o número de casos de dengue. O sarampo tem alguns sintomas que podem ser confundidos com doença transmitida pelo Aedes aegypti, como febre alta, dor de cabeça e manchas vermelhas.

No caso do sarampo, é comum que a febre ocorra acompanhada de tosse e que haja irritação nos olhos, mal-estar intenso e nariz escorrendo e entupido. Um médico deverá ser consultado para o diagnóstico correto.

 

Ministério da Saúde/Divulgação

 

 

*Agência Brasil

Crissiumal: Dia D da campanha de vacinação contra o sarampo acontece neste sábado

Pais devem levar a carteirinha de vacina dos seus filhos para conferência

Acontecerá no sábado, dia 19 de outubro, o Dia D da Campanha Nacional de Vacinação contra o Sarampo. Neste dia, o Posto Central de Saúde de Crissiumal estará aberto das 8 às 17 horas, sem fechar ao meio-dia.

Nesta etapa, serão imunizadas crianças a partir dos 6 meses de idade a menores de 5 anos. Portanto, os pais ou responsáveis deverão procurar as salas de vacinação, munidos com a Carteirinha de Vacina da criança, para avaliar a sua situação vacinal contra o sarampo.

A responsável pelo Programa de Imunizações da Secretaria Municipal de Saúde, enfermeira Maria Helena, ressalta sobre a importância da conferência da Carteirinha de Vacina da criança; e que somente serão imunizadas as crianças que não estiverem com a Carteirinha atualizada, ou seja, que estejam com dose faltante da vacina contra o Sarampo.

O Sarampo é uma doença infecciosa grave, altamente contagiosa e a única maneira de evitar é a vacina. Proteja seus filhos. Vacine!

A Campanha, que teve início no dia 7 de outubro, segue até o próximo dia 25.

 

Por: Andréia Cristina Queiroz

Campanha de vacinação contra o sarampo abre na segunda-feira

Crianças de seis meses a cinco anos incompletos sem esquema vacinal completo devem ser imunizadas primeiro

Crianças de seis meses a cinco anos incompletos sem esquema vacinal completo contra sarampo devem atualizar a caderneta de vacinação em outubro. A campanha de vacinação é nacional e se estende de segunda-feira, dia 7, até 25 de outubro. O sábado, 19, vai ser o Dia D de imunização, em todo o Brasil.

Em novembro, a campanha entra na segunda etapa, sendo dirigida à atualização da carteira de jovens entre 20 e 29 anos.

De acordo com informação do Ministério da Saúde, a vacinação nas duas etapas vai ser feita de forma seletiva, ou seja, serão vacinadas, na primeira etapa, crianças sem nenhuma dose da vacina ou que ainda estejam com esquema incompleto de vacinação, conforme orientações previstas no calendário nacional de vacinação.

A priorização desse grupo na primeira etapa deve-se à elevada incidência da doença na faixa etária infantil, em surtos registrados em 2019 no país. As crianças menores de cinco anos sofrem risco maior de desenvolver complicações, como cegueira, encefalite, diarreia grave, infecções no ouvido, pneumonias e óbitos pelo sarampo. O objetivo da campanha é interromper a circulação viral e controlar a doença no Brasil.

De acordo com dados do Ministério da Saúde, em 2019, foram notificadas 26.421 suspeitas de sarampo no país. Desses, 5.346 foram confirmados, até o momento.

Veja a rotina da vacina contra sarampo, por faixa etária:

– 12 meses a menores de cinco anos: uma dose aos 12 meses (tríplice viral) e uma dose aos 15 meses de idade (tetra viral)

– em 2019, por tempo indeterminado, o MS determinou a chamada dose zero – fora da rotina – para crianças entre seis meses e menos de um ano. O intervalo mínimo entre a dose zero e a 1ª dose (aos 12 meses), deve ser de 30 dias;

– cinco anos a nove anos não vacinadas anteriormente: Vacina Tríplice Viral – duas doses com intervalo de um mês entre as doses;

– 10 a 29 anos – Vacina Tríplice Viral – duas doses;

– 30 a 49 anos – Vacina Tríplice Viral – uma dose;

– Profissionais da saúde, independentemente da idade – Vacina Tríplice Viral – duas doses.

 

*Com informações da Rádio Guaíba

Município de Três Passos intensifica a vacinação contra o Sarampo

 

A Secretaria Municipal de Saúde de Três Passos se engaja na estratégia de intensificação da vacinação contra o sarampo. Para isso, estipula em cada uma das unidades horários específicos para que as pessoas possam receber a vacina.

O sarampo é uma doença grave que pode deixar sequelas por toda a vida ou causar o óbito. A vacina é a única maneira de evitar que isso aconteça. A vacinação está disponível nas unidades de saúde com a vacina tríplice viral de acordo com o esquema vacinal:

  • Intensificação: 6 meses até 11 meses e 29 dias

·         Primeira dose:  Aos 12 meses de idade (1 ano)

·         Segunda dose: Aos 15 meses de idade, última dose por toda a vida

·         De 1 a 29 anos – Necessário ter comprovação de duas doses;

·         De 30 a 49 anos – Necessário a comprovação de apenas uma dose.

Conforme destaca a enfermeira Rejane Ceolin, em virtude do surto de sarampo em alguns estados do país e com o intuito de reduzir a incidência e gravidade da doença nos menores de um ano de idade, neste momento, o Ministério da Saúde recomenda a vacinação das crianças de seis a 11 meses de idade contra o sarampo, com uma dose da vacina tríplice viral. “Neste sentido, estamos engajados na intensificação da vacina, para isso criamos um cronograma para cada ESF”, explicou.

A enfermeira ressalta que com o intuito de evitar o desperdício, cada ESF aplica a vacina tríplice viral em 1 dia da semana, uma vez que, os frascos da vacina contem 10 doses com duração de apenas 8 horas.

Ø  Confira o cronograma dos postos, sendo importante observar o horário de aplicação da vacina de cada unidade:

  • ESF Érico Veríssimo: Segundas-feiras
  • ESF Bela Vista: Segundas-feiras
  • ESF Padre Gonzales: Terças-feiras
  • ESF Weber: Terças-feiras
  • ESF Sulserra: Quartas-feiras
  • ESF Pindorama: Quintas-feiras
  • ESF Santa Inês: Sextas-feiras

 

Por: Elenara de Oliveira – Assessora de Comunicação da Prefeitura de Três Passos

Todas as crianças de 6 meses a menores de 1 ano devem ser vacinadas contra o sarampo

A medida visa intensificar a vacinação da doença nesse público-alvo, que é mais suscetível a casos graves e óbitos. 

Desde a última quinta-feira, dia 22, todas as crianças de seis meses a menores de 1 ano (11 meses 29 dias) devem ser vacinadas contra o sarampo em todo o país. Essa medida preventiva deve alcançar todas as crianças, que não receberam a dose extra, chamada de ‘dose zero’, além das previstas no Calendário Nacional de Vacinação, aos 12 e 15 meses. O objetivo é intensificar a vacinação desse público-alvo, que é mais suscetível a casos graves e óbitos.

A ação é uma resposta imediata do Ministério da Saúde em decorrência do aumento de casos da doença em alguns estados. O Brasil registrou, nos últimos 90 dias, 1.680 casos confirmados de sarampo, em 11 estados: São Paulo (1.662), Rio de Janeiro (6), Pernambuco (4), Bahia (1), Paraná (1), Goiás (1), Maranhão (1), Rio Grande do Norte (1), Espírito Santo (1), Sergipe (1) e Piauí (1).

É importante esclarecer que a chamada “dose zero” não substitui e não será considerada válida para fins do calendário nacional de vacinação da criança. Assim, além dessa dose que está sendo aplicada agora, os pais e responsáveis devem levar os filhos para tomar a vacina tríplice viral (D1) aos 12 meses de idade (1ª dose); e aos 15 meses (2ªdose) para tomar a vacina tetra viral ou a tríplice viral + varicela, respeitando-se o intervalo de 30 dias entre as doses. A vacinação de rotina das crianças deve ser mantida independentemente de a criança ter tomada a “dose zero” da vacina.

“Esta é uma medida preventiva. Por isso, é preciso que todas as crianças na faixa prioritária sejam imunizadas contra o vírus do sarampo, considerando a possibilidade de trânsito de pessoas doentes para regiões afetadas e não afetadas.

Em Crissiumal, já efetuamos o pedido de mais doses, mas ainda não recebemos, temos apenas o estoque normal para as doses de rotina, mas a chegada de mais doses está prevista para a próxima semana. Pedimos assim, que as mães tragam suas crianças de 6 meses a menores de 1 ano para que sejam avaliadas as cadernetas de vacina, vacinar ou agendar a data de vacina, caso por caso deve ser avaliado, tendo em vista os intervalos entre os tipos de vacina.

PROCURE SEU ESF, TRAGA CARTEIRA DE VACINA E CARTÃO SUS!

 

Por: Suelen Cocco, Secretária de Saúde de Crissiumal

1,4 milhão de bebês de seis meses a um ano devem se vacinar contra o sarampo em todo o país

Nos últimos 90 dias, país registrou 1.680 casos confirmados da doença. Serão enviadas 1,6 milhão de doses a mais para os Estados

A partir desta quinta-feira (22), as crianças de seis meses a 11 meses e 29 dias devem ser vacinadas contra o sarampo em todo o país. Segundo o Ministério da Saúde, a vacinação é preventiva e deve alcançar 1,4 milhão de crianças, que não receberam a dose extra, chamada de dose zero, além das previstas no Calendário Nacional de Vacinação, aos 12 e 15 meses.

“Assim, além dessa dose que está sendo aplicada agora, os pais e responsáveis devem levar os filhos para tomar a vacina tríplice viral (D1) aos 12 meses de idade (primeira dose); e aos 15 meses (segunda dose) para tomar a vacina tetra viral ou a tríplice viral mais varicela, respeitando-se o intervalo de 30 dias entre as doses”, esclarece o ministério.

A pasta enviará 1,6 milhão de doses a mais para os estados. O objetivo é intensificar a vacinação desse público-alvo, que é mais suscetível a casos graves e óbitos. A medida é uma resposta imediata do ministério devido ao aumento de casos da doença.

— Nós estamos preocupados com essa faixa etária porque em surtos anteriores foram as crianças menores de um ano que evoluíram para casos mais graves e óbitos. Por isso, é preciso que todas as crianças na faixa prioritária sejam imunizadas contra o vírus do sarampo, considerando a possibilidade de trânsito de pessoas doentes para regiões afetadas e não afetadas — disse o secretário de Vigilância em Saúde, Wanderson Oliveira.

De acordo com o ministério, o país registrou nos últimos 90 dias, entre 19 de maio e 10 de agosto deste ano, 1.680 casos confirmados de sarampo, em 11 estados: São Paulo (1.662), Rio de Janeiro (6), Pernambuco (4), Bahia (1), Paraná (1), Goiás (1), Maranhão (1), Rio Grande do Norte (1), Espírito Santo (1), Sergipe (1) e Piauí (1). O coeficiente de incidência da doença foi de 0,80 por 100.000 habitantes.

Além de vacinar as crianças na faixa etária prioritária, o ministério, por meio da Secretaria de Vigilância em Saúde, também orienta Estados e municípios a realizarem o bloqueio vacinal. Ou seja, em situação de surto ativo do sarampo, quando identificado um caso da doença em alguma localidade, é preciso vacinar todas as pessoas que tiveram ou tem contato com aquele caso suspeito em até 72 horas.

Fonte: Agência Brasil

Rádio Metrópole

Região Sul intensifica ações de vigilância e vacinação contra febre amarela

O Ministério da Saúde recomendou aos estados e municípios da região a realização de ações para proteger a população, antes do período sazonal da doença, que ocorre entre dezembro e maio

Os estados de Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Paraná, com apoio do Ministério da Saúde, começam a realizar, neste mês de agosto, a execução de um cronograma de ações para intensificar a vigilância e a vacinação contra a febre amarela na Região Sul. A medida é preventiva e busca sensibilizar as equipes de vigilância, e vacinar a população a partir dos 9 meses de idade. O objetivo é que os municípios façam busca ativa de pessoas não vacinadas antes do período de maior incidência da doença, que ocorre de dezembro a maio. Além disso, o Ministério da Saúde pretende, junto com estados e municípios, fortalecer a vigilância de primatas não humanos (macacos).

As ações de vacinação irão ocorrer entre os meses de agosto a dezembro nos três estados: Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Paraná. Também integra o cronograma de ações a organização da rede assistencial, os protocolos de manejo clínico e a investigação epidemiológica em áreas estratégicas.

De acordo com o coordenador-geral de Vigilância de Arboviroses do Ministério da Saúde, Rodrigo Fabiano do Carmo Said, a ação é tripartite, envolvendo a pasta, a Secretaria de Saúde do Estado do Paraná e os munícios da Região Sul. “Desde fevereiro deste ano, estamos avaliando os cenários de risco e as áreas com baixas coberturas vacinais. Esse trabalho aumentou a sensibilidade dos estados para a detecção dessas epizotíazes. No Paraná, identificamos a circulação do vírus da febre amarela em áreas onde até então não tem ocorrência de casos humanos e com perfil de dispersão do vírus dentro do estado. Por isso, até novembro e dezembro, precisamos aumentar as nossas coberturas vacinais”, explicou Rodrigo Said.

Em fevereiro, em Curitiba, deste ano com estados da região sul e São Paulo. Naquele momento, definimos atividades prioritárias para acompanhamento da sazonidade da febre amareloa. Definimos uma série de ações de que aumentou a sensibilidade do estado para a detecção dessas epizotiazes. Através dessa detecção, nos evidenciamos a circulação do vírus da febre amarela em áreas onde até então não tem ocorrência de casos humanos e também com perfil de dispersão do vírus dentro do estado. Isso gerou um alerta da necessidade, por meio da construção de um modelo preditivo, apresentar aos estados da região Sul o mapa de risco para a doença, mostrando as possíveis rotas dessa dispersão e o momento possível onde a gente vai ter a confirmação de vírus nessas regiões.

A estratégia de vacinação, na Região Sul, terá a ampliação da faixa etária do público-alvo a ser vacinado. A recomendação é que a vacinação se estenda às pessoas acima de 60 anos, uma vez que estão em locais com evidências de circulação viral (epizootia, casos humanos ou vetor infectado). Neste caso, caberá aos serviços de saúde avaliarem o risco/benefício da vacinação para esse público. Para as pessoas que viajam para áreas onde a vacina é recomendada, a orientação é tomar a dose pelo menos 10 dias antes da viagem.

Neste ano, o Governo Federal já enviou 9,9 milhões de doses da vacina contra a febre amarela para todo o país. Desse total, 5,9 milhões de doses foram destinadas à Região Sul. A vacina faz parte do Calendário Nacional de Vacinação e está disponível nos mais de 37 mil postos de vacinação do país.

Desde abril de 2017, o Brasil adota o esquema de dose única da vacina, conforme recomendação da Organização Mundial de Saúde (OMS), respaldada por estudos que asseguram que uma dose é suficiente para a proteção por toda a vida.

VIGILÂNCIA

A detecção da circulação do vírus na Região Sul ocorreu no início deste ano, no Paraná, no mês de janeiro; em Santa Catarina, em março. Em 2019, até o dia 31 de maio, foram confirmados 85 casos e 15 óbitos pela doença no país, sendo 14 casos e 3 óbitos na Região Sul. A maior parte dos infectados são jovens adultos do sexo masculino, que moram ou trabalham em áreas rurais.

A partir dos casos, em humanos e em primatas não humanos, e da previsão das prováveis rotas de dispersão do vírus em 2019/2020, o Ministério da Saúde juntamente com estados e municípios alinharam estratégias para orientar as ações de vigilância, e ampliar a cobertura vacinal na região.

Fonte: Agência Saúde

Rádio Metrópole

Crissiumal: Secretaria da Saúde orienta a população sobre a vacinação contra a febre amarela

 

Desde 2017, o Brasil passa pelo maior surto de Febra Amarela de sua história. No período sazonal 2017/2018 foram confirmados 1.376 casos da doença, com 483 óbitos. Neste ano, até o dia 19 de maio, foram confirmados 81 casos, com 14 óbitos, sendo um deles registrados no estado de Santa Catarina.

Conforme monitoramento do Ministério da Saúde, está se prevendo a reintrodução, ou seja, o retorno da Febre Amarela no Rio Grande do Sul este ano.

Em 2017 foi realizado monitoramento na área rural, sendo que 1.400 pessoas não tinham feito vacina da Febre Amarela.

Nos próximos dias, os Agentes Comunitários de Saúde estarão visitando os faltosos e convocando-os para a realização da vacina, com o objetivo de vacinar 100% da área rural.

Pedimos que as pessoas da região da localidade de Esquina Gaúcha, que encontram-se sem a cobertura de agente de saúde e, que não tem a vacina da Febre Amarela, para que procure a Unidade de Saúde para realiza-la.

A vacina da Febre Amarela estará disponível nos dias 08, 11, 12, 15 e 16 de julho, no ESF 3 e 4, pela parte da manhã e da tarde. Pede-se a colaboração de todos!

 

Fonte: SMS – Prefeitura Municipal de Crissiumal

Rádio Metrópole