Posts

Crissiumal: Secretaria da Agricultura conta com Software específico para o setor de meio ambiente

Programa vai somar muito nos trabalhos diários

A Secretaria Municipal de Desenvolvimento Rural, Pesca e Meio Ambiente, órgão regulador e fiscalizador das questões envolvendo o meio ambiente no município conta, agora, com uma nova alternativa para a realização dos trabalhos relacionados as demandas dessa Pasta, a qual , dispõe de um Software específico para gestão ambiental, englobando as atividades urbanas e rurais.

Neste programa, que é super completo, as emissões de licenças no bioma mata atlântica, quando de direito; as licenças dos empreendimentos urbanos; as negativas ambientais; as dispensas ambientais, LP, LI, LO; os documentos de notificação de infração; entre outros inúmeros serviços prestados aos munícipes, todos são elaborados nesse sistema unificado, agilizando mais os serviços e deixando ainda mais transparente os trabalhos dos responsáveis.

Os serviços requeridos e/ou protocolados podem ser acompanhados no site da Prefeitura Municipal, através do link “Licenciamento Ambiental”.

A Secretaria orienta a quem precisar algum serviço relacionado ao meio ambiente que, antes de encaminhar qualquer documento solicitando, primeiro busquem informações de como proceder e quais os documentos são necessário para a solicitação do referido serviço a ser requerido e protocolado. Após isso, será analisada a documentação e efetuada a vistoria do local, com relatório fotográfico e, então, na sequência a emissão do documento deferido ou indeferido.

CONTATOS:

55 3524-1200 ramal 204

e-mails: [email protected]

[email protected]

[email protected]

Crissiumal: Secretaria da Agricultura realizou vistoria em propriedades da costa do Rio Uruguai, atingidas por granizo

Queda de granizo foi registrada no domingo

A Secretaria de Desenvolvimento Rural, Pesca e Meio Ambiente de Crissiumal realizou uma visita, na segunda-feira, 14, em algumas localidades do interior do município, para buscar informações sobre o granizo e o vento que atingiu a região da costa do rio Uruguai, na tarde de domingo (13).

As visitas foram realizadas nas localidades Lajeado Fazenda, Lajeado Jacaré, Ressaca do Buricá e Barra do Buricá. Verificou-se que os estragos deixados pelo vento e queda do granizo foram pontuais numa mesma localidade.

A secretaria visitou o produtor Mário Rodrigues Peixoto na localidade de Lajeado Jacaré, que cultiva em sua propriedade 52 mil pés de fumo, o qual informou que felizmente seu cultivo não foi atingido, percebendo-se um bom desenvolvimento da cultua na sadia lavoura cultivada com mão de obra familiar e de excelente resultado de plantio, conservação e controle de pragas como mostram as fotos, inclusive o seu Mário, juntamente com a esposa Tereza, trabalhavam na roça de terra dobrada no momento da vistoria. Já, na mesma localidade, na propriedade e lavoura de Vilson Tormes, que cultiva 145 mil pés em três áreas de cultivo separadas, verificou-se que em uma lavoura de 55 mil pés cultivados, os estragos foram consideráveis em plantas com folhas que já atingem o tamanho de 90 cm de comprimento conforme mostram as fotos em anexo.

Na localidade de Barra do Buricá, fato semelhante em uma lavoura de cultivo localizada próximo à “Grutinha”, os estragos foram idênticos os presenciados na lavoura do Vilson em uma área de cultivo com plantas bem desenvolvidas e com pés que já apresentavam em média de 10 a 13 folhas da planta.

Por último, ficou constatado também na Barra do Buricá numa lavoura bem às margens do Rio Uruguai, como mostram as fotos, as plantas não apresentam estragos, inclusive, o produtor de uma lavoura com 32 mil pés plantados no momento da vistoria envergava sua roça relatou que presenciou o movimento de nuvens baixas vindo em direção, mas acredita ele, com a força do vento foram direcionadas para outro rumo.

Na mesma visita outros contatos foram feitos com produtores dessas localidades que afirmam presenciar o tempo “feio”. Vistorias também foram realizadas em lavouras de trigo e percebeu que a força do vento deixou redemoinhos de plantas caídas e as pedras atingiram alguns cachos da planta, devendo assim, influenciar com queda de produtividade por hectare quando colhido do produto. Nas lavouras de milho os estragos foram mínimos não chegando a comprometer a planta em seu estágio de desenvolvimento.

De acordo com a Secretaria, as informações colhidas, durante à vistoria, ficam arquivadas em um banco de dados da própria Secretaria.