Posts

Operação investiga desvio de recursos públicos da saúde na ordem de R$ 15 milhões

 

Operação cumpre mandados no Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo e Rio de Janeiro

A  Força-tarefa formada pela Polícia Federal, Ministério Público do Rio Grande do Sul, por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) – Núcleo Saúde, Controladoria Geral da União, Tribunal de Contas do Rio Grande do Sul e Ministério Público Federal cumpre, na manhã desta quarta-feira, 27 de maio, 129 medidas judiciais em investigação que apura crimes de fraude à licitação, peculato, corrupção passiva, organização criminosa, ocultação de bens, crime de responsabilidade e desobediência. O prejuízo estimado que está sob suspeita, até o momento, é de R$ 15 milhões em recursos da saúde repassados pela União e pelo Estado do Rio Grande do Sul a uma Organização Social.

A deflagração da Operação Camilo ocorre nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo e no Rio de Janeiro, com o cumprimento de 61 mandados de busca e apreensão, 15 de prisão temporária, além de medidas judiciais de arresto/sequestro de bens móveis e imóveis, bloqueio de valores depositados em contas dos investigados e de empresas e afastamento cautelar de funções exercidas por servidores públicos municipais. As ordens judiciais foram expedidas pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região e pela Justiça Estadual de Rio Pardo.

Fonte: MP/RS

Estimular qualidade do sono na quarentena é eficaz contra doenças

Psicóloga dá sugestões que podem ajudar durante isolamento social

O isolamento social provocado pela pandemia do novo coronavírus e toda a crise mundial do momento têm gerado na população ansiedade, medo e incertezas, que resultam em muitos pensamentos com consequências negativas para a saúde física e mental, entre elas as alterações do sono.

O arquiteto Evandro Melato tem sentido a alteração no sono há cerca de duas semanas. Ele conta que antes o sono era bom, embora já tomasse um remédio para ajudar a dormir. “Tomo medicamento controlado há cinco anos para dormir, mas com tudo isso tenho ficado muito cansado e mais ofegante, com ansiedade, às vezes, até confundo com a sensação de que estou com coronavírus, mas nada mais é do que a minha ansiedade!”, relata.

Ele conta que tem acordado à noite e demorado a ter sono novamente. “O isolamento e a tensão toda têm me deixado bastante incomodado e mais ansioso do que sou. E o remédio não está mais fazendo efeito, porque antes eu tinha a agitação do dia, com afazeres mais intensos, e hoje, com esse enclausuramento, eu não gasto energia e acho que o remédio não é suficiente. Antes eu me deitava, dormia e só no outro dia”.

Assim como ele, a empresária Juliana Laviola está com o sono alterado. “Não sei se é a preocupação com o isolamento ou pós-isolamento, o fato é que estou dormindo mal, acordando com mil coisas na cabeça, e o sono não é mais o mesmo desde que começou essa confusão”.

Para ela, além de ficar muito tempo em casa, sem a rotina normal, há a questão da preocupação com o futuro. “No meu caso, como sou empresária, penso como vai ficar o meu setor, se vamos permanecer no mercado, se terei que demitir funcionários, como o governo vai fazer, isso acaba prejudicando a questão do sono. Tento relaxar, mas tenho acordado três vezes à noite e ‘atacado’ a geladeira, essa ansiedade tem me rendido essa insônia e uns quilos a mais”, lamenta.

O assessor de imprensa Walace Nolasco tem tentado manter a rotina ativo, mesmo assim a insônia o tem atrapalhado. “Comprei uns aparelhos, tenho feito ginástica em casa, mas realmente tenho tido dificuldade para dormir. Além de a gente ficar nessa tensão toda, fico realmente sozinho, moro sozinho. E como não tenho saído à noite mais, a gente fica muito solitário, o que perturba”.

Para ele, o home office também influencia o sono. “Estou sendo muito acionado para trabalhar à noite, isso me deixa muito ativo e sem sono, estou trabalhando muito mais do que antes, em casa a gente fica naquela obrigação de atender. E olha que eu tomo hormônio do sono há dez anos, mas estou tendo dificuldade de começar a dormir.  Essa conjuntura está deixando a gente muito aflito, por mais que eu tente manter uma rotina, não tenho mais o momento de relaxar”.

A professora do curso de Psicologia da Universidade Cruzeiro do Sul, Ksdy Maiara Moura Sousa, explica que o sono é uma função importante para a saúde, pois ele permite não só a restauração e recuperação energética do corpo, mas também, melhora o humor e o aprendizado. “Em situações de estresse e alteração da rotina, passamos a ter hábitos que mudam nosso comportamento em relação ao sono, muitas vezes prejudicando a qualidade dele”, afirma.

Diante da situação atual, dormir bem é uma estratégia importante para evitar o adoecimento mental e físico e, pensando nisso, a especialista desenvolveu uma cartilha psicoeducativa sobre qualidade do sono e isolamento social que pode ajudar a Juliana, o Evandro, o Walace e tantas outras pessoas que sofrem com as alterações do sono neste período.

Veja as dicas listadas pela psicóloga que podem ser eficazes na melhora da qualidade do sono.

– Estabeleça horários para dormir e acordar: a rotina do sono é fundamental para estabelecer e manter o nosso ritmo biológico. O nosso cérebro adora previsibilidade e essa rotina beneficia o nosso sistema.

– Evite ficar o dia todo no quarto ou de pijama: levante, abra a janela do quarto, coloque uma roupa para passar o dia. Isso mostra ao seu cérebro que o dia começou e faz com que ele se prepare para as atividades programadas.

– Exponha-se à luz solar e seja ativo durante o dia: o nosso corpo precisa produzir hormônios que induzam ou que levem ao sono. “Uma maneira adequada é se expor à luz solar, pois, assim, o corpo entende que o dia foi feito para estarmos ativos e a noite para descansar”.

– Evite dormir muitas horas durante o dia: visto que nosso cérebro precisa associar dia com atividade e noite com descanso, se dormirmos muito durante o dia, a tendência é dormir muito mais tarde à noite. “Isso pode alterar seu ritmo biológico e levá-lo a desenvolver um quadro de insônia”.

– Use seu quarto e sua cama apenas para dormir: não trabalhe, leia, se alimente ou estude na cama. Seu cérebro precisa entender que ali é um local de descanso.

– Diminua o uso de aparelhos eletrônicos duas horas antes de dormir: a luz dos celulares e das TVs é extremamente estimulante, impedindo que o cérebro relaxe.

– Evite consumir bebidas estimulantes e alcoólicas perto do horário de dormir: o consumo de café, chás estimulantes e energéticos podem prejudicar o início do sono, aumentando as chances de insônia. “O álcool, apesar de causar sonolência, leva a um sono de pouca qualidade”.

– Faça atividade física durante o dia: praticar exercícios físicos ajuda na qualidade e consolidação do sono, porém, se possível, evite fazer atividades intensas à noite.

– Planeje o dia: tenha uma rotina de trabalho e estudo com local, horários e tarefas a serem realizadas no dia, dessa forma, você não se sobrecarrega ou passa a noite trabalhando.

– Anote os pensamentos e ideias antes de ir para a cama: fazer isso evita os pensamentos incontroláveis antes de dormir, diminuindo o estresse e a ansiedade.

– Medite, respire e relaxe antes de ir para cama: ter um momento para respirar e meditar auxilia muito a desacelerar a mente, favorecendo uma boa noite de sono.

– Não espere o sono chegar na cama. “Ir para a cama sem sono pode aumentar a ansiedade e condicionar a associar o quarto e a hora de dormir como algo ruim, por isso, é importante praticar atividades relaxantes antes de dormir.

 

*Agência Brasil

Governo anuncia R$ 200 bilhões para socorrer trabalhadores e empresas

Ministro Paulo Guedes reforçou medidas econômicas para conter os efeitos da pandemia do novo coronavírus

O presidente Jair Bolsonaro anunciou nesta quarta (1º) cerca de R$ 200 bilhões em medidas para socorrer trabalhadores e empresas e ajudar estados e municípios no enfrentamento aos efeitos da crise provocada pela pandemia do novo coronavírus.

Em pronunciamento à imprensa no Palácio do Planalto, Bolsonaro explicou que, de hoje para amanhã, serão editadas três medidas provisórias (MP) e sancionado o projeto que prevê o auxílio emergencial de R$ 600 para trabalhadores informais, autônomos e sem renda fixa.

Ao lado do presidente, o ministro da Economia, Paulo Guedes explicou que esse auxílio custará R$ 98 bilhões aos cofres públicos e deve beneficiar 54 milhões de brasileiros. “De forma que eles tenham recursos nos próximos três meses para enfrentar a primeira onda de impacto, que é a onda da saúde. Há uma outra onda vindo de desarticulação econômica que nos ameaça”, disse.

O governo federal também vai transferir R$ 16 bilhões para os fundos de participação dos estados e dos municípios. “É para reforçar essa luta no front, onde o vírus está atacando, os sistemas de saúde e segurança”, explicou Guedes.

Manutenção de empregos

De acordo com o ministro, as outras medidas são para ajudar as empresas na manutenção dos empregos. São R$ 51 bilhões para complementação salarial, em caso de redução de salário e de jornada de trabalho de funcionários, e R$ 40 bilhões (R$ 34 bilhões do Tesouro e R$ 6 bilhões dos bancos privados) de crédito para financiamento da folha de pagamento.

“Então a empresa que resolver manter os empregos, nós não só complementamos o salário como damos crédito para o pagamento. A empresa está sem capital de giro e reduziu, por exemplo, em 30% a jornada e o salário, nós pagamos 30% do salário. E ela está sem dinheiro para pagar os outros 70% que se comprometeu a manter, nós damos o crédito”, explicou.

Segundo o ministro Guedes, as medidas custarão ao Tesouro o correspondente a 2,6% do Produto Interno Bruto (PIB), que é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país.

 

*Agência Brasil

Saúde distribui 1,7 milhão de doses da vacina pentavalente

Produto garante a proteção contra 5 doenças: difteria, tétano, coqueluche, hepatite B e a bactéria haemophilus influenzae tipo b

Divulgação

O Ministério da Saúde distribui a partir desta quinta-feira (9) um total de 1,7 milhão de doses da vacina pentavalente para os estados. Após recebimento pelo Estado, o produto passa a ser encaminhado aos municípios. Entre junho e dezembro, a oferta esteve irregular devido a problemas com o fornecedor. Ela garante a proteção contra 5 doenças: difteria, tétano, coqueluche, hepatite B e a bactéria haemophilus influenzae tipo b (responsável por infecções no nariz e garganta).

O Brasil compra a vacina via Fundo Estratégico da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), pois não existe laboratório produtor no país. Em julho de 2019, lotes do laboratório pré-qualificado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) foram reprovados no teste de qualidade do Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde (INCQS) e análise da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Em agosto, o Ministério da Saúde solicitou reposição do produto, mas, naquele momento, não havia disponibilidade imediata no mundo.

O esquema vacinal prevê três doses da vacina: aos 2 meses, aos 4 meses e aos 6 meses. A pasta orienta que os municípios devem regularizar a caderneta de vacinação das crianças assim que os estoques estiverem regularizados.

 

*Agência Saúde

Estado quita 7ª parcela da dívida com municípios na Saúde e paga outros R$ 19,4 milhões a hospitais

Pagamento foi realizado nesta segunda

A Secretaria da Saúde (SES) realizou, nesta segunda-feira (30), o pagamento da sétima parcela da dívida do Estado com os municípios, no valor de R$ 13,5 milhões. O valor refere-se a repasses atrasados de anos anteriores com as prefeituras, relativos a programas municipais da Atenção Básica e manutenção de hospitais públicos municipais.

Em maio deste ano o Governo do Estado anunciou o pagamento da dívida empenhada com os municípios entre os anos de 2014 e 2018. O valor somava R$ 216 milhões, que estão sendo pagos em 16 parcelas. Com o pagamento iniciado em junho, já foram quitados R$ 94,5 milhões. “O Estado está absolutamente em dia”, ressalta a secretária da Saúde, Arita Bergmann.

Entre os programas municipais que recebem o incentivo do Estado estão áreas como a Estratégia de Saúde da Família e os Centros de Atenção Psicossocial (Caps).

Pagamento em dia para hospitais

Também nesta segunda-feira (30), a Secretaria da Saúde (SES) realizou o pagamento de R$ 19,4 milhões a hospitais pela produção do mês de novembro referente a procedimentos de média e alta complexidade (Teto MAC) prestados em serviços contratados pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Com essa medida, fica mantida a regularidade nos repasses do exercício de 2019, conforme anunciado pelo Governo do Estado.

 

Fonte: Assessoria de Comunicação Social – SES/RS

Município de Nova Candelária investe em mais uma van para a Secretaria de Saúde

Este foi o 6° veículo adquirido e destinado à saúde

Na sexta-feira, 06 de dezembro, foi entregue ao Município de Nova Candelária um novo veículo destinado à Secretaria de Saúde.

Visando oferecer mais comodidade, conforto e aumentar a qualidade dos atendimentos oferecidos pela Unidade Básica de Saúde do município aos cidadãos, foi adquirida uma van executiva, 2019, com capacidade para 09 passageiros e motorista.

O veículo foi adquirido por meio de recursos próprios do Município, visando manter a qualidade da frota da Secretaria de Saúde e proporcionando a locomoção segura e confortável dos pacientes que necessitam atendimentos regionais.

Este foi o 6º veículo adquirido pela Administração Municipal e destinado à Saúde desde 2017, duas SpaceFox, uma Saveiro, uma Van Sprinter, uma Ambulância e a última, uma Van Executiva.

Por: Assessoria de Imprensa

Saúde mantém atendimentos sem prejuízo à população

A Secretaria da Saúde (SES) vem garantindo o atendimento à população gaúcha, apesar da paralisação de 10% dos servidores, conforme levantamento atualizado na sexta-feira (6). “A gestão estadual vem fazendo o gerenciamento da crise em todas as áreas, principalmente nas mais sensíveis”, afirma a secretária estadual da Saúde, Arita Bergmann.

Responsável pelo fornecimento de sangue e outros componentes para 40 hospitais de Porto Alegre, Região Metropolitana e Litoral Norte, o Hemocentro do Estado não registra falta de sangue. Para garantir o fluxo das doações, foi limitado em 60 o número de doadores/dia pela coordenadora do Hemocentro, Maristela Teixeira. E, em caso de alguma necessidade emergencial, há a possibilidade de busca de sangue em outros hemocentros no Estado.

No Ambulatório de Dermatologia Sanitária (ADS), que atende diversas especialidades, o funcionamento é normal. O ADS trabalha com hanseníase, HIV/Aids, DST, psicologia, serviço social, nutrição, enfermagem, laboratório, micologia, farmácia, fisioterapia, dermatologia e Centro de Testagem e Aconselhamento (CTA) para Aids.

Todos os pacientes são atendidos no CTA, com prioridade para as emergências (casos de testes de HIV em pessoas com suspeita de exposição). Pacientes com o vírus e que já estão em tratamento também são atendidos, e a entrega de medicamentos da Aids seguem em ritmo normal. Os casos de teste básico que não são de urgência podem ser feitos na Unidades Básicas de Saúde da Capital e no CTA Santa Marta.

No Hospital Sanatório Partenon, todos os serviços seguem funcionando sem prejuízo nem transtornos à população, inclusive com novas internações, informa o diretor do Departamento de Coordenação dos Hospitais Estaduais (DCHE), Tailor Massuco. “Não há descontinuidade no atendimento dos pacientes.”

Também no Hospital Psiquiátrico São Pedro o atendimento é normal, com ingresso de novos pacientes através da Central de Regulação Estadual. Tanto na Central de Regulação, que cuida das internações hospitalares, quanto no Samu, que recebe mais de 1 milhão de chamados por ano, não há registro de servidor paralisado. Os dois serviços essenciais seguem com 100% de sua capacidade de funcionamento.

*Secretaria da Saúde RS

 

Secretaria de Saúde de Boa Vista do Buricá irá realizar 4º mutirão de cirurgias eletivas beneficiando 45 pacientes

 

Foi realizado na manhã desta terça-feira, dia 26 de novembro, a assinatura do contrato de prestação de serviço entre a Associação Hospitalar Boa Vista e a Administração Municipal de Boa Vista do Buricá para realização do 4º mutirão de cirurgias eletivas. O investimento de 27.750 mil reais é oriundo de economias da Câmara de Vereadores no ano de 2019.

Durante a assinatura, a Secretária Municipal de Saúde Tarcila Veit enfatizou a importância destes repasses que tornaram possível zerar praticamente toda a fila de espera por cirurgias de baixa e média complexidade.

A Diretora da Associação Hospitalar Boa Vista, Rejane Griebler reforçou a importância da parceria entre o hospital, Prefeitura e Câmara de Vereadores. “Essa parceria vem de encontro ao hospital para movimentar as finanças, levando saúde para toda a comunidade através do bem-estar”.

Também estiveram presentes, o Prefeito Municipal Vilmar Horbach e o Presidente do Poder Legislativo Agenor de Moura que reforçaram o compromisso do poder público e poder legislativo com os investimentos na saúde da população. Até o mês de outubro, a Prefeitura já investiu mais de 1 milhão e 300 mil reais a mais do mínimo estipulado, o que representa 23,36% do orçamento, sendo que a que a obrigação é de 15%.

 

Por: Assessoria de Imprensa da Prefeitura de BVB

Saúde destina mais de R$ 36,6 milhões para atendimento odontológico no SUS

O recurso é destinado à aquisição de cadeiras odontológicas e outros equipamentos para ampliar o atendimento das equipes de Saúde Bucal. Cerca de 7 milhões de pessoas serão beneficiadas

Foto: Pixabay

A população de 841 municípios será beneficiada com R$ 36,6 milhões que o Ministério da Saúde acaba de liberar para a compra de cadeiras odontológicas e outros equipamentos utilizados no atendimento odontológico, no Sistema Único de Saúde (SUS). Os recursos serão destinados aos municípios que implantaram, entre 2009 a junho de 2019, novas equipes de Saúde Bucal, no âmbito da Estratégia Saúde da Família. Os novos equipamentos irão ampliar e melhorar o trabalho de 2.068 equipes e o atendimento de cerca de 7 milhões de pessoas.

A liberação do recurso foi publicada nesta segunda-feira (25) no Diário Oficial da União (DOU).

“A compra dos equipamentos odontológicos reforça o atendimento integral à população nos municípios e dá suporte às equipes de Saúde Bucal, que atendem nas Unidades de Saúde da Família. Hoje, mais de 90% dos municípios brasileiros têm, ao menos, uma das principais linhas de ação da Política Nacional de Saúde Bucal”, explica o secretário de Atenção Primária à Saúde do Ministério da Saúde, Erno Harzheim.

Atualmente, são 27.283 equipes de Saúde Bucal presentes em 5.029 municípios brasileiros. Compostas por cirurgião dentista e técnico ou auxiliar em saúde bucal, as equipes atendem, em média, 3.450 pessoas. Cada grupo de profissionais é responsável por um território que, em geral, concentra de 3 mil a 4 mil pessoas.

Saúde Bucal no SUS

Quem precisa de atendimento bucal deve buscar uma Unidade de Saúde da Família mais próxima da sua residência. A partir da avaliação inicial do dentista, o paciente pode ser encaminhado à atenção especializada, nos Centros de Especialidades Odontológicas (CEO). Essas unidades realizam serviços de diagnóstico, periodontia especializada, cirurgia oral, atendimento a portadores de necessidades especiais, entre outros. Hoje existem 1.158 CEO em todo o país, destes 579 possuem adesão à Rede de Cuidados à Pessoa com Deficiência.

Há ainda, no SUS, 2.469 Laboratórios Regionais de Próteses Dentárias (LRPD), que realizam o serviço de prótese dentária total, prótese dentária parcial removível ou prótese coronária e fixa/adesivas.

 

*Ministério da Saúde/Agência Saúde

Estado repassa R$ 120 milhões a prefeituras e hospitais para Saúde

Repasse  foi realizado nesta quinta-feira

O Governo do Estado do RS, por meio da Secretaria da Saúde (SES), realizou nesta quinta-feira (31) o pagamento de R$ 120 milhões a municípios e hospitais.

Do valor total, são R$ 52 milhões destinados às prefeituras e os demais R$ 68 milhões são repassados às Santas Casas, hospitais filantrópicos e públicos. Com essa medida, fica mantida a regularidade nos repasses do exercício de 2019, conforme anunciado pelo Governo do Estado.

O repasse feito aos municípios inclui valores para a execução de programas como Equipes de Saúde da Família (ESF), Política de Incentivo da Assistência Básica, Redes de Urgência e Emergência (Samu), Assistência Farmacêutica Básica e Primeira Infância Melhor (PIM), entre outros.

Na área hospitalar, a SES repassa incentivos para a execução e oferta de serviços como porta de entrada para urgência e emergência, plantões presenciais em diversas especialidades, atendimento a gestantes de alto risco e rede de atenção ao parto, complementação de diárias de Unidades de Tratamento Intensivo (UTI).

 

Por: Assessoria de Comunicação Social – SES/RS