Posts

Cidades do RS voltam a registrar temperaturas negativas e geada

 

Amanhecer gelado em Ciríaco. Foto: Juliano Simioni

O frio não está dando trégua para os gaúchos. Cidades do Rio Grande do Sul voltaram a registrar temperaturas negativas e geada nesta quarta-feira (14). São José dos Ausentes, na Serra gaúcha, teve -4°C. Vacaria, município que fica na mesma região, marcou -3,4ºC. Os dados são do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet).

Veja onde fez mínima negativa nesta quarta:

  • São José dos Ausentes: -4°C, mesma sensação
  • Vacaria: -3,4°C, com sensação de -9,1°C
  • Quaraí: -2,8°C, com sensação de -9,1°C
  • Cambará do Sul: -2,4°C, com sensação de -8,6°C
  • Soledade: -2°C, com sensação de -9,8°C
  • Serafina Corrêa: -1,9°C, com sensação de -7,8°C
  • Lagoa Vermelha: -1,8°C, com sensação de -10,7°C
  • Dom Pedrito: -2,1°C, com sensação de -7,3°C
  • Canela: -1°C, com sensação de -4,7°C
  • Passo Fundo: -0,9°C, com sensação de -7,6°C
  • Cruz Alta: -0,6°C, com sensação de -8,4°C
  • Ibirubá: -0,3°C, mesma sensação
  • Canguçu: -0,3°C, com sensação de -6,7°C
  • Santo Augusto: 0°C, com sensação de -7,5°C

Nos próximos dias, o frio deve diminuir gradualmente. Conforme a Somar, na quinta-feira (15), a massa de ar polar começa a perder força, mas o dia ainda amanhece com temperaturas baixas e geada. À tarde, o clima fica agradável com a presença do sol, provocando uma grande amplitude térmica.

Fonte: G1 RS

Médicos pelo Brasil: 850 vagas estão previstas para o RS

Governo federal estima que 451 municípios gaúchos têm potencial para receber, pelo menos, um profissional do programa

O Rio Grande do Sul poderá ser contemplado com cerca de 850 vagas do programa Médicos pelo Brasil. A proposta,lançada nesta quinta-feira (1º) pelo presidente Jair Bolsonaro, substituirá o Mais Médicos — criado pelo governo de Dilma Rousseff em 2013.

Em entrevista ao programa Gaúcha Mais, o secretário-executivo adjunto do Ministério da Saúde, Erno Harzheim, estimou que os novos profissionais devem começar a atuar entre o final de 2020 e o primeiro semestre de 2021.

— O Rio Grande do Sul terá uma quantidade menor do que as atuais 1.318 vagas. As regiões Sul e Sudeste vão perder vagas. Mas essa é a promessa de campanha do presidente Jair Bolsonaro: destinar médicos para os locais mais necessitados — afirma.

De acordo com Harzheim, que foi secretário da Saúde de Porto Alegre do prefeito Nelson Marchezan, a capital gaúcha passará de 122 vagas do Mais Médicos para cerca de 20 a 30 do Médicos pelo Brasil.

— Porto Alegre tem bolsões de pobreza, mas são bem menores do que em cidades do Norte e Nordeste — observa.

Hoje, cerca de 115 profissionais do Mais Médicos atuam nos postos de saúde da Capital. Mas, com o fim dos contratos, as vagas não devem ser repostas, já que o município não se enquadra no perfil do novo programa.

Nordeste terá 2 mil vagas a mais

Harzheim antecipa que, dos 497 municípios gaúchos, 451 têm potencial para receber, pelo menos, uma vaga do Médicos pelo Brasil.

— O critério de escolha são municípios vulneráveis, pequenos e distantes, ou cidades com equipes de saúde da família que têm pacientes vulneráveis socioeconomicamente — destaca.

 

Fonte: Gaúcha ZH

Previsão indica temporais com vento forte e chuva nos próximos dias no Rio Grande do Sul

Chuva deve persistir no estado pelo menos até quarta-feira (24), segundo a Somar Meteorologia. Até o fim da semana, massa de ar polar deve avançar novamente, derrubando temperaturas

 

Foto: Inmet/Divulgação

A previsão para o começo desta semana é de chuva e vento forte no Rio Grande do Sul. Segundo a Somar Meteorologia, uma frente fria muda o tempo após fim de semana com temperaturas perto dos 30°C em pleno inverno. Em Porto Alegre e na metade Norte do estado deve começar a chover entre a tarde e a noite. As condições do tempo devem ser piores entre a Fronteira Oeste e a Campanha.

A Somar diz que as rajadas de vento podem chegar a 70 km/h em cidades do interior e também no litoral. Por conta do tempo fechado, as temperaturas caem, mas ainda não faz frio intenso.

Há alerta da Marinha para ressaca entre Rio Grande, no Sul do RS, e Cabo de Santa Marta, em Santa Catarina, com ondas de até 2,5 m de altura.

O mau tempo deve se espalhar pelo estado na terça-feira (23), com pancadas de chuva mais fortes. A Somar alerta para a possibilidade de transtornos como alagamentos e queda de granizo. As rajadas de vento devem continuar intensas, chegando a 60 km/h em algumas áreas.

Os maiores acumulados de chuva devem se concentrar na Fronteira Oeste.

Na quarta-feira (24) a previsão indica que a chuva começa a diminuir nas áreas de fronteira.  O vento ainda deve ficar forte em cidades da Região Central.

A tendência, de acordo com a Somar, é de que uma massa de ar polar avance novamente pelo estado no fim de semana, derrubando as temperaturas.

Fonte: G1 RS

Rádio Metrópole

Trigo tem plantio finalizado no RS

 

Foto: José Schaefer

O plantio do trigo está quase concluído no Rio Grande do Sul, restando 2% da área prevista para esta safra no Corede Campos de Cima da Serra, cujo plantio se estende até 20 de agosto próximo, conforme zoneamento agrícola de risco climático.

Neste Corede, responsável por 4% da área de trigo no Estado, destacam-se pela área cultivada os municípios de Muitos Capões (13 mil hectares), Vacaria (6 mil hectares), Esmeralda (2.500 hectares) e Campestre da Serra (1.500 hectares); juntos, correspondem a 76,6% da área de trigo estimada para a região.

De acordo com o Informativo Conjuntural, divulgado pela Emater/RS-Ascar nesta quinta-feira (18/07), a área cultivada com trigo nesta safra é de 739,4 mil hectares, sendo as maiores produtoras as regiões de Ijuí, que engloba os Coredes Alto Jacuí, Celeiro e Noroeste Colonial, e de Santa Rosa, Coredes Fronteira Noroeste e Missões, com 30 e 27% da área de trigo no Estado. Em alguns municípios na região de Ijuí, o zoneamento para plantio do trigo se estende até o dia 20 de julho para cultivares tardias. O clima nos últimos períodos foi favorável ao desenvolvimento da cultura, coincidindo com o estágio inicial de perfilhamento.

O plantio da canola está encerrado no RS e nesta safra atinge 32,7 mil hectares, sendo o rendimento médio projetado em 1.258 quilos por hectare. As principais regiões da Emater/RS-Ascar produtoras do grão são Santa Rosa (34,2% da área com canola no Estado), Ijuí (22% da área no Estado), Santa Maria (16% da área de plantio no Estado) e Bagé (13,4% da área no Estado).

Na região de Santa Rosa, 18% das lavouras de canola estão em desenvolvimento vegetativo, 49% em floração e 33% em início de formação do grão. Algumas lavouras foram atingidas por geadas, provocando o abortamento das flores, o que poderá trazer uma redução no rendimento. Alguns produtores relataram que não realizaram adubação de cobertura devido à baixa umidade e outros informaram não terem obtido o resultado esperado em função da ausência de chuva após essa prática.

Na cevada, a área estimada no Rio Grande do Sul é de 42,4 mil hectares, com rendimento médio de 2.073 quilos por hectare. Na regional da Emater/RS-Ascar de Ijuí (22,4% da área no Estado), a cultura apresenta bom desenvolvimento inicial e boa densidade de plantas. A maioria das lavouras encontra-se em estágio vegetativo e uma pequena parte delas, em início da floração. De modo geral, as lavouras apresentam boa sanidade.

A área estimada para o plantio de aveia branca para grão no RS é de 299,86 mil hectares, com produtividade prospectada de 2.006 quilos kg por hectare. Na região de Ijuí, responsável por 37,1% da área cultivada com aveia branca no Estado, a cultura entra para o estádio reprodutivo. Há preocupação dos produtores com as áreas em início de formação de grãos, devido a possíveis danos ocasionados pelas fortes geadas ocorridas, mas até o momento as plantas não apresentaram sintomas de danos. O tempo frio e seco contribui para a redução do ataque de lagartas.

FRUTÍCOLAS

Citros – Na região Serrana, o frio intenso favoreceu a sanidade e o vigor das frutas, desde o campo até o mercado. Intensificou-se a colheita, com frutas de melhor coloração e sabor. O ataque de moscas, que vinha desde o início de outono e com forte intensidade, teve seu percurso interrompido. O consumo das frutas, que é muito atrelado às baixas temperaturas, teve grande impulso nesta semana, refletindo-se no fluxo comercial. As variedades precoces estão em final de colheita, apresentando polpa desidratada em virtude do clima seco em junho.

Pêssego – A cultura está em entressafra e o período com intensas geadas foi benéfico à dormência das plantas, proporcionando brotações e floração mais uniformes após a poda das frutíferas. Na região Sul, os produtores estão mais tranquilos com os acumulados de horas de frio. Até a segunda semana de julho, são 200 horas de frio (menores ou iguais a 7,2°C). Com o avanço significativo no acumulado (até então, eram apenas 67 horas), a expectativa é de safra superior às duas anteriores, ruins em qualidade e quantidade. A ocorrência de geadas e de frios intensos não afetou os pessegueiros até o momento. Segue intensa a elaboração de projetos técnicos e de crédito para o custeio da próxima safra junto aos principais agentes financeiros. Indústrias beneficiadoras de pêssego em calda realizam reuniões com produtores/fornecedores para capacitação sobre o preenchimento do caderno de campo, preparatório para a implantação da rastreabilidade da matéria-prima.

CRIAÇÕES

Nesta época de inverno, os rebanhos de bovinos de corte, de maneira geral, apresentam boas condições sanitárias, pois reduziu a ocorrência de carrapatos e bernes. Os animais continuam perdendo peso, principalmente os que utilizam somente as pastagens naturais. O período é de prenhez das matrizes inseminadas e/ou entouradas. Já o manejo está direcionado para as vacas e novilhas prenhas, que devem ficar acomodadas em campo nativo/pastagens com volume adequado de oferta de forragem, consumindo sal proteinado para evitar perda de peso. Esse manejo alimentar tem por finalidade evitar o risco de escore corporal baixo ou de baixo peso no momento de parição, o que causará um grande prejuízo para o terneiro que vai nascer, além de comprometer a repetição de cria para o próximo ano. Os touros também necessitam de volume forrageiro adequado para se manterem aptos ao período de monta. Alguns produtores já iniciaram a complementação alimentar do gado com silagem e/ou resíduos de casca de soja e farelo de soja e de arroz.

Por: Assessoria de Imprensa da Emater/RS-Ascar

Rádio Metrópole

Crissiumal esteve entre os municípios com desdobramento da Operação Brique RS da Polícia Civil

Informações são do Jornal Minuano de Bagé

Durante todo o dia de ontem (16), agentes da Delegacia Especializada na Repressão aos Crimes Rurais e Abigeato (Decrab) de Bagé realizaram a operação Brique RS. A investigação, que iniciou no mês de janeiro deste ano, em Bagé, apura uma rede criminosa na qual seus integrantes, mediante utilização de grupos de WhatsApp, combinam delitos como abigeato, comércio ilegal de armas de fogo, crimes ambientais e outros ilícitos.

Conforme informações do titular da Decrab, delegado André de Matos Mendes, o grupo possui células em todas as regiões do Rio Grande do Sul. “São quatro grandes grupos de WhatsApp, denominados ‘Brique de Caçadores RS’, ‘Pelotão Java’, ‘Amigos da Serra’, e ‘Ensino Cães’, administrados, respectivamente, a partir dos municípios de São Vicente do Sul, Pinheiro Machado, Caxias do Sul e Butiá, que compõem uma das maiores redes de contatos e articulação para o cometimento de crimes, via esta rede social, já identificadas no Estado”, completa.

Segundo os investigadores, os grupos, juntos, contabilizam mais de 400 integrantes. “Ficou constatada a prática de crimes de abigeato, comércio ilegal de armas de fogo e caça de animais silvestres. Durante o período de investigação, policiais da Decrab/Bagé estiveram infiltrados nos grupos, quando foi possível monitorar todas ações criminosas que eram tratadas”, relata o delegado.

As buscas tiveram como objetivo apreender telefones celulares, armas, munições, equipamentos utilizados para a prática de abigeato, entre outros objetos que possam auxiliar no encerramento das investigações.

Prisões e municípios

O delegado destaca que, ao longo das investigações, no mês de maio, foram presos três integrantes destes grupos, pelos crimes de posse irregular de arma de fogo, posse ilegal de arma de fogo adulterada, caça ilegal de animal silvestre, nas cidades de Sananduva e David Canabarro.

Até a tarde de ontem, já haviam sido presas 11 pessoas, apreendidas 56 armas de fogo, milhares de munições, equipamentos para fabricação clandestina de munições e carne sem procedência.

A ação foi realizada nos municípios de São Vicente do Sul, Canoas, Nova Santa Rita, Crissiumal, Gravataí, Viamão, Torres, Dom Feliciano, Cachoeira do Sul, Nova Petrópolis, Flores da Cunha, Bento Gonçalves, Caxias do Sul, Alto Alegre, Soledade, Não-Me-Toque, Porto Alegre, Joia, Passo Fundo, Novo Hamburgo, Parobé, Santo Ângelo, Santa Rosa, Canela, Bom Jesus, Campestre da Serra, Butiá, Pinheiro Machado, Bagé, Rosário do Sul, Piratini, Pelotas, Capão do Leão, Montenegro e Cruzeiro do Sul.

 

Fonte:  Jornal Minuano de Bagé.

Plantio do trigo se aproxima do final no RS

O plantio do trigo alcança 96% da estimativa inicial de 739,4 mil hectares a serem cultivados no Rio Grande do Sul. De acordo com o Informativo Conjuntural, divulgado pela Emater/RS-Ascar na quinta-feira (11/07), a maior parte da área a ser plantada encontra-se na regional de Caxias do Sul (Coredes Serra, Hortência e Campos de Cima da Serra), cujo plantio ocorre mais tarde, conforme zoneamento agrícola de risco climático, devido à probabilidade de geadas tardias.

A regional da Emater/RS-Ascar de Ijuí (que responde por 30% da área do Estado), engloba os Coredes Alto Jacuí, Celeiro e Noroeste Colonial, onde a cultura encontra-se em final de implantação, restando áreas nos municípios onde o zoneamento se estende até 20 de julho para cultivares tardias.

A semana de temperaturas baixas foi favorável ao desenvolvimento da cultura do trigo, coincidindo com o estádio inicial do perfilhamento. As boas condições do tempo contribuíram para uma boa recuperação das lavouras que apresentavam germinação desuniforme, restando poucas áreas com stand abaixo do ideal. Até o início da semana, foram identificados pequenos focos de lagartas nas primeiras lavouras implantadas. Constata-se até o momento uma baixa incidência de doenças foliares.

Na canola, a área estimada para esta safra é de 32,7 mil hectares, com rendimento médio previsto de 1.258 quilos por hectare. As principais regiões produtoras do Estado localizam-se na área de abrangência dos escritórios regionais da Emater/RS-Ascar Santa Rosa, Ijuí, Santa Maria e Bagé. Na região de Santa Rosa (34,2% da área do Estado), por exemplo, que engloba os Coredes Missões e Fronteira Noroeste, 32% da área estão em desenvolvimento vegetativo, 53% em floração e 15% estão na fase de formação e desenvolvimento de síliqua.

No geral as lavouras apresentam bom aspecto, com bom visual do dossel e boa floração.

A área implantada com a cultura da cevada no Rio Grande do Sul é de 42,4 mil hectares, com rendimento médio de 2.073 quilos por hectare. Na regional da Emater/RS-Ascar de Ijuí estão localizadas 22,4% das lavouras do Estado. A cultura apresenta um bom desenvolvimento inicial, com boa densidade de plantas. A situação fitossanitária atual está melhor que aquela apresentada no mesmo período do ano anterior e apresenta baixa incidência de doenças foliares.

A regional de Ijuí é também a maior área produtora de aveia branca para grão, com 37,1% dos 299,86 mil hectares cultivados no Estado. Expectativas iniciais indicam produtividade de 2.006 quilos por hectares. Naquela região, a cultura está em estádio mais avançado de desenvolvimento, entrando para o estádio reprodutivo. Há preocupação dos produtores com lavouras em início de formação de grãos, devido a possíveis danos ocasionados por fortes geadas. Até o momento as plantas não apresentaram sintomas de danos. Algumas lavouras apresentam focos de ferrugem e manchas foliares. O tempo frio e seco contribuiu para a diminuição do ataque de lagartas.

OLERÍCOLAS

Cebola – Na região Serrana, inicia o transplantio das mudas de variedades precoces, devendo ocupar 15% da área total a ser cultivada na região, prevista em 1.500 hectares. Tanto estas quanto as sementeiras de Crioula, principal material produzido na região, se mostram com bom aspecto e sanidade. Geadas intensas dos últimos dias não danificaram as plântulas. Aliás, o intenso e constante frio, associado aos dias de plena insolação, traz benefícios ao desenvolvimento radicular e à manutenção da sanidade, reduzindo a incidência de fitopatias e o ataque de pragas. Intensifica-se processo de práticas culturais de preparação dos canteiros para realizar o transplantio das mudas em agosto.

Na região Sul, produtores de cebola seguem realizando o preparo das áreas dos canteiros para o plantio das mudas com aplicação de calcário e cultivo de adubos verdes e/ou plantas de cobertura do solo. Agricultores encaminham projetos de custeio e investimento. A tendência para a próxima safra é de pequeno acréscimo de área. Em São José do Norte, a intenção de plantio é de 1.500 hectares; em Tavares, 500; Rio Grande, 250 e em Canguçu, 200, totalizando 2.450 hectares. Em Herval, a cebola para semente está em fase de preparo do solo e plantio dos bulbos; parte da produção de sementes será feita em estufas; testes com esta modalidade de cultivo apresentaram bons resultados na última safra.

PASTAGENS E CRIAÇÕES

Com a chegada do inverno, ocorre o processo de mudança das pastagens do campo nativo e das pastagens perenes de verão, como braquiárias, panicuns e tíftons, espécies que sofrem com as geadas em função da queima das folhas, paralisando o crescimento, reduzindo de forma significativa o valor nutricional e servindo a partir de agora como fonte de fibras para os animais.

Nas pastagens cultivadas de inverno, os produtores realizam manejo do pastoreio com adequações de carga animal e subdivisões de áreas para melhor aproveitamento das pastagens pelas diversas categorias animais.

Em algumas regiões, estão em plena utilização as pastagens de inverno, como aveia e azevém. Nas pastagens de trevos e cornichão, o frio resulta em menor taxa de crescimento, mas os relatos dos produtores são animadores no que se refere à população de plantas e à precocidade no estabelecimento destas leguminosas nas áreas implantadas neste ano.

PISCICULTURA – Na região de Erechim, as temperaturas muito baixas são uma ameaça à sobrevivência dos peixes, especialmente as tilápias. Na região de Santa Rosa, a oferta de pescado está normalizada. Continua a orientação para a alimentação nos tanques e açudes povoados e para as atividades de limpeza de tanques e açudes nos espaços não povoados. Em seguimento também as encomendas de alevinos para povoar tanques e açudes a partir de agosto.

Por: Assessoria de Imprensa da Emater/RS-Ascar

Rádio Metrópole

Sobe para 15 o número de mortes por gripe no RS em 2019

Três novos casos foram registrados em Porto Alegre, São Francisco de Paula e Passo Fundo

O Rio Grande do Sul registrou mais três mortes por gripe, elevando o total de óbitos pela doença para 15 em 2019. Os novos casos de morte por H1N1 foram confirmados no boletim epidemiológico divulgado na quarta-feira (10) pelo Centro Estadual de Vigilância em Saúde (Cevs).

s vítimas mais recentes são uma mulher de 50 anos de São Francisco de Paula, um idoso de 82 anos de Passo Fundo e um homem de 37 anos de Porto Alegre, cidade que agora registra duas mortes pela doença este ano. A mulher e o idoso não haviam se vacinado contra gripe e tinham doenças crônicas. O morador da Capital havia se vacinado e não tinha registro de problemas de saúde — por isso, o caso é investigado pela Secretaria Estadual de Saúde.

O número de pessoas que contraiu gripe em 2019 também subiu, de 90 para 118. Na comparação com o mesmo período do ano passado, no entanto, a doença está menos letal — até a 27ª semana epidemiológica de 2018, haviam sido registrados 312 casos e 46 mortes por gripe.

O levantamento do Cevs aponta que, das 15 pessoas que morreram em decorrência da gripe, 12 tinham 50 anos ou mais. Deste total, 12 tinham pelo menos um fator de risco e apenas duas se vacinaram na campanha de imunização.

Mortes por gripe em 2019 

– 10 por H1N1 (Influenza A);

– 3 por H3N2 (Influenza A);

– 1 por Influenza A não subtipado;

– 1 por Influenza B.

Cidades: Porto Alegre (2), Três Coroas (2), São Francisco de Paula, Sapiranga, Barra do Ribeiro, Capão do Leão, Pinhal da Serra, Passo Fundo, Alegrete, São Gabriel, Santo Ângelo, Santa Rosa e Tramandaí.

Fonte: ZH

Governo do RS divulga consulta pública para escolha de prioridades dos próximos quatro anos

Consulta estará disponível até dia 18 de julho. Serviço faz parte da etapa final de elaboração do Plano Plurianual 2020-2023.

No site, cidadão deverá colocar em ordem de prioridade as áreas acima — Foto: Reprodução

A população gaúcha vai poder elencar quais áreas terão prioridade para receber investimentos públicos nos próximos quatro anos no Rio Grande do Sul. Na consulta pública divulgada nesta quarta-feira (10) pelo governo estadual, os cidadãos poderão escolher entre 12 programas, que envolvem temas como desenvolvimento econômico, obras de infraestrutura, políticas sociais e desafios para superar a crise fiscal.

A consulta estará disponível no site até dia 18 de julho. O serviço faz parte da etapa final de elaboração do Plano Plurianual (PPA) 2020-2023, cuja proposta será encaminhada para análise da Assembleia Legislativa, no dia 1° de agosto.

A pesquisa online é divida em duas etapas. Após questões simples de identificação pessoal e da cidade onde mora, o cidadão irá estabelecer um ranking das prioridades do governo para os próximos quatro anos e, no fechamento, apontar dois programas que considera os mais apropriados para atingir a meta.

O PPA 2020-2023 foi lançado pelo governador Eduardo Leite no fim de abril. Um fórum reuniu as prioridades indicadas pelos Conselhos Regionais de Desenvolvimento (Coredes), assim como dos demais poderes e órgãos do estado.

No fim de junho, no primeiro encontro dos secretários, foram definidas as prioridades estratégicas divididas em quatro eixos: desenvolvimento empreendedor, sociedade com qualidade de vida, governança e gestão e estado sustentável.

Fonte: G1 RS

Rádio Metrópole

RS registra -4,9°C e temperaturas abaixo de zero em mais de 20 cidades

Menor temperatura no estado, neste domingo, foi em Serafina Corrêa, segundo a Somar Meteorologia

Foto: Michel Albän/arquivo pessoal

Pelo menos 24 cidades do Rio Grande do Sul registraram temperaturas negativas entre a madrugada e a manhã deste domingo (7), segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). Não houve registro de neve, como ocorreu entre a noite de sexta (5) e a madrugada de sábado (6).

Serafina Corrêa teve mínima de -4,9°C neste domingo. Quaraí registrou -4,8°C, com sensação térmica de -12,0°C.

Veja as temperaturas negativas deste domingo no RS:

  • Serafina Corrêa: -4,9°C, mesma sensação
  • Quaraí: -4,8°C, com sensação de -12,0°C
  • Vacaria: -4,2°C, mesma sensação
  • Dom Pedrito: -4,0°C, com sensação de -9,4°C
  • São José dos Ausentes: -3,9°C, mesma sensação
  • Cambará do Sul: -3,6°C, com sensação de -9,3°C
  • Ibirubá: -3,1°C, mesma sensação
  • Alegrete: -2,9°C, mesma sensação
  • Cruz Alta: -2,9°C, com sensação de -10,0°C
  • Lagoa Vermelha: -2,8°C, com sensação de -8,6°C
  • Bento Gonçalves: -2,6°C, com sensação de -9,8°C
  • Passo Fundo: -2,5°C, com sensação de -9,8°C
  • Soledade: -2,3°C, com sensação de -9,1°C
  • São Gabriel: -2,3°C, com sensação de -6,6°C
  • Santa Rosa: -2,1°C, com sensação de -6,9°C
  • Palmeira das Missões: -1,9°C, com sensação de -8,2°C
  • Santa Maria: -1,6°C, com sensação de -5,0°C
  • Santo Augusto: -1,4°C, com sensação de -8,4°C
  • São Vicente do Sul: -1,4°C, com sensação de -5,1°C
  • Jaguarão: -1,1°C, com sensação de -4,4°C
  • Teutônia: -0,8°C, com sensação de -4,2°C
  • São Borja: -0,7°C, mesma sensação
  • Frederico Westphalen: -0,5°C, mesma sensação
  • Rio Grande: -0,1°C, com sensação de -5,6°C

Neste domingo, apesar do frio, o tempo firme predomina devido à presença de uma alta pressão atmosférica que inibe a formação de nuvens de chuva. Durante a tarde a presença do sol deve fazer as máximas subirem um pouco em relação ao sábado (6).

Previsão para o começo da semana.

Na segunda-feira (8), a massa de ar polar ainda atua sobre o Rio Grande do Sul e, com isso, há previsão mais uma vez de baixas temperaturas e de formação de geada em parte do Estado. Porém, à tarde, o sol consegue fazer as temperaturas máximas se elevarem mais em relação aos dias anteriores.

Na terça-feira (9), o frio perde ainda mais força e a chance de geada se concentra mais na serra e na região da Campanha. As temperaturas seguem em elevação, principalmente à tarde.

Serafina Corrêa amanheceu com geada — Foto: Michel Albän/arquivo pessoal

Gramado amanheceu com geada forte na manhã deste domingo — Foto: Gerson Sorgetz/arquivo pessoal

Trigo atinge 88% da área prevista para esta safra no RS

 

Foto: José Schafer

O plantio do trigo nesta semana no Rio Grande do Sul avançou 15 pontos percentuais, alcançando 88% da estimativa inicial, que é de 739,4 mil hectares. Deste total, 97% estão em germinação e desenvolvimento vegetativo. De acordo com o Informativo Conjuntural, divulgado pela Emater/RS-Ascar nesta quinta-feira (04/07), a cultura está em final de implantação na regional de Ijuí, que corresponde a 30% da área cultivada no Estado e engloba os Coredes Alto Jacuí, Celeiro e Noroeste Colonial, restando pequenas áreas a serem semeadas.

Na regional de Santa Rosa, que representa 27% da área de trigo no Estado e que corresponde aos Coredes Fronteira Noroeste e Missões, o plantio está concluído. A chuva que ocorreu durante a semana contribuiu para melhorar a germinação e a emergência das áreas recém semeadas, uma vez que algumas lavouras semeadas em junho tiveram dificuldade de germinar devido à baixa umidade, resultando na população de plantas inferior ao recomendado. Com previsão de um clima de sol e muito frio para esta semana, é provável que diminuam os focos de pragas e doenças iniciais.

Os municípios de Tupanciretã (7.000 ha), Júlio de Castilhos e Santiago (7.000 ha), Capão do Cipó (5.000 ha) e Jari (3.000 ha) são responsáveis por 71% da área de trigo da região da Emater/RS-Ascar de Santa Maria, que representa 5,5% da área de trigo no Estado e engloba os Coredes Central e Vale do Jaguari. Nessa região, o plantio do trigo avançou para 95% da área estimada, que é de 40,7 mil hectares. As temperaturas baixas da última semana favoreceram o desenvolvimento da cultura, e parte está iniciando o perfilhamento.

Entre as culturas de inverno, a segunda maior área cultivada no Estado é de aveia branca grão, que ocupa 299,8 mil hectares, com uma produtividade estimada de 2.006 kg/ha para esta safra. Na regional da Emater/RS-Ascar de Ijui (com 37,1% da área do Estado), a cultura apresenta bom desenvolvimento vegetativo, evoluindo para o estágio reprodutivo. Já na regional de Santa Rosa (com 18,7% da área do Estado), as áreas de aveia estão em emergência e desenvolvimento vegetativo.

Canola – A área estimada com canola nesta safra deverá atingir 32,7 mil hectares, com rendimento médio de 1.258 kg/ha. Na regional da Emater/RS-Ascar de Santa Rosa, dos 11,8 mil hectares cultivados com canola, 46% estão em desenvolvimento vegetativo, 47% em floração e 7% em início de formação do grão. No geral as lavouras apresentam bom aspecto de dossel e floração, favorecidas pelos dias de sol. Na próxima semana a previsão de dias ensolarados e frios deve diminuir o ataque de doenças e pragas, que tem prejudicado o desenvolvimento da cultura em algumas lavouras.

Cevada – A área destinada à cultura da cevada no Rio Grande do Sul será de 42,4 mil hectares, com rendimento de 2.073 kg/ha. Na regional de Ijuí (com 22,4% da área do Estado), que engloba os Coredes Alto Jacuí, Celeiro e Noroeste Colonial, a cultura apresenta boa emergência e stand inicial de plantas satisfatório, bom desenvolvimento vegetativo e sanidade adequada.

OLERÍCOLAS

Alho – Com clima favorável, os produtores realizam o plantio do alho, totalizando 80% da área para esta safra, e deverá ser concluído nesta primeira quinzena de julho. No Nordeste do Estado, principalmente em Ibiraiaras, a previsão é de manutenção de área cultivada, com possibilidade de pequeno incremento.

Batata – Nas regiões da Fronteira Noroeste e Missões, estão abertas as inscrições para aquisição de mudas tratadas e selecionadas junto aos escritórios municipais da Emater/RS-Ascar. A produção é destinada ao consumo da família, com venda do excedente em feiras do produtor.

No Planalto Médio, o clima foi favorável para a colheita da batata. Aproximadamente 80% da safra já foi comercializada, sendo que o produto colhido apresentou boa qualidade. O preço de 50 quilos da batata branca varia entre R$ 120,00 e R$ 140,00/sc. e o da rosa, entre R$ 100,00 e R$ 110,00/sc. Na região Sul, a safrinha da batata é colhida com boas produtividades, e o tubérculo é comercializado a R$ 140,00/sc.

CRIAÇÕES

As condições corporais dos rebanhos de bovinos de leite estão satisfatórias, havendo atenção dos produtores para que não ocorra perda de escore das matrizes. Como as pastagens de inverno têm oferta moderada de forragem, os bovinos de leite têm aumentado de forma discreta a produtividade. Na última semana, as pastagens de inverno, principalmente aveia e trigo duplo propósito, estão fornecendo pastejo; entretanto o desenvolvimento e o crescimento destas pastagens estão menores do que o esperado, com muitas áreas apresentando baixo volume de forragem. Para melhorar o desenvolvimento das pastagens, ao longo da semana anterior foi intensificada a adubação nitrogenada nas áreas já pastejadas. Assim, os produtores têm necessidade de seguir suplementando a alimentação, com fornecimento de volumoso aos animais, como silagem/feno/pré-secado produzido no verão e outono, além da complementação nutricional, com ração e sal mineral.

Na ovinocultura, com a utilização das pastagens cultivadas de inverno já consolidada na maior parte das propriedades, as condições sanitárias e nutricionais são boas neste início de inverno. Mesmo nos locais onde a base forrageira é formada pelas espécies nativas, os animais apresentam bom estado nutricional, mas é provável que ocorra perda de peso a partir das próximas semanas.

O nascimento dos cordeiros começa a se intensificar nas propriedades que dispõem de pastagens para ir colocando as matrizes prestes a parir. O clima segue favorável, com bom desenvolvimento inicial dos cordeiros, principalmente porque ainda não ocorreram chuvas sob condições de baixa temperatura.

Por: Assessoria de Imprensa da Emater/RS-Ascar