Posts

Mortes mensais no trânsito caem ao menor número na série histórica no RS

Foto: Divulgação / DetranRS

Com as medidas de isolamento e distanciamento controlado adotadas para combater o novo coronavírus, o Estado registrou em abril o menor número de mortes no trânsito da série histórica, que reúne dados de acidentes desde 2007.

Foram 87 óbitos no primeiro mês fechado de quarentena, redução de 36% em relação ao mesmo mês do ano passado. É a segunda vez na série histórica que os óbitos mensais em acidentes ficam abaixo da centena no Rio Grande do Sul. A última ocorreu em outubro de 2015, quando morreram 98 pessoas em acidentes de trânsito no Estado. Os dados foram divulgados pelo DetranRS nesta quarta-feira (3/6). Os números ainda podem ter alterações com a inserção de novas ocorrências no sistema.

Na comparação com 2019, o quadrimestre apresentou redução de 16% no número de vítimas, com 443 mortes. A redução fica ainda mais acentuada a partir de março e abril, quando os totais caíram de 142 para 110 e de 135 para 87, respectivamente.

O diretor-geral do DetranRS, Enio Bacci, ressalta que não se pode comemorar, pois se tratam de vidas que, mesmo em menor número, ainda são perdidas. “Temos de avaliar positivamente essa redução. Especialmente a partir de março, a pandemia de Covid-19 impactou a todos e gerou uma reflexão mais profunda sobre a vulnerabilidade da vida. Acidentes despedaçam famílias e também atingem diretamente o sistema de saúde, tão necessário em tempos de pandemia. Com a queda dos acidentes de trânsito, mais leitos hospitalares podem ser disponibilizados para doentes com coronavírus”, avalia.

Acidentes

Nos primeiros quatro meses de 2020, o Rio Grande do Sul registrou 411 acidentes com mortes nas ruas e estradas, 15% a menos que em 2019, quando ocorreram 484 acidentes fatais: 60,1% em rodovias, 34,3% foram colisões e 20,7%, atropelamentos.

Acidentes fatais ocorreram mais aos sábados e domingos, totalizando 38,9% do total dos registros nesses dias da semana. O turno da noite foi o mais violento no trânsito, concentrando 35,3% dos acidentes fatais.

Vítimas

O perfil das vítimas teve uma alteração com relação ao mesmo período do ano passado. Em 2020, a maioria das vítimas estava na condição de motociclista (29%), seguida de condutores (25%). No ano anterior, eram os condutores que lideravam a estatística. As maiores reduções em relação ao ano anterior foram entre ciclistas (-39%), passageiros (-31%), condutores (-18,4%) e pedestre (-24%).

A faixa etária que registrou o maior número de vítimas é a dos 21 aos 29 anos, que concentrou quase 19% dos mortos no trânsito. Os homens seguem sendo maioria absoluta entre os mortos no trânsito, totalizando 80%.

Veículos

Analisando-se os veículos envolvidos nos acidentes fatais, percebe-se a predominância do automóvel, devido a sua representatividade na frota. Do total de 679 veículos envolvidos, 40,4% foram automóveis. Em seguida, motos, com 22,7%; caminhões, com 14,6%; e caminhonetes, com 10,2%. Bicicletas representaram 3,4% do total de veículos envolvidos, percentual maior que os ônibus e micro-ônibus, com 1,6% do total de veículos envolvidos em acidentes fatais.

Confira o relatório completo da acidentalidade fatal no trânsito gaúcho no site www.detran.rs.gov.br, na seção Estatística, Acidentalidade no RS.

Texto: Ascom DetranRS
Edição: Secom

Estado recebe mais 558 mil doses de vacina contra gripe nesta quarta

Foto: Gustavo Mansur / Palácio Piratini

Uma nova remessa de vacinas contra a gripe, totalizando 558 mil doses, chega ao Rio Grande do Sul na quarta-feira (13/5). Com elas, o Estado já recebeu o equivalente a 91% do total de doses necessárias para a edição deste ano da Campanha Nacional de Vacinação da Influenza (somando todos os grupos-alvo).

Desde a última segunda-feira (11/5), o foco da estratégia é vacinar crianças de seis meses a seis anos, gestantes, puérperas até 45 dias e pessoas com deficiência, além daqueles que fazem parte dos públicos das etapas anteriores e ainda não conseguiram se vacinar. Na próxima semana, inicia-se a fase de vacinação dos adultos de 55 a 59 anos e professores. Ela se encerra em 5 de junho

Os Estados e municípios estão recebendo as doses da vacina da gripe de forma escalonada, a cada semana, conforme são produzidas pelo Instituto Butantan, explica a farmacêutica Tatiana Castilhos, da Central Estadual de Armazenamento e Distribuição de Imunobiológicos (Ceadi).

Confira aqui o relatório da aplicação de doses, conforme os municípios atualizam o número de pessoas vacinadas.

 

*Governo do RS

Saúde estuda ampliar testagem para diagnóstico da Covid-19

Foto: Ascom SES

Técnicos da Secretaria da Saúde (SES) e do Centro de Operações Emergenciais (COE) apresentarão, dentro de alguns dias, novos critérios para definir as populações que poderão realizar os exames de diagnóstico da Covid-19.

Até agora, os exames de biologia molecular, chamados de RT-PCR, são aplicados em pessoas internadas em estado grave com sintomas respiratórios e profissionais de saúde que trabalham diretamente na linha de frente do combate à epidemia. Com os novos critérios, outras pessoas em maior situação de risco ou economicamente ativas que apresentarem sintomas poderão também ser testadas.

“O teste pode ser o RT-PCR ou o teste rápido sorológico, dependendo da oportunidade”, explica a chefe da Divisão de Vigilância Epidemiológica do Centro Estadual de Vigilância em Saúde (Cevs), Tani Ranieri.

O exame de biologia molecular (RT-PCR), que é feito pelo Laboratório Central do Estado (Lacen), mostra se a pessoa está ou não com o vírus naquele momento. Depois que passam os sintomas, o teste rápido sorológico (que usa apenas uma gota de sangue) pode demonstrar se a pessoa já tem anticorpos da doença.

O assunto foi tratado durante reunião da SES com integrantes do Conselho das Secretarias Municipais de Saúde do Rio Grande do Sul (Cosems/RS) e secretários municipais de Saúde durante videoconferência ontem (7/5).

Na oportunidade, a secretária da Saúde, Arita Bergmann, ressaltou a importância do distanciamento social de forma controlada e planejada. “Já podemos ver o resultado dos nossos esforços aqui no Estado, que nos permitiram desacelerar a transmissão do coronavírus e organizar a rede assistencial para os momentos mais críticos que possivelmente ainda virão”, afirmou.

Texto: Marília Bissigo/Ascom SES
Edição: Marcelo Flach/Secom

Número de casos confirmados de coronavírus no RS chega a 162

Estado teve o primeiro óbito confirmado nesta quarta-feira (25). Segundo Secretaria de Saúde do RS, aumento no número de casos, de 112 para 162, se deu pela contagem de pacientes de Porto Alegre, que não haviam sido contabilizados pelo governo

O Rio Grande do Sul já registra 162 casos confirmados de coronavírus, com a última atualização do informe epidemiológico da Secretaria Estadual de Saúde, divulgado no fim da tarde desta quarta-feira (25).

De acordo com a SES, o aumento no número de casos em relação ao dia anterior se deu porque casos positivos de Porto Alegre, que não constavam nos relatórios anteriores, foram contabilizados pelo estado. Na terça, a secretaria informou que eram 112 pacientes com a doença no RS.

Além disso, seis novos casos foram confirmados de terça para quarta.

São 38 municípios com casos confirmados. Na terça, eram 35. Entre os casos confirmados, 65 são do sexo feminino e 97 do sexo masculino. A faixa etária com maior número de casos é a dos 50 aos 69 anos, com 63 casos (39%), informa a Secretaria.

Em todo o Brasil, são mais de 2,5 mil casos confirmados da doença e 57 mortes, até esta quarta.

 

Fonte: G1 RSn

Diário de classe on-line e aumento de verbas para a merenda são novidades do ano letivo que começa nesta terça

O ano letivo de 2020 na rede estadual começa nesta terça-feira (18/2) com novidades para os mais de 800 mil estudantes gaúchos. Além da implantação da Escola Gaúcha, que organiza a matriz curricular, e a utilização do Diário de classe on-line (Escola RS), que qualifica a gestão escolar, as instituições de ensino terão um aumento no repasse de autonomia financeira e na verba destinada à alimentação escolar.

Cerca de 85% das instituições de ensino, das 2,5 mil escolas estaduais, retornam nesta terça. As demais seguem calendário diferenciado devido à greve dos professores de 2019 e iniciarão o período letivo no decorrer de março.

Com uma previsão orçamentária de R$ 9,2 bilhões na área da educação para 2020, os valores de alimentação escolar quase dobram, passando de R$ 43 milhões para R$ 85 milhões – de R$ 4,3 milhões para R$ 8,5 milhões ao mês.

Em relação à quantia recebida pelas direções das instituições de ensino para manutenção e pequenas obras, o repasse anual passa de R$ 102 milhões para R$ 112 milhões (de R$ 8,5 milhões para R$ 9,3 milhões ao mês).

Conforme o secretário da Educação, Faisal Karam, o ano de 2020 será importante para a reorganização pedagógica e financeira da Educação no Estado. “A volta às aulas é um momento especial para todos. Estamos trabalhando para colocar a educação do Rio Grande no patamar que merece. Isso só será possível por meio de ações por parte do poder público e um trabalho integrado com toda a rede de educadores”, afirma.

Escola Gaúcha

Entre as dimensões propostas pela política da Escola Gaúcha, que se efetivará nas escolas já neste ano letivo, estão pontos referentes à formação integral dos estudantes, organização curricular, práticas pedagógicas, gestão educacional, valorização dos profissionais da educação, infraestrutura escolar, avaliação, financiamento e regime de colaboração com os municípios.

“A Escola Gaúcha, que é uma política de educação da Rede Estadual de Ensino, estabelece as orientações para os programas, projetos e demais ações que ocorrem nas escolas, de forma articulada, contribuindo para a melhoria da qualidade da educação do Rio Grande do Sul”, explica o diretor do departamento de Educação, Roberval Furtado.

Aplicativo Escola RS

Dividido em três modalidades, o aplicativo Escola RS trabalha com públicos específicos, com o intuito de qualificar a gestão escolar e permitir que os pais acompanhem as atividades diárias dos filhos em sala de aula. Além disso, a ferramenta facilita a visualização de tarefas de gestores e alunos e o acompanhamento em tempo real da frequência e da rotina. Os módulos do aplicativo são Escola RS Professor, Escola RS Gestor e Escola RS Estudantes.

Recursos humanos

Para qualificar o quadro de recursos humanos, aperfeiçoando a gestão e dando agilidade à reposição de professores, o governo do Estado autorizou, para 2020, a renovação de 19.980 contratos temporários. Para aumentar o efetivo, ainda foram abertas mais de 5 mil vagas para professores e servidores da educação nas escolas estaduais. “Nossa expectativa é suprir com eficácia e agilidade as possíveis demandas que possam surgir ao longo do ano, não prejudicando os nossos estudantes” destaca o secretário Karam.

Transporte escolar

Referência no país na área, o Software de Gestão do Programa Estadual de Apoio ao Transporte Escolar (Peate) utilizado pela Secretaria da Educação (Seduc) concentra, processa e dispõe de dados necessários à gestão do transporte escolar pelos municípios e pelo Estado, vinculando a cada rota, o veículo, o condutor, a escola, os alunos geolocalizados, a quilometragem percorrida e o valor. Em 2020, mais de 90 mil estudantes serão transportados em 463 municípios gaúchos.

Matrículas

Os estudantes que perderam todos os prazos para realizar a matrícula terão mais uma oportunidade: até o dia 31 de março, o gerenciamento das vagas será feito diretamente nas escolas da rede pública estadual.

 

Fonte:  Diego da Costa/Ascom Seduc/ Secom

Campanha de vacinação contra o sarampo começa nesta segunda-feira no RS

Público-alvo da ação são crianças e jovens que tenham entre cinco e 19 anos

Foto: SMS/Divulgação

Começa nesta segunda-feira (10) a campanha de vacinação contra o sarampo no Rio Grande do Sul.

O público-alvo da ação são crianças e jovens que tenham entre cinco e 19 anos que nunca fizeram a vacina ou quem recebeu apenas uma dose.

Segundo estimativa da Secretária de Saúde do estado, 245 mil crianças e jovens dessa idade não estão protegidos contra a doença. Desde agosto do ano passado, 82 casos de sarampo foram confirmados no Rio Grande do Sul. Um em cada quatro casos registrados foi em pessoas nessa faixa etária.

O Dia D de Mobilização nacional está marcado para sábado (15). Também podem procurar as unidades de saúde quem perdeu a caderneta de vacinação.

A doença

Sarampo é uma doença infecciosa grave, causada por um vírus. Sua transmissão ocorre quando o doente tosse, fala, espirra ou respira próximo de outras pessoas. Qualquer indivíduo que apresentar febre e manchas no corpo (exantemas) acompanhado de tosse, coriza ou conjuntivite deve procurar os serviços de saúde para investigação, principalmente aqueles que estiveram nos 30 dias anteriores em viagem a locais com circulação do vírus.

Casos suspeitos devem ser informados imediatamente às secretarias municipais de saúde ou para o Disque Vigilância, no número 150.

*G1 RS

 

Previsão de calor e pancadas de chuva nos próximos dias no RS

As lavouras de soja estão totalmente implantadas – Foto: Fernando Dias/Ascom Seapdr

A próxima semana permanecerá com calor e chuvas de verão no Rio Grande do Sul, informa o Relatório Oficial nº 3 elaborado pela Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural, pela Emater-RS e pelo Instituto Rio Grandense do Arroz (Irga).

Na sexta-feira (31/1), a nebulosidade segue predominando, com condição de chuva na maioria das regiões. No sábado (1/2), o tempo permanecerá seco e quente em praticamente todo Estado, e apenas entre a Serra e o Litoral Norte o ingresso de umidade do mar manterá a condição de chuva fraca e isolada. No domingo (2/2), a presença de ar quente e úmido manterá o forte calor em todo o Estado, com temperaturas superiores a 35°C em diversas localidades.

Na segunda (3/2) e terça-feira (4/2), o calor seguirá predominando, com temperaturas entre 35°C e 38°C no interior gaúcho e possibilidade de pancadas de chuva, típicas de verão, em áreas isoladas. Na quarta-feira (5/2), o deslocamento de uma frente fria provocará chuva em todas as regiões, com possibilidade de temporais isolados.

A previsão indica que os valores acumulados deverão oscilar entre 20 mm e 35 mm na maior parte das áreas, podendo superar os 45 mm em algumas localidades do Alto Vale do Uruguai. Na Zona Sul, Região Central e no Planalto, os volumes previstos deverão ser inferiores a 20 mm.

Colheita do milho avança

A cultura do milho no Rio Grande do Sul está 14% em desenvolvimento vegetativo, 11% em floração, 24% em enchimento de grãos, 25% em maturação e 26% das lavouras estão colhidas. A colheita avançou principalmente nas regiões de Santa Rosa, Ijuí e Frederico Westphalen, onde mais de 50% das lavouras foram colhidas apresentando produtividades variáveis em função do estágio em que se encontravam no período do déficit hídrico e também da duração desse período.

Na região de Santa Rosa, alguns municípios apresentam produtividade acima da expectativa inicial. As lavouras semeadas nos meses de novembro e dezembro retomaram um bom desenvolvimento, favorecidas pelas chuvas da última semana.

As lavouras de soja estão totalmente implantadas, sendo que 37% delas se encontram em germinação e desenvolvimento vegetativo, 36% em floração e 27% em enchimento de grãos.

O arroz encontra-se, em sua maior parte, no estágio reprodutivo, com condições favoráveis para o bom desenvolvimento da cultura. De acordo com o relatório, a condição atual está melhor que a da safra passada.

A situação de outras culturas como feijão (1ª safra), tabaco, olerícolas, frutícolas, pastagens, bovinoculturas de corte e leite estão no relatório completo, que pode ser consultado aqui.

 

*ASCOM/SECOM

Vigilância reforça ações para o monitoramento do coronavírus no Estado

A Secretaria da Saúde (SES) está em alerta para o fato de que foi ampliada a área de transmissão do coronavírus. A partir desta terça-feira (28/1) estão redobradas as atenções para pessoas que estiveram em qualquer região da China nos últimos 14 dias e que, no retorno ao Brasil, apresentem febre e algum outro sintoma respiratório (tosse ou dificuldade para respirar). Até então, esse recorte geográfico estava delimitado a duas províncias do país asiático. A nova orientação foi dada pelo Ministério da Saúde nesta terça-feira pela manhã e vale para os casos notificados a partir de então.

O controle sobre a entrada de pessoas por portos e aeroportos do país é de responsabilidade da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A SES, por intermédio do Centro Estadual de Vigilância em Saúde (Cevs), trabalha em conjunto com a agência para monitorar a entrada de pessoas vindas da China. Quem chegar do país asiático e apresentar os sintomas descritos (febre e dificuldade respiratória) deve procurar imediatamente uma unidade de saúde.

A orientação aos serviços de saúde é que esses pacientes sejam imediatamente isolados e tratados de acordo com a gravidade do quadro clínico. Para os casos suspeitos, é recomendado que o paciente use máscara cirúrgica logo no início e seja mantido em quarto privativo. Os profissionais têm que adotar medidas de precaução padrão. Casos graves devem ser encaminhados para um hospital de referência, e os leves, acompanhados pela atenção básica em saúde com a recomendação de isolamento domiciliar.

As investigações sobre transmissão do novo coronavírus ainda estão em andamento, mas já foi identificada a disseminação de pessoa para pessoa. O vírus pode ficar incubado por duas semanas, período em que os primeiros sintomas levam para aparecer desde a infecção. Ainda não está claro com que facilidade o vírus se espalha de pessoa para pessoa. Apesar disso, a transmissão costuma ocorrer pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas (como gotículas de saliva, espirro ou tosse).

*SECOM

Última semana para parcelar o IPVA 2020 em até três vezes

Prazo é até dia 31 de janeiro para realizar o primeiro pagamento

O motorista que pretende parcelar o IPVA em até três vezes tem até o dia 31 de janeiro para realizar o primeiro pagamento. Quem optar por essa modalidade terá um desconto de 3% sobre o valor da parcela. As próximas duas serão em fevereiro, até o dia 28, e março, até o dia 31. Os descontos serão 2% para a segunda parcela e 1% para a terceira.

Também há opção de pagamento antecipado do valor integral do tributo. Quem quitar o IPVA também até o dia 31 de janeiro pode ter até 22,4% de desconto, considerando uma redução de 3% no valor do tributo pela antecipação e a soma das vantagens dos programas Bom Motorista e Bom Cidadão.

A consulta de dados relativos aos veículos, como valores a pagar, multas e pendências podem ser acessados no site do IPVA ou no aplicativo para dispositivos móveis – IPVA RS –, disponível gratuitamente na App Store e na Google Play.

O pagamento do IPVA 2020 pode ser realizado diretamente nos sistemas online ou presencialmente nos bancos credenciados: Banrisul, Bradesco, Santander, Sicredi, Banco do Brasil (somente para clientes) e Agências Lotéricas da Caixa. Basta ter em mãos o Certificado de Registro e Licenciamento do Veículo (CRLV) ou apenas a placa e o Renavam do veículo.

A taxa de licenciamento do veículo, multas de trânsito e o seguro DPVAT (Seguro de Danos Pessoais causados por Veículos Automotores de Via Terrestre) podem ser pagos separadamente do IPVA. Um tributo não interfere no pagamento do outro.

Bom Motorista e Bom Cidadão

Os descontos de Bom Motorista e Bom Cidadão podem ser acumulados e são válidos para pagamento de IPVA antecipado, parcelado ou conforme o calendário de vencimento por placas.

Os condutores que não receberam multas nos últimos três anos terão dedução de 15% no valor do tributo. Para quem não foi multado há dois anos, o índice é de 10%, e para quem ficou um ano sem infrações, o abatimento é de 5%. No Rio Grande do Sul, mais de 1,7 milhão de contribuintes têm direito ao desconto do Bom Motorista no IPVA 2020, o que representa 45,8% da frota tributável.

O desconto do Bom Cidadão, por sua vez, dará aos proprietários de veículos inscritos no programa Nota Fiscal Gaúcha desconto de 5% para os que acumularam no mínimo 150 notas fiscais com CPF, 3% para os que tiveram entre 100 e 149 notas e 1% para quem acumulou entre 51 e 99 notas. Esses descontos serão aplicados para 552,6 mil cidadãos.

Dúvidas

Para IPVA de exercícios anteriores (inscritos em Dívida Ativa) os pagamentos devem ser realizados exclusivamente no Banrisul, Banco do Brasil (somente para correntistas) e Banco Sicredi.

Para questões referentes a cadastros de veículos, licenciamentos e multas de trânsito, o contato deve ser feito diretamente com o Detran e CRVA’s. Outras eventuais dúvidas podem ser esclarecidas por meio do canal Dúvidas Frequentes ou pelo Plantão Fiscal Virtual, ferramenta online disponível no site da Receita Estadual.

A partir do IPVA 2020, a Receita Estadual e o DetranRS irão utilizar a mesma base de dados para cadastramento dos cidadãos que desejam receber informações sobre o tributo via e-mail e celular. Para se cadastrar, basta acessar o site do DetranRS, clicar na opção “Entre ou Cadastre-se” e autorizar o envio de mensagens por e-mail e SMS. O cadastramento dos e-mails também pode ser feito nos sites do IPVA e da Receita Estadual.

Serviço

Quem paga?
Todos os proprietários de veículos automotores fabricados a partir do ano 2000.

Como pagar?
Para quitar o imposto, o proprietário deverá apresentar o Certificado de Registro e Licenciamento do Veículo (CRLV). Junto com o IPVA, é possível pagar o seguro obrigatório (DPVAT), taxa de licenciamento e multas de trânsito.

Onde pagar?
No Banrisul, Bradesco, Santander, Sicredi, Caixa (loterias) e Banco do Brasil (somente para clientes).

 

*SECOM

Apesar da falta de chuvas, milho é colhido no RS

 

Em Santa Rosa, colheita de milho é acelerada para minimizar problemas causados pela estiagem – Foto: José Schafer

A falta de chuva recorrente no Estado tem prejudicado o desenvolvimento da cultura do milho e já produz perdas nas lavouras cultivadas pelos agricultores familiares e por médios e grandes produtores. De acordo com o Informativo Conjuntural, divulgado pela Emater/RS-Ascar nesta quinta-feira (09/01), em parceria com a Secretaria Estadual de Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr), a cultura chegou em 99% de plantio da área de 777.442 hectares previstos para esta safra. Das lavouras implantadas, 24% estão na fase de desenvolvimento vegetativo, 13% em floração, 31% em enchimento de grãos, 27% maduro e 5% já foram colhidos.

Na regional administrativa da Emater/RS-Ascar de Ijuí, as fases de desenvolvimento vegetativo (1%) e floração (3%) estão se encerrando, e a cultura do milho avança para enchimento de grãos (44%), maturação (47%) e colheita (5%). O potencial produtivo das lavouras tem variado em virtude do regime de chuvas esparsas ocorridas durante dezembro. Nas plantadas entre o final de setembro e início de outubro, o impacto das perdas tem sido maior e os produtores estão solicitando Proagro. A colheita das primeiras lavouras foi iniciada e, em Tenente Portela, os resultados têm apontado boa produtividade. Os produtores aguardam melhores condições de umidade no solo para realizar o segundo plantio da cultura nas áreas que anteciparam a colheita para a produção de silagem.

Na região de Santa Rosa, a área de cultivo de milho deverá ultrapassar a intenção de plantio prevista em 120.078 hectares, que já atingiu 81% da área. Foi concluída a implantação do milho safra e iniciado o plantio da safrinha. Da cultura implantada, 4% encontram-se em desenvolvimento vegetativo, 2% em floração, 16% em enchimento de grão, 60% em maturação e 18% foram colhidos como silagem de planta inteira. Durante a semana, o processo de amadurecimento acelerou, devido à perda de água dos grãos, e as lavouras têm apresentado baixo índice de ataque de pragas e doenças. São poucas as comunicações de Proagro neste Regional da Emater/RS-Ascar, diferente da região de Frederico Westphalen, onde foram registrados 71 pedidos de cobertura de Proagro. Nesta região, as lavouras semeadas a partir de meados de setembro vêm apresentando perdas devido à estiagem, com redução na produtividade estimada em até 30%. Em se mantendo as condições do tempo, a quebra na produtividade regional deverá atingir 20%.

Sobre o milho silagem, as regiões de Erechim e de Santa Rosa apresentam 50% em fase de formação de grãos e 50% da cultura já foi colhida. Há redução da produtividade pela falta de chuvas. Na de Santa Rosa, o corte para silagem foi intensificado devido à maturação forçada das plantas, causada pelas altas temperaturas dos últimos dias. Os produtores aguardam o retorno da chuva para dar andamento ao plantio das áreas destinadas ao milho silagem/safrinha. Na regional de Caxias do Sul, as áreas destinadas à produção de silagem estão sendo processadas, mesmo com plantas murchas e praticamente sem formação de espigas. Há pedido de liberação de seguro para possibilitar nova semeadura em muitas áreas.

Soja – O plantio da soja no RS chegou em 99% da área prevista para a safra de 5.978.967 hectares. Das lavouras com a cultura, 75% estão em desenvolvimento vegetativo, 22% em floração e 3% na fase de enchimento de grãos. Na Fronteira Noroeste, o plantio está concluído e a implantação da safrinha já iniciou em áreas pós-colheita do milho. Nas lavouras com cultivares superprecoces, foi iniciada a colheita; o microclima que permite antecipar a semeadura em Porto Lucena possibilitou que 5% de área já tenha sido colhida. A produtividade das lavouras alcançou entre 48 e 65 sacos por hectare. Em geral, as plantas estão sadias, bem nutridas, com boa nodulação. Os produtores seguem realizando aplicação de herbicidas e iniciam os tratamentos preventivos de fungicidas no turno da manhã, que apresenta as condições mais adequadas. Em lavouras com solos pouco profundos, o déficit hídrico associado às temperaturas elevadas e à baixa umidade do ar tem provocado a murcha das plantas. Em alguns casos, ocorre inclusive a morte de plantas.

Na região de Ijuí, 91% da área com soja estão na fase de desenvolvimento vegetativo, 9% em floração e 1% em enchimento de grãos. As lavouras da região Celeiro, localizada ao Norte, seguem com desenvolvimento satisfatório. Já nas dos Coredes Noroeste Colonial e Alto Jacuí, a falta de chuvas tem comprometido o desenvolvimento normal da cultura. Os produtores realizam aplicações de fungicidas e inseticidas preventivamente e as lavouras apresentam boa sanidade.

Arroz – A cultura no RS se encontra nas fases de germinação/desenvolvimento vegetativo (75%), em floração (20%) e enchimento de grãos (5%). Em geral, a sequência de dias com alta taxa de luminosidade, conjugada com disponibilidade de água e associada a temperaturas elevadas durante a manhã e à tarde e amenas à noite, tem sido favorável ao bom desenvolvimento da cultura.

Feijão 1ª safra – Na regional da Emater/RS-Ascar de Ijuí, a cultura está nas fases de enchimento de grãos (3%), maturação (14%) e colheita (83%). A colheita avança rapidamente pelas condições de tempo estável, com pouca chuva, favorável à secagem dos grãos na lavoura. Os grãos colhidos têm apresentado boa qualidade. Há redução de produtividade nas lavouras plantadas mais tarde devido à falta de água para o desenvolvimento das plantas.

Das lavouras da primeira safra de feijão na região de Frederico Westphalen, 10% estão finalizando a fase de enchimento de grãos e 90% já foram colhidas. Em geral, a cultura apresenta bom desenvolvimento, grãos de boa qualidade e produtividade média de 1.800 quilos por hectare. Já na região de Pelotas, 19% das lavouras estão na fase de floração, 40% em enchimento de grãos, 21% em maturação e 20% já foram colhidas. A cultura vem sentindo os efeitos do clima quente e seco desde dezembro passado, condições que persistem neste início de ano, sinalizando redução da produtividade e da produção diante do quadro de estresse hídrico das plantas, principalmente em lavouras nas fases de floração e enchimentos de grãos.

OLERÍCOLAS

Cebola – Na regional de Pelotas, maior produtora de cebola do RS, a área de plantio é de 2.785 hectares. O clima seco e quente do final de novembro e dezembro prejudicou o desenvolvimento da cultura na fase final do ciclo, principalmente nas cultivares precoces; porém, favoreceu muito a colheita e a cura, produzindo cebolas com ótima casca e cor, itens de qualidade valorizados na comercialização e no armazenamento. Atualmente, a cultura segue na fase de colheita, encaminhando-se para encerramento. A safra deverá ter produtividade inferior à esperada inicialmente, situando-se abaixo de 30 toneladas por hectare. Os produtores direcionam parte da cebola para armazenamento.

A cebola da região é destinada à comercialização em mercados de todo o Brasil. Os preços pagos aos produtores estão bastante reduzidos, devido ao excesso de oferta nos mercados locais, regional e nacional. Sem perspectivas de melhoras imediatas nas cotações, os produtores devem armazenar a produção em galpões ou em locais abrigados, cobertos por lonas, mas não por período superior a 45 dias, em razão de elevadas perdas neste tipo de armazenamento. O preço pago ao produtor está entre R$ 0,40 e R$ 0,50/kg para a caixa 3 (ou tipo 3, cujo diâmetro foi alterado em cinco milímetros: de 50 para 55 e de 70 para 75 mm) e de R$ 0,15 a R$ 0,20/cx. tipo 2. Os produtores estão preocupados com a estabilidade de preço, sem perspectivas de valorização, e que não cobrem o custo de produção.

FRUTÍCOLAS

Pêssego – Na regional da Emater/RS-Ascar de Pelotas, a área com pêssego (indústria e mesa) é de 5.311 hectares, cultivado por 1.041 produtores/famílias. A cultura está em fase de colheita, encaminhando-se para o final, com 85% da safra já colhida. É prevista queda na produção total. A região deverá colher uma safra entre 35 e 37 milhões de quilos. A falta de precipitações nas últimas semanas afetou o crescimento dos frutos, acarretando a produção de pêssegos classificados como tipo II, de menor valor comercial. Alguns produtores relatam perdas por granizo e vento.

Videira – Na regional da Emater/RS-Ascar de Caxias do Sul, as temperaturas mais amenas e o retorno das chuvas, embora esparsas e com volumes irregulares, melhoraram o quadro geral da cultura e o ânimo dos viticultores. Porém, algumas áreas na região ainda carecem de umidade do solo para interromper o processo de perdas na produção. Os parreirais com mudas novas e de algumas variedades específicas, como a Couderc tinta e a Bordô, vêm apresentando maior suscetibilidade à estiagem, com amarelecimento e queda de folhas, maturação forçada das frutas e murchamento das bagas. Nestes vinhais, muitos produtores estão recorrendo às mais diversas opções de suplementação hídrica para tentar salvar as plantas, sendo recorrente inclusive o uso de caminhões-pipa para o transporte da água.

Melancia – Na regional de Soledade, iniciou a colheita da melancia, em área de cerca de 2.500 hectares implantada em Encruzilhada do Sul e Rio Pardo. As lavouras apresentam perda de cerca de 40% na produtividade, em função da estiagem. Há problemas também na comercialização da produção, em função do tamanho pequeno dos frutos. A melancia é comercializada a R$ 0,60/kg.

PASTAGENS E CRIAÇÕES

Na maior parte das áreas, os campos nativos e as pastagens cultivadas de verão vêm sendo afetados pelo baixo nível de umidade no solo. Ocorre menor taxa de crescimento, com redução do volume e da qualidade da massa verde.

Os rebanhos bovinos de corte apresentam boa sanidade e bom escore corporal em todo Estado. Mas, em função do menor desenvolvimento das pastagens, o ganho de peso do gado vem sendo prejudicado na maior parte das regiões. A temporada de cobertura das matrizes tem continuidade, exigindo acompanhamento da condição nutricional e sanitária de reprodutores e reprodutoras.

Já nas diversas regiões pecuárias do Estado, os bovinos de leite apresentam boas condições físicas e sanitárias. Devido à diminuição da oferta de massa verde das pastagens, os criadores vêm tendo dificuldades para manter os níveis de produção leiteira apenas à base de pasto. Assim, têm recorrido à suplementação alimentar utilizando silagem, feno e concentrados proteicos. As altas temperaturas, que causam estresse térmico nas vacas, também podem ocasionar queda na produção de leite. Para reduzir o desconforto térmico, os produtores manejam o rebanho para realizar pastoreio noturno e disponibilizam áreas sombreadas e bebedouros com água à vontade. A estiagem prejudica também grande parte das áreas com milho para silagem. A perda na produção de silagem pode chegar a mais de 30% em algumas áreas.

PISCICULTURA – As atividades se desenvolvem em diversas etapas nas várias regiões do RS. Muitos açudes estão em fase de manutenção com recuperação de taipas, correção de acidez e adubação. Em outros, a fase é de povoamento. Nos açudes povoados, são realizados cuidados para a manutenção da qualidade da água e para uma boa alimentação dos peixes. Alguns piscicultores já começaram a despesca, mas a grande maioria se organiza para fazer a despesca principal na Semana Santa. Os piscicultores que abastecem feiras e abatedouros de peixes realizam várias despescas distribuídas durante o ano.

PESCA ARTESANAL – Na região administrativa da Emater/RS-Ascar de Porto Alegre, a pesca artesanal marinha com cabo fica bastante limitada no período de veraneio, em função da presença maior de banhistas. Neste período, a pesca embarcada dá a principal sustentação à atividade dos pescadores. Na região de Pelotas, nos municípios de Pelotas e Rio Grande, a captura da Corvina é o grande destaque na semana, sendo que outras espécies praticamente não estão sendo capturadas. A partir de 6 de janeiro, a pesca de camarão foi liberada na Lagoa do Peixe, que tem parte de sua extensão na região de Porto Alegre e parte na de Pelotas.

Por: Assessoria de Imprensa da Emater/RS-Ascar