Posts

Mortes no Brasil podem variar entre 44 mil e 529 mil, dependendo do isolamento, diz estudo

Manter apenas idosos e grupos de risco em casa elevaria vítima fatais às centenas de milhares

Pesquisa do Grupo de Resposta à Covid-19 do Imperial College de Londres, divulgada na semana passada, estima que poderão morrer 44 mil pessoas no Brasil por causa do novo coronavírus, desde que observadas medidas de isolamento social. Conforme o estudo, se for adotada a estratégia de isolamento social que só mantenha idosos em casa, como já sugeriu o presidente Jair Bolsonaro, poderia levar à morte mais de 529 mil pessoas.

A taxa é um pouco menor que a metade das vítimas fatais que poderiam ocorrer se nada fosse feito no País para conter a dispersão do novo coronavírus.

A instituição inglesa vem fazendo constantes projeções matemáticas do crescimento da pandemia e avaliações das ações em andamento e a partir de comparações com a providências tomadas em países afetados pelo vírus.

 

Fonte: Correio do Povo/ Estadão

 

Covid-19: Brasil tem 46 mortes e mais de 2 mil casos confirmados

São Paulo registra maior número de óbitos, 40 no total

O número de mortes decorrentes do novo coronavírus (covid-19) chegou a 46, conforme atualização do Ministério da Saúde publicada hoje (24). Até ontem (23), o número de pessoas que vieram a óbito estava em 34. No domingo (22), era de 25, um aumento de quase 20 casos em apenas dois dias.

O total de casos confirmados saiu de 1.891 para 2.201 esta terça (24), um acréscimo proporcional de 16% e de 310 em números absolutos. O resultado de hoje marcou um aumento de 42% nos casos em relação a domingo, quando foram registradas 1.546 pessoas infectadas.

As mortes continuam restritas a São Paulo, com 40 óbitos, e Rio de Janeiro, com 6 falecimentos. A taxa de letalidade saiu de 1,8% ontem (23) para 2,1% hoje.

Como local de maior circulação do novo coronavírus no país, São Paulo também lidera o número de pessoas infectadas, com 810 casos confirmados. Em seguida vêm Rio de Janeiro (305), Ceará (182), Distrito Federal (160), Minas Gerais (130) e Santa Catarina (107).

Também registram casos confirmados Rio Grande do Sul (98), Bahia (76), Paraná (65), Amazonas (47), Pernambuco (42), Espírito Santo (33), Goiás (27), Mato Grosso do Sul (23), Acre (17), Sergipe (15), Rio Grande do Norte (13), Alagoas (nove), Maranhão (oito), Tocantins (sete), Mato Grosso (sete), Piauí (seis), Pará (cinco), Rondônia (três), Paraíba (três), Roraima (dois) e Amapá (um).

Ministério da Saúde divulgou balanço do coronavírus no país nesta terça-feira.

Testes

Os representantes do governo afirmaram que a intenção é chegar a 22, 9 milhões de testes. A estratégia de ampliação dos exames é a principal recomendação da Organização Mundial de Saúde (OMS). Ao total, o intuito é chegar a 14,9 milhões de testes de laboratório nos próximos três meses sendo: 3 milhões da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), 600 mil doados pela Petrobrás, 1,3 milhões ofertados por empresas privadas e outros 10 milhões que serão comprados. Essa modalidade será focada para pessoas infectadas internadas ou casos leves em unidades sentinela para monitorar a epidemia de coronavírus.

Já para os testes rápidos a promessa é viabilizar mais 8 milhões, sendo 3 milhões pela Fiocruz e 5 milhões doados pela Vale. Esse tipo de exame, explicaram os representantes do Ministério da Saúde, é para identificar a evolução da doença, e não para diagnóstico. Ele possui uma efetividade menor do que a alternativa de laboratório, uma vez que verifica a reação dos anticorpos ao vírus. Esse tipo terá a finalidade principalmente de monitorar os profissionais de segurança.

A estratégia é priorizar as cidades com mais de 500 mil habitantes. Um novo protocolo para casos mais leves está sendo discutido pelo governo. Até o momento, foram distribuídos 32,5 mil kits. Na avaliação da pasta, para o momento de maior disseminação do novo coronavírus, que deve ocorrer no fim de abril, o Brasil terá de aumentar sua produção em quase cinco vezes.

Os representantes do ministério também falaram sobre a insuficiência de máscaras no país. Eles defenderam que o governo não terá condição de assegurar esse recurso para todos, e que deve haver uma priorização para os profissionais de saúde. Já quem apresenta sintomas e quer evitar o risco de infectar outros, alternativas podem ser adotadas, como máscaras de pano ou de outros materiais, que funcionam como barreiras físicas. Já os trabalhadores da saúde só podem utilizar equipamentos autorizados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Isolamento e distanciamento

O Ministério da Saúde também comentou as estratégias de isolamento e distanciamento social, promovida pela maioria dos governos estaduais. O isolamento é recomendado a quem apresentou sintomas e a moradores da mesma residência do paciente sintomático, bem como a idosos acima de 60 anos, pelo prazo de 14 dias. Uma vez terminado esse período, não haveria mais necessidade da medida, a não ser em casos de uma condição médica específica.

á no caso das medidas adotadas por governadores de distanciamento social e determinação para que trabalhadores sejam dispensados do serviço e fiquem em casa, em geral com prazo até o início de abril, o secretário afirmou que “o difícil não é fechar, é abrir”, se referindo a dúvida de quando será o momento certo para que brasileiros retomem a rotina, e quando escolas e comércio poderão voltar a funcionar normalmente.

 

*Agência Brasil

Chega a 57 número de mortos após chuvas em Minas Gerais

Última vítima confirmada foi atingida por destroços de muro

Foto: Divulgação/ Defesa Civil de Minas Gerais

O número de mortos em decorrência das chuvas que atingem Minas Gerais nos últimos dez dias já chega a 57, de acordo com a Defesa Civil estadual. A última morte foi confirmada na noite do último domingo.

Miriam Azevedo Damasceno, de 38 anos, teve o carro atingido no dia 24 de janeiro por um muro que desabou no momento em que ela descia do veículo. Ela ficou soterrada pelos escombros e resgatada pelo Corpo de Bombeiros. Miriam foi levada com múltiplas fraturas para um hospital em Caratinga, a 330 km de Belo Horizonte.

Outros mortos

Desde o início do período chuvoso, que começou em outubro do ano passado, outras 11 pessoas morreram em Minas Gerais em decorrência das chuvas. Dentre eles uma família formada por pai, mãe e filha que foi atingida por uma cabeça-d’água em uma cachoeira de Guapé, a 330 km de Belo Horizonte.

As outras mortes foram registradas em Sete Lagoas (2), Belo Horizonte, Ibirité, Januária, Muriaé, Santa Rita do Sapucaí e Viçosa.

 

Fonte: CP/R7

Oito das 15 mortes por sarampo registradas no país foram entre crianças menores de cinco anos

Para se proteger da doença, especialista da Sociedade Cearense de Pediatria reforça que a única forma é tomar a vacina

Responsável por 15 mortes no Brasil em 2019, o sarampo é uma doença causada por um vírus. A transmissão pode ocorrer quando uma pessoa infectada tosse, fala ou espirra próxima de outras.

Os principais sinais e sintomas do sarampo são febre acompanhada de tosse, irritação nos olhos, nariz escorrendo ou entupido e mal-estar intenso. Além disso, outros sinais podem aparecer em um intervalo de três a cinco dias, como manchas vermelhas no rosto e atrás das orelhas que podem se espalhar pelo corpo.

Crianças menores de 5 anos de idade são mais vulneráveis à doença. Neste ano, mais da metade das mortes registradas ocorreram nessa faixa etária.

Presidente do Departamento Científico de Infectologia da Sociedade Cearense de Pediatria, Robério Leite afirma que o surto de sarampo que o país enfrentou no ano passado está associado à queda do número de pessoas vacinadas. A recomendação do Ministério da Saúde é que ao menos 95% da população esteja imunizada.

Para se proteger da doença, Robério reforça que o único método é tomar a vacina, distribuída gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

“É um vírus extremamente contagioso. A única maneira segura de se evitar a transmissão do sarampo é que os indivíduos estejam adequadamente vacinados, para que tenham uma quantidade suficiente de anticorpos de proteção. Assim, em contato com o vírus, estão protegidos e não desenvolvem a doença.”

Para que a população entenda que a vacinação é a única forma de se proteger do sarampo e de outras doenças infectocontagiosas, o UNICEF divulga nas redes sociais a campanha global #VacinasFuncionam. No Brasil, um dos principais objetivos da campanha, realizada em conjunto com a Sociedade Brasileira de Pediatria e a Sociedade Brasileira de Imunizações, é combater as notícias falsas com informação verdadeira.

Estimativa do UNICEF aponta que as vacinas salvam até três milhões de vidas por ano, protegendo as crianças de doenças altamente infecciosas e contagiosas e que podem levar à incapacidade ou à morte, como sarampo, pneumonia, rotavírus e difteria. Vacinas são seguras, eficazes e salvam vidas. Saiba mais em família.sbim.org.br.

* Raphael Costa/ Agência do Rádio

Duas pessoas morrem em colisão entre carro e caminhão em Palmeira das Missões

Acidente aconteceu na noite dessa segunda

Fotos: WhatsApp

Por volta das 21h da segunda-feira (25), no km 101 da BR 158, em Palmeira das Missões, a Polícia Rodoviária Federal atendeu um acidente do tipo colisão lateral envolvendo um automóvel Corsa com placas de Palmeira das Missões e um caminhão com placas de Frederico Westphalen.

Morreram no local o condutor e uma passageira do Corsa. Outros dois ocupantes do carro ficaram feridos, entre eles uma criança, e foram removidos para o hospital de Palmeira das Missões. O condutor da carreta nada sofreu. Ele realizou teste do etilômetro com resultado negativo.

De acordo com o levantamento realizado pela PRF, o Corsa tentou cruzar a BR 158 na altura do trevo de Ajuricaba quando foi atingido pelo caminhão, que seguia no sentido Palmeira das Missões – Seberi. O carro foi arrastado por cerca de 89 metros.

O trânsito ficou em meia pista. Os Bombeiros e a SAMU auxiliaram no atendimento, assim como a BM.

 

*Polícia Rodoviária Federal

Três jovens morrem e dois ficam feridos em acidente na BR-290, em Cachoeira do Sul

Veículo colidiu com uma árvore no km 291 da rodovia

Corpo de Bombeiros / Divulgação

Três pessoas morreram e duas ficaram feridas em um acidente de trânsito na BR-290, em Cachoeira do Sul, na Região Central, nesta quarta-feira (20). Conforme a Polícia Rodoviária Federal (PRF), um Corsa sedã, com placas de Lajeado, saiu da pista e colidiu com uma árvore no km 291 da rodovia.

Segundo o Corpo de Bombeiros, as vítimas foram identificadas como Leandro Gall, Bruno Daniel Schuster e Luccas Bruxel — todos com 19 anos. Outros dois ocupantes do veículo foram encaminhados ao Hospital de Caridade e Beneficência de Cachoeira do Sul.

A PRF foi acionada para atender o acidente por volta das 7h30min desta quarta, mas os policiais suspeitam que o acidente tenha ocorrido ainda na madrugada.
Fonte: ZH

PRF registra 75 mortes e mais de mil feridos nas rodovias federais

O feriadão da Proclamação da República registrou 863 acidentes

O feriadão da Proclamação da República deixou um saldo de 863 acidentes nas rodovias federais que cortam o país, com 1.040 pessoas feridas e 75 mortes, segundo o balanço divulgado hoje (18) pela Polícia Rodoviária Federal (PRF).

De acordo com a PRF, a Operação Proclamação da República 2019 iniciada na última quinta-feira (14) e encerrada no domingo (17) flagrou 1.664 motoristas que haviam consumido bebida alcoólica antes de assumir o volante.

Desses, 486 tiveram a alcoolemia constatada pelo teste do etilômetro (bafômetro). No total, mais de 60,3 mil motoristas foram submetidos ao teste, seja no aparelho tradicional ou no etilômetro passivo, com 147 pessoas detidas.

Segundo a PRF, boa parte das colisões frontais com mortes foi causada pelas ultrapassagens indevidas, seja em local proibido ou forçadas. Os policiais notificaram 6.214 veículos realizando esse tipo de manobra perigosa.

Os policiais flagraram 1.734 motoristas que não usavam o cinto de segurança durante a abordagem, enquanto mais de 2 mil passageiros também não estavam com o equipamento. Os dados mostraram ainda que 238 condutores foram flagrados fazendo uso do celular.

Quanto aos condutores de motos, a maior imprudência foi em relação ao não uso do capacete: 1.112 motociclistas que estavam circulando sem o equipamento obrigatório foram autuados.

Durante os quatro dias da operação, 160 mil veículos foram fiscalizados e 163 mil pessoas também passaram pelos procedimentos de fiscalização. Ações de educação para o trânsito também foram desenvolvidas em todo país. Cerca de oito mil pessoas receberam orientações de um trânsito mais seguro por meio do Cinema Rodoviário.

Criminalidade

Segundo a PRF, entre quinta-feira e domingo, os policiais detiveram 689 pessoas por diversos tipos crimes, 42 delas pelo crime de tráfico de drogas e 160 por diferentes crimes de trânsito.

Os agentes apreenderam 182,7 quilos de cocaína e 4 toneladas de maconha, além de 90 mil pacotes de cigarros contrabandeados. Os policias recuperaram ainda 64 veículos com alerta de roubo ou furto.

 

*Agência Brasil

Número de mortes por gripe no RS sobe para 63, aponta relatório da Secretaria da Saúde

Casos foram registrados em Três Passos, Hulha Negra, Caxias do Sul, São Sepé, Santa Maria e Porto Alegre

Foto: saASAS

Mesmo com o fim do inverno, o Rio Grande do Sul registrou mais sete mortes por gripe A. Em relatório divulgado pela Secretaria da Saúde na quinta (17), 63 pessoas morreram este ano em consequência do vírus Influenza.

As vítimas foram uma criança entre um e quatro anos e seis adultos com mais de 40 anos. Os novos casos de óbitos foram registrados em Três Passos, Hulha Negra, Caxias do Sul, São Sepé, Santa Maria e Porto Alegre.

As mortes ocorreram em Porto Alegre (16), Canoas (8), Nova Santa Rita (1), São Francisco de Paula (1), São Leopoldo (1), Sapiranga (1), Três Coroas (2), Barra do Ribeiro (1), Guaíba (1), Viamão (1), Capão do Leão (1), Rio Grande (1), São Lourenço do Sul (1), Garibaldi (1), Gramado (1), Pinhal da Serra (1), Não-me-Toque (1), Passo Fundo (2), Carazinho (1), Bagé (1), Caçapava do Sul (1), Alegrete (1), São Gabriel (1), Santo Ângelo (2), São Luiz Gonzaga (1), Giruá (1), Santa Rosa (1), Panambi (1), Três Cachoeiras (1), Torres (2), Tramandaí (1), Três Passos (2), Caxias do Sul (1), São Sepé (1), Santa Maria (1), Hulha Negra (1) e Vale do Sol (1).

 

Acidente mata duas idosas na BR-285, em Entre-Ijuís

Vítimas foram socorridas, mas morreram no hospital.

Foto: Divulgação/PRF

Duas idosas morreram em um acidente na tarde deste domingo (13), no km 492,3 da BR-285, em Entre-Ijuís, no Noroeste do Rio Grande do Sul. Elas tinham 72 e 78 anos.

Conforme a Polícia Rodoviária Federal, ambas chegaram a ser socorridas, mas morreram no Hospital de Santo Ângelo.

Elas estavam em um Gol, que colidiu contra uma S10 ao tentar sair da rodovia e ingressar em uma estrada vicinal, de acordo com a polícia. Nenhum dos ocupantes da caminhonete ficou ferido.

G1 RS

RS registra 56 mortes por gripe em 2019, aponta Secretaria da Saúde

Do total, 43 foram por Influenza A (H1N1), 10 por Influenza A (H3N2), uma por Influenza A não subtipado e duas por Influenza B

O Rio Grande do Sul registrou 56 mortes por gripe em 2019, conforme indicou o último boletim divulgado pelo Centro Estadual de Vigilância em Saúde (CEVS), da Secretaria Estadual de Saúde. O levantamento leva em consideração os casos que ocorreram até o o último sábado (28).

O último levantamento divulgado, no dia 11 de setembro, pela secretaria,informava 50 mortes por gripe.

Das 56 mortes, 43 foram por Influenza A (H1N1), 10 por Influenza A (H3N2), uma por Influenza A não subtipado e duas por Influenza B.

As mortes ocorreram em Canoas (8), Nova Santa Rita (1), São Francisco de Paula (1), São Leopoldo (1), Sapiranga (1), Três Coroas (2), Barra do Ribeiro (1), Guaíba (1), Porto Alegre (14), Viamão (1), Capão do Leão (2), Rio Grande (1), São Lourenço do Sul (1), Garibaldi (1), Gramado (1), Pinhal da Serra (1), Não-me-Toque (1), Passo Fundo (2), Carazinho (1), Bagé (1), Caçapava do Sul (1), Alegrete (1), São Gabriel (1), Santo Ângelo (2), São Luiz Gonzaga (1), Giruá (1), Santa Rosa (1), Panambi (1), Três cachoeiras (1), Torres (1), Tramandaí (1) e Três Passos (1).

O número de mortes em 2019, comparado com o mesmo período de 2018, mostra que houve uma redução. Foram 97 no ano passado contra 56 neste ano.

A Secretaria da Saúde alerta para que, aos primeiros sintomas da gripe, como febre, dor de garganta e dores nas articulações, musculares ou de cabeça, as pessoas procurem atendimento médico. O antiviral Oseltamivir, de nome comercial Tamiflu, está disponível gratuitamente em todo o estado, mas o paciente deve apresentar a prescrição médica.

 

G1 RS