Posts

Motocicleta bate na traseira de automóvel no centro de Crissiumal

Colisão ocorreu na Av. Castelo Branco

Um acidente de trânsito foi registrado no início da tarde desta segunda-feira (13), no Centro de Crissiumal.

Por volta das 14h, uma motocicleta atingiu a traseira de um automóvel na Av. Presidente Castelo Branco.

De acordo com informações, o veículo Celta era manobrado no estacionamento em frente ao Mercado Benedetti, e por motivos desconhecidos a moto que era pilotada na avenida atingiu o automóvel.

O condutor da moto foi socorrido e encaminhado ao Hospital de Caridade com lesão, sem gravidade em uma das pernas. A mulher e a criança que estavam no veículo não ficaram feridas.

*Paulo Marques

Homem é preso por furto em Frederico Westphalen

Prisão aconteceu no bairro Primavera

Foto: BM

Na madrugada desta sexta-feira (15), por volta das 04h, a Brigada Militar de Frederico Westphalen efetuou a prisão de um indivíduo pelo crime de furto qualificado.

A prisão ocorreu no Bairro Primavera, após a Brigada Militar ser informada de um furto em estabelecimento comercial. Iniciaram-se imediatamente as buscas, sendo localizado o autor do fato e os objetos subtraídos do local.

O homem foi encaminhado à Delegacia de Polícia Civil para registro.

 

Brigada Militar – o trabalho perfeito é servir!

Brigada Militar prende autor de tentativa de furto em supermercado de Três Passos

BM / Divulgação

Na tarde desta segunda-feira (25/06), por volta das 15h30min uma guarnição da Brigada Militar prendeu um homem suspeito de tentativa de furto em um supermercado no centro da cidade de Três Passos.

O homem foi conduzido para Delegacia de Polícia para registro.

 

Rádio Metrópole

Supermercado Cotricampo é assaltado em Tiradentes do Sul

Dois homens fugiram em um moto vermelha

Um assalto surpreendeu os funcionários do Supermercado Cotricampo em Novo Planalto, interior de Tiradentes Do Sul. Por volta das 11h15 da manhã desta segunda-feira 08 de outubro, dois indivíduos chegaram encapuzados em uma moto um deles armado adentrou ao supermercado e foi direto ao caixa e a sala do gerente segundo relatos de clientes que estavam presentes no momento do assalto.

A Brigada Militar foi acionada e fez buscas no local e nas localidades do interior do município.

Segundo relatos de clientes, a moto era uma Honda fan de cor vermelha, a qual tinha sua placa encoberta. A Brigada Militar juntamente com a Policia Civil  recuperou imagens das câmeras de segurança do Mercado para identificar os possíveis suspeitos e segue com as investigações.

Segundo informações, não houveram feridos no assalto, apenas uma quantidade não informada em dinheiro foi levada pelos assaltantes.

Qualquer movimentação suspeita deve ser comunicada a Brigada Militar pelo telefone 190.

Um assalto semelhante a este foi registrado em  setembro de 2013, onde dois meliantes também assaltaram o Supermercado, e fugiram de bicicleta.

Fonte: Tirsul

Estudo da Farsul aponta mudanças no mercado internacional de carne bovina

images

A Farsul divulgou nesta terça-feira o mapeamento das exportações brasileiras de carne bovina entre 2006 e 2016. O estudo traça um panorama do mercado mundial de carne e das mudanças pelas quais o setor passou durante o período no Brasil. Segundo o presidente do Sistema Farsul, Carlos Sperotto, entender o movimento da última década é fundamental em um momento de mudanças geopolíticas, em função das primeiras ações do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

Vivemos um momento em que existe a abertura de um espaço para um posicionamento do Brasil em relação às exportações de carne. Com o recuo dos Estados Unidos em participar do Acordo de Associação Transpacífico, existe um recuo na ameaça que o país representava para  a inserção do Brasil no mercado asiático. Esse é um momento de buscar um posicionamento com o setor para aproveitar as janelas de oportunidades que se abrem – afirma Sperotto.

É justamente no continente asiático que está o maior potencial para a carne brasileira, em um movimento que vem sendo consolidado nos últimos dez anos. Segundo economista-chefe do Sistema Farsul, Antônio da Luz, os chineses já são os maiores compradores de carne brasileira e devem se consolidar como os maiores importadores de carne do mundo, até 2018. No período analisado pelo estudo, houve um crescimento de 778% no valor de carne bovina exportada pelo país para o continente asiático. O volume cresceu 299%.

O Oriente Médio desponta como outra região em crescimento. O valor de carne brasileira exportada para a região cresceu 101% em dez anos, com uma valorização de 78% no preço do produto comercializado. Na América Latina e o Caribe o valor aumentado cresceu 337% enquanto o volume teve aumento de 136%.

 O estudo nos mostra que precisamos estar mais abertos ao mercado mundial, principalmente aos mercados emergentes. Passamos muito tempo com o foco exclusivo na União Europeia e no Leste Europeu, e o que o estudo revela é que essas regiões não concentram o melhor potencial no momento – avalia o economista.

Segundo o mapeamento, apresentado por Renan dos Santos, analista de relações internacionais, o valor das exportações para a União Europeia caiu 51%, apesar do aumento de 79% no preço. O Leste Europeu também apresentou desaquecimento, com queda de 47% no valor e 59% no volume de carne exportada. O movimento está em sintonia com um decréscimo mundial da participação da União Europeia na importação de carne, que caiu pela metade desde 2006.

Nos mercados emergentes, um dos aspectos que chama a atenção é a mudança no perfil do produto, que passou a priorizar carne in natura em detrimento de miúdos e carne industrializada. A expectativa é que haja um contínuo crescimento de comércio com a Ásia, já que, apesar do aumento observado nos últimos dez anos, o consumo de carne per capita no continente ainda é baixo em relação à média mundial. Na China, o consumo é de 3,5 kg de carne bovina por habitante, em contraste com os 45 kg de consumo per capita no Rio Grande do Sul. No entanto, da Luz ressalta que para aproveitar essas oportunidades, é importante que o país tenha um papel mais ativo na política de aproximação desses mercados:

 Temos que ter uma posição mais firme em diversas áreas, como a exposição de nossos produtos, mas principalmente em relação ao Mercosul, que representa um entrave ao impedir a realização de acordos bilaterais. É muito difícil celebrar um acordo com o qual todos os países do bloco concordem, por isso a presença no bloco impede o aproveitamento de todo o potencial desses novos mercados. Precisamos buscar acordos com países de perfil semelhante ao Brasil, e o Mercosul é um impedimento para que isso aconteça. – alerta o economista.

Fonte: Farsul

Mercado estima inflação de 4,87% para 2017

Projeção para o PIB permanece em 0,50% neste ano

thumb

Mercado estima inflação de 4,87% para 2017 | Foto: Marcos Santos / USP Imagens / CP

 

O mercado financeiro espera que a inflação, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), fique em 4,87% este ano. A expectativa é que a inflação se situe bem abaixo da projetada para 2016, que passou de 6,40% para 6,38%, de acordo com pesquisa semanal do Banco Central (BC) feita junto a instituições financeiras e divulgada às segundas-feiras.

Diante da recessão econômica e da melhora na inflação, o BC tem sinalizado que pode intensificar o corte da taxa básica de juros, a Selic. Nas suas duas últimas decisões, o Comitê de Política Monetária (Copom) do BC cortou a Selic em 0,25 ponto percentual. Atualmente, a taxa está em 13,75% ao ano. A próxima reunião do Copom está marcada para os dias 10 e 11 deste mês.

Selic pode cair para 10,25% ao ano

Para as instituições financeiras, a Selic encerrará 2017 em 10,25% ao ano. A previsão – divulgada na semana passada – era 10,50% ao ano.

A Selic é um dos instrumentos usados para influenciar a atividade econômica e, consequentemente, a inflação. Quando o Copom aumenta a Selic, a meta é conter a demanda aquecida, e isso gera reflexos nos preços, porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Já quando o Copom diminui os juros básicos, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle sobre a inflação.

A projeção de instituições financeiras para o crescimento da economia (Produto Interno Bruto – PIB – a soma de todas as riquezas produzidas pelo país) este ano permanece em 0,50%.

 

Fonte: CP

Mercado financeiro reduz de 7,26% para 7,21% projeção da inflação em 2016

 

Instituições financeiras consultadas pelo Banco Central (BC) ajustaram a projeção para a inflação – medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) – de 7,26% para 7,21%, este ano. Para 2017, a projeção foi alterada de 5,30% para 5,29%. As estimativas fazem parte do boletim Focus, uma publicação elaborada todas as semanas pelo BC, com projeções para os principais indicadores econômicos.

As estimativas para os dois anos estão acima do centro da meta de inflação, de 4,5%, que tem que ser perseguida pelo BC. A projeção para este ano também supera o limite superior da meta: 6,5%. Em 2017, o máximo que a inflação pode chegar é 6%, de acordo com a meta estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN).

O BC tem que encontrar equilíbrio ao tomar decisões sobre a taxa básica de juros, de modo a fazer com que a inflação fique dentro da meta estabelecida pelo CMN.

Taxa Selic

O principal instrumento usado pelo BC para controlar a inflação é a taxa básica de juros, a Selic, atualmente em 14,25% ao ano. Quando o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central aumenta a Selic, a meta é conter a demanda aquecida, e isso gera reflexos nos preços, porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Já quando o Copom reduz os juros básicos, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, mas a medida alivia o controle sobre a inflação. Quando mantém a taxa, o Copom considera que ajustes anteriores foram suficientes para alcançar o objetivo de controlar a inflação.

banco_central

Pesquisa do Banco Central indica que mercado financeiro reduziu a projeção da inflação de 2016 para 7,21% Arquivo/Agência Brasil

A expectativa das instituições financeiras é que a Selic termine este ano em 13% ao ano e 2017 em 11% ao ano. Atualmente, a Selic está em 14,25% ao ano, mantida nesse patamar na reunião do Copom da semana passada. Amanhã (26), o BC divulgará a ata da reunião com as explicações para a decisão.

PIB e dólar

A estimativa de instituições financeiras para a queda do Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no país, foi ajustada de 3,25% para 3,27%, neste ano. Para 2017, a estimativa de crescimento segue em 1,1%.

A projeção para a cotação do dólar foi alterada de R$ 3,39 para R$ 3,34, no fim deste ano, e permanece em R$ 3,50, no fim de 2017.o da inflação,

Fonte: EBC

Volkswagen foi advertida contra manipulação de controles

Escândalo levou à demissão do presidente do grupo e empresa perdeu um terço do valor de mercado.

Volkswagen foi advertida contra manipulação de controles | Foto: Scoot Olson / AFP / CP

Volkswagen foi advertida contra manipulação de controles | Foto: Scoot Olson / AFP / CP

As dificuldades se acumulam para a Volkswagen, que segundo a imprensa alemã foi avisada em pelo menos duas ocasiões sobre os riscos que corria com o programa para enganar os controles de poluição, no centro de um escândalo que abalou a líder mundial de venda de automóveis.

Além disso, as autoridades alemãs aumentaram a pressão sobre o grupo, exigindo que a companhia ajuste seus modelos a diesel até 7 de outubro em conformidade com as normas de emissões de poluentes, sob pena de retirada das licenças para os seus veículos, de acordo com um jornal.

A situação não é nada animadora para a fabricante alemã, que confessou na semana passada que instalou em 11 milhões de veículos no mundo todo um dispositivo para fraudar os controles antipoluentes e fazê-los passar por veículos mais ecológicos do que realmente são.

O escândalo levou à demissão na quarta-feira do presidente do grupo, Martin Winterkorn, e a perda de um terço do seu valor de mercado. Também ameaça destruir a imagem de integridade que tem a indústria alemã.

O novo presidente do grupo, Matthias Mueller, então presidente da Porsche, prometeu esclarecer o caso que fez a companhia perder milhões de euros.

A tarefa parece enorme, uma vez que o grupo parece ter ignorado pelo menos duas advertências.

A fabricante de equipamentos alemã Bosch forneceu em 2007 à Volkswagen o dispositivo que está no centro do escândalo dos motores fraudados, embora tenha especificado ao grupo automotivo que eram de teste e que sua instalação nos veículos era “ilegal“, segundo informações publicadas pelo jornal alemão Bild, Neste mesmo ano, a Volkswagen começou a implementar o dispositivo em motores a diesel com o objetivo de fraudar os resultados de testes de poluentes, acrescentou o periódico.

Um porta-voz da Bosch, questionado pela AFP, se recusou a qualquer comentário, citando a “confidencialidade” das suas relações com os seus clientes.

Além disso, de acordo com a edição de domingo do Frankfurter Allgemeine Zeitung (FAZ), um empregado da Wolks teria feito uma advertência a nível interno em 2011, alertando que esse “software” poderia “violar” a lei.

A investigação interna ainda não permitiu estabelecer por que a liderança da Volkswagen não reagiu após o alerta, de acordo com o jornal, que pergunta: “O que Winterkorn sabia?” A resposta a esta questão terá, entre outras coisas, uma influência no cheque de indenização que poderia receber Winterkorn ao deixar a empresa.

O grupo de Wolfsburg, que emprega 600.000 pessoas em todo o mundo, deve esclarecer rapidamente várias perguntas.

Assim, a autoridade federal dos transportes (KBA) pediu à companhia que adote “medidas obrigatórias e um calendário”

Fonte: Correio do Povo