Posts

Mais dois municípios da Região Celeiro assumem conservação de trechos de estradas estaduais

 

Trecho entre Esperança do Sul e Três Passos – Fotos: Amuceleiro

O governo do Estado assinou na quinta-feira, 28, mais 14 termos de cooperação para que municípios gaúchos realizem obras de conservação e melhoria em trechos de rodovias estaduais. A transferência de parte das responsabilidades é demanda dos próprios municípios e consequência da falta de dinheiro e recursos humanos no governo do Estado.

Aos municípios, a corresponsabilidade serve como um caminho de agilizar demandas que não estão sendo solucionadas pelo Estado para trechos de rodovias que cortam as cidades ou estão nas proximidades delas.

Os municípios que assumem parte da conservação das rodovias, nesta quinta-feira (29), são: Esperança do Sul, Campina do Sul, Palmitinho, Carlos Gomes, São Valério do Sul, Dois Irmãos das Missões, Tupanciretã, Novo Tiradentes, Capão Bonito do Sul, Estrela, Augusto Pestana, Santo Expedito do Sul, Encantado e Centenário.

Em julho, 15 municípios já haviam assinado os termos de cooperação com o Estado. As parcerias envolvem tanto atividades simples, como capina e instalação de sinalização, quanto pavimentação de trechos.

ERS-573 – Acesso a São Valério do Sul

Com informações de Gaúcha ZH

Somente seis das 2.256 escolas estaduais gaúchas possuem plano contra incêndios

Secretaria de Educação definiu como meta investir R$ 166 milhões para regularizar todas as escolas do Estado

Mateus Bruxel / Agencia RBS

Recentes incêndios em locais que não contavam com Plano de Prevenção Contra Incêndio (PPCI), como o Centro de Treinamento do Flamengo, no Rio de Janeiro, que causou a morte de 10 jovens, e o Hospital Fêmina, em Porto Alegre, ligaram o alerta para a situação em escolas públicas do Rio Grande do Sul. Somente seis das 2.256 escolas estaduais gaúchas possuem PPCI, conforme a Secretaria da Educação(Seduc-RS) – até a publicação desta reportagem, a pasta não havia informado os nomes das seis instituições.

As seis escolas que estão em dia com o PPCI foram regularizadas por iniciativa das próprias comunidades onde estão localizadas, e não do Estado. O secretário da Educação, Faisal Karam, determinou como prioridade da pasta para 2019 a regularização de todas as unidades.

— É lamentável chegar no início do ano de 2019 e não termos um projeto de prevenção contra incêndio nas nossas mais de 2 mil escolas. Mas essa é a realidade. O Estado está sendo omisso em responsabilidade. Acho que chegou o momento de enfrentar — declarou.

Estão em fase inicial de projetos para obter o PPCI 567 escolas (25%). Outras 853 (37%) tiveram os planos aprovados pelos bombeiros e aguardam elaboração de projeto a ser encaminhado pela Secretaria de Obras, que deve abrir licitação e escolher empresa para executá-lo. Outras 830 (36%) protocolaram os projetos e aguardam resposta do Corpo de Bombeiros.

A secretaria avalia que são necessários R$ 166 milhões em investimentos em 2019 para conseguir colocar todas as escolas em dia, com obras de pequeno ou médio portes para que todos os colégios tenham PPCI.

—  Criamos um grupo de trabalho na última semana definindo que a prioridade é mover todos os recursos disponíveis em 2019, centrar esforço muito grande no PPCI. Para isso, terá que ser feito aumento no quadro funcional e terceirização de serviços — adiantou Karam, em entrevista à Rádio Gaúcha.

As aulas para 900 mil alunos da rede pública começaram nesta quarta-feira (20), mesmo sem a maioria das escolas estar preparada para emergências. Enquanto isso, a secretaria pede calma para pais de alunos e orienta que equipamentos de ar-condicionado não sejam ligados em instituições que não estão com a rede elétrica reforçada.

Fonte: ZH