Posts

Caixa inicia nesta terça-feira o pagamento do Abono Natalino do Bolsa Família

Mais de 13 milhões de famílias serão beneficiadas com o pagamento adicional, a partir do dia 10 de dezembro

A CAIXA começa a pagar, nesta terça-feira (10), o benefício Abono Natalino do Programa Bolsa Família, um pagamento adicional que permite às famílias beneficiárias receberem, no total, o dobro do benefício do mês de dezembro. A ação de pagamento atende à Medida Provisória nº 898/2019, editada pelo Governo Federal em outubro de 2019.

Em dezembro de 2019, serão atendidas pelo Programa 13,1 milhões de famílias, em todos os 5.570 municípios brasileiros, totalizando R$ 5 bilhões em pagamentos – R$ 2,5 bilhões referentes à folha de pagamento mensal e R$ 2,5 bilhões correspondentes ao Abono Natalino.

O benefício adicional será pago com a utilização do mesmo cartão, nas mesmas datas e canais por meio dos quais os beneficiários recebem normalmente as parcelas do Programa Bolsa Família. Para as famílias que recebem as parcelas mensais por meio de crédito em conta poupança ou conta CAIXA Fácil, os valores correspondentes ao Abono Natalino serão creditados nessas mesmas contas.

O calendário de pagamentos é de acordo com o final do Número de Inscrição Social (NIS) do responsável familiar apresentado no cartão do Programa Bolsa Família, conforme segue:

Final do NIS Data início de pagamento
Final 1 10/dez
Final 2 11/dez
Final 3 12/dez
Final 4 13/dez
Final 5 16/dez
Final 6 17/dez
Final 7 18/dez
Final 8 19/dez
Final 9 20/dez
Final 0 23/dez

As parcelas têm validade de 90 dias a partir da data de início de pagamento apresentada no cronograma.

Para a vice-presidente de Governo da CAIXA, Tatiana Thomé de Oliveira, “a operação do novo benefício fortalece o papel do banco de principal agente de políticas públicas, fazendo chegar esse recurso adicional de R$ 2,5 bilhões a 13,1 milhões de famílias em situação de pobreza e extrema pobreza em todos os municípios brasileiros”. “Essa operação somente é possível pela capilaridade e expertise que a CAIXA possui”, complementa.

O valor do benefício do Bolsa Família pode ser consultado por meio do Aplicativo CAIXA Bolsa Família, sendo que o valor do Abono Natalino será adicionado ao valor da parcela apresentada.

A CAIXA disponibiliza, ainda, atendimento às famílias por meio do telefone 0800-726-0207, para informações relacionadas ao Programa e demais benefícios ao cidadão.

 

*Assessoria de Imprensa da CAIXA

Novo golpe no WhatsApp promete o saque do 13° do Bolsa Família

A mensagem maliciosa, que afetou mais de 180 mil pessoas, leva os usuários a fazer o download de aplicativos com vírus

Pixabay / Pixabay

Usuários do WhatsApp precisam ficar atentos. O mais novo golpe que circula pelo aplicativo de troca de mensagens instantâneas promete o saque do 13° salário para os beneficiários do programa Bolsa Família. A farsa foi descoberta pela empresa de cibersegurança PSafe, segundo o site Techtudo.

A companhia revelou que mais de 180 mil pessoas foram alcançadas pela notícia falsa que está há sete dias em circulação nas redes sociais. O modo de funcionamento do golpe é o mesmo que os anteriores. A mensagem enganosa contém um link que leva os usuários a preencher uma pesquisa. Essa pesquisa exige que a pessoa compartilhe dados pessoais como nome completo e endereço.

Segundo a empresa de segurança digital, ao término da pesquisa, o usuário é incentivado a compartilhar a mensagem com outras pessoas para que possa ser beneficiado com o recebimento do 13° salário. Posteriormente, ele é direcionado a permitir o recebimento de notificações em seu celular. O problema é que, ao ativar as notificações, os hackers ganham acesso direto ao dispositivo da vítima para o envio de novos golpes, o que pode levar a outras infecções por vírus no smartphone. Por fim, o usuário é encaminhado a uma página de download de aplicativos maliciosos.

Dicas de proteção 

Para não cair em golpes como este, que buscam roubar seus dados e infectar seu celular, suspeite de mensagens que exijam compartilhamento, que prometam benefícios ou que direcionam para links externos. Além disso, é importante lembrar que o smartphone é um minicomputador, ou seja, requer proteção com a instalação de softwares antivírus.

Fonte: ZH

Rádio Metrópole

Crissiumal recebeu veículo zero quilômetro para atividades do Bolsa Família

 

O Município de Crissiumal recebeu no final da tarde de quarta-feira, dia 15 de maio, mais um veículo zero quilômetro, para compor sua frota e tornar mais eficiente o serviço público.

Desta vez, a aquisição foi de um veículo VW Fox Connect 1.6, completo, o qual é destinado à Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social, para uso do Programa Bolsa Família.

A chave do veículo foi entregue pelo representante da empresa vencedora da licitação, ao prefeito Roberto Bergmann e à Primeira Dama e Secretária de Assistência e Desenvolvimento Social, Margrid Bergmann.

O veículo, no valor de R$ 51.300,00 reais, foi adquirido com recursos do Programa Bolsa Família (IGD-PBF), do Sistema Único de Assistência Social (IGD- SUAS) e com parte de recurso do Município.

O veículo será de grande valia para o desempenho das atividades do Programa Bolsa Família.

Fonte: Andréia Cristina Queiroz – Assessoria de Imprensa da Prefeitura de Crissiumal

Governo cancela 469 mil benefícios do Bolsa Família e bloqueia 667 mil

Brasília - O ministro do Desenvolvimento Social e Agrário, Osmar Terra, fala sobre o pente-fino nos benefícios do Bolsa Família (Wilson Dias/Agência Brasil)

Brasília – O ministro do Desenvolvimento Social e Agrário, Osmar Terra, fala sobre o pente-fino nos benefícios do Bolsa Família (Wilson Dias/Agência Brasil)

O Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário encontrou irregularidades em 1,136 milhão de benefícios do Bolsa Família. Destes, 469 mil foram cancelados e 667 mil, bloqueados. No caso dos bloqueios, os usuários têm até três meses para comprovar que cumprem os requisitos do programa de distribuição de renda e podem voltar a receber o benefício. A pasta também convocou 1,4 milhão de famílias para fazer atualização cadastral em janeiro de 2017.

Os dados são resultado de um pente-fino no Bolsa Família iniciado em junho, que envolveu diversas bases de dados nacionais.

Os cancelamentos já começam a valer em novembro e terão impacto de R$ 1,024 bilhão na folha de pagamento do Bolsa Família. No caso dos bloqueios, o governo espera uma economia de R$ 1,428 bilhão, caso as irregularidades sejam confirmadas.

Segundo o ministro do Desenvolvimento Social e Agrário, Osmar Terra, os recursos economizados com o fim de benefícios indevidos serão aplicados na própria área social. Parte desse dinheiro contribuirá, inclusive, para o ingresso de novos usuários no Bolsa Família.

“Não houve, em nenhum momento, redução dos programas sociais. Não há nenhum direcionamento do governo para reduzir ou acabar com eles. Em junho, inclusive, nós reajustamos o Bolsa Família em 12,5%. O Orçamento de 2017 para o programa é superior ao de 2016. O reajuste deste ano foi acima da inflação e pode ser que tenha novamente [reajuste] no ano que vem”, disse o ministro.

Cruzamento de dados

Para realizar o pente-fino, o governo cruzou informações do Cadastro Único para Programas Sociais, que contêm os inscritos no Bolsa Família, com dados da Relação Anual de Informações Sociais (Rais), Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), Sistema de Controle de Óbitos (Sisobi), Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), Sistema Integrado de Administração de Recursos Humanos (Siape) e Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas (CNPJ).

Além disso, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e o Tribunal de Contas da União compararam a base de dados do Bolsa Família com informações sobre 114 mil doadores de campanha para candidatos às eleições de 2016, o que levou ao bloqueio de 13 mil benefícios.

De acordo com o secretário nacional de Renda de Cidadania, Tiago Falcão, quando o benefício é bloqueado, o pagamento continua sendo feito, mas o dinheiro não pode ser sacado. “Se for resolvido o problema [que causou o bloqueio], as pessoas sacam de forma retroativa”, informou. Os  beneficiários nessa situação devem procurar as instâncias municipais responsáveis pelo Cadastro Único.

Renda acima da declarada

Os cancelamentos e bloqueios ocorreram porque o governo identificou que os beneficiários do Bolsa Família atingidos pela medida tinham renda acima da declarada oficialmente. A exceção são os 13 mil bloqueios a partir dos dados do TSE e TCU, motivados pela revelação de que os beneficiários figuravam como doadores de campanha com valores acima do permitido.

Nos casos em renda per capita mensal dos beneficiários superava R$ 440, houve cancelamento. Já as famílias com renda mensal per capita entre R$ 170 e R$ 440 tiveram o benefício bloqueado. E a chamada para atualização cadastral destina-se aos beneficiários com renda abaixo de R$ 170, mas em cujas informações prestadas foi encontrada alguma inconsistência.

Os municípios com maior número proporcional de cancelamentos – ou seja, em relação à quantidade de beneficiários – foram Treviso (SC), com 25,93%; Picada Café (RS), com 23%; Vargem Bonita (SC), com 18,89%; Itaipulândia (PR), com 16,62%; Muçum (RS), com 16,42%; Santa Ernestina (SP), com 16,35%; Jumirim (SP), com 15,87%; Presidente Lucena (RS), com 15,38%; Cocal do Sul (SC), com 15,33% e Nova Erechim (SC), com 15,28%.

Considerando o número absoluto de cancelamentos, a lista inclui metrópoles populosas, como São Paulo (28.664 cancelamentos), Rio de Janeiro (11.887), Salvador (6.389), Fortaleza (5.383), Manaus (3.666), Brasília (3.606) e Recife (3.378).

Pente-fino será mensal

O governo anunciou que, a partir de agora, o pente-fino nos benefícios do Bolsa Família ocorrerá todos os meses. Outra novidade é que a análise de possíveis irregularidades será prévia à concessão de novos benefícios. Segundo Osmar Terra, ainda este mês, o governo deve anunciar ainda este mês um programa de inclusão produtiva, destinado a auxiliar a inclusão da população assistida pelo Bolsa Família na atividade econômica.

O Bolsa Família é voltado para famílias extremamente pobres (renda per capita mensal até R$ 85) e pobres (renda per capita entre R$ 85,01 e R$ 170). Ao entrarem no programa, elas recebem o auxílio financeiro e, como contrapartida, cumprem compromissos nas áreas de saúde e educação. Atualmente, cerca de 13,9 milhões de famílias recebem o benefício concedido pelo governo federal.

Fonte: EBC