Posts

Carro sai da pista e duas pessoas morrem na BR-386 em Seberi

Acidente ocorreu na manhã deste domingo (21). Uma terceira pessoa ficou ferida. Segundo a Polícia Rodoviária Federal, o veículo aquaplanou.

Foto: PRF/Divulgação

Duas pessoas morreram em acidente na BR-386,em Seberi, no Norte do Rio Grande do Sul, na manhã deste domingo (21). Conforme a Polícia Rodoviária Federal, o veículo em que as vítimas estavam aquaplanou na pista molhada. Uma terceira pessoa, que estava no banco de trás, teve fratura exposta e foi retirada das ferragens por bombeiros.

Ainda segundo a PRF, o acidente ocorreu por volta das 7h40. O carro saiu da pista e bateu em árvores em uma área de vegetação às margens da rodovia. O veículo, com placas de Brasília, trafegava no sentido Iraí-Porto Alegre.

Morreram no local o motorista e o passageiro, dois homens. A mulher que ficou ferida foi encaminhada a um hospital em Seberi. As identidades não foram divulgadas.

Os corpos foram encaminhados ao IML de Frederico Westphalen e o carro foi removido para um depósito.

Fonte: G1 RS

Mulher morre após colisão frontal de veículo contra caminhão na BR-285 em São Luís Gonzaga

 

Foto: Polícia Federal

A motorista de um veículo GM Celta, identificada como Carla Janaína Gonçalves Trindade, 36 anos, morreu por volta das 03h30, da madrugada deste domingo (21-04), após uma colisão frontal contra um caminhão na BR 285 em São Luís Gonzaga. Conforme a PRF – Polícia Rodoviária Federal a mulher chegou ser socorrida com vida, mas morreu logo após dar entrada no hospital de São Luiz Gonzaga.

O motorista do caminhão com placas de Santo Antônio das Missões, escapou ileso. Os veículos foram removidos ao depósito e estão a disposição da perícia.

As causas do acidente serão investigadas pela Polícia Civil de São Luís Gonzaga.

Fonte: No Ar Notícias

Acidente de trânsito é registrado em Tiradentes do Sul

Fato ocorreu na manhã desta segunda-feira (15) 

Um acidente de trânsito foi registrado na manhã desta segunda-feira, 15 de abril, em Tiradentes do Sul.

A colisão aconteceu por volta das 8h20 da manhã, na Avenida Central de Tiradentes do Sul e envolveu um Honda XRE 300 e uma VW SAVEIRO à serviço da Prefeitura Municipal.

O condutor da Honda XRE teria tentado ultrapassar o veículo que estaria manobrando no local, ao perder o controle da motocicleta o condutor chocou-se com  em um poste de concreto vindo a cair sofrendo escoriações e lesão em uma das pernas.

A Brigada Militar foi acionada, uma equipe da Secretaria de Saúde do Município prestaram os primeiros atendimentos devidos ao condutor da motocicleta que foi atendido em seguida pela equipe da Samu  e encaminhado ao Hospital de Caridade de Três Passos, onde passará por exames.

Grande número de pessoas estiveram presentes no local devido ao forte barulho causado pela colisão.  A motocicleta teve danos de grande monta, já na VW Saveiro não teve danos.

 

Fonte/Foto: Tirsul

Colisão frontal deixa dois feridos em São Martinho

Internauta via WhatsApp

Duas pessoas ficaram feridas depois de uma colisão frontal entre dois veículos na RS 210, no município de São Martinho. O acidente ocorreu no início da tarde deste domingo (07).

De acordo com informações, por volta das 13h50min, se envolveram no acidente um automóvel Ford Del Rey de São Martinho, e um VW Polo de Uruguaiana. Ficaram feridos um homem que ocupava o Del Rey e uma mulher do Polo.

Os feridos foram removidos ao Hospital de Caridade de Boa Vista do Buricá.

Fonte:Paulo Marques

Acidente de trânsito deixa dois feridos entre Campo Novo e Bom Progresso

 

Foto: Tirsul/Internauta WhatsApp

Um acidente de trânsito foi registrado por volta das 08h desta quinta-feira (04/04) na BR-468, km 81, no local conhecido como “mato dos bonés”, entre os municípios de Campo Novo e Bom Progresso.

Envolveram-se no acidente um GM Vectra emplacado em Braga e um caminhão furgão, com placas de São Martinho. A provável causa do acidente seria uma tentativa de ultrapassagem simultânea dos dois veículos em outro caminhão.

O veículo GM Vectra bateu no barranco e acabou capotando às margens da rodovia no lado inverso que seguia após enroscar na roda do caminhão baú.

O Samu e  Corpo de Bombeiros foram acionados e compareceram ao local.

Segundo informações, o casal que se encontrava no GM Vectra tiveram ferimentos leves e foram encaminhados ao Hospital de Caridade de Três Passos.

Perigo em transitar na RS-305 entre Tuparendi e Tucunduva

 

Fotos: Vilson Winkler

O condutor de veículo que se deslocar entre os Municípios de Tuparendi e Tucunduva, deve ter muita atenção, pois são inúmeros os buracos na rodovia da RS 305.

 O ponto mais crítico está após a subida da Ervateira Wedor, em direção a Tucunduva. Em pontos a buraqueira está dos dois lados da rodovia, em outros pontos apenas de um lado, onde os veículos são obrigados a transitar na contramão e em baixa velocidade.

Vindo de Tucunduva, no trevo de acesso a RS 344, também deve-se ter muito cuidado, pois não tem como desviar dos buracos naquele local, pois se desviar de um, cai nos outros existentes, até mesmo no acostamento, portanto, deve-se dirigir também neste local em baixa velocidade, para não causar danos ao veículo.

Recentemente ocorreu uma operação tapa-buraco na RS 305, mas novamente está em estado crítico. No Rio Grande do Sul, existem diversas rodovias deploráveis, tais como: Bossoroca, São Francisco de Assis, entre outras localidades, conforme noticiado seguidamente pela RBS TV.

As rodovias da Argentina são de dar inveja, não existem buracos e são bem sinalizadas. O percurso entre Porto Mauá e Foz do Iguaçú, num total de 275 km, passando pelo território argentino, não se encontra um buraco sequer e há apenas um pedágio, ao custo de R$ 5,00. Realizando o mesmo percurso, pelo Brasil, mais de 700 km, existem dois pedágios, localizados no Estado do Paraná, num custo total de R$ 40,00, com rodovias em mau estado e mal sinalizadas, sendo que a cada chuva as rodovias brasileiras enchem de buracos e as castelhanas permanecem intactas.

Fonte: Vilson Winkler

Pedestres e ciclistas que desrespeitarem leis de trânsitos poderão ser multados

Medida do Contran prevê recolhimento da bicicleta de ciclistas infratores. Para pedestres, fica proibido atravessar fora da faixa de segurança

Jefferson Botega / Agencia RBS

Atravessar a rua fora da faixa de segurança ou conduzir a bicicleta em local onde é proibida a circulação deste veículo serão algumas das atitudes passíveis de multa a partir de 1° de março deste ano, quando passa a vigorar a resolução 706 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran), órgão vinculado ao Ministério das Cidades.

A penalização já é prevista pelo Código de Trânsito Brasileiro (CTB) desde 1997, mas ainda não vigora por falta de regulamentação. As infrações foram definidas em 2016, e o prazo para aplicação das multas era abril do ano passado. O Contran, porém, adiou o início para este ano, a fim de que os órgãos de trânsito tivessem tempo para estruturar a fiscalização.

Procurado pela reportagem, Ministério das Cidades não detalhou como será feita a fiscalização nem a abordagem aos infratores. A assessoria da pasta informou somente que “a fiscalização fica a cargo do órgão que tem circunscrição sobre a via. Por exemplo, se for numa via de um município, a competência para fiscalizar é do órgão municipal de trânsito e/ou com quem ele venha a ter convênio”. A resolução 706 destaca que os órgãos e as entidades do Sistema Nacional de Trânsito precisam adequar seus procedimentos para viabilizar a execução da medida na prática.

Valores da Multa:

A resolução determina que, flagrada a infração pela autoridade ou por agente de trânsito, ele está autorizado a fazer a abordagem e a multar por meio de anotação ou registro em talão eletrônico. O transgressor será identificado pelo nome completo, documento de identificação e, quando possível, o endereço e a inscrição no Cadastro de Pessoas Físicas (CPF).

Os pedestres que descumprirem as regras (veja a lista abaixo) previstas no artigo 254 do CTB serão multados em R$ 44,19. As regras definidas para os ciclistas constam no artigo 255 do código. Preveem penalização de R$ 130,16 e, até mesmo, a retenção da bicicleta do infrator. O valor da multa é mais alto, porque conduzir este veículo onde a circulação não é permitida e guiar de forma agressiva são consideradas contravenções de gravidade média.

Para os pedestres, está proibido:

  • Ficar parado ou andar nas pistas, exceto para cruzá-las onde for permitido.
  • Cruzar pistas nos viadutos, pontes ou túneis, salvo onde exista permissão.
  • Atravessar a rua dentro das áreas de cruzamento, exceto quando houver sinalização.
  • Utilizar a via em agrupamentos capazes de perturbar o trânsito ou para a prática de festividades, esportes, desfiles e similares, salvo em casos especiais e com a devida licença da autoridade competente.
  • Andar fora da faixa de segurança, passarela, passagem aérea ou subterrânea.
    Desobedecer a sinalização de trânsito específica.

Para os ciclistas está proibido:

  • Conduzir a bicicleta onde não seja permitida a circulação (nas vias urbanas e nas rurais de pista dupla, a circulação de bicicletas deve ser nos bordos da pista – quando não houver ciclovia, ciclofaixa ou acostamento –, no mesmo sentido de circulação regulamentado para a via).
  • Pedalar de forma agressiva.

 

Fontes: Gaúcha Zh/ artigos 245 e 255 do Código de Trânsito Brasileiro

Mais de 1,3 milhão de pessoas no mundo morrem anualmente no trânsito

Agência Brasil/EBC

Estudo da Organização Mundial da Saúde (OMS), divulgado hoje (7), mostra aumento contínuo das mortes no trânsito. Pelos dados do relatório, 1,35 milhão de pessoas perde a vida todos os anos em decorrência de acidentes de trânsito. Os dados mais alarmantes estão em países da África. Para especialistas, os governos reduziram os esforços na busca por solução para o problema.

O Relatório da Situação Global da OMS sobre segurança no trânsito de 2018 destaca que as lesões causadas pelo trânsito são hoje a principal causa de morte de crianças e jovens entre 5 e 29 anos. O documento inclui informações sobre o aumento no número total de mortes e que as taxas de mortalidade da população mundial se estabilizaram nos últimos anos.

“Essas mortes são um preço inaceitável a pagar pela mobilidade”, disse o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus. “Este relatório é um apelo aos governos e parceiros para que tomem medidas muito maiores para executar essas medidas”, acrescentou o especialista.

Os relatórios de status global da OMS sobre segurança no trânsito são divulgados a cada dois ou três anos e servem como ferramenta de monitoramento para a Década de Ação para Segurança Viária 2011-2020.

Mortes

Pelo relatório, o risco no trânsito é três vezes maior nos países de baixa renda do que nos de alta renda. As taxas são mais elevadas em países da África e mais baixas na Europa. Três regiões do mundo relataram um declínio nas taxas de mortalidade no trânsito: Américas, Europa e Pacífico Ocidental.

Segundo as informações, os pedestres e ciclistas são responsáveis ​​por 26% de todas as mortes no trânsito, enquanto os motociclistas e passageiros ​​por 28%. De acordo com o relatório, apenas 40 países, representando 1 bilhão de pessoas, implementaram pelo menos sete ou todos os oito padrões de segurança de veículos das Nações Unidas.

Investimentos

Para o fundador e CEO da Bloomberg Philanthropies e embaixador global da OMS, Michael R Bloomberg, é preciso investir mais na educação no trânsito, na prevenção e atenção à segurança nas estradas e pistas. Segundo ele, é necessário adotar “políticas fortes” e fiscalização, repensar as estradas para que se tornem inteligentes e adotar campanhas de conscientização.

“A segurança no trânsito é uma questão que não recebe nem perto da atenção que merece. [E] é realmente uma das nossas grandes oportunidades para salvar vidas em todo o mundo”, ressaltou.

Avanços

De acordo com o estudo, apesar do alerta, houve progressos, pois a legislação de forma geral foi aperfeiçoada, visando à redução de riscos, o excesso de velocidade e vetos à ingestão de bebida alcoólica antes da direção. Também há menção à obrigatoriedade ao uso de cintos de segurança e capacetes.

Há ainda citações sobre a preocupação com cuidados relativos às crianças, a adoção de infraestrutura mais segura, como calçadas e pistas exclusivas para ciclistas e motociclistas, melhores padrões de veículos, como os que exigem controle eletrônico de estabilidade e frenagem avançada e aprimoramento dos cuidados pós-colisão.

O relatório mostra que essas medidas contribuíram para a redução das mortes no trânsito em 48 países de renda média e alta. O documento informa que não há dados sobre redução no total de mortes nos países de baixa renda.

*Agência Brasil

Mortes no trânsito no RS caem 6,8% nos primeiros três meses de 2018

Registros oficiais entre janeiro e março deste ano indicam 29 óbitos a menos em acidentes na comparação com o mesmo período de 2017

Vias estaduais, como a ERS-122, na Serra, concentraram 31,4% dos 350 acidentes registrados entre janeiro e março de 2018 (Felipe Nyland)

Depois de crescer em 2017, o número de acidentes com morte nas vias do Rio Grande do Sul voltou a cair. No primeiro trimestre de 2018, dados do Departamento Estadual de Trânsito (Detran) indicam redução de 7,2% nas ocorrências do tipo e de 6,8% na quantidade de óbitos em comparação com o mesmo período de 2017.
Na prática, isso significou 29 óbitos a menos. A queda foi puxada pelas estatísticas dos primeiros 30 dias de 2018, quando houve menos casos trágicos do que nos meses de janeiro dos anos anteriores (a série histórica começa em 2007). Foi a primeira vez que os registros letais ficaram abaixo de cem no Estado (foram 91 no mês).
É difícil, segundo especialistas, apontar com certeza as razões do decréscimo. Uma das possibilidades é a alta no preço da gasolina, que pode ter levado motoristas a limitarem viagens, expondo-se menos a riscos. Outro fator citado por pesquisadores é o efeito inibidor das ações de controle.
– Em 2017, depois de alguns anos em queda, as mortes nas estradas voltaram a crescer. Foi uma grande decepção. A reação das autoridades tem se traduzido em esforço na tentativa de redobrar a fiscalização. Isso é positivo – avalia João Fortini Albano, doutor em Transportes.
A chefe da Divisão de Educação para o Trânsito do Detran, Laís Silveira, lembra que, em janeiro, os motoristas sentiram o impacto do início da Operação Verão. Nesse período, as blitze da Balada Segura ganharam reforço: passaram a ocorrer, também, em dias úteis, no Litoral e em municípios do Interior.
– É possível que isso tenha contribuído para a redução da acidentalidade. Outro aspecto a destacar é a união de forças entre os órgãos de trânsito, em todas as esferas. Sem isso, é muito difícil mudar a cultura – ressalta Laís.
Incerteza quanto à continuidade da queda
Há dúvidas se a tendência se manterá, porque os números voltaram a crescer em fevereiro e em março – ainda que, na soma do trimestre, o resultado tenha sido melhor do que o registrado em 2017. As informações de abril ainda não estão disponíveis.
– É cedo para fazer projeções. Não dá para descartar nem mesmo que o bom resultado tenha sido obra do acaso. Ainda assim, se uma única pessoa deixa de morrer, já é uma vitória – pondera o professor do departamento de Engenharia de Produção e Transporte da UFRGS Luiz Afonso Senna, ex-secretário de Mobilidade Urbana de Porto Alegre.
Para conter o avanço dos indicadores, o Detran aposta em dois fatores. Um deles é o Plano Nacional de Redução de Mortes e Lesões no Trânsito, sancionado em janeiro, cuja meta é cortar pela metade, em 10 anos, o índice de óbitos em relação a 2018. No Estado, as audiências públicas para definir ações já começaram.
O outro fator que pode trazer benefícios é a inclusão de disciplina sobre trânsito na nova base curricular nacional. Em junho, o Detran distribuirá material aos colégios da rede estadual. A ideia é aprofundar o tema com estudantes na esperança de formar futuros motoristas mais conscientes.

Fonte: Gaúcha ZH

Mortes em acidentes no RS, teve queda nos últimos anos

Em 2016, ruas e rodovias gaúchas registraram 1.679 mortos. Dados preliminares do ano passado foram divulgados nesta quinta-feira pelo Detran-RS

IMG-20160309-WA0010

Foto: Arquivo Rádio Metrópole

Segundo dados preliminares divulgados nesta quinta-feira (19) pelo Departamento Estadual de Trânsito (Detran-RS)  , em 2016 foram registrados 1.679 óbitos.

Do percentual de mortos em 2016, 30% eram motoristas de automóveis, caminhões e outros veículos. Outros 23% eram motociclistas. Os pedestres responderam por 20,4% do total de óbitos no trânsito gaúcho no ano passado.

Veja comparativos dos últimos anos

22813727

22813873

22813917

Fonte: Detran-RS