Posts

SUS vai oferecer medicamento para pacientes com esclerose múltipla

EBC

Adultos diagnosticados com esclerose múltipla remitente recorrente poderão utilizar o medicamento acetato de glatirâmer na versão de 40 miligramas (mg) via Sistema Único de Saúde (SUS). Atualmente, a rede pública oferta apenas a versão de 20 mg. De acordo com o Ministério da Saúde, a incorporação vai permitir que o paciente reduza de sete para três as doses injetadas todas as semanas, garantindo maior qualidade de vida.

A esclerose múltipla pode ser classificada por níveis de evolução clínica. Casos remitentes recorrentes têm por características surtos autolimitados de disfunção neurológica com recuperação completa ou parcial. Segundo a pasta, cerca de 85% dos pacientes com a doença são inicialmente diagnosticados como remitentes recorrentes. Os outros níveis são secundariamente progressiva e primariamente progressiva.

A doença afeta normalmente adultos entre 18 e 55 anos de idade. Além disso, é duas a três vezes mais frequente em mulheres. Entretanto, crianças e idosos também podem ser atingidos.

No mundo, estima-se que a cada 100 mil habitantes, 33 sofram com a enfermidade. No Brasil, o cálculo do ministério é que em torno de 35 mil pessoas convivam com a esclerose múltipla, sendo que cerca de 15 mil estão em tratamento atualmente no SUS.

Entre os principais sintomas estão fadiga, formigamento ou queimação nos membros, visão embaçada, dupla ou perda da visão, tontura, rigidez muscular e problemas de cognição.

Fonte: Agência Brasil

Remédios sobem até 12,5% a partir desta sexta

Pela primeira vez em dez anos o aumento ocorre acima da taxa de inflação
a16bad50eb1f4ba7f05791ba06afb20c
O governo federal autorizou a indústria farmacêutica, a partir desta sexta-feira, a reajustar os preços de cerca de 19 mil medicamentos, em até 12,5%. Pela primeira vez em dez anos o aumento ocorre acima da taxa de inflação que alcançou a marca de 10,36% em 12 meses até fevereiro.
De acordo com o diretor executivo do Procon Porto Alegre, Cauê Vieira, se o consumidor verificar aumentos em valores muito acima dos previstos pode encaminhar denúncia ao órgão municipal, informando o preço pago anteriormente e o valor praticado a partir de amanhã.

O Procon Porto Alegre dá dicas para o consumidor fazer economia na hora da compra. Segundo Cauê Vieira, o preço abaixo do esperado pode indicar que o prazo de validade da mercadoria está por vencer. “Deve-se verificar a data de vencimento na caixa do produto e também na cartela”, adverte.

O consumidor deve também comparar os preços já que as variações, de farmácia para farmácia, podem chegar a mais de 100%. Mesmo adquirindo um remédio genérico deve-se pesquisar os preços de genéricos de mais de um laboratório.

Médicos também podem ser consultados para que orientem se há um laboratório que promova descontos para remédios de uso continuado. Os planos de saúde podem também oferecer descontos aos clientes. Nas farmácias populares do Ministério da Saúde o desconto nos medicamentos oferecido à população pode chegar a 90%.

Fonte: Agência Brasil