Posts

Inter leva virada e perde para o Pelotas na estreia dos titulares

Foto: Fabiano do Amaral

O Inter foi derrotado pelo Pelotas por 2 a 1 no Beira-Rio na noite desta quinta-feira, no primeiro jogo dos titulares em 2019. O Colorado conseguiu sair na frente no começo da partida com gol contra de Adriano Lara, mas cedeu a virada para o Lobão, que marcou com Dão e Giovane Gomez.

Com a derrota, o Inter segue com três pontos no Campeonato Gaúcho, assim como o Pelotas. O time de Odair Hellmann volta a campo no domingo, às 17h, para enfrentar o São José, no Passo D’Areia. No mesmo dia, mas às 18h, o Pelotas encara o São Luiz, de Ijuí.

O jogo

O Inter iniciou a partida tentando se impor diante de um Pelotas que apenas se defendia no Beira-Rio. A primeira chance colorada veio aos 9 minutos. Após uma jogada ensaiada no escanteio, a bola sobrou para Nico López, que acertou um belo chute, mas parou na boa defesa de Airton. Quatro minutos depois, porém, Airton não pôde fazer nada. Pottker recebeu de Nico López, avançou e acertou a trave. A bola bateu em Adriano Lara e entrou no gol, 1 a 0 para o Inter no Beira-Rio.

Após o gol, o Inter voltou a cometer um erro que fez o torcedor lembrar do segundo turno do Brasileirão, quando diversas vezes o time recuou ao ter uma vantagem. Atrás, o Pelotas se soltou em busca do empate e até deu espaço para a equipe de Odair Hellmann, que não aproveitou.

O castigo veio aos 30 minutos. Após um desvio na cobrança de falta, Marcelo Lomba conseguiu fazer a defesa no primeiro lance, mas a bola sobrou para Dão, que ganhou a disputa com Rodrigo Moledo e mandou para o gol vazio, 1 a 1. Somente depois do empate que o Inter voltou a pressionar em busca do segundo gol. Nico López criou a melhor chance em chute em curva que acertou a trave de Airton. Mas foi só.

Se a situação não era boa para o Inter com o empate no primeiro tempo, ela ficou ainda pior no começo da etapa final. Aos 10 minutos, Germano bateu falta do lado área e Giovane Gomez desviou para virar o placar para o Pelotas, 2 a 1.

A virada do Pelotas deixou o clima mais tenso no Beira-Rio com a torcida começando a cobrar o time, que quase conseguiu o empate aos 13 minutos. Moledo ganhou pelo alto em cruzamento de Bruno e cabeceou acertando a trave quando o goleiro Airton já estava batido. Na sequência, Odair Hellmann fez a primeira mudança com Neilton no lugar de Patrick.

Neilton entrou com boa movimentação e deu logo duas boas finalizações. Na primeira, ele mandou por cima do gol após tabela com Nico López. Depois, Neílton pegou o rebote e chutou para boa defesa de Airton. Sem gol para comemorar, a torcida do Inter vibrou aos 25 minutos quando o ídolo Rafael Sobis foi chamado para reestrear. O atacante entrou no lugar do lateral Bruno tornando o time colorado ainda mais ofensivo.

Odair ainda fez outra troca no ataque com Guilherme Parede no lugar de Pottker, mas o Inter estava desorganizado. O Colorado conseguiu levar perigo apenas em bolas pelo alto e em chutes de média distância.

Aos 37, Moledo que cabeceou raspando a trave após falta batida por D’Alessandro. Rafael Sobis arriscou da entrada da área a bola passou próximo ao ângulo esquerdo de Airton logo depois. O Inter ainda teve uma última chance aos 49 em chute forte de Nico López. Airton foi bem no lance e fez uma grande defesa para garantir a vitória do Pelotas e decretar a derrota do Inter no primeiro jogo dos titulares em 2019.

Gauchão 2019 – 2ª rodada

Inter – 1

Marcelo Lomba; Bruno (Rafael Sobis), Rodrigo Moledo, Victor Cuesta e Iago; Rodrigo Dourado, Edenílson, D’Alessandro, Nico López e Patrick (Neílton); William Pottker (Guilherme Parede). Técnico: Odair Hellmann

Pelotas – 2

Airton; Adriano Lara, Dão, Felipe Chaves, Aquilino Gimenéz; Reinaldo Silva, Germano, Léo Costa (Léo Bahia), Jarro (Luís Felipe), Reinaldo Dutra; Giovane Gomez (Santa Cruz). Técnico: Diego Gavilán

Gols: Adriano Lara – contra (14min/1T); Dão (30min/1T), Giovane Gomez (10min/2T)

Cartões amarelos: Pottker, Moledo (INT); Airton, Giovane Gomez, Adriano Lara (PEL)

Árbitro: Lucas Guimarães Horn

Local: Estádio Beira-Rio, em Porto Alegre (RS)

 

Fonte: Correio do Povo

Inter empata com o Fluminense e está rebaixado para a Segundona

1481490926_41

Foto: Bruno Alencastro /Agencia RBS

 

Acabou. Os erros de um ano inteiro levaram o Inter ao rebaixamento. O clube comandado por Vitorio Piffero agora pertence à segunda divisão. O Inter trocará de turma em 2017, passando a conviver com ABC, Luverdense, Ceará, Brasil-Pel, Juventude, Paysandu, entre outros em busca de ascensão. O imponente Beira-Rio se tornará atração turística na Série B. A confirmação do descenso chegou no subúrbio carioca, o Estádio Giulite Coutinho, a casa do America, um cenário de segunda e com o Inter repetindo o mau futebol de uma temporada inteira.
O empate em 1 a 1 com o Fluminense foi o último e deprimente capítulo do pior ano da centenária história colorada. O Milagre de Mesquita não aconteceu, o Inter precisava pelo menos vencer a sua partida. De novo, não conseguiu. E, assim, o Apocalipse em vermelho não foi adiado.
O cenário para o clássico não poderia ser pior. A cidade de Mesquita tem ruas estreitas, feias, sujas, com gatos por todos os lados nos postes de luz e um ambiente hostil. Parece uma zona de guerra. O campo do America é modesto, porém, simpático. Mas longe, muito longe da importância do jogo. O Inter encarou um palco de Série B para decidir o seu futuro. E sob um calor escaldante, com sensação térmica na casa dos 40° C, com um mormaço que deixaria Porto Alegre em janeiro parecendo o paraíso.
Assim que o Inter entrou em campo para o aquecimento — com números pretos às costas, em homenagem às vítimas do voo da Chapecoense -, foi recebido aos gritos de “ão, ão, ão, segunda divisão”. Com pouca gente no estádio ( um total de 3.847 torcedores), qualquer grito de incentivo dos colorados era imediatamente rebatido pelos cariocas, com o mesmo xingamento direcionado ao time de Lisca: ão, ão, ão, segunda divisão.
Os cerca de 500 bravos colorados reagiram e devolveram assim para a torcida do Fluminense: ão, ão, ão, terceira divisão — em referência à queda do clube para a Série C, em 1998. E os cariocas retrucaram: “Grêmiooo, Grêmioooo, Grêmiooooo”. E assim foi a tarde inteira. E foi assim até mesmo no primeiro segundo depois do minuto de silêncio, em respeito às vítimas de Chapecó.
Então foi hora de a bola rolar. O Fluminense leve, sem nada mais a fazer no Brasileirão. O Inter, jogando o futuro e o seu orgulhoso patrimônio de Série A. Logo a dois minutos, Vitinho invadiu a área e passou para Valdívia. O gol parecia certo, mas o cabeludo atacante não dominou a bola e, quando conseguiu se ajeitar, bateu rente à trave, para fora.
Não demorou para que o Fluminense passasse a dominar o Inter. Danilo Fernandes salvou, aos 13 minutos. Nem mesmo o sanguíneo Lisca parecia reagir. Estava sentado no banco de reservas, em vez de ficar aos berros na área técnica, como de costume. O Inter parecia aceitar passivamente o seu destino. E já chovia quando Vitinho cobrou uma falta frontal na arquibancada, perto de um torcedor que segurava uma enorme letra “B”.
Aos 42 minutos, a defesa falhou pela direita, Henrique Dourado cruzou e Alex derrubou Richarlison. Pênalti. Richarlison cobrou e Danilo Fernandes, jogando com as luvas em homenagem ao goleiro da Chapecoense, Danilo, defendeu no canto direito. Um pequeno milagre no subúrbio.
— Essa defesa foi para o Danilo — disse o goleiro colorado, no intervalo.
O primeiro tempo chegou ao final com o Inter ainda vivo. Em Recife, o Figueirense empatava em 0 a 0 com o Sport e devolvia ao Inter o investimento de R$ 2 milhões de bicho extra para não perder na Ilha do Retiro — mais R$ 2,5 milhões bancando a folha salarial em atraso dos catarinenses, bem como a viagem a Pernambuco -, resultado que combinado à vitória colorada em Mesquita impediria a queda gaúcha. Mas o Inter também empatava em 0 a 0.
O Fluminense voltou para o segundo tempo com o goleiro reserva, Marcos Felipe, uma vez que o titular, Júlio César, sentiu a coxa. Obrigado a vencer, o Inter se atirou ao ataque. Quase levou um gol aos dois minutos, em contra-ataque de Wellington. Aos 10 minutos em Mesquita, gol do Sport em Recife. A torcida do Fluminense, então, se ergueu em uníssono: “ão, ão, ão, segunda divisão” e “arerêêê, o Inter vai jogar a Série B”. E os jogadores colorados ouviram e viram a sua torcida se calar. De nada adiantava pagar o Figueirense se o próprio Inter não conseguia vencer a sua decisão.
Aos 26 minutos, Douglas arrisca de dentro da área, a bola desvia nas costas de William e engana Danilo Fernandes. O rebaixamento do Inter chegou às 18h30min desse domingo, na Baixada Fluminense.
Porque com a derrota em Mesquita, nem mais interessava saber quanto acabaria o jogo entre Sport e Figueirense. Aos 43, Gustavo Ferrareis chegou a empatar a partida, o que não serviu para absolutamente nada.
A temporada 2016 ficará marcada pelo entra-e-sai no departamento de futebol, que teve: Vitorio Piffero, Carlos Pellegrini, Marcos Marino, Argel Fucks, Paulo Roberto Falcão, Fernando Carvalho, Ibsen Pinheiro, Newton Drummond, Celso Roth e Lisca — esse último, contratado para treinar o time a três jogos do fim.
O Inter terá a chance de recomeçar, agora possivelmente sob o comando do técnico Antônio Carlos Zago, e poderá ficar apenas um ano na Série B. Mas o rebaixamento em 11 de dezembro de 2016 será eterno.

Fonte: Rádio Gaucha

Inter perde para o Botafogo e segue na zona do rebaixamento

thumb

Colorado fez jogo equilibrado e sofreu 1 a 0 de pênalti no fim da partida | Foto: Ricardo Duarte/Inter/Divulgação CP

 

O Inter fez um jogo equilibrado com o Botafogo, mas mostrando futebol muito modesto acabou derrotado no fim da partida. O castigo veio aos 39 minutos, com um pênalti polêmico que decretou a vitória por 1 a 0 do Fogão. O resultado mantém o Colorado em 17º lugar, na zona do rebaixamento com 33 pontos. O Botafogo chega aos 47, em 5º lugar, dentro do G6, que leva para a Libertadores.

Fechando um mês no Z4, o Inter terá a chance da recuperação, agora, num jogo difícil contra o vice-líder Flamengo, no Beira-Rio. A partida está marcada para domingo, às 17h.

A primeira etapa começou com o Botafogo dominando a posse de bola e o Inter ameaçando nos contra-ataques. As chances de gol foram poucas. Ao longo do jogo o Colorado equilibrou as ações. O primeiro chute a gol da partida foi apenas aos 22 minutos. Gustavo Ferrareis experimentou da intermediária e um desvio na zaga mandou para escanteio. Na cobrança de Alex, a bola ficou viva na área, até João Carlos afastar antes da chegada de Vitinho.

Melhores chances dos donos da casa

A reação do Botafogo veio com Dudu Cearense, que obrigou boa defesa de Danilo Fernandes. O volante recebeu na intermediária e disparou uma bomba que o goleiro colorado afastou de soco. No escanteio, Joel Carli desviou de leve, Danilo ficou vendido no lance, mas Ceará tirou em cima da linha.

No contragolpe, Valdívia por pouco não marcou um golaço. Ele chutou com muito efeito, da entrada da área e a bola passou a centímetros do canto direito. Aos 36, o Inter escapou de sofrer o 1 a 0. Joel Carli levantou na direita. Neilton dominou, passou por Ceará e chutou cruzado. A bola raspou no poste esquerdo, não entrando por centímetros.

A segunda etapa foi marcada por muito equilíbrio e boas chances para ambos os lados. Aos seis minutos, Camilo cobrou falta da quina da área. Ele tentou surpreender Danilo Fernandes, mas encobriu o travessão por muito pouco.

Inter desperdiça chances e acaba castigado

Aos 11, William aproveitou falha da defesa do Fogão, virou e chutou forte. Sidão pegou firme no canto esquerdo. Vitinho perdeu duas grandes oportunidades. Na primeira, aos 20 minutos, quase fez um gol de placa. Driblou três marcadores, chutou de chapa, mas o goleiro defendeu. Cinco minutos depois, Alex levantou na área, a zaga afastou errado e sobrou para Vitinho. Na cara do gol, ele chutou por cima.

O Botafogo respondeu em peso e quase marcou aos 26 minutos. Camilo cruzou na área, Sassá furou em bola, mas sobrou para Pimpão. Atacante chutou a um passo da pequena área, mas Danilo fez grande defesa com o pé.

Aos 37 minutos, contudo, o Colorado acabou castigado. Pimpão puxou contragolpe e lançou Sassá na área. Ele dividiu com Eduardo na área e sofreu a carga por trás. Penalidade marcada pelo árbitro. Sassá cobrou no canto esquerdo, Danilo Fernandes pulou no outro lado e o Fogão anotou o 1 a 0.

O Inter sentiu o golpe e pouco conseguiu produzir para retomar o empate. Derrota por 1 a 0 e muita pressão com o time ainda na zona do rebaixamento.

Brasileirão – 30ª rodada

Botafogo 1

Sidão; Emerson, Alemão, Joel Carli e Vitor Luis; Rodrigo Lindoso, Aírton, Dudu Cearense (Rodrigo Pimpão) e Camilo; Neílton (Gervasio Nuñez) e Vinícius (Sassá). Técnico: Jair Ventura.

Inter 0

Danilo Fernandes; William, Paulão, Ernando e Ceará (Geferson); Rodrigo Dourado, Anselmo, Gustavo Ferrareis e Alex (Seijas); Valdívia (Eduardo Sasha) e Vitinho. Técnico: Celso Roth.

Gol: Sassá (40min/2ºT).

Local: estádio Luso-Brasileiro, no Rio.

Arbitragem: Marielson Alves Silva (BA), auxiliado por Kleber Lucio Gil (SC) e Guilherme Dias Camilo (MG).

Cartões amarelos: Vinícius, Airton e Joel Carli (B); William, Paulão (I).

Fonte: Correio do Povo

Inter empata com o Fluminense e número de partidas sem vitória chega a 11

thumb

O contestado Fernando Bob marcou o gol de empate que garantiu o segundo ponto de Falcão em cinco jogos | Foto: Guilherme Testa

 

O Inter empatou com o Fluminense em 2 a 2 neste domingo, no estádio Beira-Rio. Com o empate, o time mantém o jejum de vitórias: 11 jogos no Campeonato Brasileiro. Sem Falcão na maior parte da partida, o técnico foi expulso na metade do primeiro tempo, o Colorado voltou a repetir os erros das últimas atuações, mas conseguiu marcar gols com Seijas e Fernando Bob. Gustavo Scarpa marcou os dois dos cariocas.

Com o ponto somado, o Inter subiu uma posição e termina o domingo na 13ª colocação, a quatro da zona de rebaixamento. O Fluminense caiu uma, mas chegou aos 25 pontos.

O próximo compromisso do Colorado no Brasileiro é no próximo dia 15 contra a Chapecoense, na Arena Condá, às 20h. Já os cariocas recebem no estádio Kleber Andrade o América-MG, às 11h.

Flu abre o placar cedo e Inter empata nos descontos

Antes da partida o Inter fez tudo o possível para criar um clima positivo para a equipe encerrar as 10 partidas sem vitória no Brasileiro, porém, quando a bola rolou foi o Fluminense que abriu o placar. Logo a dois minutos, Wellington Silva cobrou lateral pela direita, Alan Costa afastou para fora da área e, no rebote, Gustavo Scarpa chutou forte, de fora da área, no ângulo esquerdo de Lomba: Fluminense 1×0 Inter.

Sem organização e atrás no placar, o Colorado voltou a repetir as atuações que renderam dois pontos dos últimos 30 disputados. Trocando passes rápidos, ligações diretas da defesa para o ataque e a velocidade dos meias-atacantes, o Inter tentava reagir, mas errava passes em demasia e não conseguia criar se quer jogadas próximas a área do clube carioca.

Nervoso, com falta de cobertura pela direita e com muitos jogadores fora de posição, os comandados de Falcão sofriam com os contra-ataques em velocidade do adversário. Aos 12 minutos, a bola foi cruzada para o interior da área. Quando Henrique Dourado ia finalizar, Alan Costa conseguiu afastar o perigo.

Seis minutos depois, o Fluminense ampliou, mas o Rafael Traci entendeu que havia impedimento e anulou a jogada. Aos 32, Valdívia bateu de fora da área, ela desviou no marcador, quicou na área e Cavalieri fez a defesa. Dois minutos depois, Falcão reclamou de uma falta em Seijas e acabou expulso. Revoltado, xingou muito a arbitragem até ser convencido em deixar o gramado.

Aos 46, o venezuelano arriscou de fora da área, próximo a linha de meio de campo e obrigou Cavalieri a saltar e empurrar pela linha de fundo. No minuto seguinte, Alan Costa roubou a bola na defesa do Inter e deu um “balão” para Seijas. O venezuelano, próximo a linha da lateral direita, cortou para o meio, passou por vários marcadores e chutou de fora da área. A bola bateu no poste direito de Cavalieri e foi morrer no fundo das redes: 1×1.

Cariocas ampliam, mas o Colorado empata na reta final

Com o gol no fim do segundo tempo,  Levir Culpi retirou Henrique Dourado e Marcos Júnior para as entradas de Samuel e Danilinho, mas as mudanças não surtiram efeito. O Inter voltou com mais presença no campo ofensivo e rapidamente criou uma oportunidade. Aos sete, Artur cruzou da esquerda para Valdívia. O atacante ajeitou para Seijas, sem espaço, bater. A bola passou próxima ao travessão do Fluminense.

Aos 16, Falcão retirou Sasha e colocou Gustavo Ferareis. No lance seguinte, Nico cruzou da direita de ataque, a defesa afastou, Fabinho errou o tempo da bola e o time carioca partiu em rápido contra-ataque. Danilinho avançou pela esquerda e cruzou. Sem marcação, fato marcante dos últimos gols sofridos do Inter, Gustavo Scarpa chutou no canto direito de Lomba: Fluminense 2×1.

Após o gol, como ocorre com a maioria dos clubes do planeta, o Flu recuou para aumentar os cuidados defensivos e para ter espaços para contra-atacar. Com isso, o Colorado voltou a atuar dentro do campo do adversário e criar oportunidades. Aos 31, Seijas cobrou escanteio no primeiro poste e Ariel, de voleio, bateu, mas Cavalieri defendeu. No lance seguinte, após escanteio da esquerda do venezuelano, a bola desviou no primeiro poste e sobrou Fernando Bob, que ajeitou e chutou para o fundo das redes: 2 a 2.

Campeonato Brasileiro – 19ª rodada

Inter 2

Marcelo Lomba; Ernando, Paulão, Alan Costa e Artur; Fernando Bob, Fabinho, Seijas e Valdívia (Ariel); Sasha (Gustavo Ferareis) e Nico López.

Técnico: Falcão.

Fluminense 2

Diego Cavalieri; Wellington Silva, Gum. Henrique, William Matheus, Douglas, Cícero, Gustavo Scarpa, Marcos Júnior (Danilinho), Wellington e Henrique Dourado (Samuel).

Técnico: Levir Culpi.

Gols: Gustavo Scarpa (2min/1ºT e aos 17min/2ºT) e Seijas (47min/1ºT) e Fabinho, Fernando Bob (32min/2ºT)

Cartões amarelos: Henrique, Douglas, Wellington, Gustavo Scarpa e Marcos Júnior (F) e Artur, Paulão e Alan Costa (I)

Árbitro: Rafael Traci (PR)

Auxiliares: Bruno Boschilia (PR) e Ivan Carlos Bohn (PR)

Público total: 22.505

Renda: R$ 483.000

Local: Beira-Rio, em Porto Alegre (RS).

Fonte: CP

Paulo Roberto Falcão será o novo técnico do Internacional

Reunião na zona norte de Porto Alegre contou com a presença de Falcão, Pellegrini e Piffero

1468399762_63

Foto: Divulgação

 

Paulo Roberto Falcão será o novo treinador do Internacional. O retorno do ídolo colorado foi acertado após longa reunião com Carlos Pellegrini, vice de futebol e com o presidente do Internacional Vitório Piffero. A informação já foi postada no site do time.
Após negativa de Mano Menezes e Abel Braga, o Inter partiu para um outro plano e chegaram ao nome de Falcão, que irá assinar por 1 ano com a equipe do Beira-Rio. A comissão técnica ainda não foi confirmada. Essa será a terceira passagem de Falcão como treinador do Internacional.

Fonte: Rádio Gaúcha

Inter tem mais uma atuação ruim e perde para o Flamengo por 1 a 0

Colorado marcou apenas um ponto nos últimos quatro jogos no Brasileirão

thumb

Inter foi derrotado pelo Flamengo em Cariacica | Foto: Gilvan Souza / Flamengo / Divulgação / CP

 

O Inter foi derrotado pelo Flamengo por 1 a 0 na noite desta quarta-feira em Cariacica e chegou ao quarto jogo sem vitória no Campeonato Brasileiro. O único gol da partida foi marcado por Ederson, aos 18 minutos do primeiro tempo. Mais uma vez, o Colorado teve uma atuação fraca e não conseguiu criar nenhuma chance clara de gol ao longo dos 90 minutos.

Com a derrota, o Inter segue com 20 pontos e pode deixar o G4 ao final da rodada. O Flamengo chegou aos mesmos 20, mas segue atrás do time de Argel pelo saldo de gols. O Colorado volta a campo no próximo domingo, às 11h, para enfrentar o Grêmio no clássico no Beira-Rio. No mesmo dia, mas às 16h, o Flamengo encara o Corinthians no Itaquerão.

Erro na defesa custa caro

Com a presença de Seijas, o técnico Argel Fucks mudou o esquema tático do Inter para enfrentar o Flamengo em Cariacica. O Colorado iniciou a partida no 4-4-2 com um losango no meio-campo. Fernando Bob foi o primeiro volante, com Dourado e Anderson pelos lados e Seijas centralizado como homem mais avançado no setor. O time mostrou um certo desentrosamento com o novo posicionamento durante a primeira etapa.

Mal o jogo começou e a bola parou aos 3 minutos por conta de uma queda de energia no estádio Kléber Andrade. Após seis minutos de parada, a bola voltou a rolar. E logo o Flamengo chegou ao gol. Após cruzamento de Willian Arão da direia, o outro estreante da noite do inter, Leandro Almdeira, falhou e deixou Guerrero ganhar a bola pelo alto. O peruano cabeceou para o meio da área, onde Ederson surgiu livre para mandar para o gol sem chances para Muriel, 1 a 0.

Atrás no marcador, o Inter adiantou sua marcação e passou a ocupar o campo do Flamengo. No entanto, faltou organização para o time criar. A única finalização colorada no primeiro tempo ocorreu aos 37 minutos, com William que arriscou de fora da área, mas mandou longe do gol defendido por Alex Muralha. O Flamengo ainda teve chance de marcar o segundo com Cirino, que finalizou de dentro da pequena área após uma sobra de bola, mas Muriel fez a defesa.

Outro esquema, mesma derrota

O Inter voltou para o segundo tempo com uma mexida. O atacante Mike entrou no lugar de Anderson. O esquema também foi alterado. O Colorado voltou ao habitual 4-2-3-1 com Eduardo Sasha e Mike pelos lados e Seijas centralizado atrás de Vitinho.

Apesar nas mudanças no ataque e no esquema, o Inter seguiu com dificuldade para criar jogadas. O goleiro Alex Muralha seguiu sem ser exigido no começo do segundo tempo. Aos 18, o técnico Argel Fucks mudou novamente a equipe. Alex entrou no lugar de Seijas. E em sua primeira jogada, o atacante já procurou chutar no gol. Aos 19, ele arriscou o chute de fora da área e mandou à direita de Muralha.

Apesar da tentativa de Argel de tornar o Inter mais ofensivo, foi o Flamengo quem começou a criar chances de gol a partir dos 20 minutos. O gol só não veio por conta de uma boa atuação de Muriel. Aos 19, Everton chutou cruzado e ele defendeu. Na sequência, aos 21 e 22, novamente o goleiro do Inter foi importante para evitar o segundo gol carioca. E nas duas pulou no canto direito para salvar. Primeiro, em chute de Willian Arão e, depois, em finalização de Guerrero.

Aos 36, Argel fez a última mudança no time. Valdívia, fora desde novembro após passar por uma cirurgia no joelho, entrou no lugar de Eduardo Sasha, de atuação apagada. No entanto, Valdívia não teve tempo para quase nada. O Flamengo ainda quase ampliou com Alan Patrick, que finalizou perto da trave esquerda de Muriel aos 42 minutos.

Brasileirão – 12ª Rodada

Flamengo 1

Muralha; Rodinei (Pará), Réver, Rafael Vaz, Jorge; Willian Arão, Márcio Araújo, Ederson (Éverton), Alan Patrick, Cirino; Guerrero. Técnico: Zé Ricardo.

Inter 0

Muriel; William, Leandro Almeida, Ernando e Artur; Rodrigo Dourado, Fernando Bob, Anderson e Seijas (Alex); Sasha (Valdívia) e Vitinho. Técnico: Argel Fucks.

Gols: Ederson (18min/1ºT)

Cartões amarelos: Réver (FLA); Fernando Bob (INT)

Árbitro: Ricardo Ribeiro (MG), auxiliado por Pablo Almeida da Costa e Celso Luiz da Silva.

Local: Estádio Kleber Andrade, em Cariacica (ES).

Fonte: CP

Pellegrini lamenta perda da chance de liderar Brasileirão

Contratações do Inter devem reforçar equipe para quarta-feira

thumb

Pellegrini lamenta perda de chance de liderar Brasileirão | Foto: Guilherme Testa

 

O Inter foi derrotado em casa pelo Botafogo, nesse domingo, e perdeu a oportunidade de assumir novamente a ponta do Campeonato Brasileiro. O vice de futebol Colorado, Carlos Pellegrini, lamentou a derrota em casa e a possibilidade de ter liderado a competição.

“Lamentavelmente, estamos em segundo lugar no campeonato onde poderíamos estar em primeiro. Não foi uma boa jornada, mas valeu pelo empenho de todos os jogadores, principalmente no segundo tempo”, disse.

Os Colorados novamente saíram da partida reclamando dos possíveis erros da arbitragem. “O Fabinho não tinha que ter sido expulso, pode ter sido determinante. É ruim falar da arbitragem, mas estamos nos sentindo prejudicados de alguma forma”, comentou o dirigente.

Para a partida desta quarta-feira, quando o Inter enfrenta o Flamengo fora de casa, às 19h30min, algumas contratações feitas pelo clube – como Ariel e Seijas – devem reforçar a equipe de Argel. “Nossos reforços devem estar disponíveis, possivelmente na quarta, e com isso ganhamos mais força e irá nos ajudar bastante”, declarou Pellegrini.

 

Fonte: CP

Inter faz melhor jogo do ano, vence o Atlético-MG e é líder isolado do Brasileirão

1466123380_80

Foto: André Ávila / Agencia RBS

O líder do campeonato teve uma atuação, realmente, de líder do campeonato. Em uma partida praticamente perfeita, o Inter fez 2 a 0 no Atlético-MG, abriu três pontos do Palmeiras e vai para dois jogos fora de casa até com uma gordura acumulada.
Argel manteve o time que vinha treinando. Com Rodrigo Dourado no lugar de Fernando Bob e Geferson na vaga de Artur, montou um esquema que variava entre o 4-2-3-1 e o 4-1-4-1, cada vez que Fabinho se juntava à linha de frente no meio. Contra um Atlético-MG recheado de bons jogadores, mas sem química entre si, o líder do campeonato esbanjou organização e, principalmente, entrega.
Neste ritmo, fez uma etapa inicial empolgante. Amassou o Galo desde o início. Antes do primeiro minuto, Vitinho fez a parede e deixou para Alex, que encontrou Sasha. O camisa 9 viu Victor saindo e tentou por cobertura, mas a bola saiu por cima do travessão.
Aos oito minutos, Alex arriscou da intermediária e Victor espalmou para escanteio. Na cobrança, a zaga cortou mal, mas ninguém do Inter apareceu para empurrar a bola para o gol.
Melhor em campo, o Inter explorava o lado direito, onde William, mais uma vez, se destacava. Foi por lá que veio outra chance clara, aos 30. Após cobrança de falta pelo lateral, Ernando cabeceou, Victor espalmou para frente e Dourado jogou o rebote para fora.
No minuto seguinte, Sasha fez jogada pela esquerda e serviu Ferrareis, que arrematou para o gol. Vitinho empurrou para o gol, mas estava impedido.
A pressão era tanta que uma hora foi impossível para o Atlético-MG segurar. Aos 32, Vitinho, pela direita, recebeu, invadiu a área e chutou cruzado. No segundo pau, Sasha apareceu para concluir de perna esquerda com Victor já batido: 1 a 0.
Se o Atlético-MG teve seus únicos minutos de supremacia depois de levar o gol até o intervalo, a volta do segundo tempo foi igual ao início do primeiro. Pressão, dedicação, vontade e — a palavra da moda — intensidade determinaram um Inter sufocante, que mal deixava o adversário respirar. Com isso, pela primeira vez no campeonato, a torcida foi junto ao time. O Beira-Rio fez barulho e empolgou os jogadores. Duas oportunidades foram criadas, ambas em cobranças de escanteio, ambas foram por cima do gol.
Com a qualidade de estrela como Robinho, o Atlético-MG fez Danilo trabalhar em dois chutes do atacante de fora da área. Passado o susto, o Inter quase fez o segundo depois de Alex encontrar Sasha pelo lado esquerdo. Sasha entregou para Vitinho, mas o passe ruim dificultou o domínio e Rafael Carioca salvou.
A partir do crescimento do Atlético-MG, Argel colocou Anderson no lugar de Alex, para dar mais condução de bola. No Galo, Marcelo Oliveira tirou o lateral-direito Carlos César, recuou Patric e mandou a campo o atacante Clayton. Depois, tentou reorganizar o meio com Carlos Eduardo.
Nada adiantou. Argel, mais uma vez, ganhou o duelo tático. Um passe de Geferson achou Anderson entrando embalado. Em alta velocidade, ignorou a marcação adversária e deu para Vitinho, em sua última participação no jogo (entrou Aylon em seu lugar), vencer Victor e explodir o Beira-Rio.
Dali em diante, era só administrar. Marcando forte, só viu o Atlético-MG ter uma chance, mas Danilo Fernandes fez sua grande defesa da noite em jogada de Fred e conclusão de Robinho. Fora isso, foi só cantoria da torcida e olé dos colorados em campo.

Fonte: Zero Hora

Inter vence o Atlético-PR e dorme líder do Brasileirão

thumb.aspx

Colorado enfrentou dificuldades, mas garantiu o 1 a 0 para levar os três pontos | Foto: Ricardo Giusti

 

Mesmo com alguma dificuldade em um jogo truncado, o Inter venceu e garantiu mais três pontos sobre o Atlético-PR, o suficiente para assumir a liderança, ao menos temporária, do Brasileirão. A equipe de Argel se complicou na marcação adianatada do Furacão, mas superarou o bloqueio e anotou o 1 a 0, nesta quarta-feira, estádio no Beira-Rio.

A vitória deixa o Colorado na ponta do campeonato com 13 pontos, aguardando o resultado do Grêmio nesta quinta – caso o Tricolor vença, o time de Roger reassume a liderança. O Atlético-PR, por sua vez, estaciona nos quatro pontos e cai para 17º, primeiro da zona do rebaixamento. No próximo domingo, o desafio do Inter será o Vitória, fora de casa.

Trave salva e Vitinho marca

A marcação do Furacão na saída de bola complicou o começo da partida para os comandados de Argel Fucks. Com mais domínio de bola no meio, o Atlético-PR também produziu as melhores chances neste início de partida. Logo aos três minutos, Thiago Heleno subiu sozinho na área e cabeceou forte, mas sobre o gol.

Aos 13, a trave evitou que os visitantes abrissem o placar. Pablo recebeu na entrada da área, tirou a defesa com um giro e saiu na cara do gol. Chutou cruzado, sem chances para Danilo Fernandes. Para a sorte da defesa, a bola parou no poste. No lance seguinte, Giovanni perdeu a chance na cara do gol. Ele driblou William e chutou forte, mas pelo lado esquerdo das redes.

A resposta colorada veio apenas aos 23 minutos. Ferrareis foi acionado na direita, cruzou na área e Vitinho chutou de primeira. Bateu de chapa tentando o ângulo, mas a bola passou em tiro de meta. Vitinho voltou a arriscar do meio da rua aos 36 e tirou tinta do poste esquerdo.

Estava amadurecendo o gol. Se com a bola rolando a marcação dificultava a vida do Inter, veio a bola parada. Aos 38 minutos, Artur levantou na área e Paulão desviou, batendo no ar contra o zagueiro Cleberson, que precisou ser atendido depois do lance. Com o defensor caído, sobrou para Vitinho que fulminou as resde com o 1 a 0.

Os atleticanos reclamaram muito, com seu companheiro caído e sangrando pelo nariz, mas a colisão na área foi involuntária e o árbitro confirmou o gol da vantagem colorada antes da virada para o segundo tempo.

Colorado quase amplia nos contra-ataques em meio à arbitragem polêmica

O Furacão ensaiou uma pressão no retorno do intervalo, mas o Inter conseguiu controlar melhor os ímpetos do rival no segundo tempo. A melhor chance dos visitantes foi aos 10 minutos, quando Pablo evitou a saída na linha de fundo e tocou para Giovanni. Dentro da área, ele chutou colocado, mas errou a mira e mandou para fora.

Já o Colorado explorou os contragolpes e também criou poucas chances, muitas vezes por conta dos erros de passe. Chute a gol mesmo, apenas na base da pressão aos 31 minutos. E aí foram três: Andrigo dominou no peito e chutou forte dentro da área, só que carimbou a defesa. Vitinho pegou o rebote e experimentou, porém também parou no bloqueio defensivo. Respingou para Fernando Bob na intermediária e ele chutou forte, mas por cima da goleira.

A última chance dos rivais para igualar veio num pé alto de Fernando Bob na frente da área, aos 41 minutos em cima de Walter. Ernando, contudo, estava lá e desviou o cruzamento para Paulão despachar para aliviar a pressão e comemorar a vitória.

Ao longo de etapa final, entretanto, sobrou reclamação por parte dos colorados com relação à arbitragem. Todos os cinco cartões amarelos que os jogadores colorados receberam foram depois do intervalo.

Brasileirão – 5ª rodada

Inter 1

Danilo Fernandes; William, Paulão, Ernando e Artur; Fernando Bob; Fabinho (Anselmo), Gustavo Ferrareis (Aylon) e Andrigo (Alex); Vitinho e Sasha. Técnico: Argel Fucks.

Atlético-PR 0

Weverton; Eduardo, Thiago Heleno, Cleberson (Wanderson) e Sidcley; Otávio, Deivid e Pablo (Vinícius); Giovanny (Ewandro), Marcos Guilherme e Walter. Técnico: Paulo Autuori.

Gol: Vitinho (38min/1ºT).

Cartões amarelos: Paulão, Anselmo, Fernando Bob, Andrigo, Alex (I); Evandro, Eduardo (A).

Público: 20,3 mil.

Renda: R$ 600.080,00.

Arbitragem: Wagner do Nascimento Magalhães (RJ), auxiliado por Dilbert Pedrosa Moisés (RJ) e Rogério Zanardo (SP).

Local: Beira-Rio.

Fonte: CP

“Precisamos estar bem até chegada dos reforços”, diz Argel

Contratações estariam disponíveis a partir da 12ª rodada

thumb (1)

Treinador comemora arrancada, mas pede pés no chão | Foto: Ricardo Duarte / Inter / Divulgação / CP

 

O Inter arrancou bem no Campeonato Brasileiro e espera pelos reforços para qualificar mais o grupo no restante da competição. As contratações coloradas ficariam disponíveis para jogar a partir da 12ª rodada e, segundo o treinador Argel, a equipe tem que se manter bem no Brasileirão até a chegada dos novos jogadores. “Precisamos estar bem até a chegada dos reforços na 12ª rodada. Vou ter um problema que todo treinador gosta: quantidade e qualidade em um elenco”, disse.

O comandante colorado tem usado, nas últimas partidas, diferentes formações. Contra o São Paulo, por exemplo, utilizou três volantes, já contra o Santos, apostou em dois volantes e dois meias. “A gente vem trabalhando em vários esquemas táticos, não é do dia para a noite. Hoje a gente vê o Inter bem fisicamente, bem tecnicamente e bem taticamente”, declarou o treinador.

“A equipe tem sistemas de jogo variáveis e os jogadores estão entendendo a função que cada um tem que exercer dentro de campo. Trabalhamos a 200 por hora e por isso conseguimos jogar a 200 por hora. Há um sacrifício grande por parte de todos”, finalizou Argel.

Na manhã desta segunda-feira, apenas jogadores não relacionados treinaram no CT do Parque Gigante. O grupo que venceu o Santos, na Vila Belmiro, por 1 a 0, no domingo, se reapresenta na terça-feira, às 9h30min. O próximo compromisso do Colorado é contra o Atlético-PR, às 19h30min, no estádio Beira-Rio.

Fonte: CP