Posts

Petrobras reduz preço da gasolina em 3%

Preço médio do combustível nas refinarias cairá de R$ 1,8144 para R$ 1,7595 por litro

A Petrobras anunciou nesta segunda (10) redução de 3% no preço da gasolina em suas refinarias. É o terceiro corte desde o dia 24 de maio, acompanhando a redução das cotações internacionais do combustível.

De acordo com a estatal, o litro da gasolina será reduzido em R$ 0,0549 a partir desta terça (11). Assim, o preço médio praticado pelas refinarias da empresa cairá de R$ 1,8144 para R$ 1,7595 por litro.

É o menor valor desde o dia 12 de março. Após três cortes consecutivos, o preço da gasolina vendida pela Petrobras acumula queda de 14%.

No dia 31 de maio, a estatal reduziu o preço da gasolina em 7,1%, fato que gerou comemoração do presidente Jair Bolsonaro no Twitter. Antes, no dia 24, a queda havia sido de 4,4%.

O repasse às bombas depende de políticas comerciais de distribuidoras e postos de combustíveis. A gasolina vendida pela Petrobras corresponde a 31% do preço final do produto.

O ciclo de queda acompanha as variações do mercado internacional de petróleo. Desde a o fim de maio, quando o último corte foi anunciado, o preço da gasolina no Golfo do México caiu 4,5%, de acordo com a agência americana de informações em energia.

A política de preços dos combustíveis da Petrobras considera as variações das cotações internacionais e da taxa de câmbio. Acrescenta ainda os custos para trazer os produtos ao mercado brasileiro.

Para a gasolina, a política estabelece prazos máximos de 15 dias para reajustes. No caso do diesel, os reajustes não podem ocorrer em prazos inferiores a 15 dias, medida adotada em meio a crescentes insatisfações dos caminhoneiros.

O último ajuste no preço do diesel foi anunciado também no dia 31 de maio, quando o valor praticado pelas refinarias da Petrobras foi reduzido em 6%.

Desde março, a Petrobras pratica prazos mínimos de 15 dias para reajustes no preço do diesel. Já a política de preços da gasolina prevê prazos máximos de 15 dias para alterações.

Fonte: ZH

Rádio Metrópole

Preço para cálculo do ICMS da gasolina sobe mais 10 centavos no RS

Reajuste entra em vigor em 16 de maio

Patrick Rodrigues / Agencia RBS

O preço para cálculo do ICMS da gasolina comum terá mais uma alta no Rio Grande do Sul. A elevação será de 10 centavos e entra em vigor no dia 16 de maio. No início do mês, já tinha subido oito centavos.

O chamado valor de pauta sobe agora para R$ 4,78. É sobre ele que incide a alíquota de 30% do tributo sobre a gasolina para recolhimento pelas empresas.

Já esperada, o alerta sobre a nova elevação é do Sulpetro, sindicato que representa os postos do Rio Grande do Sul.  A Receita Estadual considera a média das notas fiscais eletrônicas emitidas em um determinado período anterior pelos postos de combustível do Rio Grande do Sul. Se sobe na bomba, tende a aumentar o valor de pauta do ICMS depois. Costuma haver, portanto, um efeito em cascata posterior nos preços aos consumidores.

A última pesquisa da Agência Nacional do Petróleo identificou preço médio da gasolina em R$ 4,77 no Rio Grande do Sul. Só nas últimas quatro semanas, a alta é de R$ 0,14. Há municípios, com postos cobrando R$ 5,29 pelo litro do combustível.

A média ainda não atingiu, no entanto, o pico mais alto de preço, que foi registrado em outubro do ano passado. Na época, a pesquisa da ANP apontou média de preço de R$ 4,953 na gasolina em postos do Rio Grande do Sul.

 

Fonte: ZH

Petrobras anuncia alta de R$ 0,07 na gasolina para distribuidoras

Diesel manteve seu preço inalterado na decisão da companhia

Foto: Mauro Schaefer / CP Memória

 

A Petrobras anunciou, na noite desta segunda-feira, um aumento médio de R$ 0,07 por litro de gasolina às distribuidoras. Os novos valores passarão a valer a partir da meia-noite desta terça-feira. O litro do diesel não sofrerá aumento.

Conforme a companhia, o preço final ao consumidor atende às leis de mercado e não depende da Petrobras, podendo ficar acima ou abaixo do aumento nas refinarias. Sobre o valor pago pelos motoristas nas bombas, incidem tributos estaduais e municipais, além do valor da mão de obra, custos de operação e margem de lucro de cada distribuidora e de cada posto de combustível.

“Nossa política de preços para a gasolina e o diesel vendidos às distribuidoras tem como base o preço de paridade de importação, formado pelas cotações internacionais destes produtos mais os custos que importadores teriam, como transporte e taxas portuárias, por exemplo. A paridade é necessária porque o mercado brasileiro de combustíveis é aberto à livre concorrência, dando às distribuidoras a alternativa de importar os produtos”, explicou a estatal em nota.

Segundo a companhia, a gasolina e o diesel vendidos são diferentes dos produtos no posto de combustíveis. São os combustíveis tipo A: gasolina antes da sua combinação com o etanol e diesel sem adição de biodiesel. “Os produtos vendidos nas bombas ao consumidor final são formados a partir do tipo A misturados a biocombustíveis”, explicou a Petrobras.

 

Fonte: AG. Brasil

Santa Rosa tem a gasolina mais barata do RS

Diorgenes Pandini / Diario Catarinense

O preço da gasolina teve nova queda no Rio Grande do Sul. Na última semana, a redução chegou a R$ 0,10 no valor médio encontrado pela Agência Nacional do Petróleo, que pesquisou 360 postos de combustíveis no Estado.

A gasolina comum está custando em média R$ 4,35 contra R$ 4,45 da semana anterior. O preço mais baixo encontrado foi novamente em Santa Rosa, onde três postos cobravam R$ 3,77. Todos ficam no centro da cidade, com a razão social Auto Posto Expedicionário Ltda, Flavia P. Schneider e Posto de Combustíveis Vaccari Ltda.

Pela pesquisa, os postos repassaram praticamente toda a redução feita pela distribuidora. A ANP também divulga as médias cobradas pelas empresas que vendem o combustível e caiu de R$ 3,93 para R$ 3,82 o preço por litro, ou seja, R$ 0,11.

O preço de pauta da gasolina cairá novamente a partir de 1º de fevereiro. A redução será de 3,4%, passando de R$ 4,5561 para R$ 4,4016. Ficará, então, R$ 0,15 menor. Em janeiro, a redução já tinha sido de R$ 0,27. O valor de pauta é sobre o qual incide o ICMS para recolhimento na distribuidora. A Receita Estadual considera os preços cobrados pelos postos de combustível na primeira quinzena do mês.

Valor de pauta para o ICMS

O preço de pauta da gasolina cairá novamente a partir de 1º de fevereiro. A redução será de 3,4%, passando de R$ 4,5561 para R$ 4,4016. Ficará, então, R$ 0,15 menor. Em janeiro, a redução já tinha sido de R$ 0,27. O valor de pauta é sobre o qual incide o ICMS para recolhimento na distribuidora. A Receita Estadual considera os preços cobrados pelos postos de combustível na primeira quinzena do mês.

Refinaria

Já na refinaria, o preço da gasolina engatou uma sequência de três altas após meses de reduções. A Petrobras elevou neste sábado (19) o valor em 2,1%, a R$ 1,5308 o litro. Acompanha o aumento de preços do petróleo no cenário internacional.

 

 

Fonte: ZH

Gasolina atinge menor preço em 33 semanas no RS

André Ávila / Agencia RBS

O preço do litro da gasolina engatou marcha a ré e atingiu o menor nível em 33 semanas no Rio Grande do Sul. Entre 30 de dezembro e 5 de janeiro, o valor médio cobrado nas bombas foi de R$ 4,482. Com o resultado, retornou ao patamar anterior à greve dos caminhoneiros. De 13 a 19 de maio, às vésperas da paralisação dos motoristas, o combustível era vendido por R$ 4,439 no Estado, apontam dados da Agência Nacional do Petróleo (ANP).

Mesmo com o recuo nos postos, o preço gaúcho ainda é o mais elevado da Região Sul e segue em nível superior à média nacional. Segundo a ANP, o valor registrado no país, entre 30 de dezembro e 5 de janeiro, caiu para R$ 4,330. Assim como no Rio Grande do Sul, a marca brasileira também é a menor em 33 semanas.

Para analistas, a redução nas bombas espelha a recente baixa no mercado internacional do preço do petróleo, calculado em dólar, que também passou a cair após as eleições presidenciais. Conforme política adotada pela Petrobras em 2017, a cotação da commodity serve de referência para a estatal fixar os valores dos combustíveis.

– Nos últimos meses, a gasolina, de alguma forma, vem acompanhando a flutuação do petróleo – afirma o diretor da consultoria ES Petro, Edson Silva.

No Rio Grande do Sul, a redução também teve influência de uma questão tributária. No início deste mês, o Preço Médio Ponderado ao Consumidor Final (PMPF) caiu R$ 0,27, para R$ 4,55 por litro. É sobre esse valor médio, determinado após pesquisa feita pela Receita Estadual junto aos postos, que incide a cobrança do ICMS da gasolina. Ou seja, quanto menor for o preço de pauta, menor o impacto do tributo sobre o combustível.

– O corte no preço de pauta traz movimento positivo para o setor. Além disso, o mecanismo de hedge (proteção financeira), que a Petrobras adotou em setembro para conter a oscilação da gasolina, ajudou os postos. Trouxe maior previsão sobre os preços – afirma João Carlos Dal’Aqua, presidente do Sulpetro, que representa os postos gaúchos.

Segundo analistas, o preço mais salgado da gasolina no Rio Grande do Sul frente a outros Estados guarda relação, em parte, com o ICMS mais elevado. A alíquota gaúcha sobre o combustível é de 30%. Em Santa Catarina, por exemplo, de 25%. Além disso, a gasolina que chega às bombas tem o acréscimo de 27% de etanol anidro, não produzido no Rio Grande do Sul. A necessidade de trazê-lo de Estados como o Paraná também encarece o preço final cobrado dos gaúchos.

Possibilidade de novos cortes nos próximos dias

Apesar desses obstáculos, a tendência para o Rio Grande do Sul, nas próximas semanas, é de que o valor nos postos tenha novos cortes, diz Dal’Aqua. O dirigente evita projetar a qual nível as eventuais reduções poderiam chegar.

– A tendência é de baixa, mas com o preço ainda em patamar elevado – observa Dal’Aqua.

Silva também avalia que o preço tende a apresentar novas reduções. O analista lembra que, após cair em 2018, o valor do petróleo no mercado internacional tem subido nas últimas semanas, mas pondera que o dólar segue “estabilizado”, com a simpatia inicial do mercado financeiro ao governo Jair Bolsonaro.

– Se esse cenário for confirmado, é possível esperar aumento no consumo de combustíveis e na rentabilidade dos postos. Durante a greve dos caminhoneiros, houve queda nas margens do setor, que já estão se recuperando – menciona Silva.

Em 2018, alta nas bombas, queda nas refinarias

Mesmo com a redução nas últimas semanas, o preço da gasolina no Rio Grande do Sul fechou 2018 com alta de 2,9% em relação a 2017. Ao final de dezembro, o valor médio nos postos gaúchos chegou a R$ 4,500, indicam dados da ANP.

No país, também houve avanço na mesma comparação. A média nacional encerrou a última semana do ano passado em R$ 4,344, aumento de 5,9% frente a 2017.

Nas refinarias, o comportamento da gasolina foi inverso. Entre janeiro – o primeiro dado mensal disponível – e dezembro de 2018, o preço do combustível na Alberto Pasqualini (Refap), em Canoas, passou de R$ 1,6294 para R$ 1,5598, redução de 4,3%. Divulgados pela Petrobras, os valores não incluem o peso de tributos. Além disso, a gasolina vendida nas refinarias para as distribuidoras não contempla o acréscimo de etanol anidro, que também tende a encarecer os preços finais.

Presidente do Sulpetro, João Carlos Dal’Aqua afirma que o descompasso em relação às refinarias pode ser atribuído, em parte, à retomada nas margens de lucro:

– A queda nas refinarias reflete a baixa global no valor do petróleo. No mercado interno, houve retomada nas margens, que estavam dilaceradas em todo o segmento. Historicamente, permaneciam em torno de 12% nos postos. Com os reajustes quase diários da Petrobras, haviam ficado abaixo de 10%. Mas os grandes ganhos foram os das distribuidoras.

Dal’Aqua diz “não ser contra” a política de preços da Petrobras, desde que existam mecanismos de proteção – como o hedge em vigor desde setembro – para conter as oscilações. Segundo o dirigente, cerca de cem postos fecharam as portas no Estado desde julho de 2017, quando a estatal mudou sua política de reajustes.

Fonte: ZH

Litro da gasolina terá redução de 2% nas refinarias a partir desta terça-feira

Com isto, o valor a ser negociado será de R$ 2,06

Foto: EBC

A Petrobras anunciou que, a partir desta terça-feira (23), o litro da gasolina terá redução de 2% nas refinarias. Com isto, o valor a ser negociado será de R$ 2,06.

De acordo com a estatal, essa é a sétima queda consecutiva do preço, desde 22 de setembro.

O preço do litro do combustível atingiu maior valor nas refinarias no dia dia 14 de setembro, quando a Petrobras passou a cobrar pelo litro da gasolina R$ 2,25, preço que se manteve por 12 dias.

Já o óleo diesel cobrado nas refinarias está em R$ 2,36, o litro, desde o dia 30 de setembro, quando o preço foi reajustado.

Reportagem, Cintia Moreira

Fonte: Agência do Rádio

Petrobras reduz preços do diesel e gasolina nas refinarias

sede_petrobras3

Redução segue nova política de preços da PetrobrasTânia Rêgo/Agência Brasil

A Petrobras anunciou ontem (26) redução no preço do diesel nas refinarias em 5,1%, em média, e da gasolina em 1,4%, em média. Os novos valores começam a ser aplicados sexta-feira (27).

A redução nas refinarias não necessariamente chegará aos consumidores porque a lei brasileira garante liberdade de preços no mercado de combustíveis e derivados. “Isso dependerá de repasses feitos por outros integrantes da cadeia de combustíveis, especialmente distribuidoras e postos revendedores”, informou a Petrobras.

Pelos cálculos da empresa, se o ajuste for repassado integralmente e não houver alterações nas demais parcelas que compõem o preço ao consumidor final, o diesel pode cair 2,6% ou cerca de R$ 0,08 por litro, em média, e a gasolina, 0,4% ou R$ 0,02 por litro, em média.

Política de preços

As mudanças anunciadas  seguem a política de preços da estatal divulgada em outubro de 2016. A companhia reafirmou a intenção de rever os preços pelo menos uma vez a cada 30 dias, política que dá “a flexibilidade necessária para lidar com variáveis com alta volatilidade”.

Segundo a Petrobras, os novos preços mantêm a margem positiva em relação à paridade internacional. As alterações são resultado da valorização do real desde a última revisão de preços, de ajustes na competitividade da Petrobras no mercado interno e da redução dos preços dos derivados nos mercados internacionais, em particular do diesel, que registrou elevação de estoques por causa de inverno menos rigoroso do que o previsto no Hemisfério Norte, de acordo com a estatal.

Fonte:Agência Brasil

Em um ano, preço da gasolina, diesel e etanol registra maior aumento

naom_55ca21227d9a5

Duante a divulgação da inflação oficial no país em 2016, técnicos do IBGE disseram que a alta do combustível deve pressionar a inflação de janeiro

Pela segunda semana consecutiva, o preço da gasolina subiu mais uma vez e atingiu o maior valor referente às últimas semanas do ano passado. A quantia foi de R$ 3,773. Na semana, a alta foi de 0,29% e o aumento acumulado em 2017 é de 0,48%.

Segundo o G1, na última quarta-feira (11), durante a divulgação da inflação oficial no país em 2016, técnicos do IBGE disseram que a alta do combustível deve pressionar a inflação de janeiro.

O valor médio do diesel atingiu R$ 3,085 por litro no país, uma alta de 1,28% na semana. Já etanol subiu 1,75%, para R$ 2,913, de acordo com dados da ANP.

 

*G1/IBGE

Homem procurado pela Justiça de Cerro Largo, é preso em Santo Ângelo

1462801698_89

Foto: Brigada Militar / Divulgação

 

Na manhã de domingo (08) guarnição do 7º RPMon deslocou até um Posto de Gasolina para atender uma ocorrência, onde um veículo havia colidido contra uma lixeira. No local, os policiais militares localizaram o veículo, sendo que o condutor estava saindo do veículo e apresentava visíveis sinais de embriaguez
Foi abordado, identificado e constatado no sistema informatizado da Brigada Militar que contra o mesmo havia um Mandado de Prisão expedido pela Comarca de Cerro Largo, tendo diversas passagens por furto.
O indivíduo foi preso e encaminhado à Delegacia de Polícia para os procedimentos legais.

Fonte: Rádio Cidade-Santo Ângelo

Caçapava do Sul tem a gasolina mais cara do Rio Grande do Sul

Comparação foi feita com base na pesquisa semanal de preços da ANP
17876973

Foto: Jean Pimentel / Agencia RBS

Em quase todos municípios gaúchos, o aumento do ICMS de 25% para 30% repercutiu no preço dos combustíveis. Em média, conforme Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis e Lubrificantes do Rio Grande do Sul (Sulpetro), o consumidor está pagando 7,6% a mais desde a virada do ano.

A Associação Nacional do Petróleo (ANP) faz levantamentos semanais em 40 municípios do Estado, quatro deles fazem parte da região de cobertura do “Diário”.

Entre todos os gaúchos pesquisados pela ANP, Caçapava do Sul tem o preço médio mais caro do Estado: R$ 4,20, em levantamento feito entre 3 a 9 de janeiro. Postos de São Gabriel também cruzaram a barreira dos R$ 4. Detalhe, o preço cobrado em Santa Maria é quase igual ao valor do combustível nos postos de Brasília.

17876987

Fonte: Diário de Santa Maria