Sobe para 557 o número de casos de dengue contraída dentro do RS em 2019

Foto: Pixabay/Divulgação

Os casos de dengue autóctone, quando a doença é contraída dentro do estado, aumentaram no Rio Grande do Sul. De acordo com o último boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria Estadual de Saúde (SES), são 557 incidências.

O número aumentou 22% em relação ao boletim divulgado na semana anterior, que apontava 456 casos autóctones no estado. São 34 municípios com registro da doença (veja a lista completa abaixo).

Considerando os importados, o estado tem confirmados, até o dia 18 de maio, 636 casos de dengue. No total, foram 2.062 notificações. Destas, além das confirmadas, 843 foram descartadas, 549 aguardam investigação, e 34 foram classificadas como inconclusivas.

A SES reforça que as notificações ocorrem em todos os meses do ano, embora haja um aumento durante a sazonalidade da doença que ocorre entre os meses de novembro a maio.

Cidades gaúchas com casos autóctones em 2019

  • Alvorada
  • Bom Princípio
  • Cachoeirinha
  • Cândido Godói
  • Canoas
  • Cruz Alta
  • Erechim
  • Erval Seco
  • Esteio
  • Getúlio Vargas
  • Glorinha
  • Horizontina
  • Ijuí
  • Ivoti
  • Marau
  • Palmeira das Missões
  • Panambi
  • Pirapó
  • Porto Alegre
  • Ronda Alta
  • Santa Barbara do Sul
  • Santa Cruz do Sul
  • Santa Rosa
  • Santo Ângelo
  • Santo Antônio das Missões
  • São Borja
  • São Leopoldo
  • Sapucaia do Sul
  • Sarandi
  • Tenente Portela
  • Três de Maio
  • Três Passos
  • Tuparendi
  • Viamão

Casos autóctones no RS

  • 2019: 557
  • 2018: nenhum registro
  • 2017: 2
  • 2016: 2.159
  • 2015: 1.044

Febre Chikungunya

Conforme o mesmo levantamento divulgado pela Secretaria Estadual da Saúde, o Rio Grande do Sul notificou neste ano 166 casos de febre chikungunya, 14 a mais do que na semana anterior. Destes, três casos foram confirmados importados, 126 foram descartados e 37 continuam em investigação diagnóstica.

Os casos confirmados foram registrados com moradores de Porto Alegre e na Região de Santo Ângelo.

As notificações de casos suspeitos ocorreram em 64 municípios de 18 Coordenadorias Regionais de Saúde.

Vírus da zika

Neste ano, o Rio Grande do Sul teve um caso autóctone confirmado, no município de Gravataí, na Região Metropolitana de Porto Alegre. Dos casos suspeitos, 23 foram descartados laboratorialmente e 36 continuam em investigação.

Fonte: G1 RS

Rádio Metrópole

Slime tem ingrediente que pode causar intoxicação, alerta Anvisa

Pais devem ter cuidado com o uso do bórax no preparo caseiro. Pediatras não recomendam a brincadeira

Lucas Amorelli / Agencia RBS

Febre entre as crianças, o slime, espécie de geleca colorida, foi alvo de alerta recente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Em comunicado publicado em seu site, o órgão afirma que o bórax (ou borato de sódio) usado no preparo caseiro do brinquedo pode provocar intoxicação. 

De acordo com a agência, a substância é um produto químico autorizado para diversas finalidades, como em fertilizantes, itens de limpeza e até mesmo medicamentos. Contudo, não é regulamentado pela Anvisa para uso nesse tipo de brinquedo. A inalação ou a ingestão pode provocar intoxicação.

O pediatra e toxicologista Carlos Augusto Mello da Silva, do Centro de Informações Toxicológicas do Rio Grande do Sul, classifica como absurdo o uso dessa substância nas brincadeiras infantis:

— É totalmente fora de senso que um químico seja introduzido nas casas para crianças em idade escolar. É um produto potencialmente perigoso que pode provocar problemas pelo uso repetido. Não é brinquedo de criança e ponto final.

Ele lembra que, mesmo o uso de água boricada, que contêm a substância em baixas concentrações, não é recomendado.

— Se usar por semanas, pode ter um problema de pele. Imagine o contexto: a quantidade que é pequena para os adultos, que não ficam colocando as mãos na boca e nos olhos, pode ser grande para as crianças. É como o cigarro: não existe nível seguro. Se fumar um ou 10 cigarros, o risco de doença é o mesmo — critica o médico, que também preside o Departamento de Toxicologia e Saúde Ambiental da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP).

Existem alternativas

Para não acabar com a brincadeira das crianças, a pediatra, alergista e imunologista Helena Fleck Velasco, do Hospital da Criança Santo Antônio, sugere que, em casa, os pais optem por receitas sem bórax:

— E é importante lembrar que isso sempre deve ser feito com a supervisão de adultos, independentemente de usar ou não bórax.

A médica também lembra que é preciso cuidar elementos como glitter, que podem oferecer riscos se aspirados. Outros itens, como amaciante, espuma de barbear e cola, embora menos tóxicos, também não são isentos de riscos.

— O ideal é que a preparação seja feita por adultos e não pelas crianças — conclui Helena.

Os pais também devem ficar atentos à presença ou não da substância nos slimes industrializados.

Sintomas de intoxicação 

Quando usado inadequadamente, o bórax pode provocar náuseas, vômitos, cólicas abdominais, diarreia com coloração azul/esverdeada, cianose (pele, unhas e lábios azulados ou acinzentados) e queda de pressão, perda da consciência e choque cardiovascular.

O que fazer diante desses sintomas? 

  • Não provoque o vômito
  • Não ingira água, leite ou qualquer outro líquido
  • Ligue para o Centro de Informações Toxicológicas (CIT) local
  • Se recomendado, procure um serviço médico de urgência

Fonte: ZH

Governo do RS pagará R$ 216 milhões de dívida com hospitais e prefeituras em 16 parcelas

Anúncio foi feito pelo governador Eduardo Leite, durante evento na Famurs.  Valor é referente a débitos não quitados desde 2014

Foto: Itamar Aguiar / Palácio Piratini

O governo do Rio Grande do Sul vai pagar, de forma parcelada, R$ 216 milhões referentes à dívida com hospitais e municípios. O governador Eduardo Leite anunciou nesta segunda-feira (20), em evento na Federação das Associações de Municípios do Rio Grande do Sul (Famurs), que o valor será dividido em 16 parcelas de R$ 13,5 milhões.

O acordo foi firmado no início deste mês, em encontro realizado na Secretaria da Fazenda, em Porto Alegre. Participaram a secretária da Saúde, Arita Bergmann, o subsecretário do Tesouro do Estado, Bruno Jatene, e o presidente da Famurs, Antonio Cettolin.

Segundo o governo estadual, a gestão de Eduardo Leite assumiu o estado com um passivo de R$ 1,1 bilhão na área da Saúde, referente ao período de 2014 a 2018, e reduziu para R$ 637 milhões. Com o parcelamento de parte do valor, ainda faltará o pagamento de R$ 421 milhões.

Em fevereiro, Leite havia se comprometido a realizar o pagamento em fevereiro. “Inicialmente, prevíamos um pagamento em 36 meses, mas, com esforços empenhados pela Secretaria da Fazenda, foi possível reduzir o número de parcelas para 16”, afirmou o governador.

O valor total é referente a débitos não quitados desde 2014. Os repasses são referentes à execução de programas como Equipes de Saúde da Família (ESF), Política de Incentivo da Assistência Básica, Redes de Urgência e Emergência (Samu), Assistência Farmacêutica Básica e Primeira Infância Melhor (PIM), entre outras finalidades.

Do valor total da dívida, R$ 162 milhões são devidos para as prefeituras, e outros R$ 54 milhões, a hospitais municipais e de pequeno porte, conforme detalhamento abaixo:

  • R$ 7,3 milhões de 2014 para prefeituras
  • R$ 986 mil de 2015 para prefeituras
  • R$ 2,3 milhões de 2016 para prefeituras
  • R$ 4,3 milhões de 2017 para prefeituras
  • R$ 54 milhões para hospitais

O presidente da Famurs destacou a disponibilidade da Secretaria da Saúde em realizar a negociação com a Famurs. “O momento pelo qual vive o RS deixa clara a necessidade de diálogo”, afirmou Cettolin.

Desenvolvimento e reestruturação

Também na reunião, Leite pediu aos prefeitos que apoiem as medidas de reestruturação que vêm sendo adotadas pelo governo estadual, e exaltou a importância da reforma da Previdência, que tramita no Congresso Nacional. Segundo ele, a medida federal dará segurança a investidores estrangeiros quando à capacidade do país de cumprir compromissos.

Em relação à viagem que realizou nos Estados Unidos e na Inglaterra, o governador afirmou ter apresentado a investidores as oportunidades oferecidas pelo estado. A iniciativa foi parte da agenda de desenvolvimento econômico estabelecida pelo Piratini.

“O RS, agora, está no radar dos investidores. Apresentamos uma carteira de projetos, mostramos as oportunidades de forma clara”, afirmou.

Fonte: G1

Rádio Metrópole

Cerca de 30 toneladas de lixo foram recolhidas no mutirão do “Dia D contra à Dengue” em Três Passos

Mutirão buscou reforçar a importância para que cada morador faça sua parte no combate ao mosquito Aedes aegypti

Fotos: Prefeitura Municipal/Divulgação

Mais de 100 pessoas pessoas se engajaram no mutirão organizado para o “Dia D contra à Dengue” promovido pela Secretaria Municipal de Saúde de Três Passos juntamente com a Vigilância em Saúde e Comitê contra Dengue no último sábado, dia 18 de maio.

Foi percorrido prioritariamente os quarteirões onde residem as pessoas que tiveram casos confirmados de dengue, ou que estão ainda sob cuidados, em função de apresentarem sintomas. O município está com 41 casos confirmados da doença, de acordo com a nova atualização do comitê municipal de combate e monitoramento.

Estiveram participando da ação as Secretarias Municipais, PATRAM, Brigada Militar, Clube de Serviços, servidores públicos, conselheiros de saúde, e pessoas da comunidade.

Durante todo o dia, cerca de 30 toneladas de lixo foram recolhidas pelos caminhões da Prefeitura Municipal, que não venceram fazer todo o serviço de coleta. Neste sentido, durante a semana o recolhimento continuará nos bairros da cidade com a missão de não restar entulhos e lixo nas ruas.

Os entulhos recolhidos, assim como os demais resíduos, foram entregues à empresa Rico Entulhos, os quais serão separados e classificados para a destinação correta.

A secretária Municipal de Saúde, Maria Adelaide Hertz, agradeceu o empenho de todos, para que a iniciativa obtivesse êxito no resultado.

 

Por: Elenara de Oliveira

Começam as obras de hospital regional em Palmeira das Missões

Os trabalhos contam com investimento de R$ 115 milhões e devem durar dois anos

Foto: Agostinho Piovesan

Tiveram início às margens da BR 468, na zona Norte de Palmeira das Missões, as obras de construção do Hospital Público regional (HPR). Caminhões e escavadeiras são utilizados, desde a quinta-feira passada, no trabalho de terraplenagem. Em alguns pontos da área haverá necessidade de aterro, com a utilização de 12 mil metros cúbicos de terra.

Engenheiro civil da empresa Sial Construções Civis Ltda., responsável pela obra, Gustavo Ávila Mertens informou que em três meses a terraplenagem estará concluída. Neste período, haverá a instalação do canteiro de obras, com 400 metros quadrados, que abrigará salas administrativas, refeitório para 260 pessoas e demais acomodações. A área será cercada e terá a instalação de uma subestação de energia. “Encerrada a terraplenagem, iniciarão os trabalhos das fundações”, informou.

O prefeito de Palmeira das Missões, Eduardo Russomano Freire, informa que serão aplicados R$ 115 milhões do Ministério da Saúde na obra que deverá, conforme o contrato celebrado com a prefeitura, estar concluída em dois anos. O início das obras era aguardado com expectativa. “É um sonho que começa a ser concretizado, uma caminhada que se iniciou ainda em 2009″, observa. Freire disse que lembra que o HPR atenderá exclusivamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS), a estrutura que terá 180 leitos de internação e receberá pacientes de 72 municípios das regiões Norte e Noroeste do Estado.

Fonte: CP

Rádio Metrópole

Gripe A: bebê de 11 meses é a terceira vítima da doença no RS

Criança não estava vacinada, conforme a Secretaria Estadual da Saúde

Foto: Arquivo pessoal

A Secretaria Estadual da Saúde (SES) confirmou, nesta segunda-feira (20), mais uma morte por gripe A no Estado. A vítima foi uma criança de 11 meses que morava em Sapiranga, no Vale do Sinos.

Conforme a SES, o Centro Estadual de Vigilância em Saúde (Cevs) informou que a morte ocorreu em decorrência do vírus H3N2 — subtipo do vírus da gripe coberto pela vacina disponível no Sistema Único de Saúde (SUS). O bebê não estava vacinado.

Esta é a terceira morte por gripe registrada em 2019 no Rio Grande do Sul. Os outros casos foram registrados em idosos de São Gabriel e Barra do Ribeiro. Um deles foi por H1N1 e outro por H3N2.

A campanha de vacinação contra a gripe vai até o dia 31 de maio. Devem se vacinar pessoas que fazem parte do grupo prioritário: crianças (maiores de 6 meses e menores de 6 anos), gestantes, puérperas (mulheres até 45 dias após o parto), trabalhadores da saúde, indígenas, idosos, professores, pessoas privadas de liberdade, funcionários do sistema prisional, doentes crônicos, policiais e militares.

 

Fonte: Gaúcha ZH

Três Passos registra 26 casos confirmados de dengue

Até o momento 83 pessoas foram notificadas

A Secretaria Municipal de Saúde de Três Passos através da Vigilância em Saúde e do Comitê de Combate à Dengue alerta à população do aumento do número de casos confirmados de dengue.

De acordo com Laboratório Central do Estado (LACEN), no município de Três Passos estão confirmados 26 casos. Até o momento foram notificadas 83 pessoas, das quais 14 estão aguardando o resultado do exame do LACEN. São 05 casos descartados, 33 pessoas farão a coleta nos próximos dias, e 04 pessoas notificadas não quiseram coletar o exame.

Para combater a Dengue é necessário o envolvimento dos moradores. Cada um precisa fazer a sua parte e eliminar criadouros, eliminar todo e qualquer recipiente com água. Mantenha a sua casa fechada e é importante usar repelente.

No dia 18 de maio, sábado, acontecerá o Dia D – de combate à dengue, mutirão de limpeza e orientações para a população.

 

Fonte: Elenara de Oliveira – Assessora de Comunicação da Prefeitura de Três Passos

Anvisa recolhe 181 lotes de remédios para hipertensão; veja lista e o que fazer

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) decidiu recolher 181 lotes de medicamentos usados para tratamento de hipertensão arterial devido à presença de impurezas associadas a um potencial risco de câncer.

Entre esses medicamentos, estão o losartana, o segundo remédio mais vendido do país, e do valsartana, também amplamente usado. Ao todo, 30 milhões de brasileiros têm diagnóstico de hipertensão arterial.

As medidas, porém, envolvem lotes e empresas específicas e não abrangem todo o mercado. A lista completa pode ser consultada no site da agência.

“A terapia da hipertensão é mais importante do que isso. Se uma pessoa para de usar o medicamento, ela pode ter consequências sérias à saúde, até no mesmo dia”, afirma o gerente-geral de inspeção e fiscalização sanitária, Ronaldo Gomes.

As impurezas detectadas são as nitrosaminas, substâncias encontradas em pequenas quantidades na água e em alguns alimentos, mas que, em altos níveis e com consumo prologando, podem levar ao risco de câncer.

A suspeita de contaminação de insumos usados para fabricação dos remédios foi detectada pela EMA (agência europeia de medicamentos) em julho de 2018. De lá para cá, agências de diferentes países iniciaram inspeções.

Segundo a Anvisa, até o momento, não foram encontrados altos níveis de nitrosaminas nos medicamentos usados no Brasil -daí considerar o risco ao paciente como baixo.

“O paciente que ingerir o medicamento vai ter câncer? Não. As chances são ínfimas”, afirma Gomes. “Essa impureza está presente em níveis muito baixos.”

Pelos cálculos da agência europeia, o risco estaria presente apenas em casos de ingestão, ao longo de cinco anos, de medicamentos com o nível máximo de nitrosamina já descoberto até o momento. Neste caso, o cálculo seria de um caso extra de câncer a cada 6.000 pacientes. Para comparação, no Brasil, a incidência atual de câncer é de 600 mil casos ao ano, ou um caso a cada 333 brasileiros.

“Temos que lembrar que nem todos os lotes tinham essas impurezas. Provavelmente essa exposição por cinco anos nunca aconteceu e não vamos ter casos de câncer relacionados a isso. Mas temos que prevenir que essa exposição que aconteça, daí as medidas”, afirma a gerente de fiscalização de medicamentos, Andrea Geyer. Ela reforça que o risco de problemas à saúde é maior pela interrupção brusca do uso dos medicamentos, cujo uso contínuo é fundamental para o controle da hipertensão, do que pela suspeita de contaminação dos produtos com as nitrosaminas.

E não há risco de tomar um medicamento com impurezas? “O risco de tomar o medicamento por duas semanas adicionais é passível de ser negligenciado. Até que consiga verificar com seu médico, o paciente pode continuar ingerindo o medicamento, que continua a ser eficaz”, completa Gomes.

Neste caso, a recomendação é que o paciente verifique se o lote do medicamento que utiliza está na lista dos que estão sendo recolhidos e informe seu médico para substituição.

A agência informa ainda que a medida vale apenas alguns lotes. Um remédio que estiver na lista, assim, pode ter lotes alvo de recolhimento e outros que foram considerados adequados. Novas fiscalizações estão sendo executadas.

E como assegurar que novos lotes de medicamentos a serem produzidos não tenham essas impurezas?

Segundo a Anvisa, diversas ações estão sendo adotadas. Entre elas, estão a suspensão da importação, comercialização e uso de insumos farmacêuticos ativos de fabricantes com indícios e evidências de presença dessas impurezas.

Ao todo, já foram suspensos três insumos (valsartana, losartana e irbesartana) de dez fabricantes internacionais. “Também fizemos uma medida que foi um programa de fiscalização específico de todas as empresas”, diz Gomes.

Ele nega que tenha havido falha das fabricantes dos remédios. “Foi algo imprevisto. O que se percebeu foi que, em determinadas situações, pelo uso de solvente recuperado pelas fabricantes de insumos, esses solventes poderiam ser contaminados por quantidade ínfima de uma substância que na reação desses compostos gerariam a nitrosamina”, explica.

Agora, a agência finaliza uma proposta de resolução que estabelece limites seguros para a presença de nitrosaminas, impõe novas medidas de controle e dá prazo de dois anos para eliminação completa das impurezas. O órgão justifica o prazo devido à necessidade de mudanças na produção. O mesmo período foi adotado pela Europa.

Técnicos da agência afirmam ainda monitorar o risco de desabastecimento dos produtos. Até o momento, isso não ocorreu e as chances são vistas como baixas devido ao alto número de empresas produtoras. Diz ainda que empresas fabricantes têm colaborado no processo de fiscalização -em alguns casos, as empresas iniciaram o recall antecipadamente, informa.

O que fazer se encontrar o seu medicamento na lista

1) Continue tomando, a menos que tenha sido aconselhado pelo seu médico a parar. A hipertensão é uma doença grave, cuja interrupção do tratamento pode gerar problemas à saúde

2) Nem todo medicamento contém impurezas. Se o medicamento que toma foi suspenso e recolhido, procure seu médico ou farmacêutico. Existem outras opções no mercado que podem ser prescritas e adquiridas.

3) Somente troque de medicamento quando já tiver um novo em mãos, pois a interrupção do tratamento pode produzir malefícios instantâneos, inclusive risco de morte por derrame, ataques cardíacos e insuficiência renal

4) Para trocar o medicamento sem custo, o paciente pode também ligar ao serviço de atendimento ao consumidor da empresa fabricante do medicamento. Neste caso, a empresa deve indicar em qual farmácia ocorrerá a troca.

 

Fonte: Gaúcha ZH/ FolhaPress

https://gauchazh.clicrbs.com.br/geral/noticia/2019/05/anvisa-recolhe-181-lotes-de-remedios-para-hipertensao-veja-lista-e-o-que-fazer-cjvfkxgxc01vx01llw7zi5rjd.html

 

Palestra em alusão ao Dia das Mães foi realizada na EMEF Riachuelo

Palestra foi realizada nesta terça (07)

Em comemoração ao Dia das Mães a Escola Municipal de Ensino Fundamental Riachuelo, de Vila Planalto, em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde de Crissiumal proporcionou, na tarde de terça-feira, dia 07 de maio, uma palestra à todas as mães da comunidade escolar.

A palestra foi ministrada pela médica ginecologista e obstetra, Drª Rosa Maria Nery, que abordou o tema “Saúde da Mulher”, esclarecendo diversas dúvidas das participantes.

A palestra foi realizada na Quadra Poliesportiva da Escola e reuniu um bom número de mulheres. Outras atividades também marcaram o encontro.

Por: Andréia Cristina Queiroz- Assessoria de Imprensa da Prefeitura de Crissiumal

 

 

 

Secretaria da Saúde de Nova Candelária divulga dados sobre o “Dia D” da campanha de vacinação 2019

O pequeno Anderson Felipe está protegido. E você??

No último sábado, dia 4 de abril, foi realizado na Unidade Básica de Saúde o “Dia D”, em prol da campanha de vacinação da gripe.

O público alvo dessa campanha são crianças de 6 meses até 5 anos 11 meses e 29 dias, gestantes, puérperas, trabalhadores da saúde, pacientes acima de 60 anos, diabéticos, professores, profissionais da segurança pública e portadores de doenças crônicas (respiratória, cardíaca, renal, hepática, neurológica, transplantados e pacientes com obesidade mórbida).

De acordo com os dados divulgados pela Secretaria Municipal da Saúde, com o atendimento durante todo o dia de sábado, aumentou consideravelmente o percentual de pessoas imunizadas, atingindo 100% do público das crianças, aproximadamente 60% dos idosos e 85% das gestantes. Ressalta-se que a campanha continua sendo realizada até o final deste mês, portanto, quem fizer parte do público prioritário deve procurar a UBS de Nova Candelária para a imunização.

Faça como a mamãe Neiva, que trouxe o pequeno Anderson Felipe Kist para a UBS e garantiu a sua proteção. Mesmo com os olhinhos brilhando, ele fez questão de mostrar onde havia um “pique”, segundo ele, em seu bracinho.

 

Por: Assessoria de Imprensa