Hospital de Caridade de Ijuí realiza a 1ª captação de coração

Foto: HCI/Divulgação

O domingo, dia 17 de fevereiro de 2019, fica marcado na história do hospital macrorregional, quando a equipe de captação de órgãos e tecidos do Hospital de Caridade de Ijuí (HCI), fez um procedimento inédito, a captação de um coração. A novidade só foi possível, por que a família do paciente, diagnosticado com morte encefálica, consentiu a doação de órgãos e tecidos.

“Resulta de um trabalho integrado de diferentes equipes e principalmente pela grandeza do gesto da família do doador”, avalia a coordenadora da Comissão Intra- Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplantes (CIHDOTT) do HCI, enfermeira Alexandra Schmidt.
A Comissão é atuante no hospital e auxilia na articulação dos diferentes setores para que o processo transcorra de maneira correta e organizada, envolvendo equipe de unidade de terapia intensiva, bloco cirúrgico e a central de transplantes do estado, que faz toda a logística para o rápido transporte de órgãos à Porto Alegre.
“Torna-se um grande desafio, pois o tempo total entre a captação e a realização do transplante no paciente receptor, não poderá ultrapassar quatro horas. Cabe salientar que além do coração foram doados: rins, fígado e córneas”, explica Alexandra.
O procedimento inédito que beneficiou seis pessoas da lista de espera por um transplante, teve a participação da médica intensivista Joice Wottrich, da médica oftalmologista Luciana Frizon, da médica intensivista e cardiologiata Andrieli de Oliveira Buzzeto, do enfermeiro Diogo Cigana, das enfermeiras Andressa Newinski, Lidiane Dallepiane e Alcione Meier e das equipes da UTI Adulto e do Bloco Cirúrgico.
A cardiologista Andrieli de Oliveira Buzzeto, acredita que a primeira captação de coração, traz uma nova esperança para os pacientes que permanecem na lista de espera por um transplante. “Nesse momento os sentimentos da equipe se dividem, por um lado sofremos junto com os familiares pela perda de uma pessoa tão jovem, que estava iniciando sua vida. Por outro, lutamos e nos sentimos recompensados por saber que mesmo em um momento de tristeza podemos pensar no próximo e transformar a vida de outras pessoas”, disse emocionada a médica.
A gerente de enfermagem do HCI Claudia Goergen ressalta a importância da doação de órgãos e tecidos “a doação de órgãos é um ato nobre que pode salvar outras vidas, sendo que, o transplante pode ser a única esperança e a oportunidade de um recomeço para os pacientes que necessitam de uma doação, no Brasil, a doação de órgãos só é realizada após a autorização familiar, resume a gerente de enfermagem.”
Fonte: HCI

Hospital de Santa Rosa desenvolve projeto para segurança do paciente

As atividades acontecem em parceria com o Hospital Israelita Albert Einstein

Foto: Juliana Knäsel / Divulgação / CP

O Hospital Vida & Saúde de Santa Rosa, em parceria com o Hospital Israelita Albert Einstein, desenvolve projeto sobre a segurança do paciente. As instituições têm convênio firmado desde o ano passado. Videoconferências semanais aproximarão as equipes e encontros presenciais já estão previsto em Santa Rosa e São Paulo. O foco das atividades está na cultura e segurança do paciente, com o desenvolvimento dos funcionários. Durante as reuniões virtuais, as equipes também discutem indicadores das instituições para detectar ações que podem ser implementadas e melhoradas.

Diretora geral do Vida & Saúde, Vanderli de Barros destaca que a equipe está engajada no projeto. “Com a troca de experiências com os profissionais do Albert Einsten vamos poder avançar muito em nosso atendimento ao paciente. É uma oportunidade única de desenvolver esse projeto e aprender com quem é referência em segurança ao paciente”.

O Vida & Saúde recebeu, em julho de 2018, diplomação de acreditação hospitalar que atesta a excelência e qualidade da entidade no que se refere à segurança hospitalar e do paciente, que é avaliada pela Organização Nacional de Acreditação (ONA). A entidade entende que a conquista ocorreu também em função das experiência trocadas desde o convênio com o Albert Einstein.

 

Fonte: CP

Casal de bilionários doa 40 milhões para construção de nova emergência do SUS em Porto Alegre

Foto: Alexandre Fritsch | Santa Casa

O casal bilionário Nora Teixeira e Alexandre Grendene, um dos empresários mais bem-sucedidos do Brasil com negócios na indústria calçadista, oficializou a doação de R$ 40 milhões para que o Complexo Hospitalar da Santa Casa de Porto Alegre construa uma nova emergência do SUS. A unidade fará parte do novo hospital do complexo, localizado no Centro Histórico. Para retribuir o gesto dos doadores, a Santa Casa anunciou que o empreendimento de saúde se chamará Hospital Nora Teixeira.

Com o aporte, a emergência passará dos atuais 600 metros quadrados para 2,325 mil metros quadrados. “Este ato de doação contribui com o acesso à saúde da população que mais necessita”, afirmou Nora, ao lado do marido, ao oficializar a doação ao provedor da Santa Casa, Alfredo Englert, na tarde desta quarta-feira (13).

O hospital terá 13 andares e prevê investimento total de R$ 177 milhões, com previsão de ficar pronto em março de 2022. A pedra fundamental do projeto será lançado nas próximas semanas, quando já começam as obras.

A Santa Casa terá oito unidades na área do Centro, depois que o Nora Teixeira ficar pronto.Englert lembrou que o complexo dependeu muito de voluntários para sobreviver e creditou aos filantropos a capacidade da instituição manter 60% dos atendimentos pelo SUS. Em 2018, o complexo registrou déficit de R$ 165 milhões com o Sistema Único de Saúde.

A nova emergência será exclusiva para adultos e prevê aumento de leitos fixos de observação de 13 para 28, criação de dois postos de enfermagem na observação, ampliação de posições de medicação, salas de acolhimento e consultórios e centro de diagnóstico por imagem para a emergência.

Primeira doação beneficiou pets carentes

É a segunda vez que os Grendene contribuem para erguer uma estrutura de atendimento em saúde na Capital. Em 2016, foi inaugurada a Unidade de Saúde Victória, na zona leste, que levou o nome da filha do empresário Alexandre Grendene e teve aporte de R$ 7 milhões.

A unidade, que tem porte de hospital, tem blocos cirúrgicos, consultórios, UTI, setores de quimioterapia, fisioterapia, banco de sangue, farmácia, ambulatório, sala de recuperação para 150 cães e gatos e espaço de triagem para outros 120 pets.

Para conseguir atendimento clínico, os donos de animais domésticos devem se dirigir ao local com os animais e apresentar comprovante de residência em Porto Alegre, carteira de identidade e comprovante de inscrição no programa Bolsa Família. (Jornal do Comércio).

 

Fonte: POA 24 Horas

BRF recolhe carne de frango por risco de contaminação por salmonella

Arquivo/Agência Brasil

A empresa brasileira de alimentos BRF, dona das marcas Sadia e Perdigão, anunciou hoje (13) o recolhimento de aproximadamente 164,7 toneladas de carne de frango in natura destinadas ao mercado doméstico, e de outras 299,6 toneladas do produto que seriam vendidas para outros países. Em comunicado ao mercado, a companhia informa que a carne pode estar contaminada pela bactéria Salmonella enteritidis.

Já estão sendo recolhidos do mercado nacional coxas e sobrecoxas sem osso, meio peito sem osso e sem pele (em embalagens de 15kgs), filezinhos de frango (embalagem de 1kg), filé de peito (embalagem de 2kg) e coração (embalagem de 1kg).

Os lotes possivelmente contaminados foram produzidos nos dias 30 de outubro de 2018 e entre 5 e 12 de novembro de 2018, na unidade de Dourados (MS), e receberam o carimbo de inspeção do Serviço de Inspeção Federal (S.I.F. 18 ), vinculado ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, o que pode ser verificado na embalagem dos produtos.

Por precaução, a BRF optou por recolher todos os lotes. O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) foram informadas do ocorrido e da decisão da empresa.

A empresa já iniciou o inventário e recolhimento dos produtos que se encontram em rota ou junto aos clientes no mercado interno e externo. Além disso, destacou um grupo de especialistas para investigar as origens do problema a fim de adotar  medidas para que a contaminação não volte a ocorrer.

A produção da fábrica de Dourados está mantida, mas, de acordo com a BRF, “sob um processo rigoroso de manutenção e liberação dos produtos”. O objetivo é assegurar que a ocorrência foi pontual e não se repetirá.

A BRF garante que a Salmonella enteritidis não resiste ao tratamento com calor, sendo eliminadas quando os alimentos são cozidos, fritos ou assados – o que, lembra a empresa, é a regra no consumo de produtos de frango in natura. Caso os alimentos não sejam devidamente preparados, a bactéria pode causar infecção gastrointestinal. Os sintomas mais comuns são: dores abdominais, diarreia, febre e vômito.

 

Fonte: Agência Brasil

Hospital Santo Antônio de Tenente Portela está apto a transplantes de córneas

 

Foto: Facebook/Reprodução

Para muitas pessoas, o transplante de órgãos é a única chance de se manter vivo. O sucesso do procedimento é responsável por acabar com a angústia e devolver a alegria de pacientes e familiares, além de elevar substancialmente a qualidade de vida do paciente. Voltar a enxerga é um exemplo de voltar a viver.

No Brasil, a doação de córnea é bem recebida pela população. Representa, porém, apenas o início do processo como um todo e que cada vez se torna mais complexo.

Sempre com a intenção de salvar vidas, o Hospital Beneficente Santo Antonio de Tenente Portela (HSA) vem sempre buscando novas alternativas para o bem da população.

Nesse sentido o HSA, tem se especializado para realizar retirada e transplante de tecido ocular humano. Para isso vem melhorando sua estrutura física e qualificando cada vez mais sua equipe, onde tal esforço vem dando resultado.

Recentemente ao HSA já havia sido concedida autorização para realizar retirada de órgãos a serem transplantados. Agora, a equipe do HSA recebeu autorização para realizar transplante de tecido ocular humano à equipes de saúde em sua estrutura.

Através de sua rede social o Médico responsável Dr. Heron Gomes Correia comunicou esta importante conquista regional “Através de um trabalho sério da direção do hospital Santo Beneficente Antônio de Tenente Portela (…) conseguimos credenciar nosso serviço de oftalmologia para realização de transplantes de córneas”.

Esta conquista vem através de muito empenho de toda a direção do HSA e equipe de especialistas que a cada dia tentam prestar melhores serviços a comunidade regional.

Fonte: Portal Celeiro

Após morte de criança em Ijuí, pais pedem que MP investigue se houve negligência médica

A morte de uma menina de apenas quatro anos de idade, ocorrida na semana passada em Ijuí, chocou a comunidade ijuiense. Naqueles dias, os pais relataram que a menina tinha dificuldades respiratórias, queixava-se de dores no peito e apresentava quadro de vômito. Isabelly era filha de Juliana da Silva Barbosa e Ramerson da Silva, que buscam agora, encontrar uma forma de apurar o que de fato ocorreu com a criança, uma vez que houve acusação de suspeita negligência médica no Postão 24 do SUS e desentendimento entre o pai da menina e o médico plantonista, tanto que a Polícia precisou ser chamada naquele dia.

ENTENDA COMO ACONTECEU

No dia 4 de fevereiro, por volta das 12h40, com a criança passando mal, reclamando de dores dores no peito e vomitando, os pais levaram a menina até o pronto atendimento do SUS, na rua 19 de Outubro. Os pais moram há pouco tempo em Ijuí e o cadastro junto ao SUS não estava atualizado e o atendimento a criança só feito após essa atualização cadastral.

De acordo com o relato dos pais, o médico plantonista que atendeu Isabelly, disse que a mesma não tinha chiado no peito, foi feito a medicação para cessar o vômito, assim como exames de sangue e urina. Ao final da tarde, o mesmo médico diagnosticou a menina com Apendicite, sendo que teria que ser encaminhada ao Hospital. Neste instante, o pai da menina se deslocou até a Secretaria de Saúde e viu que o nome do exame não era de sua filha. Diante disso, Ramerson se alterou e o médico teria dito que não liberaria Isabelly com o pai naquele estado, então foi acionada a Brigada Militar. Ramerson se indignou pois teria que esperar uma hora até a chegada de uma ambulância para o transporte.

Já era 19h15 quando houve a troca de plantão, então, Isabelly foi encaminhada ao hospital. No hospital, os médicos relataram que não eram sintomas de apendicite, a menina fez exames radiológicos e foi diagnosticada com pneumonia em parte inferior em um dos pulmões, por volta das 23h, quando foi transferida para um leito.

No dia seguinte o estado de saúde da criança piorou, a infecção se espalhou para todo o pulmão e depois para o outro pulmão. No dia 7, a tarde, a menina foi transferida para a UTI, a medicação foi mudada e a respiração mecânica foi colocada, mas já era tarde, naquela noite, Isabelly sofreu cinco paradas cardíacas e faleceu.

Agora os pais, que protocolaram denúncia no Ministério Público, buscam esclarecer se houve ou não negligência médica no atendimento de Isabelly, já que a menina foi deixada uma tarde inteira com medicação apenas para vômito quando tinha pneumonia e que supostamente, teve um diagnóstico errado com a troca de exames.

 

Fonte: Noroeste Online

Médicos poderão oferecer consultas e cirurgias a distância a partir de maio

Resolução aponta alguns critérios para o atendimento virtual. A primeira consulta deve sempre ocorrer de forma presencial

Foto: Francisco Emolo / Jornal da USP / Divulgação

Médicos poderão realizar consultas, diagnósticos, cirurgias e outros atendimentos a distância, por meio da internet, a partir deste ano. Uma nova resolução do Conselho Federal de Medicina (CFM) sobre telemedicina está prevista para ser publicada nesta semana. A norma entrará em vigor em maio.

Até então, a única exceção era quando médicos realizavam contato — em videoconferência, por exemplo — com colegas especialistas em outros locais durante os procedimentos, em uma espécie de segunda opinião.

Para as cirurgias a distância, a resolução prevê que o procedimento seja feito por um robô ou outra tecnologia manipulada por um médico que não estará no local. Para que ocorra, será necessária a presença de outro médico que possa atuar no caso de intercorrências.

Sobre a consulta online, a resolução prevê que poderá ser realizada entre médicos e pacientes que já tiveram ao menos uma consulta prévia anterior. Alguns hospitais já usavam a telemedicina de forma experimental. Para o conselho, a medida representa um novo marco no exercício da medicina.

— O paciente podia tirar alguma dúvida por WhatsApp, mas não existia a possibilidade de consulta — afirma o relator da norma, Aldemir Soares.

O atendimento virtual, porém, deve obedecer a alguns critérios. A primeira consulta deve sempre ocorrer de forma presencial.

— Mas quando o paciente vai só para mostrar exames ou se já tem histórico de atendimento, ele poderá fazer isso a distância — diz Soares.

A exceção são comunidades remotas, como áreas próximas a florestas, em que o primeiro atendimento também pode ser virtual. Para isso, o paciente precisa estar acompanhado de outro profissional de saúde.

No caso de atendimentos longos ou de pacientes com doenças crônicas, a norma prevê ainda que haja ao menos uma consulta presencial a cada quatro meses.

Profissionais deverão manter ainda arquivos de cada atendimento prestado a distância, em uma espécie de prontuário médico virtual. A gravação deve ser autorizada pelo paciente -caso não haja consentimento, a teleconsulta não poderá ser realizada. Outra exigência é que o médico mantenha o sigilo dos atendimentos.

Caso o profissional verifique que há risco de diagnóstico de doença grave, a consulta pode ser interrompida para avaliação presencial.

— Caberá aos médicos verificar seus limites para atuar desse jeito, além dos limites de cada caso — afirma Soares.

Telediagnóstico e telecirurgia

O documento do CFM estabelece ainda critérios para a realização de outros atendimentos, caso do telediagnóstico e da telecirurgia. O primeiro prevê que médicos avaliem exames e elaborem laudos a distância, desde que haja um profissional de saúde do outro lado para ajudar o paciente e equipamentos específicos. Já o segundo prevê que os médicos conduzam cirurgias com uso de robôs e outras tecnologias. Neste caso, o paciente deve ser acompanhado por um médico especialista do outro lado para evitar problemas e falhas de assistência — em casos de queda de energia, por exemplo.

Para Soares, a resolução visa garantir a segurança desses procedimentos.

De acordo com o CFM, enquanto os exames a distância têm se tornado mais comuns, especialmente no caso da radiologia, ainda há poucos registros de telecirurgias no Brasil.

— Vemos que está aumentando o uso de robôs para cirurgia. Com o médico no local, temos a garantia de que a cirurgia irá até o final caso haja alguma intercorrência — diz.

Preocupações

Ao mesmo tempo em que representa uma abertura para uma atuação na era digital, a possibilidade de oferecer consultas e outros atendimento a distância tem sido alvo de preocupação entre grupos de médicos nas redes sociais. O pontapé para o debate veio de anúncios, na internet, de serviços de consulta virtual ou “teleorientação” oferecidos por alguns hospitais.

O temor é que esse tipo de atendimento, por não envolver o exame físico, possa levar a avaliações equivocadas ou atrasar diagnósticos. A situação levou o próprio CFM a divulgar uma nota nesta semana em que afirma que o exame presencial “é a forma eficaz e segura de se realizar o diagnóstico e tratamento de doenças”.

Questionado se a nova norma não contraria a posição recente do próprio conselho e do Código de Ética Médica, o qual veda procedimentos sem exame direto do paciente, Soares nega.

— O código já previa que a telemedicina fosse regulamentada — afirma. —Precisávamos disciplinar como funciona, senão cada um montaria do seu jeito, e aí o perigo seria maior.

Ele diz que a medida deve ser aplicada em casos específicos.

— A consulta presencial, com exame físico completo, ainda é o fundamental da medicina — diz. —Uma dificuldade de trânsito, por exemplo, não justifica montar uma consulta virtual para isso.

Ainda de acordo com Soares, casos de violação às normas podem ser denunciados aos conselhos regionais de medicina.

Para o presidente do CFM, Carlos Vital, a nova resolução deve facilitar atendimentos no SUS, sobretudo em regiões remotas e onde há dificuldade em atrair profissionais.

Hoje, ao menos 10 Estados já possuem atendimentos de telediagnóstico no SUS, segundo o Ministério da Saúde. As ações fazem parte do programa Telessaúde, iniciado em 2007.
As teleconsultorias têm sido usadas no Rio Grande do Sul como forma de aumentar a efetividade da atenção primária e reduzir as filas de espera por especialistas no SUS.

ENTENDA O ATENDIMENTO MÉDICO A DISTÂNCIA

Como era até então

Telemedicina era realizada apenas entre médicos, como uma segunda opinião. Alguns hospitais universitários já usavam a modalidade, mas em caráter experimental.

O que muda

  • Nova resolução define a prática de teleconsulta e estabelece regras, como necessidade de que o primeiro atendimento seja presencial.
  • Também prevê que o atendimento seja gravado e armazenado seguindo critérios, com proteção garantida para sigilo.
  • Na telecirurgia, os procedimentos devem ocorrer em espaços com infraestrutura, com médico que opere equipamento robótico e outro que acompanhe o paciente no local.

 

Fonte: ZH

Crissiumal – HCC irá ampliar atendimento em saúde mental

Foi publicada nessa semana no Diário Oficial do Estado, a resolução sobre leitos de saúde mental ampliando em 4 o número de leitos do Hospital de Crissiumal, passando a um total de 10 leitos com financiamento federal. Antes apenas 2 tinham financiamento federal e 4 financiamento estadual.

Esse importante serviço tem sido prestado há alguns anos na casa de saúde crissiumalense, sendo referência regional.

Nesta semana, a Federação das Santas Casas e Hospitais Beneficentes Religiosos e Filantrópicos do RS emitiu nota a respeito de pagamentos do Estado aos Hospitais.

O Presidente André Lagemann, o Vice Presidente, Luciney Bohrer e o Superintendente, Jairo Tessari, estiveram reunidos na tarde desta quarta-feira (30) com a Secretária da Saúde, Arita Bergamnn, Secretária Substituta, Aglaé da Silva, Diretora do Fundo Estadual de Saúde, Meriana El Kek e Diretora do DAHA, Lisiane Fagundes.

* o pagamento dos 30% do MAC de dezembro seria efetuado nessa quinta (31) ao longo do dia.

* a forma de pagamento do saldo remanescente dos programas de 2018 (metade de setembro e integral outubro: R$101 milhões já empenhados) serão anunciados na próxima semana pelo Governador Eduardo Leite. Novembro e dezembro de 2018 ainda estão sem definição.

Nos próximos dias as Linhas de Crédito devem ser definidas.

Ainda, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, disse nesta quinta-feira (31) que o governo estuda rever modelos de contratos usados para repasse de recursos a hospitais públicos. Atualmente, parte das instituições recebe valores fixos para custeio de serviços de média complexidade, como exames e algumas cirurgias eletivas. Para ele, porém, esse modelo tem levado alguns hospitais a prestarem menos serviços que o esperado.

 

*com informações da Assessoria de Comunicação Social

Crissiumal – Setores de traumatologia e ortopedia do HCC terão atendimentos suspensos

Dois médicos que atendem os setores de traumatologia e ortopedia no Hospital de Caridade de Crissiumal anunciaram nessa quarta-feira (30/01) que irão paralisar os atendimentos a partir de 01º de fevereiro (sexta-feira) até que recebam seus salários.

A nota assinada pelo médico Rogério Ribeiro Batista e que também tem o nome do médico André Afonso Schreiner, protocolada junto ao HCC diz:

Comunicamos que a partir de 01 de fevereiro de 2019, estarão suspensos todos os atendimentos ambulatoriais (eletivos, retornos, cirúrgicos e retornos de acompanhamentos de fraturas) no setor de ortopedia e traumatologia no Hospital de Caridade de Crissiumal. O motivo para a suspensão dos atendimentos é a falta de pagamento dos salários dos médicos desde o mês de agosto de 2018. Os atendimentos serão retomados normalmente após a regularização nos pagamentos.”

A informação citada a cima, foi publicada na página do médico Rogério Batista, através de sua rede social.

Carteira Internacional de Vacinação poderá ser obtida por meio digital

Documento, exigido para entrar em pelo menos 100 países, será enviado num prazo de até cinco dias para que o viajante possa imprimi-lo

Salmo Duarte / A Notícia

O Certificado Internacional de Vacinação ou Profilaxia poderá ser obtido por meio digital. O documento, indispensável para se ingressar em pelo menos 100 países, pode ser solicitado depois de a pessoa ser vacinada num posto do Sistema Único de Saúde (SUS) ou numa clínica credenciada. Uma vez imunizada, a pessoa interessada pode se cadastrar e enviar uma solicitação para o site Portal de Serviços. Aprovado o pedido pela Anvisa, o cartão é enviado num prazo de até cinco dias para que o viajante possa imprimi-lo.

A mudança é fruto de uma parceria entre a Anvisa e a Secretaria de Governo Digital do Ministério da Economia. De acordo com a Anvisa, uma das comprovações mais solicitadas é de imunização contra a febre amarela. Países como a Austrália e Tailândia somente permitem a entrada com o documento.

— Será extremamente útil, vai facilitar muito a vida do viajante — afirmou o diretor-presidente da Anvisa, William Dib.

Antes da ferramenta digital, o cidadão precisava comparecer a uma unidade credenciada, o que poderia exigir grandes deslocamentos. O Brasil é o primeiro país a oferecer um serviço online, que é gratuito.

O secretário geral de Desburocratização, Gestão e Governo Digital, Paulo Webel, afirmou que esse é o primeiro de uma série de serviços públicos que poderá ser feito de forma digital, o que pode trazer mais efetividade.

 

Fonte: ZH com informações Estadão C.