Obras e falta de recursos dificultam o acesso a bibliotecas em Santa Rosa

Prédio Olavo Bilac passa por reformas e não permite acesso ao acervo de livros, salas de estudo e internet

Foto: Felipe Dorneles

Estudantes, professores e leitores que chegam à Biblioteca Pública Municipal Olavo Bilac de Santa Rosa se deparam com o local fechado e um aviso de que o atendimento ocorre no Centro Cívico e Cultural. O prédio está em obras e, com isso, a população continua podendo retirar e devolver obras, mas está sem acesso ao acervo, salas de estudo e internet.

Idealizadora e coordenadora da Semana Mundial do Livro, Maira Engers diz que o atendimento improvisado gera menos leitura e frustra leitores. “A prefeitura deveria ter alugado um prédio para estruturar a biblioteca levando em consideração o tempo de obra.” Ela lembra que existem vários pontos com livros pela cidade, porém não há espaços como na biblioteca, com salas de estudo e computadores. “Leitura é acesso à cidadania, nosso acervo precisa estar à disposição da população.”

O atendimento do bibliotecário e demais servidores ocorre em uma mesa no primeiro pavimento do Centro Cívico, em frente ao prédio da biblioteca. No segundo piso, há outro serviço ao público, com alguns livros. O restante do acervo está no Centro Cultural − que também passa por obras−, ainda sem acesso à comunidade. Quando alguém solicita um exemplar, o bibliotecário se desloca para a retirada. Segundo a Secretaria Municipal de Cultura, o movimento não reduziu, apenas o uso dos espaços que não ocorre, temporariamente. Além disso, 400 novos títulos estão chegando neste semestre, além de oito notebooks para pesquisa.

Os amigos Victoria Alves e Cristian Viana estiveram no prédio da biblioteca e foram informados por uma servidora do município que o atendimento ocorre no Centro Cívico. “Viemos fazer trabalhos da escola. Como estudamos em instituições diferentes, não podemos acessar um a escola do outro. Vamos procurar outro local para estudar, já que as salas de estudos não estão disponíveis”, disse Victoria.

No início deste mês, o vereador Dado Silva formalizou pedido de informação em sessão da Câmara, para saber onde realmente está funcionando a biblioteca, onde fica o acervo e as condições do atendimento ao público. “Precisamos avaliar este serviço importante para a formação de cidadãos. E vamos movimentar entidades e órgãos como o Ministério Público para estender o horário de atendimento para que trabalhadores tenham acesso à leitura”, destaca. O Executivo tem 30 dias para retornar o pedido de informação. O horário de atendimento é de segunda a sexta-feira, das 7h30min às 12h e das 13h30min às 17h30min.

O secretário municipal de Cultura, Rafael Rufino, confirma que a biblioteca está fechada há um ano e que o atendimento no prédio foi suspenso no momento em que ocorriam os trabalhos externos. “As obras da parte externa foram concluídas no começo deste ano, e o projeto das internas está em fase de finalização.” Após, será aberta licitação para definir a empresa que irá executar os serviços internos. Rufino lembra que pode não haver empresas interessadas ou que venha a ocorrer protocolo de recursos, podendo atrasar o processo. Por outro lado, o projeto será executado com recursos livres, o que facilita o pagamento dos fornecedores. A expectativa é de que até o final do ano as obras estejam concluídas.

Rufino diz que a situação é necessária para que ocorram o investimento e as melhorias na estrutura. Ele lembra que a população pode pesquisar sobre o acervo no site da biblioteca. “É um transtorno, mas alugar uma estrutura seria um custo desnecessário. Ninguém está desamparado.”

Bibliotecas de escolas

A precariedade no atendimento em bibliotecas se estende a 18 escolas estaduais do município. Todas possuem bibliotecas, mas, atualmente, funcionam de forma parcial. Segundo a 17ª Coordenadoria Regional de Educação (CRE), o atendimento é de algumas horas ou de um turno por dia.

Professora de português, língua inglesa e literatura da Escola de Educação Básica Santos Dumont – Polivalente, Maria Rosane Ely Hansen revela que com muita luta conseguiram garantir o funcionamento da biblioteca da escola durante um turno diário. “Mobilizações do grêmio estudantil da escola, pais e professores junto à 17ª CRE garantiram esta conquista. Porém, o prazo dado é até o final deste ano”. A professora realizou treinamento com todos professores e monitores da escola, para que consigam atender alunos em períodos em que a biblioteca não está em funcionamento com bibliotecário.

A Secretaria Estadual da Educação informou que foi repassada orientação às coordenadorias regionais de educação para que priorizem o atendimento aos alunos em sala de aula e que, se os recursos humanos disponíveis na escola porventura não estiverem em sala de aula, podem assumir atendimento em setores como a biblioteca. O entendimento baseia-se na razão de que a nomeação dos professores visa ao atendimento da regência em sala de aula, motivo pelo qual os professores foram efetivados em suas funções no Estado.

As 13 escolas municipais de ensino fundamental de Santa Rosa possuem biblioteca, com atendimento integral, no período em que a escola está em funcionamento.

Fonte: CP

 

Governo do RS pagará R$ 216 milhões de dívida com hospitais e prefeituras em 16 parcelas

Anúncio foi feito pelo governador Eduardo Leite, durante evento na Famurs.  Valor é referente a débitos não quitados desde 2014

Foto: Itamar Aguiar / Palácio Piratini

O governo do Rio Grande do Sul vai pagar, de forma parcelada, R$ 216 milhões referentes à dívida com hospitais e municípios. O governador Eduardo Leite anunciou nesta segunda-feira (20), em evento na Federação das Associações de Municípios do Rio Grande do Sul (Famurs), que o valor será dividido em 16 parcelas de R$ 13,5 milhões.

O acordo foi firmado no início deste mês, em encontro realizado na Secretaria da Fazenda, em Porto Alegre. Participaram a secretária da Saúde, Arita Bergmann, o subsecretário do Tesouro do Estado, Bruno Jatene, e o presidente da Famurs, Antonio Cettolin.

Segundo o governo estadual, a gestão de Eduardo Leite assumiu o estado com um passivo de R$ 1,1 bilhão na área da Saúde, referente ao período de 2014 a 2018, e reduziu para R$ 637 milhões. Com o parcelamento de parte do valor, ainda faltará o pagamento de R$ 421 milhões.

Em fevereiro, Leite havia se comprometido a realizar o pagamento em fevereiro. “Inicialmente, prevíamos um pagamento em 36 meses, mas, com esforços empenhados pela Secretaria da Fazenda, foi possível reduzir o número de parcelas para 16”, afirmou o governador.

O valor total é referente a débitos não quitados desde 2014. Os repasses são referentes à execução de programas como Equipes de Saúde da Família (ESF), Política de Incentivo da Assistência Básica, Redes de Urgência e Emergência (Samu), Assistência Farmacêutica Básica e Primeira Infância Melhor (PIM), entre outras finalidades.

Do valor total da dívida, R$ 162 milhões são devidos para as prefeituras, e outros R$ 54 milhões, a hospitais municipais e de pequeno porte, conforme detalhamento abaixo:

  • R$ 7,3 milhões de 2014 para prefeituras
  • R$ 986 mil de 2015 para prefeituras
  • R$ 2,3 milhões de 2016 para prefeituras
  • R$ 4,3 milhões de 2017 para prefeituras
  • R$ 54 milhões para hospitais

O presidente da Famurs destacou a disponibilidade da Secretaria da Saúde em realizar a negociação com a Famurs. “O momento pelo qual vive o RS deixa clara a necessidade de diálogo”, afirmou Cettolin.

Desenvolvimento e reestruturação

Também na reunião, Leite pediu aos prefeitos que apoiem as medidas de reestruturação que vêm sendo adotadas pelo governo estadual, e exaltou a importância da reforma da Previdência, que tramita no Congresso Nacional. Segundo ele, a medida federal dará segurança a investidores estrangeiros quando à capacidade do país de cumprir compromissos.

Em relação à viagem que realizou nos Estados Unidos e na Inglaterra, o governador afirmou ter apresentado a investidores as oportunidades oferecidas pelo estado. A iniciativa foi parte da agenda de desenvolvimento econômico estabelecida pelo Piratini.

“O RS, agora, está no radar dos investidores. Apresentamos uma carteira de projetos, mostramos as oportunidades de forma clara”, afirmou.

Fonte: G1

Rádio Metrópole

Começam as obras de hospital regional em Palmeira das Missões

Os trabalhos contam com investimento de R$ 115 milhões e devem durar dois anos

Foto: Agostinho Piovesan

Tiveram início às margens da BR 468, na zona Norte de Palmeira das Missões, as obras de construção do Hospital Público regional (HPR). Caminhões e escavadeiras são utilizados, desde a quinta-feira passada, no trabalho de terraplenagem. Em alguns pontos da área haverá necessidade de aterro, com a utilização de 12 mil metros cúbicos de terra.

Engenheiro civil da empresa Sial Construções Civis Ltda., responsável pela obra, Gustavo Ávila Mertens informou que em três meses a terraplenagem estará concluída. Neste período, haverá a instalação do canteiro de obras, com 400 metros quadrados, que abrigará salas administrativas, refeitório para 260 pessoas e demais acomodações. A área será cercada e terá a instalação de uma subestação de energia. “Encerrada a terraplenagem, iniciarão os trabalhos das fundações”, informou.

O prefeito de Palmeira das Missões, Eduardo Russomano Freire, informa que serão aplicados R$ 115 milhões do Ministério da Saúde na obra que deverá, conforme o contrato celebrado com a prefeitura, estar concluída em dois anos. O início das obras era aguardado com expectativa. “É um sonho que começa a ser concretizado, uma caminhada que se iniciou ainda em 2009″, observa. Freire disse que lembra que o HPR atenderá exclusivamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS), a estrutura que terá 180 leitos de internação e receberá pacientes de 72 municípios das regiões Norte e Noroeste do Estado.

Fonte: CP

Rádio Metrópole

Três municípios da Região Celeiro aguardam a construção de acessos asfálticos

 

Foto: Alvaro Bitencourt / Selt

O secretário de Logística e Transportes, Juvir Costella, esteve em Brasília, reunido com deputados federais da bancada gaúcha, para tratar da liberação de R$ 342 milhões destinados à pavimentação de acessos municipais no Estado. A proposta foi apresentada na sessão da Câmara na quarta-feira (24/4).

De acordo com Costella, os recursos das emendas parlamentares devem priorizar 33 ligações asfálticas em diferentes regiões gaúchas (confira a lista abaixo). A meta é atender rodovias que estão próximas de serem concluídas.

“Temos 67 municípios que aguardam o seu acesso pavimentado. No século 21, é inadmissível”, disse o secretário na apresentação. “Pelo levantamento que realizamos, há inúmeras rodovias com apenas um, dois ou cinco quilômetros de asfalto pendentes. Precisamos liquidar esse passivo primeiro para, posteriormente, voltarmos a atenção às estradas que dependem de um volume maior de obras e dinheiro.”

O titular da pasta disse ainda que o momento exige a união dos representantes de todas as esferas políticas. “No cenário de dificuldades pelo qual o Estado passa, é chegado o momento de superarmos as divergências partidárias e focarmos o bem-estar da sociedade”, afirmou. “É necessário que vejamos alternativas para retomar o desenvolvimento de nossas comunidades.”

Atualmente, há seis acessos municipais que estão em fase final de conclusão, com recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), e outros 28 cujos projetos são antigos e precisam de readequação técnica, ou seja, os resultados das atualizações devem repercutir nos valores dos futuros contratos.

Acessos municipais elencados para receberem recursos de emendas parlamentares:

– Santo Antônio do Palma
– Carlos Gomes
– Muliterno
– Sertão Santana
– Sério
– Sério–Boqueirão do Leão
– Ubiretama
– São José do Hortêncio
São José do Inhacorá
– Pedro Osório
– Caraá
– São José das Missões
– São Jorge–Guabiju
– Cruzaltense–Campinas do Sul
– Ponte Preta
– Pedras Altas
– Inhacorá
– Lagoa Bonita do Sul
– Engenho Velho
– Pinhal–Novo Tiradentes
Sede Nova
– São Pedro das Missões
– Nova Bréscia–Coqueiro Baixo
– Santo Expedito do Sul
– Iraí–Planalto
– Pinhal Grande–Nova Palma
– Mariana Pimentel
– Nova Ramada
– Serafina Corrêa–Montauri
– Centenário
Palmitinho–Pinheirinho do Vale
– Capão Bonito do Sul–Lagoa Vermelha
– Capitão–Arroio do Meio

Fonte: Texto: Júlio Cunha Neto / Ascom Selt edição: Marcelo Flach/Secom

Prefeitura de Nova Candelária realiza melhorias na estrada que liga a Crissiumal

 

Após a chuva registrada na região na semana da Páscoa, a equipe do Parque de Máquinas de Nova Candelária iniciou um trabalho de recuperação da estrada que liga o município com Crissiumal, realizando melhorias significativas no acesso.

O trabalho de encascalhamento e patrolamento nas estradas rurais também aconteceu em acessos a propriedades, estradas de roças e em parte das localidades de Santo Antônio e Lajeado Barreiro.

Fonte/Foto: PM de Nova Candelária

Crissiumal : Motoristas e usuários deverão ficar atentos à sinalização de obras na Rua Inhacorá

Trecho está sinalizado a fim de evitar possíveis acidentes

Devido as obras de melhorias na canalização e drenagem das águas pluviais, a Rua Inhacorá está parcialmente interrompida, até que o serviço seja completamente executado.

Preocupado com a segurança dos motoristas e usuários da via, o secretário de Obras Públicas, Claudiomiro Thies, informou que a equipe de obras sinalizou o trecho para alertar quem trafega pelo local e evitar possíveis acidentes. Portanto, pede-se bastante atenção de todos, ao transitar pela Rua, principalmente, durante o feriadão de Páscoa, período em que a obra será paralisada.

Ainda, segundo Claudiomiro, os trabalhos na via deverão seguir nas próximas semanas.

O trecho da Rua Inhacorá o qual encontra-se em obras é o que faz a ligação entre a Rua Costa e Silva e a Avenida Santa Rosa. O trecho está recebendo melhorias para posterior asfaltamento da via.

Conjuntamente, com os trabalhos da Prefeitura, a CORSAN está efetuando a troca da tubulação do fornecimento de água potável, com isso, poderá ocorrer interrupções no abastecimento de água, durante a realização dos serviços.

Fonte: Andréia Cristina Queiroz

Crissiumal: Prefeitura iniciou obras de canalização e drenagem em trecho da Rua Inhacorá

O trecho da via está sendo preparado para posterior asfaltamento.

 

A Prefeitura de Crissiumal iniciou nesta terça-feira,16 de abril, as obras de melhorias na canalização e drenagem das águas pluviais na Rua Inhacorá, no trecho que liga a Rua Costa e Silva à Avenida Santa Rosa. O serviço é um pré-requisito para que possa ser iniciada a obra de asfaltamento da via.

Concomitantemente, com os trabalhos da Prefeitura, a CORSAN, também está efetuando a troca da tubulação de fornecimento de água, considerada bastante antiga. Portanto, poderá ocorrer durante os próximos dias, interrupções no fornecimento de água potável, aos moradores desse trecho da Rua Inhacorá.

As intervenções estarão sendo realizadas durante esta semana, até a quinta-feira (18); e, deverão ser reiniciadas na próxima semana. As melhorias irão beneficiar mais de vinte famílias, na extensão do trecho, além dos alunos e comunidade escolar da Escola Municipal de Ensino Fundamental Benno Bender.

As ações de infraestrutura nas vias públicas da cidade, com investimentos em canalização e drenagem; e, asfaltamento de ruas, tem o objetivo de recuperar a malha viária da cidade, atribuir maior mobilidade urbana e promover mais qualidade de vida para a população.

 

Fonte: Andréia Cristina Queiroz – Assessoria de Imprensa da Prefeitura de Crissiumal

Parklets são instalados em praças de Três Passos

O investimento na instalação dos espaços públicos de convívio e lazer foi de R$ 18 mil

Foto: Elenara Bosa de Oliveira/Divulgação

Em mais uma etapa do programa Três Passos de Cara Nova, a prefeitura do município no Noroeste do Estado concluiu a instalação de parklets (espaços públicos de convívio e lazer) nas praças Reneu Geraldino Mertz e da Bandeira e no Parque do Lago Frei Ivo. O investimento foi de R$ 18 mil, oriundo de dotação orçamentária exclusiva da secretaria municipal de Obras e Viação. As estruturas, uma em cada local inicialmente, são de madeira.

Segundo a arquiteta do município e responsável pelo projeto, Camila Buchner, os parklets são uma intervenção urbana que visam incentivar o convívio social. “Essas estruturas surgem como forma de extensão do passeio público e podem ser equipados com bancos, floreiras, mesas e cadeiras, guarda-sois, entre outros.” Ela explica que as propostas ofertadas pela prefeitura são de estruturas simples, temporárias e foram instaladas sobre passeios e praças públicas, podendo ser modificadas.

Nos locais foram plantadas flores produzidas e cultivadas no Viveiro Municipal e o plantio executado pela equipe de paisagismo da prefeitura. O prefeito José Carlos Amaral afirma que os parklets são um novo conceito para a cidade, contribuem para interação da comunidade e para o embelezamento dos espaços públicos. “Na reestruturação do Plano Diretor, que já está em andamento desde o ano passado, trabalhamos muito um novo conceito de cidade e esta iniciativa vem de encontro a esta proposta.”

 

Por: Elenara Bosa de Oliveira -Assessora de Comunicação da Prefeitura de Três Passos

Crissiumal: Secretaria de Obras segue priorizando a recuperação de estradas e pontes no interior

 

Os trabalhos das equipes da Secretaria de Obras Públicas, na recuperação de estradas, pontes, bueiros, entre outros serviços, podem ser acompanhados em algumas localidades do interior, no decorrer desta semana.

A Secretaria realizou, no início da semana, a manutenção da estrada na localidade de Lajeado Cachorro, com o patrolamento e encascalhamento da via. Também as equipes estão efetuando o patrolamento nas localidades de Bela Vista e São Vicente.

Em Linha Porto Alegre, uma ponte conhecida como ponte do Machado, está recebendo reparos com a colocação de novas vigas e pranchas. Para tanto, a Secretaria informa aos motoristas, moradores e usuários do local, que devido a execução desse trabalho, a ponte encontra-se interditada, não tendo passagem, durante esta quarta-feira (03).

Por: Andréia Cristina Queiroz – Assessoria de Imprensa da Prefeitura de Crissiumal

Carro cai em vala de obras na Vila Alvorada em Horizontina

Um acidente com danos materiais foi registrado na noite de ontem, terça-feira, dia 02 de abril, junto a vala aberta de uma obra que leva a extensão de abastecimento de água da Corsan a novos loteamentos em formação nos fundos do Bairro Alvorada.

A obra ocorre na extensão de toda a Rua Alvorada e os transtornos gerados já foram motivos de descontentamento dos moradores diante, principalmente, de sua morosidade. A comunidade inclusive convocou reunião para tratar do andamento das obras e os transtornos que a mesma está ocasionando.

Na noite passada com chuva, o condutor de um veículo GM Celta não avistou a vala aberta e acabou caindo nela com seu automóvel. O homem que viajava acompanhado de outras três pessoas, entre elas duas crianças, não teve ferimentos. Moradores próximos auxiliaram na saída dos mesmos do carro e acionaram o socorro do Corpo de Bombeiros.

A Prefeitura Municipal que participa das obras com o serviço de máquinas também foi acionada. O Secretário Geral de Governo Marcos Aurélio Schneider foi ao local e deslocou uma equipe de servidores que auxiliados por uma retroescavadeira içaram o automóvel, retirando o mesmo da vala com danos aparentes somente de lataria.

A obra encontra-se em solo lajeoso e passa por serviços com rompedor o que aumenta sua morosidade. Para piorar a volta das chuvas causa um lamaçal sobre o pavimento na rua.

O carro acidentado foi removido em comum acordo com seu proprietário e levado ao pátio de uma secretaria municipal. Corsan, loteadores e a própria prefeitura devem arcar com os custos de conserto do veículo, informou o Secretário Marcos Schneider.

Schneider pediu escusas aos moradores e comprometeu-se em buscar uma solução, no entanto, a prefeitura não tem poder de decisão final sobre todos os serviços, pois eles ocorrem conjuntamente. “A vala está na via pública, por isso nós não vamos fugir de nossa responsabilidade, estamos cientes dos transtornos gerados, que precisamos encontrar uma forma de minimizar” destacou.

Para segurança o trânsito na esquina da Rua Alvorada com a Alagoas foi parcialmente bloqueado durante a noite, e a alternativa é usar outras vias como a Maranhão e a Ipiranga para chegar a parte mais baixa do Bairro Alvorada.

 

Fonte/Foto: Jornal Folha Cidade