Polícia Civil divulga fotos de foragido do Presídio Estadual de Três Passos

 

Ambas as fotos são de Maicon Panzenanhagem / Divulgação Polícia Civil

 A Polícia Civil (PC) divulga fotos de Maicon Panzenhagem. De acordo com a PC, o homem que é o mesmo em ambas as fotos fugiu do Presídio Estadual de Três Passos onde estava preso preventivamente desde Dezembro de 2017. Para fugir o homem pulou o muro do presídio na manhã desta sexta-feira (16).

Segundo informações da polícia, Maicon possui oito páginas de antecedentes policiais, na sua maioria furtos qualificados em residências.

A Polícia Civil solicita a quem ver o fugitivo que ligue para o fone 190 ou 197.

 

Fonte: Portela Online

Com gol de Cícero, Grêmio vence o Lanús no primeiro jogo da final da Libertadores

Meio-campista fez o gol aos 37 minutos do segundo tempo, após Jael escorar cruzamento na área

André Ávila / Agência RBS

Renato pretendia levar uma vantagem, por mínima que fosse, para o jogo de volta. E conseguiu. Sem forças para superar pelo chão um adversário de marcação organizada, o técnico recorreu ao lance aéreo, no segundo tempo, e foi certeiro em sua aposta nos grandalhões Jael e Cícero. No primeiro ato da final da Libertadores, o Grêmio venceu ao Lanús por 1 a 0, na Arena, diante de mais de 55 mil torcedores, e será tricampeão da Libertadores se empatar o jogo de volta, dia 29, fora. Por uma semana, a respiração tricolor permanecerá em suspenso.
Uma nuvem de fumaça, sinalizadores e papel picado escondeu a Arena quando o Grêmio entrou em campo. O torcedor, que havia chegado ao estádio em excursões desde o início da manhã, avisava que pretendia fazer sua parte, empurrando o time e, ao mesmo tempo, desfrutar do espetáculo mais aguardado da temporada. A fumaça, porém, foi tão forte que fez muita gente puxar a camisa para proteger o nariz.
Quando o jogo se iniciou, eram claros os objetivos das duas equipes. Mandante, o Grêmio buscava fazer tantos gols quantos fossem possíveis para encaminhar o título.
Visitante, o Lanús cuidaria somente de não ser vazado, para garantir o título em casa, dia 29. Quando a teoria virou prática, tudo se inverteu. Maduro, o time argentino não sentiu a pressão de uma Arena lotada e jogou com uma assombrosa tranquilidade, que lhe permitiu trocar passes até mesmo nas imediações de sua área, na frente dos aparentemente intimidadados atacantes do Grêmio. Mais do que isso, foi o Lanús quem criou as mais claras oportunidades para marcar.
A primeira delas foi o ponto final de uma sucessão de passes que se estendeu por dois minutos angustiantes para a torcida e que fizeram Renato Portaluppui abrir os braços, cobrando maior ação de seus jogadores. Na conclusão do lance, Martínez bateu cruzado, de fora da área, e Marcelo Grohe brilhou pela primeira vez na noite.
Nada perto do que o goleiro do Grêmio faria a 39 minutos. Depois de cobrança de escanteio do lado direito, o zagueiro Braghieri saltou e cabeceou no canto esquerdo. Seria gol, não fosse a monumental defesa de Grohe, certamente um dos maiores personagens desta campanha do Grêmio.
Faltou ao Grêmio, desde o começo do jogo, capacidade de imposição. O time pareceu não ter a pressa que a aprtida exigia, como que entendendo que marcar o gol seria questão de tempo. A cinco minutos, Jailson antecipou-se e fez boa abertura na esquerda para Fernandinho, que cruzou errado, mas mãos do goleiro, desperdiçando o primeiro ataque do time.
A rigor, as chances germistas nasceram de erros do goleiro Andrada, em duas saídas erradas. Aos 25, seu passe foi parar nos pés de Ramiro, que chutou fraco, sem direção. Aos 44, quase uma repetição do lance anterior. Desta vez, a bola foi na direção de Arthur, que não conseguiu concluir.
Tão preocupante quanto o desempenho do Grêmio no primeiro tempo foi o cartão amarelo recebido por Kannemann. Foi o terceiro, que tira o argentino do jogo de volta.
A primeira etapa se encerrou com a queda de Ramiro dentro da área, em disputa com dois zagueiros. Apesar dos protestos, o árbitro  Julio Bascuñan não assinalou pênalti.
Sem mudanças, o Grêmio tentou acelerar o ritmo no segundo tempo, ainda que o Lanús seguisse irredutível em sua estratégia de encutar espaços por força de uma rigorosa marcação com quatro jogadores na frente da área. A única chance, porém, foi em cobrança de falta por Edilson, mas a bola foi para fora. De resto, os cruzamentos na direção de Lucas Barrios sempre paravam na cabeça dos zagueiros.
No mesmo instante em que Renato chamou Everton para o lugar de Fernandinho, Cortez arriscou de longe e Andrada salvou a escanteio.
O volume não aumentou muito, para desconsolo da torcida. Aos 17, em cruzamento de Geromel, Jailson cabeceou por cima. O Grêmio usava mais os laterais, mas nem Edilson, nem Cortez acertavam os passes para um apagado Lucas Barrios, substituído pouco depois por Jael. A nova oportunidade veio em chute de Jael, de fora da área, a 32 minutos, nas mãos de Andrada.
E foi o contestado Jael que, aos 37 minutos, aparou cruzamento de Edilson e de, cabeça, colocou Cícero na frente de Andrada para afzer 1 a 0. A Arena, enfim, explodiu de alegria. Lançados para o ar, os sinalizadores interromperam por dois minutos o jogo.
Nos acréscimos, o lance que poderia dar ao Grêmio uma vantagem ainda maior: Jael foi empurrado na área, mas o árbitro nada marcou, para desespero dos jogadores gremistas. Mas ao menos a vantagem mínima estava garantida. A festa, que começou em casa, poderá ser completada dia 29, no alçapão de La Fortaleza.

Fonte: Gaúcha ZH

IBGE diz que Brasil já tem mais de 207 milhões de habitantes

População do Brasil agora é de 207 milhões, 660 mil e 929 de habitantes José Cruz/Agência Brasil

O Brasil já tem 207 milhões, 660 mil e 929 de habitantes, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgados hoje (30) no Diário Oficial da União. No ano passado, o levantamento anual do IBGE indicava uma população de 206,08 milhões de brasileiros.

São Paulo permanece na liderança como o estado mais populoso com 45 milhões, 94 mil e 866 habitantes. No ano passado, a população paulista era formada por 44,75 milhões de habitantes. Mais cinco estados têm população acima de 10 milhões de habitantes: Minas Gerais (21.119.536),  Rio de Janeiro (16.718.956), Bahia (15.344.447), Rio Grande do Sul (11.322.895) e Paraná (11.320.892).

O Distrito Federal (DF) que, no ano passado, tinha 2,98 milhões de habitantes, agora tem mais de 3,039 milhões de pessoas. Acre (829,6 mil), Amapá (797,7mil) e Roraima (522,6 mil) são os estados que registram população inferior a 1 milhão de habitantes.

EBC

 

Copa do Brasil: Flamengo e Botafogo empatam e Grêmio vence nas semifinais

Foto: André Avila /Agência RBS

Botafogo e Flamengo ficaram no empate em 0x0 e o Grêmio venceu o Cruzeiro por 1×0 nos dois primeiros jogos das semifinais da Copa do Brasil disputados na noite dessa quarta-feira (16). No Engenhão, no Rio de Janeiro, os dois times cariocas fizeram uma partida com poucas oportunidades de gol em que se alternaram no domínio das ações durante os dois tempos, mas sem objetividade. A melhor chance foi uma cobrança de falta de Diego, do Flamengo, que atingiu o travessão do goleiro do Botafogo, Gatito Fernandes.

O jogo marcou a estreia do novo técnico do Flamengo, o colombiano Reinaldo Rueda, que substituiu o demitido Zé Ricardo, após a última derrota do time, para o Vitória, por 2 x 0. Com o resultado, o Flamengo completou cinco jogos sem vitória, sendo dois empates e três derrotas. No campeonato brasileiro, o time ocupa o sétimo lugar, com 29 pontos. O Botafogo é o oitavo colocado, com 28 pontos.

Dois jogadores foram expulsos no segundo tempo: o goleiro Alex Muralha, do Flamengo, e o zagueiro Joel Carli, do Botafogo, após uma bola dividida na área rubronegra, em que Muralha entrou sobre Carli com a perna muito alta e o zagueiro chutou o goleiro após este cair com a bola dominada.

O jogo foi o 358º disputado entre as duas equipes e o 122º empate. O Flamengo tem 127 vitórias contra 109 do Botafogo. A decisão da vaga na final da Copa do Brasil entre as duas equipes será na próxima quarta-feira (23), no Maracanã, às 21h45. Quem vencer estará na final, mas o Botafogo tem a vantagem do empate com gols. Um novo 0 a 0 levará a decisão para os pênaltis. O adversário da final sairá do confronto entre Grêmio e Cruzeiro, em Belo Horizonte

Em Porto Alegre, na primeira partida da outra semifinal, o Grêmio saiu em vantagem ao vencer o Cruzeiro, na Arena Grêmio, por 1 x 0, gol de Lucas Barrios, aos 45 minutos do primeiro tempo. No jogo de volta, na próxima quarta-feira, o Grêmio joga pelo empate. O Cruzeiro precisa vencer por 2 a 0, ou fazer 1 a 0 e decidir a vaga nos pênaltis.

Espanha

Na Espanha, o Real Madrid, em casa, conquistou nesta quarta-feira a Supercopa da Espanha, ao derrotar o Barcelona no Estádio Santiago Bernabeu por 2×0, gols de Ascensio (3 minutos) e Benzema (38 minutos), ambos no primeiro tempo. O artilheiro Cristiano Ronaldo, do Real Madrid, não atuou por ter sido expulso no primeiro jogo, quando seu time venceu por 3 x1 no Estádio do Barcelona, o Camp Nou.

 

Agência Brasil

OAB entrega nesta semana à Câmara pedido de impeachment de Temer

Solicitação tem como base a admissão do presidente do encontro e da conversa com um dos delatores da JBS

Conselho Federal tomou a decisão neste fim de semana Foto: Divulgação /OAB

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) vai entregar nesta semana à Câmara dos Deputados o pedido de impeachment do presidente Michel Temer por crime de responsabilidade. Em entrevista ao Bom dia Segunda-feira, o presidente nacional da entidade, Cláudio Lamachia, explicou sobe o embasamento do texto. Segundo ele, a argumentação recai sobre a admissão de Temer de que houve o encontro e o conteúdo da conversa e não é vinculada à gravação em si. A decisão de pedir o impeachment foi tomada pelo Conselho Federal da OAB neste fim de semana.

Ele destaca que o presidente “não nega que o empresário foi recebido, não nega que o empresário teria relatado a ele todos aqueles fatos, não nega que nada fez a partir da ciência que teve dos fatos”. Nos pronunciamentos feitos após a gravação vir à tona, Temer admitiu ter recebido o empresário Joesley Batista fora da agenda oficial e que ele entrou sem se identificar.

Lamachia explica que Temer incorreu em prevaricação ao não tomar uma atitude após ouvir o empresário relatar vários crimes e sequer pediu para o “fanfarrão” sair da casa dele.  O presidente da OAB também rebateu às críticas do Planalto de que a entidade não esperou a perícia das fitas para decidir sobre o pedido de impeachment. Afirmou que o menor peso jurídico não está nos áudios, mas na manifestação posterior de Temer, declarando que o que está na gravação ocorreu.

– A própria entrevista do presidente da República já demonstra o crime de responsabilidade, diz Lamachia.

A OAB vai aguardar os desdobramentos dos fatos para tomar também uma atitude sobre a inscrição de Michel Temer na Ordem dos Advogados. Lamachia já determinou que seja aberto processo disciplinar contra o agora ex-procurador da República, Ângelo Goulart, preso pela Polícia Federal na Operação Patmos.

Lamachia espera que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, aliado do presidente Temer, cumpra a responsabilidade do cargo que ocupa e dê curso ao processo de impeachment.

GAÚCHA

Novo Hamburgo supera Inter nos pênaltis e é campeão gaúcho

Melhor equipe do Gauchão, Novo Hamburgo conquistou título inédito | Foto: Ricardo Giust

O Novo Hamburgo chegou lá. Dono da melhor campanha do Gauchão 2017, a equipe do Vale do Sinos segurou o Inter e conquistou o inédito título estadual ao superar os colorados nos pênaltis por 3a 1. No tempo normal, os dois times empataram em 1 a 1, no estádio Centenário, em Caxias do Sul, neste domingo.

Novo Hamburgo mostra força

O cronômetro não havia chegado a um minuto e o Novo Hamburgo já deu mostras de que exploraria o fato de Danilo Fernandes não estar 100% na partida. Ainda que os dois lances estivessem em impedimento, o Anilado envolvera a defesa colorada nas chegadas. O Inter foi entrar no jogo só aos 5, quando D’Alessandro obrigou Matheus a sair do gol para segurar firme o cruzamento. Três minutos depois, D’Alessandro cobrou falta e só não correu para o abraço, porque Matheus voou para espalmar.

Mas o Novo Hamburgo não ficaria apenas assistindo. Aos 11, respondeu também em cobrança de falta. Jardel mandou cruzado e a bola foi passando por todo mundo até sair pela linha de fundo rente à trave direita de Danilo Fernandes. Jogando no sacrifício, Danilo quase comprometeu a

defesa aos 17 ao caçar borboletas em cruzamento na área. Em seguida, porém, não teve o que fazer em novo levantamento, o qual Ernando se atrapalhou e cabeceou no contrapé do camisa 1, abrindo o placar no Centenário.

O gol sofrido aos 21 desconsertou o Inter, cuja melhor tentativa de reação ocorreu somente aos 29, quando Nico e Brenner acertaram uma tabela dentro da área, mas o lance foi invalidado por impedimento. Na chance que valeu, aos 35, Nico tentou de trivela um chute que acabou se perdendo pela linha de fundo. Sem maiores problemas, a equipe de Beto Campos desceu ao intervalo a 45 minutos de uma conquista inédita.

Inter volta com tudo

Mas o Inter voltou outro para o segundo tempo. Ernando deu lugar a Carlos, recuando Uendel para a lateral. A alteração deixou o time colorado bastante ofensivo e obrigando o Novo Hamburgo a recuar. O abafa deu certo. Em escanteio aos 3, D’Alessandro levantou na entrada da pequena área e uma confusão se armou. A bola se ofereceu para Rodrigo Dourado, que, num chute firme, venceu Matheus e deixou tudo igual no placar.

Como o empate não garantia o almejado hepta, o Inter seguiu com o pé no acelerador, mesmo que com dificuldade em superar a marcação da zaga anilada. Carlos desperdiçou grande chance aos 17. Em cruzamento da esquerda, o atacante recebeu às costas de Assis, dominou e chutou forte, mas por cima. Logo depois foi a vez de Uendel entrar pela esquerda e arriscar e igualmente mandar sobre o travessão.

O Novo Hamburgo teve um respiro a partir dos 26, quando Assis recebeu no cruzamento e jogou na área, onde Julio Santos testou forte, mas para fora. No minuto seguinte, Lucas Santos – que entrara na vaga de Branquinho – teve a chance, mas acertou a grua da TV, furando a bola. O atacante ainda teve outra oportunidade aos 30, quando invadiu a área e tentou deslocar Danilo Fernandes, mas, de rosto, o goleiro desviou.

Zago, então, mandou o Inter à frente novamente ao escalar Valdívia no lugar de Edenilson. A pressão voltou a ser vermelha, que teve ótima chance aos 39, no erro na saída de Matheus. Uendel conseguiu desviar, mas, antes da chegada do de Carlos, Julio Santos jogou para escanteio. Nos acréscimos, D’Alessandro acionou William, livre, só que o lateral se atrapalhou no domínio e foi desarmado para Matheus. A decisão do Gauchão, enfim, foi mesmo para as penalidades máximas.

Inter falha nos pênaltis

Em sua terceira decisão de pênaltis no ano, o Inter falhou. D’Alessandro teve responsabilidade de dar o início, mas o jogador deu o prenúncio da derrota: mandou para fora. Na sequência, João Paulo abriu a contagem. Em seguida, sequência de erros: Cuesta e Nico López erraram e Léo, do Novo Hamburgo, também. Julio Santos fez o segundo do Novo Hamburgo na sequência e o título só não foi definido a seguir, porque William marcou. Mas o título era para ser azul: Pablo fechou o marcador na sequência e definiu o Novo Hamburgo campeão: 3 a 1 nos pênaltis.

Gauchão – final

Novo Hamburgo 1 (3)

Matheus; Léo, Júlio Santos, Pablo e Assis (Léo Carioca); Amaral, Jardel, Preto, Juninho e Branquinho (Lucas Santos); João Paulo. Técnico: Beto Campos.

Inter 1 (1)

Danilo Fernandes; William, Léo Ortiz, Victor Cuesta e Ernando (Carlos/Diego); Rodrigo Dourado, Edenílson (Valdívia), Uendel e D’Alessandro; Nico López e Brenner. Técnico: Antônio Carlos Zago

Gols: Ernando (contra), aos 21/1; Rodrigo Dourado (3/2)

Cartões amarelos: Pablo e Júlio Santos (NH); D’Alessandro (I).

Arbitragem: Leandro Vuaden, auxiliado por Rafael da Silva Alves e Elio Nepomuceno de Andrade Júnior.

Local: Estádio Centenário, em Caxias do Sul

*CP

Sem inspiração, Grêmio perde para o Caxias no Centenário

1486329823_60 (1)

Foto: Diogo Sallaberry /Agencia RBS

 

Um apagão defensivo no segundo tempo provocou, neste domingo, a primeira derrota do Grêmio no Gauchão, por 2 a 1 para o Caxias, no Centenário. Dois gols em um intervalo de apenas cinco minutos premiaram o valente time de Luis Carlos Winck, que marcou com uma inesperada energia e foi eficiente nas conclusões. Se vale de consolo, restou, para o Grêmio, o alerta de que precisará encontrar novas soluções para enfrentar adversários que passam agora a estudá-lo com atenção muito maior.
Diferentemente de outras partidas, o Grêmio, desta vez, não conseguiu controlar a partida. Com marcação atenta, o Caxias evitou que Luan e Douglas, os criadores da equipe, recebessem a bola para dar início às jogadas. Experiente, o time de Luis Carlos Winck não se furtou nem mesmo a cometer faltas e tentar desestabilizar os dois jogadores com provocações ao pé do ouvido. Em uma delas, Douglas, nervoso, recebeu cartão amarelo.
Os problemas ofensivos do Grêmio também aumentavam com a ineficiência de Leonardo, ainda pouco à vontade, e com a escassa participação de Marcelo Oliveira. Ainda desentrosada, a nova dupla de volantes, formada por Jailson e Maicon, não funcionou como a habitual compensação quando os armadores não criam. Restou, de positivo, a intensa movimentação de Ramiro.
Para piorar o quadro, as raras oportunidades do primeiro tempo foram desperdiçadas por Pedro Rocha. A oito minutos, Pedro Rocha, praticamente debaixo da trave, chutou por cima em cruzamento de Ramiro, depois de jogada iniciada por Luan. Lance mais claro ainda ocorreu aos 31 minutos. Em novo cruzamento de Ramiro, Pedro Rocha, tendo só Marcelo Pitol pela frente, cabeceou e permitiu a defesa do goleiro.
O Caxias, que não se intimidou frente a um adversário mais forte, quase marcou aos 12 minutos. Depois de cobrança de falta, a defesa fez uma rebatida parcial e Wagner, na frente de Grohe, bateu alto.
O que já era ruim ficou ainda pior para o Grêmio na segunda etapa. Foi quase a reedição dos piores momentos da equipe em 2016, quando a bola aérea gerou pânico e tornou-se decisiva para a queda de Roger Machado. A sete minutos, em escanteio da direita, Geromel chegou atrasado e Edson Borges quase marcou de cabeça. Aos 11, na tentativa de afastar um cruzamento, Kannemann cometeu pênalti. Na cobrança, com um chute rasteiro, Gilmar deslocou Grohe e colocou o Caxias em vantagem.
Como reação imediata, Renato trocou Pedro Rocha por Jael. Não houve tempo para nada. A 16 minutos, em nova bola erguida da direita, Gilmar ganhou no alto e ampliou para 2 a 0.
Everton, colocado por Renato no lugar do improdutivo Leonardo, quase marcou a 25 minutos, em chute que bateu na trave. Foi só o que o Grêmio esboçou em busca do empate. O que se viu a partir de então foi o predomínio da equipe local, com estocadas rápidas e chutes de longa distância, que assustaram Grohe.
Bolaños foi a última tentativa de Renato para reverter o quadro. No último minuto, ele invadiu a área, chutou no canto e descontou.

Fonte: Rádio Gaucha

Desemprego atinge 12,3 milhões de pessoas na maior taxa desde 2012

carteira_de_trabalho

A população ocupada do país no fechamento do ano de 2016 chegou a 90,3 milhões de trabalhadores (Marcello Casal Jr.Agência Brasil)

O Brasil fechou 2016 com 12,3 milhões de pessoas desempregadas, com a taxa média móvel encerrando o 4º trimestre em 12%, mostrando estabilidade em relação aos 11,8% relativos ao 3º trimestre móvel do mesmo ano (julho, agosto e setembro), mas ainda assim tem a maior taxa da série histórica, iniciada em 2012.

Em relação ao 4º trimestre móvel de 2015 (9%), a taxa de desemprego cresceu 3,1 pontos percentuais. Os dados fazem parte da pesquisa nacional por Amostra de Domicílio Contínua (Pnade Contínua) e foram divulgados hoje (31), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Segundo a publicação, a população de desocupada no Brasil cresceu 2,7% frente ao trimestre de julho a setembro, aumentando 36% (ou mais 3,3 milhões de pessoas desempregadas) em relação ao mesmo trimestre de 2015.

A população ocupada do país no fechamento de 2016 chegou a 90,3 milhões de trabalhadores, crescendo 0,5% em relação ao trimestre anterior, chegando 2,1% ( 2 milhões de pessoas) em relação ao quarto trimestre de 2015. Cerca de 34 milhões de pessoas ocupadas no setor privado tinham carteira de trabalho assinada, número que ficou estável no último trimestre móvel do ano, mas recuando nos 12 meses de 2016, com 3,9% (ou menos 1,4 milhão de pessoas).

Cai número de empregados no setor público

Outra constatação importante da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio Contínua diz respeito ao contingente de pessoas ocupadas por grupamentos de atividade que caiu no trimestre móvel de outubro a dezembro de 2016, em relação ao trimestre de julho a setembro do mesmo ano, em setores importantes da economia brasileira e, em geral demandadores de mão de obra.

Segundo a pesquisa, entre os dois últimos trimestres do ano passado, houve retrações em setores como o da administração pública, defesa, seguridade social, educação, saúde e serviços sociais, que juntos registraram queda de 1,3% na taxa média móvel de desocupação, o equivalente a 199 mil pessoas.

Houve expansão no emprego no grupamento de comércio, reparação de veículos automotores e motocicletas, cuja taxa cresceu 3,3%, o equivalente a 559 mil pessoas; transporte, armazenamento e correio (2,5%, ou seja, mais 110 mil pessoas), alojamento e alimentação (3,1%, ou seja, mais 145 mil pessoas). Os demais grupamentos se mantiveram estáveis.

Rendimento médio

Apesar do aumento do desemprego ao longo do ano passado, que bateu recorde da série histórica iniciada em 2012, com mais de 12 milhões de pessoas sem empregos, o rendimento médio real habitualmente pago aos trabalhadores brasileiros se manteve estável entre 2015 e 2016.

Segundo a publicação do IBGE, o rendimento médio real habitual dos trabalhadores ficou em R$ 2.043 ao longo de 2016, mostrando estabilidade em relação aos R$ 2.026 pagos no trimestre imediatamente anterior (junho a setembro), bem como em relação aos R$ 2.033 pagos no mesmo trimestre de 2015.

A massa de rendimento real habitual pago em 2016 ficou em R$ 180 bilhões, acusando aumento de 1,2% frente aos R$ 177,8 bilhões pagos no trimestre anterior, mas ficando estável em relação ao mesmo trimestre de 2015 (R$ 182,2 bilhões).

Taxa média de desocupação

Os dados divulgados hoje pelo IBGE relativos à Pnad Contínua indicam que a taxa de média de desocupação em 2016 foi 11,5%, ficando 3 pontos percentuais acima dos 8,5% relativos à taxa média de desocupação de 2015.

A população desocupada passou de 8,6 milhões, na média de 2015, para 11,8 milhões, em 2016, uma alta de 37%, o equivalente a uma taxa média de desocupados de 3,2 milhões de trabalhadores.

A população média ocupada caiu de 92,1 milhões de pessoas para 90,4 milhões, o equivalente a menos 1,7 milhões de trabalhares ocupados em média ao longo do ano passado.

Carteira assinada

O país perdeu em 2016,  1,4 milhões de postos de trabalho com carteira assinada no setor privado. Dados divulgados pelo IBGE indicam que o número de empregados com carteira assinada no setor privado caiu 3,9% no ano passado, passando de 35,7 milhões, em 2015, para 34,3 milhões em 2016.

Mesmo assim, o contingente de empregados no setor privado com carteira de trabalho assinada, estimado em 34 milhões de pessoas, apresentou estabilidade em comparação com o trimestre de julho a setembro de 2016.

Na outra ponta, no período de outubro a dezembro de 2016, as categorias dos empregados no setor privado sem carteira de trabalho assinada (10,5 milhões de pessoas) apresentou elevação (2,4%) em relação ao trimestre de julho a setembro de 2016 (mais 248 mil pessoas).

A categoria dos trabalhadores por conta própria (22,1 milhões de pessoas) registrou expansão (1,3%) frente ao trimestre de julho a setembro de 2016 (mais 274 mil pessoas). Em relação ao mesmo período do ano anterior o movimento foi queda (3,4%, ou seja, – 784 mil pessoas).

O contingente de empregadores, estimado em 4,1 milhões de pessoas, apresentou estabilidade frente ao trimestre imediatamente anterior. Em relação ao mesmo período do ano anterior, esse contingente registrou elevação de 4,8% (mais 190 mil pessoas).

A categoria dos trabalhadores domésticos, estimada em 6,1 milhões de pessoas, se manteve estável tanto em relação ao trimestre de julho a setembro de 2016 quanto frente ao trimestre de outubro a dezembro de 2015.

Fonte: Agência Brasil

Grêmio empata com Atlético-MG e é campeão da Copa da Brasil 2016

Bolaños, aos 43 do segundo tempo, marcou para o Tricolor e Cazares, nos descontos, deixou tudo igual

thumb

Grêmio empata com Atlético-MG e é campeão da Copa da Brasil 2016 | Foto: Mauro Schaefer

É CAMPEÃO. É CAMPEÃO. É PENTACAMPEÃO. O Grêmio é o Rei das Copas. A Copa do Brasil 2016 é azul, preta e branca. Na noite desta quarta-feira, 7 de dezembro de 2016, 55 mil torcedores presenciaram a redenção de um clube. Fim do jejum. O time de Grohe, Geromel, Maicon, Douglas e Luan, treinado pelo mito Renato Portaluppi conquistou a Copa do Brasil 2016, a quinta do Grêmio. Do rosto dos jogadores escorre suor e lágrimas. Torcedor gremista, encha os pulmões e solte o grito preso há anos na garganta: É CAMPEÃO. Bolaños, aos 43 do segundo tempo, de perna esquerda, após jogada de Éverton, marcou o gol tricolor. Cazares, do meio de campo, encobriu Grohe e deixou tudo igual, mas a taça já tinha dono: Grêmio.

Tensão nos primeiros 45 minutos

A escalação do Atlético-MG deixou o time mineiro mais compacto e liberou a ação dos laterais. O Grêmio teve dificuldades para, quando com a posse de bola, conseguir trocar passes em velocidade e encaixar um contragolpe. O Galo se movimentava bastante pelo meio com Rafael Carioca, Leandro Donizete, Junior Urso e Luan. Walace, Ramiro e Maicon não conseguiam encaixar a marcação. O Atlético-MG, aos 4 minutos, teve a primeira chance. Junior Urso, de cabeça, após cruzamento da esquerda. O Tricolor, tenso, ficava atrás da linha da bola. Aos 8, Lucas Pratto arriscou de fora da área. Bola no canto. Grohe, bem posicionando, só acompanhou. Aos 12 foi a vez de Luan arriscar de longe. Para fora.

A torcida sentia a equipe nervosa e com dificuldade de sair para o contra-ataque. Passou a incentivar mais e fazer a Arena sacudir. O Grêmio respondeu dentro de campo. Aos 18, time partiu em contra-ataque pela direita. Luan foi derrubado perto da área. Douglas bateu a falta por cima. Aos 22, Ramiro e Edílson trocam passes até a bola sobrar para Maicon. O capitão chutou forte. A bola explodiu na defesa e saiu.

O Atlético-MG voltou a fazer suar frio os torcedores gremistas aos 26. Em jogada pela equerda, rolou para Rafael  Carioca que fez o corta-luz, mas ninguém arrematou. Dois minutos depois, Robinho, de cabeça, assustou. O Grêmio deu seu primeiro chute no gol aos 36. Recebeu na esquerda, cortou o marcador e bateu. Victor fez a defesa. Aos 40 minutos Douglas, de calcanhar, passou para Éverton. O atacante invadiu a área e cara a cara com o goleiro  chutou fraco. Victor fechou bem o ângulo e defendeu.

Grêmio controla o jogo

O Grêmio seguiu o mesmo script. Atrás da linha da bola, fechando os espaços e tentando o contra-ataque. A torcida empurrava o time. Pela esquerda, o time chegava com perigo. O Galo tentava responder, mas não conseguia mais a mesma força. O Tricolor passou a ficar no campo ofensivo. Aos 11, Edílson bateu falta direto. Victor tirou de soco. No lance seguinte, Luan, de fora da área, mandou no canto. O goleiro fez a defesa. O Galo sentiu a parte física. Passou a ter dificuldades na armação das jogadas. Bem posicionado, ocupando cada canto do campo, o Grêmio seguiu cadenciando a partida e alfinetando a zaga mineira. Luan, aos 17, após receber de Ramiro mandou por cima. Na tentativa do abafa, no cruzamento para a área do Grêmio, Grohe sai da meta para defender o toque de cabeça. Aos 35, Marcelo Oliveira cruzou para Éverton, que desviou, de leve, mas Erazo mandou para escanteio. O Galo estava atordoado sem saber o que fazer e cansado. Via os gremistas tocarem a bola. Bolaños, após jogada com Éverton, marcou para o Grêmio. Cazares, do meio da rua, acertou o gol. Tudo igual.

O Grêmio foi guerreiro, sim. Lutando pela bola, pelo gol e defendendo sua meta como leões. Um time campeão precisa de jogadores que saibam pensar. O Grêmio tem. Douglas, cerebral. Maicon, regente. Walace, guarda-costas. Kanemann, silencioso, impecável. Geromel, invísivel. A verdade é que o Grêmio campeão nunca foi 11. Trata-se de um grupo vencedor. Cada um na sua, articulados, monitorando o adversário, até recuperar a bola. O Atlético-MG não conseguiu jogar, o time de Renato suprimiu os espaços, cortou o passe e eliminou a aproximação dos meias e dos atacantes atleticanos.

Essa conquista carrega uma lição de vida. O Grêmio foi humilhado pelo jejum e a partir deste título atinge uma nova dimensão, se transfigura e volta a ser o que todo torcedor gremista almeja: ser campeão. O Grêmio está no seu devido lugar: no topo, com a taça no armário, medalha e faixa no peito. Este é um time campeão, e podem apostar, pegaram o gosto, deu para perceber. O escritor uruguaio Eduardo Galeano escreveu que o fanático é o torcedor no manicômio. Na noite desta quarta, a fanática torcida gremista, em êxtase com o título, transformou a Arena no maior manicômio do Brasil. Libertadores 2017, aí vai o Grêmio.

Ficha técnica

Grêmio 1

Marcelo Grohe; Edilson, Geromel, Kannemann, Marcelo Oliveira; Walace, Maicon, Ramiro (Jailson), Douglas (Miller Bolaños); Everton (Fred) e Luan

Técnico: Renato Portaluppi

Atlético-MG 1

Victor; Marcos Rocha, Gabriel, Erazo, Fábio Santos; Rafael Carioca, Leandro Donizete (Cazares), Júnior Urso

(Maicosuel) Luan (Lucas Cândido); Robinho e Lucas Pratto

Técnico: D. Giacomini

Árbitro: Luiz F. de Oliveira (SP).

Local: Arena do Grêmio

Público: 55.337 (52.233 pagantes)

Renda: R$ 5.105.964,00

Gols: Bolaños (G) e Cazares (A)

*CP

Acidente no centro de Santo Ângelo deixa motorista ferido

1480342726_96

Foto: Internauta/Via Whats

 

Um acidente registrado na manhã desta segunda-feira (28) nas esquinas da Marechal Floriano com Tiradentes, centro de Santo Ângelo deixou uma pessoa ferida com várias lesões.
Na oportunidade uma caminhonete F-1000 conduzida por André Parcianello, seguia pela Marechal Floriano sentido norte/sul quando na esquina com a Rua Tiradentes foi abalroado por um caminhão com placas de Campina das Missões.
Em virtude do forte impacto lateral na caminhonete, lado do motorista, este acabou prensado as ferragens sendo necessária a participação dos bombeiros para a retirada do mesmo.
Após ele acabou sendo conduzido ao Hospital Santo Ângelo para atendimento médico.

Fonte: Rádio Cidade-Santo Ângelo