Grêmio abre 3 a 0 e protagoniza fiasco ao perder por 5 a 4 para o Fluminense

Tricolor desabou após sofrer segundo gol em erro de Julio César e acabou dominado na Arena

Foto: Ricardo Giusti

O Grêmio sonhou com uma goleada brilhante e acabou num pesadelo completo, neste domingo na Arena. O Tricolor abriu 3 a 0 na primeira etapa, mas viu um erro medonho do goleiro Julio César inverter toda a história da partida. O Fluminense acordou e buscou duas vezes a virada para vencer por 5 a 4, num fiasco dos comandados de Renato Portaluppi.

Com o resultado, os gremistas somam apenas um ponto de nove disputados e ocupam o 18º lugar na zona do rebaixamento. O Fluminense tenta espantar a crise e chega aos três pontos. Agora, o pensamento é todo na quarta-feira, quando decide a vida na Libertadores contra o Universidad Católica.

O Tricolor lembrou seus melhores momentos nos primeiros 25 minutos da partida. Patrolou o Fluminense e construiu o placar rapidamente, com todos os indícios de goleada. Três gols saíram rapidamente, todos em grandes jogadas, com eficiência no passe.

Logo aos cinco, Cortez foi lançado na esquerda, superou dois marcadores e cruzou rasteiro para trás. André entrou de carrinho na bola e enfiou para o fundo das redes. Logo em seguida, aos 12, Léo Moura lançou Alisson, que cruzou na área e encontrou Everton. O Cebolinha desviou de casquinha e encobriu Rodolfo para fazer 2 a 0. Virou goleada aos 21 minutos. Jean Pyerre fez grande jogada, puxou a tabela com André, que devolveu na cara do gol. O meia chutou forte, no capricho e definiu o 3 a 0.

Erro fatal

Os gremistas passaram a um ritmo de administração, mas perderam o controle da partida numa sequência de erros. Aos 38, Yoni Gonzalez desviou chute fraco de Luciano para o fundo das redes. Aos 40, Julio César falhou de maneira imperdoável. Tentou driblar Luciano na bola recuada e foi desarmado. O atacante apenas cutucou para as redes, sem goleiro, e reduziu para 3 a 2, com muita tensão na segunda etapa.

Fluminense domina e vira o jogo

A bola rolou e a tensão virou um pesadelo completo na Arena. Apenas o Fluminense jogou desde a arrancada do tempo final. Numa sequência de falhas do Tricolor, Julio César salvou em três defesas incríveis. Voou no ângulo direito para impedir um golaço de Bruno Silva. Depois, salvou num reflexo um cabeceio de Nino dentro da pequena área. Por fim, Matheus Ferraz cabeou forte e o goleiro deu um tapinha para mandar a bola sobre o travessão.

Só que o Tricolor estava nocauteado e o empate era questão de tempo. Aos 9, Luciano cabeceou forte no cruzamento e Julio César salvou. Só que a bola sobrou para Matheus Ferraz, que fulminou para as redes, sem goleiro.

Renato trocou Jean Pyerre e Alisson por Luan e Marinho, mas o time não deu qualquer resposta. Os visitantes mandavam na Arena e buscaram a virada num pênalti infantil de Kannemann. O zagueirão abraçou Matheus Ferraz, que vinha ganhando todas por cima, e a penalidade foi anotada. Protagonista do horror gremista, Julio César pulou antes do chute de Pedro, que tocou no canto oposto e anotou o 4 a 3.

O Tricolor foi para o tudo ou nada, com Vizeu no lugar de Maicon. Aos 38, todo o time dentro da área e Kannemann subiu patrolando tudo. Alcançou a bola e fez o gol de empate, em 4 a 4. Os gremistas acordaram e foram com tudo. Luan chutou colocado, na assistência de Marinho, e Rodolfo fez grande defesa. Cortez cruzou para André, que furou o voleio. Aí, o Fluminense teve uma falta na intermediária e a bola foi chuveirada lá de longe. Kannemann afastou no pé de Yoni Gonzalez, que chutou atrapalhado. A bola desviou em Léo Moura e tirou qualquer chance para defesa de Julio César. Vitória merecida para os visitantes, desastre tricolor no 5 a 4.

 

Fonte: CP

Grêmio sai na frente, mas empata com o Avaí em jogo de baixa qualidade

Tricolor abriu placar com Rômulo e sofreu o 1 a 1 em gol contra de Michel

Foto: Lucas Uebel / Grêmio

O Grêmio teve nova apresentação abaixo da média, fez um gol em bola parada, mas teve a frustração do empate com o Avaí e volta a tropeçar no Brasileirão. Empilhando erros e com pouca qualidade, o time misto não foi além do 1 a 1 contra a fraca equipe catarinense e soma apenas um ponto no campeonato.

A tentativa de recuperação terá que ser contra o Fluminense, no próximo domingo na Arena, antes da decisão do avanço na Libertadores contra a Católica. O Avaí enfrenta o Bahia, fora de casa no mesmo dia.

Um primeiro tempo de baixa qualidade técnica e inúmeros erros de passe teve um Grêmio pouco operante e o Avaí tentando pressionar na frente da sua torcida.

Por conta disso, os catarinenses até conseguiram concluir a gol, em bolas paradas, mas lances de perigo foram mínimos ao longo da etapa. Aos 7, Alex Silva cobrou falta da direita e Marquinhos subiu livre, cabeceou para fora. Ele teve nova chance em bola erguida por Paulinho e mandou fraco para fácil defesa de Paulo Victor.

Vazio técnico

Depois disso, a partida foi um imenso vazio, por longos minutos. E nem foi por boas marcações, e sim pelos seguidos erros de ambos os times. Cruzamentos ruins de Juninho Capixaba, passes errados de Getúlio do outro lado. Luan devolvendo tabela para Tardelli com a canela, Montoya errando cruzamentos desmarcados na direita…

Somente aos 31 minutos o Tricolor teve algo parecido com uma conclusão. Matheus Henrique fez boa jogada na intermediária e tocou para Vizeu na meia-lua. O centroavante, até então desaparecido, chutou sem olhar e carimbou o zagueiro.

Aos 34 minutos é que foi surgir uma jogada combinada de alguma qualidade da equipe gremista. Luan lançou Montoya na direita, ele viu a entrada de Tardelli e cruzou na marca penal. Kunde despachou em escanteio para evitar o gol.

Na resposta dos catarinenses, Matheus Henrique teve que salvar em bela recuperação. Brizuela foi lançado em contragolpe e cruzou para Alex Silva. Ele ia mandar para o gol, mas o volante surgiu para dividir e mandar em escanteio.

Gol na bola parada

A ironia do futebol, entretanto, operou aos 44 minutos na bola parada. Sem apresentar algo que justificasse vencer, o Grêmio marcou seu gol. Montoya que pouco tinha acertado, fez cruzamento perfeito na marca penal e Rômulo subiu livre para testar firme para o fundo das redes, anotando o 1 a 0 antes do intervalo.

A vantagem no placar não ajudou o Grêmio a impor seu jogo no segundo tempo. Foi o Avaí que tomou a iniciativa para tentar igualar o placar, ainda que com pouca efetividade.

Com pouca qualidade na bola de chão, o time de Geninho forçou os escanteios e assim levou perigo. Marquinhos ganhou pela terceira e quarta vez da zaga gremista no ar, mas de novo concluiu errado. Primeiro, isolou por cima, depois tocou pelo lado.

Renato viu o jogo inclinar para longe do controle e fez trocas. Lançou Thaciano e Everton nos lugares de Vizeu e Luan. Depois, sacou Tardelli cansado e deu mais uma chance para André.

Castigo no fim

Quem trabalhou, contudo, foi Paulo Victor. André Moritz, aos 21, chutou de fora da área e o goleirão voou no canto direito para pegar. Aos 34, Paulinho cruzou com muito perigo, Getúlio subiu livre e cabeceou contra o chão. Paulo Victor estava muito bem colocado e evitou o gol.

Mas Paulo Victor não conseguiu evitar o fogo amigo. Aos 39, Everton perdeu bola no meio para Betão, que acionou Paulinho. A bola foi chuveirada de longe e Michel desviou de forma infantil para trás, sem marcação. A bola entrou no ângulo esquerdo, em gol contra que igualou a partida.

Antes do apito final, o Grêmio reclamou muito de um suposto pênalti. Montoya cobrou falta na área, o goleiro afastou e a bola bateu na mão de Vladmir. A arbitragem decidiu por toque involuntário, sem necessidade do VAR.

 

 

Fonte: CP

Sarrafiore decide e Inter vence o Flamengo no Beira-Rio

Argentino entrou no segundo tempo e marcou o gol da vitória por 2 a 1 pelo Brasileirão

Félix Zucco / Agencia RBS

O Inter venceu o Flamengo, por 2 a 1, na tarde desta quarta-feira (01/05), no estádio Beira-Rio. Com as duas equipes alternando momento de domínio da posse de bola, o time de Odair Hellmann abriu o placar com Guerrero, no primeiro tempo, e Sarrafiore, na segunda etapa. O gol do Rubro-Negro foi de De Arrascaeta, com uma ligeira participação de Everton Ribeiro.

Com o resultado, o Colorado soma os três primeiros pontos no Brasileirão e ocupa temporariamente a 12ª colocação, restando ainda sete jogos para serem concluídos. O Flamengo segue com três pontos e é o quinto. No próximo sábado, o Inter vai a São Paulo para enfrentar o Palmeiras, às 19h. Já o Flamengo irá ao Morumbi enfrentar o São Paulo, no domingo, às 16h.

D’Ale cruza e Guerrero abre o placar

O Inter aproveitou os primeiros minutos para fazer uma blitz ofensiva contra o Flamengo. E a estratégia de deixar D’Alessandro livre para a armação com Nico López pela direita deu certo aos cinco minutos. O argentino cruzou da esquerda no segundo poste e Paolo Guerrero cabeceou. A bola quicou e entrou à direita de César. A partir dos 16, Inter passou a utilizar a estratégia que era do Flamengo, ficando postado no seu campo defensivo e partindo em rápidos contra-ataques. Criou oportunidades, mas não conseguiu ampliar.

O Rubro-negro carioca empatou aos 19 minutos em cobrança de falta, mas o árbitro Flávio Rodrigues de Souza fez uso do VAR e confirmou que Rhodolfo usou o braço para levar vantagem. Mesmo com maior posse de bola, o Flamengo tentou chegar ao empate, mas não conseguiu passar pela muralha defensiva do Inter. O Colorado criou oportunidades para ampliar, mas errou nas conclusões.

Flamengo pressiona e empata

Logo a dois minutos do segundo tempo, Arrascaeta cruzou da direita de ataque, Gabriel Barbosa, de cabeça, colocou a bola no fundo da rede, mas o auxiliar Alex Ribeiro anulou por impedimento do atacante. A postura ofensiva em contraponto à defensiva do Inter acabou se transformando em gol aos 14 min. Arrascaeta levantou para Everton Ribeiro no interior da área, a bola quicou e enganou Lomba, que não conseguiu cortar. A bola morreu no fundo das redes, decretando o empate do Flamengo.

Com o time sem reação e lento, Odair Hellmann retirou D’Alessandro e Patrick para as entradas de Sarrafiore e Guilherme Parede, aos 21 min. Um minuto depois, Nico recebeu passe de Iago e, de voleio, acertou o travessão de César. Aos 32, Sarrafiore recebeu passe de Zeca, pela direita de ataque, protegeu a bola dos marcadores, avançou para o meio do campo e bateu forte, próximo da meia lua, rasteiro no canto esquerda do César. Inter 2 a 1.

Após o gol, os dois times passaram a alternar momentos de ataque. O Colorado quase ampliou em cobrança de falta de Guerrero e um chute forte de Iago. Entretanto, não conseguiu ampliar, mas obteve a primeira vitória no Brasileirão.

 

Fonte: CP

Com time reserva, Inter perde para a Chapecoense por 2 a 0 na estreia do Brasileirão

Everaldo marcou os dois gols da partida; o primeiro, de pênalti, teve o uso do VAR 

LIAMARA POLLI / Lancepress!

Foi uma estreia molhada. E fria. Mas com o resultado esperado, uma vez que o Inter mandou o time reserva para a abertura do Brasileirão. Inter e Chapecoense precisaram encarar o temporal antes do jogo na Arena Condá.

Com o gramado encharcado, os dois times foram a campo na noite deste sábado (27). E, como ocorreu nas outras quatro partidas coloradas na cidade catarinense, nova derrota. Desta vez, por 2 a 0, com o primeiro gol de pênalti, marcado via VAR. Depois da primeira derrota no Campeonato Brasileiro, o Colorado terá uma pedreira de verdade na segunda rodada: o Flamengo, no feriado de 1º de maio, no Beira-Rio.

Sob chuva, com a bola que nem sempre rolava no gramado, e tendo nas arquibancadas um desfile em diversos tons de capas de chuva, Chapecoense e Inter tinham dificuldade na evolução. As trocas de passes se limitavam a dois ou três antes de inevitável chutão para a frente. Até os 20 minutos de jogo, cada equipe tinha um chute de fora da área defendido pelo goleiro adversário. E só.

O Inter teve um maior domínio das ações, conquistou diversos escanteios, cruzou muitas bolas na área, mas nada de chute a gol. A Chapecoense reagiu ao final do primeiro tempo e, aos 42 minutos, o árbitro Raphael Claus consultou o VAR e marcou pênalti (o primeiro da história do Campeonato Brasileiro, via VAR) de Emerson Santos, que ergueu o braço e cortou a trajetória de um cabeceio. Aos 46, o pênalti foi cobrado e convertido por Everaldo. Marcelo Lomba saltou na canto certo, mas não conseguiu defender.

— Bateu no braço, mas foi um segundo lance. Fomos orientados de uma forma e ele marcou de outra — lamentou Emerson Santos, no intervalo, mostrando algum desconhecimento da regra.

No segundo tempo, com o gramado um pouco menos molhado, apesar da chuva intermitente, o Inter tentou ao menos empatar. Aos 6 minutos, após cruzamento de Sobis para a área, Neilton bateu e Tiepo defendeu. No rebote, Emerson Santos concluiu e o goleiro pegou de novo. Em seguida, Odair sacou Camilo e colocou Jonatan Alvez no jogo.

O Inter aumentou a pressão. Uendel invadiu a área e bateu cruzado, Tiepo salvou de novo. Aos poucos, porém, a Chapecoense foi se ajustando em campo e equilibrou as ações. Até o final do jogo, a melhor chance colorada foi um chute de Jonatan Alvez por cima do travessão. E só. Mas ficaria ainda pior. Aos 42, Bruno Pacheco cruzou na área, Everaldo dominou, deu um giro constrangedor em Moledo, e bateu: 2 a 0.

Nem a nova camisa, com o escudo vintage alusivo ao uniforme do tricampeonato invicto de 1979, deu sorte. Para quem não ganha o Campeonato Brasileiro há 40 anos, abrir o torneio com uma derrota não é exatamente algo que permita sonhar sair da fila.

 

Fonte: ZH

Nos pênaltis, Grêmio é campeão gaúcho

Muito disputado, Gre-Nal terminou em 0 a 0 no tempo normal, marcado pelo VAR

Foto: Ricardo Giusti

Após dois Gre-Nais sem gols, um no Beira-Rio, domingo passado, outro na Arena, na noite desta quarta-feira, a decisão do Campeonato Gaúcho acabou nas cobranças de pênaltis. E o Grêmio levou a melhor. Comemorou o título e levantou a taça dentro de casa diante de cerca de 50 mil torcedores. O grande herói gremista da noite foi o goleiro Paulo Victor, que defendeu três cobranças de pênaltis, permitindo ao Tricolor soltar o grito de bicampeão – e coroando uma campanha invicta.  

Assim que a bola rolou, o que se viu na Arena foi uma sucessão de lances ríspidos, reclamações, muita tensão e infinitas reclamações. O árbitro Jean Pierre de Lima teve muito trabalho para conter os ânimos e, muitas vezes, só o fez usando o cartão amarelo. Pelo menos até os 15 minutos, quando André, após falha de William Pottker e Lomba, marcou um gol em situação de impedimento, confirmado após três minutos de paralisação para consulta do VAR, ambos os times jogaram bem longe das áreas. Quando o jogo recomeçou as chances começaram a aparecer para os dois lados.

Aos 19 minutos, Guerrero concluiu fraco de cabeça, mas Paulo Victor defendeu sem dificuldade. Em seguida, aos 21, Kannemann arrematou de dentro da área, mas Lomba defendeu. O Gre-Nal estava igual. Esperto, Renato alternou seus extremas para tentar confundir a defesa colorada. Pottker, que entrou para fechar o lado direito da defesa colorada, não estava bem. Marcava, mas não atacava.

Guerrero, que travou um intenso duelo com Kannemann, levou vantagem aos 36 e, de cabeça, acertou o travessão. Foi a chance mais viva do primeiro tempo. Em seguida, Marcelo Lomba defendeu com dificuldade um chute de fora da área que partiu do lateral Leonardo.

No intervalo, Odair Hellmann trocou Pottker por Guilherme Parede. Renato manteve a escalação do primeiro tempo. A primeira grande chance do segundo tempo foi colorada. Aos 13, Edenilson deu um belo drible em Maicon, invadiu a área e obrigou Paulo Victor a fazer grande defesa. Mais tarde, Renato chamou Luan, que estava afastado há 12 dias. Ele entrou aos 14 minutos.

O lance mais polêmico ocorreu aos 23 minutos, quando Parede e Cortez engalfinharam-se dentro da área do Inter. Após oito minutos de jogo parado, entre consulta ao VAR e confusões, o árbitro marcou o pênalti. Em meio às intensas reclamações dos colorados, D’Alessandro e Odair foram expulsos. André só foi cobrar aos 31 minutos. Ele até bateu corretamente, só que Lomba voou certo e fez a defesa. O Grêmio ainda teve duas boas chances, ambas com Everton. A primeira, aos 49, foi pela linha de fundo. Depois, aos 50, parou no poste. A decisão foi para as cobranças de pênaltis.

Daí, foi o goleiro gremista que brilhou. Paulo Victor pegou as cobranças de Camilo, Cuesta e Nico López. Lomba também foi bem. Defendeu o chute de Michel e Everton ainda chutou por cima. Mas o Grêmio ficou com o título exatamente com André, que errara durante a partida, convertendo a derradeira cobrança. Com drama, o Grêmio tornou-se bicampeão gaúcho com justiça. Sem derrotas e com apenas um gol sofrido ao longo de toda a competição, terminada em uma noite de delírio na Arena.

 

Fonte: CP

Grêmio vence o Rosario Central e segue vivo na Libertadores

Tricolor depende apenas de si para chegar às oitavas de final

Foto: Ricardo Giusti

O Grêmio segue vivo na Libertadores da América. Na noite desta quarta-feira, o Tricolor bateu o Rosario Central por 3 a 1 na Arena e chegou a sua primeira vitória na competição. Leonardo Gomes, duas vezes, e Jean Pyerre marcaram os gols gremistas. Aguirre descontou para os argentinos.

Com a vitória, o Grêmio é o terceiro colocado no Grupo H da Libertadores com quatro pontos, dois a menos que a Universidad Católica, que perdeu em casa para o líder Libertad (12). Praticamente eliminado, o Rosario Central ocupa a lanterna, com apenas um ponto.

Agora dependendo apenas de suas forças para avançar para as oitavas de final, o Tricolor vai enfrentar o Libertad no Paraguai na próxima rodada, em 23 de abril. Antes disso, porém, o técnico Renato Portaluppi terá de preparar a equipe gremista para os dois Gre-Nais que vão decidir o título do Gauchão de 2019. O primeiro clássico vai ocorrer no domingo, às 16h, no Beira-Rio enquanto a volta, na Arena, será na quarta-feira que vem, às 21h30min.

Everton comanda o Grêmio no primeiro tempo

Com apenas um ponto conquistado em três rodadas da Libertadores, o técnico Renato Portaluppi promoveu mudanças no Grêmio relação ao time que perdeu para a Universidad Católica na semana passada. Além de Jean Pyerre no lugar de Luan – afastado para fazer um trabalho físico especial –, André e Matheus Henrique ganharam vagas entre os titulares para enfrentar o Rosario Central. Na equipe argentina, o treinador Diego Cocca escalou vários jovens na equipe. Do time que vinha jogando pela Superliga Argentina, apenas cinco titulares foram escalados na Arena: o goleiro Ledesma, os laterais Molina e Parot, o zagueiro Barbieri e o meio-campista Aguirre.

A partida teve o cenário esperado. O Rosario Central se postou no campo de defesa fazendo uma marcação próxima da sua área para tentar segurar um Grêmio que foi comandado por Everton. O camisa 11 assumiu o papel de ser o condutor do time e foi responsável pelas principais jogadas da primeira etapa.

Foi com Everton que o Grêmio teve suas primeiras finalizações no jogo. Aos 7 minutos, ele recebeu na entrada da área pelo lado esquerdo, cortou para dentro e bateu para defesa de Ledesma, que soltou a bola. Faltou o pé do centroavante André para aproveitar o rebote do goleiro argentino. No lance seguinte, nada de erro de Ledesma. Em lançamento de Maicon, Everton desviou de cabeça e o goleiro fez uma grande defesa para manter o 0 a 0 no placar.

O Rosario Central deu trabalho para Paulo Victor apenas aos 13 minutos e foi a única finalização argentina no primeiro tempo. Herrera recebeu cruzamento de Pereyra e cabeceou fraco para tranquila defesa do goleiro gremista. O Tricolor respondeu na sequência novamente com Everton. O camisa 11 fez grande jogada individual, mas o chute cruzado passou à esquerda do gol.

Substituto de Luan, Jean Pyerre fazia uma partida discreta. Ele teve boa chance em falta próximo da área aos 24, só que a batida ficou na barreira. O garoto, porém, se recuperou no lance seguinte. Aos 30, novamente Everton apareceu bem. Ele cruzou e Jean Pyerre entrou na área como um centroavante para desviar e mandar para o gol: 1 a 0.

A festa na Arena se tornou maior antes do intervalo quando veio o anúncio dos gols do Libertad, que virava sobre a Universidad Católica no Chile. Com isso, o Grêmio passava a depender apenas de suas forças para chegar às oitavas de final da Libertadores.

Leonardo em noite de artilheiro

O Grêmio não ficou satisfeito com o 1 a 0 e voltou para o segundo tempo disposto a ampliar o placar. Logo aos 30 segundos, André entrou na área e bateu cruzado, mas a defesa do Central conseguiu o corte. O centroavante teve nova chance na sequência em contra-ataque em que foi fominha. André chutou por cima do gol em lance que tinha Everton como opção entrando livre pelo lado direito.

O lance perdido por André nem fez falta. Aos 9, o Grêmio fez o seu segundo gol. Jean Pyerre novamente foi decisivo. Ele fez a jogada pela esquerda e cruzou para o meio da área, onde o lateral Leonardo Gomes apareceu para chutar firme e vencer o goleiro Ledesma, 2 a 0.

Com 2 a 0 para o Grêmio, o Rosario Central precisou sair para o jogo. O time argentino, porém, mostrou por que tem apenas uma vitória em 2019. Sem nenhuma clareza para criar jogadas, o Central quase não ofereceu perigo a Paulo Victor.

Renato Portaluppi se deu ao luxo de preservar jogadores já projetando o primeiro Gre-Nal da final do Gauchão no domingo e Diego Tardelli e Maicon deixaram o campo antes da metade do segundo tempo. Alisson e Thaciano entraram na equipe gremista. Depois, Rômulo entrou na vaga de Jean Pyerre.

O Grêmio diminuiu o ritmo após as mudanças e tratou de administrar o jogo. Mesmo assim, o Tricolor ainda chegou ao terceiro gol e foi novamente com Leonardo Gomes. O lateral-direito arriscou da entrada da área aos 37 e mandou sem chances para Ledesma, 3 a 0. O torcedor gremista ainda recebeu a confirmação da vitória do Libertad sobre a Universidad Católica, que deixou o Tricolor dependendo apenas de suas forças para avançar de fase na Libertadores. A festa na Arena não diminuiu nem com o gol de Aguirre, que descontou para o Central nos minutos finais da partida.

 

Fonte: CP

Em noite de Guerrero e Nico, Inter vence o Palestino por 3 a 2

Dupla brilha e garante resultado que coloca os colorados nas oitavas de final da Libertadores

Foto: Fabiano do Amaral

Não sem drama, o Inter venceu o Palestino por 3 a 2 e está classificado antecipadamente para as oitavas de final da Libertadores. Em grande noite de Paolo Guerrero e Nico López, os colorados conseguiram a vitória sobre a equipe chilena depois de novamente ceder o empate após estar ganhando por 2 a 0. Dessa vez, porém, teve festa no Beira-Rio ao apito final.

Com 10 pontos e na liderança isolada do grupo A, os colorados dão um tempo na Libertadores para encarar os dois Gre-Nais que decidirão o Campeonato Gaúcho. O primeiro deles será no domingo, às 16h, no estádio Beira-Rio. Pelo torneio continental, o Inter volta a campo no dia 24, contra o Alianza Lima, no Peru.

Nico e Guerrero brilham, mas defesa dá mole

Um sonoro “uh” foi ecoado no Beira-Rio antes mesmo do relógio virar dois minutos  de jogo. Àquele momento, Edenilson tinha cruzado para Guerrero, que não abriu o placar por questão de centímetros. O lance foi um resumo da intensidade colorada no arranque da partida. Intensidade, essa, que não demorou para virar gol. Aos 10, após boa troca de passes na intermediária, Nico López encostou para Patrick, que completou e correu para o abraço, 1 a 0.

Nico teve oportunidade de ampliar aos 18, quando a bola sobrou para ele num corte ruim do goleiro. Ele, de sem pulo, mandou longe. O uruguaio se redimiu três minutos depois, quando roubou a bola na esquerda, avançou e lançou Guerrero. Aí o centroavante mostrou porque usa a camisa 9. O peruano recebeu, com um toque deixou o marcador na saudade e chutou firme para estufar as redes para o segundo gol

A vitória quase virou goleada aos 34. Guerrero recebeu na área e bateu cruzado, fazendo a bola tirar tinta da trave. Tudo ia bem aí, com exceção de Rodrigo Dourado, que caiu e pediu substituição, dando lugar a Rithely.

O Palestino, apesar de organizado, pouco chegava com força. Só que quando teve a chance, descontou: aos 41, depois de um levantamento na área em que Cuesta rebateu. A bola voltou, Lomba saiu mal e Fernández concluiu. A bola bateu na trave e voltou para ele enfim marcar. A resposta do Inter foi imediata, mas o gol de Nico López segundos após o reinício de jogo foi anulado. E a partida foi para o intervalo com vantagem mínima colorada.

Palestino chega a empatar, mas Inter tem Guerrero

A jogada que Guerrero não conseguiu completar no início do jogo, Passerini conseguiu com menos de dois minutos no segundo tempo. E, para azar dos colorados, o Palestino buscou o empate quase que tão logo a partida recomeçou, deixando a atmosfera mais tensa no Beira-Rio.

Os minutos seguintes não foram bons para o Inter, que viu o Palestino chegar a ter quase 60% de posse de bola e isso sem conseguir criar jogadas. Odair, então, trocou Patrick por Guilherme Parede. O jogador deu nova movimentação e fôlego ao ataque colorado. Logo em seu primeiro lance, dominou um belo lançamento de D’Alessandro quase na pequena área. Só não deu tempo para concluir, porque González foi rápido e deixou a meta para segurar firme.

Era uma retomada de crescimento do Inter, porém, avançando a marcação pouco a pouco. Não demorou para brilhar a estrela do novo camisa 9 colorado. Após escanteio cobrado por D’Ale, a bola sobrou para Nico, que dominou, girou e levantou para a sua terceira assistência na partida: na cabeça de Guerrero, que deslocou o González no gol de desafogo: 3 a 2.

O jogo ainda voltou a ganhar ares de dramaticidade para o Inter, aos 35, quando Guilherme Parede levou seu segundo cartão amarelo e foi para rua. Odair pouco depois trocou D’Ale por Pottker, que ajudou a segurar a bola e a manter o resultado que classifica o Inter às oitavas de final da Libertadores, com duas rodadas de antecedência.

 

Fonte: Tiago Medina / Correio do Povo

Torcida do Grêmio terá direito a 400 ingressos na semifinal contra o São Luiz, em Ijuí

Partida ocorre no domingo, às 19h

André Ávila / Agencia RBS

A Federação Gaúcha de Futebol mandará imprimir nesta sexta-feira (29) os ingressos para São Luiz x Grêmio, que ocorre no domingo, às 19h, em Ijuí. A partida é válida pela semifinal do Gauchão 2019. Os bilhetes, no entanto, somente deverão chegar à cidade no sábado. O Gerente de Futebol do clube, Delmar Blatt, disse que o espaço destinado para a torcida gremista, na arquibancada geral, será de 400 lugares.

Segundo ele, o torcedor tricolor que estiver interessado em ir ao jogo, deve entrar em contato com o Consulado do Grêmio em Ijuí. Blatt prevê casa cheia.

 — Tenho certeza que em uma ou duas horas não teremos mais ingressos  —  disse o dirigente.

Os valores serão definidos e anunciados nesta sexta. O estádio tem capacidade para 4.300 torcedores.

Fonte: ZH

Grêmio para no bloqueio defensivo do Juventude e avança com empate

Golaço de Tardelli foi anulado, mantendo o 0 a 0 no placar

Foto: Ricardo Giusti

O Grêmio tentou atacar, mas sem tanto ímpeto, o Juventude defendeu muito e o empate acabou sendo o único resultado possível, nesta quinta-feira, na Arena. O resultado de 0 a 0 confirmou o Tricolor na semifinal, para enfrentar o São Luiz de Ijuí, no domingo, às 19h. A equipe de Caxias, por sua vez, ao menos evitou nova goleada como a partida de ida, que encerrou em 6 a 0.

O primeiro tempo teve poucos lances de perigo e o momento mais marcante acabou sendo a lesão do zagueiro Marcelo Oliveira. O defensor prendeu o pé no gramado e torceu o joelho, aparentemente com gravidade. Ele passará por um exame de imagem.

A preocupação maior do Juventude, desde o começo, foi de manter uma marcação consistente e evitar nova goleada gremista. Ainda assim, num contragolpe foi o Verdão da Serra que assustou primeiro. Aos três minutos, Caprini lançou Braian Rodriguez nas costas da zaga. Livre, o centroavante tentou o chute no canto direito, mandou para fora.

Somente aos 12 minutos é que o Grêmio testou o goleiro Marcelo, que fez bela defesa. Sem espaço para penetrar, Maicon tentou o chute de primeira, em passe de Leo Moura, mas o goleirão foi buscar no canto direito. Pouco depois, Montoya também obrigou Marcelo a se desdobrar. O atacante cobrou falta de muito longe, cheia de veneno. A bola fez uma longa curva e quase entrou no ângulo. O goleirão se esticou para espalmar.

O Grêmio quase voltou a marcar, novamente, aos 35 minutos. André fez grande jogada, driblou dois e olhou para a área. Tardelli estava marcado e ele passou mais atrás para Luan. O meia-atacante encheu o pé, a bola explodiu em cima do zagueiro.

Lesão grave

Antes do intervalo, uma cena assustadora. Marcelo Oliveira tentou antecipar um atacante e prendeu o pé no chão. O joelho direito do atleta claramente sofreu uma torção e o zagueiro já caiu sentindo muitas dores. Juninho Capixaba entrou no seu lugar, mas foi Cortez o escolhido para improvisar na zaga.

O segundo tempo foi ainda mais escasso em chances de gol do que o primeiro. O Juventude conseguiu se fechar ainda mais, especulando apenas em bolas longas. O Tricolor, tocou a bola com paciência e só chegou com verdadeiro perigo uma vez. Na base da loteria, entretanto, o Juventude quase marcou aos oito minutos. Caprini ganhou na corrida de Cortez e Rômulo, num verdadeiro balão da defesa. Chegaria livre para o gol, mas Julio Cesar saiu na risca da área para antecipar e salvar.

Golaço, mas não valeu

O Grêmio cresceu na metade da etapa e Montoya testou a mira de novo no chute de longe. André fez a parede e ajeitou, o argentino chegou de pé cheio e bateu seco. Passou tirando tinta do travessão. Aos 16, o Tricolor teria aberto o placar, com um golaço de Tardelli. Luan tocou de cavadinha, Tardelli driblou o goleiro ao dominar a bola e fulminou as redes. Só que a auxiliar de arbitragem apontou impedimento, de forma equivocada, anulando o 1 a 0.

Daí para a frente, a partida seguiu em banho maria até os minutos finais. O Tricolor ainda trocou Léo Moura por Marinho e Darlan por Alisson, mas pouco ameaçou. A última estocada foi do Juventude. Dalberto disparou na esquerda e passou de viagem por Maicon. Invadiu a área, mas demorou para chutar e foi prensado pelo goleiro Julio Cesar. Não era noite de gols na Arena.

 

Fonte: Correio do Povo

Inter perde para o Novo Hamburgo em jogo ruim, mas está na semifinal

Colorado mostrou pouco futebol com os titulares e foi superado por 1 a 0

Foto: Fabiano do Amaral

O Inter teve uma noite muito abaixo da crítica e, mesmo com os titulares, perdeu para o Novo Hamburgo no Beira-Rio. De positivo nesta quarta-feira, apenas a classificação para a semifinal do Gauchão, com o anti-clímax da derrota por 1 a 0 em uma partida em que apenas Nico López mostrou iniciativa e qualidade. Nas semifinais, os comandados de Odair Hellmann aguardam o vencedor entre Caxias e Aimoré, que se enfrentam nesta quinta.

O primeiro tempo começou num ritmo cadenciado, com o Inter sem correr riscos ou tomar as rédeas da partida. O Novo Hamburgo aproveitou para tocar a bola com paciência e explorar os cruzamentos nas bolas paradas. O Noia ensaiou uma pressão inicial e ganhou três escanteios em sequência. Os cruzamentos de Bustamante e Ednei, contudo, foram pouco efetivos. O primeiro chute a gol, contudo, foi colorado. Com armação deficiente, Sarrafiore assumiu o protagonismo e, aos 13 minutos, tentou belo chute de fora da área. A bola foi no meio do gol, mas tão forte que o goleiro Gustavo se atrapalhou para espalmar à linha de fundo.

Era o time base para enfrentar o River Plate na Libertadores, semana que vem, mas sem impor um ritmo de jogo, o Colorado se complicou e preocupou a torcida no Beira-Rio. Aos 20 minutos, Bustamante foi derrubado e Fred fez o goleiro Marcelo Lomba trabalhar em cobrança de falta muito forte no canto esquerdo. Sarrafiore voltou a pressionar, aos 26. Ele recebeu na linha de fundo, fez belo giro sobre o zagueiro, só que chutou fraco e com pouco ângulo. Defesa de Gustavo e reclamações de Nonato, que, na marca penal tinha melhores condições de marcar.

O Colorado não assumiu o protagonismo na reta final da etapa e recebeu o castigo. Aos 32 minutos, Ednei cobrou escanteio no primeiro pau e o lateral Neuton surgiu no primeiro pau para desviar de cabeça. A bola contornou Lomba e sacudiu as redes para o 1 a 0. A partida foi para o intervalo com o Inter sob pressão, apesar de classificado à semifinal.

Controle sem efetividade

O Colorado voltou do intervalo com mais comando da posse de bola e até ensaiou uma pressão, mas pouco organizado. Foi novamente na qualidade de Nico Lopez que ameaçou o Nóia. Aos 11, ele ganhou de dois marcadores, driblou o goleiro e cutucou para o gol. Luiz Gustavo surgiu para tirar em cima da linha.

Wellington Silva entrou no lugar de Nonato e Parede foi para a vaga de Sarrafiore. Aos 27, Nico fez outra boa jogada e cruzou com carinho na área. Wellington Silva subiu sozinho no segundo pau e cabeceou nas mãos do goleiro.

Do pouco que fez, chamou o Novo Hamburgo. A partir dos 30 minutos, os visitantes vieram para cima, novamente pressionando pela bola aérea. Numa cobrança de lateral de Osvaldir, direto na área, Fred dividiu com dois defensores e quase marcou. Depois, Kelvin disparou um chutaço da intermediária que passou tirando tinta do poste esquerdo.

Só que parou por aí, a pressão dos visitantes. Foi Wellington Silva que quase empatou, já na reta final. Ele recebeu na quina da área e chutou com muita qualidade. A bola quase entrou no ângulo, mas parou em grande defesa de Gustavo. Derrota azeda para o torcedor, mas ao menos um lugar na semifinal.

 

Fonte: CP