Total de casos de dengue passa de 200 no RS

Crissiumal segue com um caso confirmado

Foto: Marcos Santos / Divulgação

Chega a 217 o número de casos de dengue confirmados, em 2019, no Rio Grande do Sul, até 20 de abril. Desses, a maioria (162) envolveu pacientes que adoeceram dentro das cidades, sem viajar. Isso equivale a dizer que, a cada quatro casos, só um é importado.

Com 86 casos da doença, 79 deles autóctones, Porto Alegre lidera a lista de ocorrências em 2019. Só no bairro Santa Rosa de Lima, o mosquito Aedes aegypti infectou 73 pessoas.

De acordo com o informativo epidemiológico divulgado, hoje, pela Secretaria Estadual da Saúde, de um total de 875 suspeitas, 428 foram descartadas e 216 seguem em investigação.

Embora em 2017 e 2018 o Rio Grande do Sul não tenha registrado casos autóctones de dengue, o número de ocorrências em 2019 ainda é bem menor que o de 2016, por exemplo, quando, na mesma época do ano, 1,8 mil pacientes já haviam contraído os sintomas da doença sem viajar.

Preocupa, também, o aumento de cidades infestadas pelo mosquito. Eram só 14, em 2000, contra 340, agora, de um total de 497.

Os casos da 17ª Coordenadoria Regional de Saúde foram registrados em Ajuricaba, Augusto Pestana, Bozano, Campo Novo, Catuípe, Chiapeta, Condor, Coronel Barros, Crissiumal, Humaitá, Ijuí, Inhacorá, Jóia, Nova Ramada, Panambi, Pejuçara, Santo Augusto, São Martinho, São Valério do Sul e Sede Nova. Crissiumal segue com um caso importado confirmado.

 

*Com informações do Portal do Governo do Estado e da Rádio Guaíba

Preso um dos suspeitos de matar três-passenses em Estância Velha

Rafael Santos Domingues, de 19 anos, e a companheira dele estavam escondidos na casa da mulher de um traficante, em Portão. Outro suspeito de participação no crime segue foragido.

Fotos: BM/Divulgação

Foi preso, na noite desta quarta-feira (24), um dos suspeitos de matar pai e filho durante um o assalto a uma relojoaria, em Estância Velha.

Rafael Santos Domingues, de 19 anos, e a companheira dele estavam escondidos na casa da mulher de um traficante, em Portão, no Vale do Sinos. Eles foram localizados por volta das 23h30. De acordo com a polícia, ele tem envolvimento com o tráfico de drogas.

De acordo com a Brigada Militar, durante a prisão Rafael tentou fugir, mas foi pego pela polícia e levado para a delegacia de São Leopoldo.

O outro suspeito de participação no crime, Davi dos Santos Mello, de 20 anos, segue foragido. Ele já tem condenação por roubo e deveria estar usando tornozeleira, mas por falta de equipamento, estava em prisão domiciliar sem monitoramento. Davi foi reconhecido pela própria mãe ao ver o vídeo do assalto à relojoaria.

O crime aconteceu no dia 10 de abril. Leomar Jacó Canova, de 59 anos, e o filho dele, Luis Fernando Canova, de 35 anos, proprietários da relojoaria, foram mortos durante o assalto. Havia outras funcionárias no local no momento do crime, que não se feriram.

Fonte: G1 RS

Idoso de 76 anos é preso suspeito de matar e enterrar esposa no pátio de casa

Corpo estava com as mãos amarradas e com uma blusa no pescoço, indicando possível enforcamento em Sananduva, no Norte

Divulgação / Polícia Civil

O corpo de uma mulher de 65 anos foi encontrado enrolado em sacos plásticos e enterrado no pátio da casa em que ela morava com o marido, na manhã desta terça-feira (23), em Sananduva, no norte gaúcho.  A vítima foi identificada como Leodovina Corassa. Segundo o delegado Hugo Rigo Júnior, o marido, José Antônio Conci, 76 anos, é o principal suspeito do crime. Ele foi preso temporariamente na noite passada.

As investigações começaram na tarde passada. Inicialmente, o caso foi tratado como desaparecimento, pois vizinhos informaram que a vítima, que tinha problemas psicológicos, não era vista desde a última sexta-feira.

No sábado pela manhã, o marido da vítima teria comentado com vizinhos que a esposa havia sido levada para “internação”. Segundo a polícia, as informações eram desencontradas sobre o local para o qual ela havia sido encaminhada e por quem.

Alguns depoimentos levaram a polícia a suspeitar do marido. Conforme testemunhas, ele havia lavado a casa e o colchão, além de ter feito um buraco e depois coberto com terra no pátio da casa.

— O casal estava junto há pelo menos 36 anos. Temos relatos informais que a mulher sofria de depressão. O corpo estava com as mãos amarradas e com uma blusa no pescoço indicando possível enforcamento — comentou o delegado.

Ainda na tarde de segunda-feira, os policiais civis  estiveram na residência do suspeito para buscar informações sobre o sumiço da idosa. Os investigadores relataram cheiro forte característico de sangue e um colchão molhado diante uma janela para arejar.

Em depoimento, o suspeito negou o crime apesar das contradições. Em seguida, a prisão temporária foi decretada pela Justiça.

O suspeito foi recolhido ao presídio de Lagoa Vermelha ainda na noite de segunda-feira. Com autorização judicial, com auxílio dos bombeiros voluntários e de técnicos do Instituto-Geral de Perícias (IGP) a vítima foi desenterrada.

Foram coletados vestígios de possível material da vítima no colchão, que serão submetidos a exame pericial. Segundo a Polícia Civil, a prisão preventiva do idoso será solicitada à Justiça.

Fonte: ZH

Vacinação contra febre aftosa no rebanho gaúcho começa em maio

Produtores devem comprar as doses para a vacinação do rebanho em casas agropecuárias credenciadas 

Foto: Fernando Dias/Seapdr

A primeira etapa da campanha de vacinação contra a febre aftosa no Rio Grande do Sul será realizada de 1º a 31 de maio, conforme programação da Secretária de Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr). Deverão ser imunizados todos os bovinos e búfalos, totalizando cerca de 12,5 milhões de animais. A estimativa é de que 300 mil propriedades estarão envolvidas no processo. A meta é atingir uma cobertura vacinal superior a 90%.

Em 2018, ambas as etapas (maio e novembro) superaram 97% de cobertura. Este ano, haverá redução na dosagem de aplicação de 5ml para 2ml. “Estamos iniciando o processo de divulgação do calendário para que nossos produtores se programem para vacinar o rebanho e garantir que nosso Estado fique livre desta grave doença”, afirma o secretário Covatti Filho.

Dosagem reduzida

Conforme o Departamento de Defesa Agropecuária da Seapdr, este ano a vacina contra a febre aftosa sofreu alterações na sua formulação, com redução na dosagem de aplicação de 5ml para 2ml – a vacina passou a ser bivalente, permanecendo a proteção contra os vírus tipo A e O (removido o tipo C) e as apresentações comercializadas agora serão de 15 e 50 doses. A composição do produto também foi modificada para diminuir as reações vacinais (nódulos).

Os produtores devem comprar as doses necessárias para a vacinação de seu rebanho em casas agropecuárias credenciadas pela Seapdr. Em seguida, deverão comprovar a vacinação através da apresentação da nota fiscal de compra e declaração do quantitativo de animais vacinados, nas inspetorias ou escritórios de Defesa Agropecuária. O prazo máximo para a comprovação da vacinação é de 5 dias úteis após o término da etapa. Aqueles que não comprovarem a vacinação serão autuados, conforme determinação do Decreto Estadual 52.434/2015, e terão sua propriedade interditada até a regularização dos procedimentos.

A doença

A febre aftosa é uma doença viral, altamente contagiosa e de rápida disseminação, com impactos econômicos e sociais. Os últimos focos da doença no estado ocorreram em 2000 e 2001, e acarretaram graves prejuízos econômicos, como o sacrifício e abate sanitário de aproximadamente 29 mil animais e gastos de U$$ 25 milhões em custos diretos, além de perdas econômicas geradas pelo impedimento do comércio nacional e internacional de produtos de origem animal e vegetal.

Para manter o RS livre dessa grave doença, a conscientização quanto ao controle e prevenção é fundamental: vacine seu rebanho e avise imediatamente o serviço veterinário oficial se observar animais com sinais clínicos compatíveis com a febre aftosa (babando e mancando).

Juntamente com a etapa de vacinação, ocorre a Declaração Anual de Rebanho, atividade de cunho obrigatório. O formulário deve ser retirado nas inspetorias ou escritórios de Defesa Agropecuária da Seapdr e entregue até o término do prazo para a comprovação da vacinação contra a febre aftosa.

 

Texto: Ascom/Seapdr

PRF localiza em Passo Fundo senhor que estava desaparecido desde outubro de 2018

Homem foi encontrado caminhando na via

Foto: Divulgação

Policiais Rodoviários Federais localizaram em Passo Fundo, na manhã desta segunda-feira (22), um senhor de 57 anos, morador de Wenceslau Braz/PR, que estava desaparecido desde outubro de 2018.

Ele foi encontrando caminhando na rodovia, apresentava lapsos de memória e estava sendo procurado pela família desde o seu desaparecimento, há mais de 200 dias.

Os policiais comunicaram a localização a um filho que mora em Balneário Camboriú e o desaparecido foi acolhido pela assistência social do município de Passo Fundo, até a chegada dos familiares.

Fonte: PRF

Colheita da soja chega a 80% da área no RS e se encaminha para novo recorde

Resultado estimado em 18,75 milhões de toneladas será garantido pelo aumento da área cultivada com o grão, já que os rendimentos oscilaram bastante entre as regiões

Tadeu Vilani / Agencia RBS

Com quase 80% das áreas de soja colhidas, o Rio Grande do Sul se encaminha para um novo recorde de produção – mesmo em uma safra marcada por instabilidade climática. O resultado, estimado em 18,75 milhões de toneladas pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), será garantido principalmente pelo aumento da área cultivada com o grão – já que os rendimentos oscilaram bastante entre as regiões gaúchas.

– Estamos um pouco céticos em relação ao novo recorde. É uma safra muito boa, sem dúvida, mas tivemos muitas variações de produtividade por conta de problemas climáticos – pondera  Luis Fernando Fucks, presidente da Associação dos Produtores de Soja no Rio Grande do Sul (Aprosoja-RS).

A ressalva do dirigente refere-se ao rendimento nas lavouras da Metade Sul, afetadas pelo excesso de chuva em janeiro. É o caso do produtor e agrônomo Patrick Barcellos de Lima, que teve o potencial produtivo dos 2 mil hectares cultivados em São Gabriel, na região da Campanha, reduzidos em pelo menos 15%.

– As áreas mais baixas, de várzea, foram as mais prejudicadas, tanto pela chuva de janeiro quanto pela estiagem na primeira quinzena de fevereiro – conta o produtor.

Com 65% da área colhida, o agrônomo projeta encerrar a safra nos próximos 15 dias com média geral de 3,3 mil quilos por hectare – o equivalente a 55 sacas por hectare. Embora não seja recorde em rendimento, é histórica em volume para a propriedade, já que Lima quase dobrou a área cultivada em relação ao ano passado.

– Para mim, será recorde porque venho ampliando a área a cada ano – resume Lima.

 

Fonte: ZH

Suspeitos de matar três-passenses em Estância Velha estão com prisão preventiva decretada

Polícia divulgou identidade dos dois homens na manhã desta segunda-feira (22). Um deles tem 19 anos e, o outro, 20. Ainda é investigada a participação de um terceiro suspeito no crime.

Foto: Lilian Lima/G1

A Polícia Civil divulgou na manhã desta segunda-feira (22) as identidades dos suspeitos de participar do assalto com morte de pai e filho em uma relojoaria de Estância Velha no dia 10 de abril. São dois jovens, de 19 e 20 anos, moradores do Vale do Sinos. A Justiça já decretou a prisão preventiva por latrocínio. Eles ainda não foram encontrados e são considerados foragidos.

As vítimas, Leomar Jacó Canova, de 55 anos, e Luis Fernando Canova, de 35, trabalhavam no estabelecimento. Havia outras funcionárias no local no momento do crime, que não se feriram.

Suspeitos procurados

  • Rafael Santos Domingues, 19 anos, da Vila Brás, em São Leopoldo
  • Davi dos Santos Mello, 20 anos, da Vila Palmeira, em Novo Hamburgo

“Os dois são coautores do crime e não se descarta da participação de um terceiro, como olheiro ou ajudante. Ainda não há prova nesse sentido. Tivemos testemunhas importantes. O Davi foi reconhecido pela própria mãe, ao o ver no vídeo. Esse elemento nos ajudou e foi muito importante”, destaca o delegado regional Eduardo Hartz.

Segundo a polícia, os dois são amigos. O mais velho já tem condenação por roubo e está em prisão domiciliar. O mais novo tem envolvimento com tráfico de drogas.

Fotos: Lilian Lima/G1

A Polícia Civil recebeu mais de 100 informações e fotos de possíveis autores do fato durante a investigação.

Disfarces

Os dois apontados como autores do assalto pela polícia mudaram o visual antes de cometer o crime. O delegado Marcio Nunes da Silva, que também investiga o caso, chamou atenção para a diferença da cor de uma das mãos de Rafael [imagem acima].

“Uma das denúncias informou que o Rafael havia pintado a mão para esconder uma tatuagem.”

O delegado diz que as fotos mostradas para a imprensa foram retiradas das redes sociais dos suspeitos. As imagens foram apagadas dos perfis depois do crime. “Temos reconhecimento fotográfico de mais de uma testemunha e reconhecimento dos familiares”, reitera.

Foi levantada ainda uma suspeita de que os dois estariam com nariz falso no dia do assalto. “Estamos aguardando laudo nesse sentido”, pontua o delegado Nunes.

“Nós temos um depoimento de que ambos os indivíduos foram juntos a uma barbaria na Vila Brás e fizeram uma pigmentação da barba”, acrescenta. “Eles foram até a barbaria três dias antes do crime”, completa o delegado Hartz.

Carros e armas

A polícia apreendeu dois veículos que teriam sido usados no assalto, mas ainda não confirma oficialmente a relação. Eles passam por perícia. São um Honda Fit e um Ford Focus.

“O celular deixado no Focus está sendo periciado pelo setor de investigação”, diz Hartz.

“Há uma conexão de horários, mas não há nenhum elemento que ligue o Focus com o Honda Fit. Nós sabemos quem estava de titular do celular apreendido, mas isso não quer dizer que é suspeito do roubo praticado em Estância Velha. Não há elementos que liguem esse carro ao fato de estância velha”, acrescenta.

Ainda de acordo com a polícia, duas armas diferentes foram usadas pelos suspeitos, e ambas dispararam. Nenhuma foi encontrada ainda.

Os suspeitos fugiram com jóias da relojoaria.

“De concreto, não temos a informação de que as jóias estejam sendo vendidas, apenas há a possibilidade de que elas estejam sendo vendidas e financiem a fuga”, diz o delegado Hartz.

A chefe de Polícia Civil, Nadine Anflor, destacou na coletiva a integração de delegados do Vale do Sinos na investigação.

“Necessidade de criar forças tarefas entre os municípios, uma união de esforços. Esse é o exemplo que fica para os outros municípios. Essa investigação nos traz outra forma de solucionar crimes. A regional do Vale do Sinos demonstra nessa investigação como é importante essa integração”, pontua.

Fonte: G1 RS

Colheita avança e produtores planejam safra de inverno no RS

Foto: Alessandro Davesac,

Enquanto a safra de verão é finalizada no Rio Grande do Sul, os produtores gaúchos se preparam para implantar as culturas de inverno e encaminham financiamentos para aquisição de insumos. Em regiões como Alto Jacuí, Celeiro e Noroeste Colonial, há perspectiva de aumento de áreas a serem cultivadas com trigo. De acordo com o Informativo Conjuntural, divulgado pela Emater/RS-Ascar nesta quinta-feira (18/04), a colheita dos grãos de verão segue no Estado e atinge os 78% das áreas implantadas nesta safra nas culturas de soja e de milho.

No arroz, a safra está bem adiantada, chegando a 86% do total das áreas colhidas, com boa produção e produtividades que variam de 6.800 a 7.794 quilos por hectare. Já a colheita do feijão 1ª safra foi encerrada nos Campos de Cima da Serra, com rendimento de 2.500 quilos por hectare e, na região Sul, a safra foi finalizada, com produtividade de 1.200 quilos por hectare. A segunda safra de feijão segue em colheita, totalizando 23% da área, estando ainda 15% maduro, 35% das lavouras em enchimento de grãos, 19% em floração e 8% em germinação e desenvolvimento vegetativo.

FRUTÍCOLAS
Caqui – Na Serra, os produtores de caqui estão em plena colheita, tanto do Kyoto, variedade de polpa escura, quanto do Fuyu, fruta também conhecida por “chocolate branco”, alcançando 30% do volume produzido. Os frutos apresentam boa sanidade e calibre (diâmetro) avantajado. Parte considerável de frutas da Fuyu, em função de calibre acima da média, apresenta descolamento do cálice, anomalia fisiológica que, em função da intensidade, pode afetar irremediavelmente a qualidade do caqui, tornando-o imprestável para a comercialização.

A produtividade da presente safra, que já vinha sendo estimada abaixo da média histórica, sofreu mais um forte impacto, justamente na última fase a campo, a colheita. O temporal ocorrido no último final de semana atingiu áreas de grande cultivo da frutífera nos municípios de Farroupilha, Bento Gonçalves e Caxias do Sul, afetando 225 hectares e danificando mais de 2.100 toneladas de frutas praticamente prontas para colheita. Esse volume representa quase um quarto das 10 mil toneladas de frutos que havia nos pomares. Os diospirocultores mais conscientes e menos impactados com as perdas já realizam a coleta das frutas danificadas. Alguns deles vendem para a extração das sementes, destinadas à produção de mudas, outros enterram as frutas danificadas pelo temporal, prática cultural indispensável para a redução de futuros problemas fitossanitários. O preço médio na propriedade é de R$ 1,50/kg.

PASTAGENS E CRIAÇÕES
Na pecuária de corte, está em andamento uma fase na qual as plantas forrageiras finalizam seus ciclos reprodutivos, ficando mais fibrosas e perdendo qualidade nutricional. Alguns produtores aproveitam esta pastagem seca na alimentação dos animais, acrescentando sal proteinado.

Com relação ao campo nativo, base alimentar da maioria das propriedades dos pecuaristas familiares, no período atual ainda há uma boa oferta de pastejo. Para dispor de uma reserva nutritiva durante os meses de inverno, período do vazio forrageiro, alguns produtores têm optado pelo cultivo de milho grão e milho silagem, com posterior implantação de pastagens de inverno, como azevém e aveia preta, nessa mesma área.

Pecuaristas realizam os diagnósticos de gestação e desmame de terneiros, manejos característicos do outono. Muitos produtores não castraram seus terneiros, visto que o comércio de exportação prefere terneiros inteiros.

O estado sanitário é bom, embora haja infestações por carrapatos, mosca-dos-chifres. São realizadas práticas como dosificações com vermífugos, oferta de sal mineral nos cochos e aplicação de vacinas contra clostridioses. A Emater/RS-Ascar está divulgando a campanha de vacinação contra a febre aftosa, a ser realizada de 1º a 31 de maio 2019, junto aos seus produtores assistidos e nos programas de rádio.

Por: Assessoria de Imprensa da Emater/RS-Ascar

Nos pênaltis, Grêmio é campeão gaúcho

Muito disputado, Gre-Nal terminou em 0 a 0 no tempo normal, marcado pelo VAR

Foto: Ricardo Giusti

Após dois Gre-Nais sem gols, um no Beira-Rio, domingo passado, outro na Arena, na noite desta quarta-feira, a decisão do Campeonato Gaúcho acabou nas cobranças de pênaltis. E o Grêmio levou a melhor. Comemorou o título e levantou a taça dentro de casa diante de cerca de 50 mil torcedores. O grande herói gremista da noite foi o goleiro Paulo Victor, que defendeu três cobranças de pênaltis, permitindo ao Tricolor soltar o grito de bicampeão – e coroando uma campanha invicta.  

Assim que a bola rolou, o que se viu na Arena foi uma sucessão de lances ríspidos, reclamações, muita tensão e infinitas reclamações. O árbitro Jean Pierre de Lima teve muito trabalho para conter os ânimos e, muitas vezes, só o fez usando o cartão amarelo. Pelo menos até os 15 minutos, quando André, após falha de William Pottker e Lomba, marcou um gol em situação de impedimento, confirmado após três minutos de paralisação para consulta do VAR, ambos os times jogaram bem longe das áreas. Quando o jogo recomeçou as chances começaram a aparecer para os dois lados.

Aos 19 minutos, Guerrero concluiu fraco de cabeça, mas Paulo Victor defendeu sem dificuldade. Em seguida, aos 21, Kannemann arrematou de dentro da área, mas Lomba defendeu. O Gre-Nal estava igual. Esperto, Renato alternou seus extremas para tentar confundir a defesa colorada. Pottker, que entrou para fechar o lado direito da defesa colorada, não estava bem. Marcava, mas não atacava.

Guerrero, que travou um intenso duelo com Kannemann, levou vantagem aos 36 e, de cabeça, acertou o travessão. Foi a chance mais viva do primeiro tempo. Em seguida, Marcelo Lomba defendeu com dificuldade um chute de fora da área que partiu do lateral Leonardo.

No intervalo, Odair Hellmann trocou Pottker por Guilherme Parede. Renato manteve a escalação do primeiro tempo. A primeira grande chance do segundo tempo foi colorada. Aos 13, Edenilson deu um belo drible em Maicon, invadiu a área e obrigou Paulo Victor a fazer grande defesa. Mais tarde, Renato chamou Luan, que estava afastado há 12 dias. Ele entrou aos 14 minutos.

O lance mais polêmico ocorreu aos 23 minutos, quando Parede e Cortez engalfinharam-se dentro da área do Inter. Após oito minutos de jogo parado, entre consulta ao VAR e confusões, o árbitro marcou o pênalti. Em meio às intensas reclamações dos colorados, D’Alessandro e Odair foram expulsos. André só foi cobrar aos 31 minutos. Ele até bateu corretamente, só que Lomba voou certo e fez a defesa. O Grêmio ainda teve duas boas chances, ambas com Everton. A primeira, aos 49, foi pela linha de fundo. Depois, aos 50, parou no poste. A decisão foi para as cobranças de pênaltis.

Daí, foi o goleiro gremista que brilhou. Paulo Victor pegou as cobranças de Camilo, Cuesta e Nico López. Lomba também foi bem. Defendeu o chute de Michel e Everton ainda chutou por cima. Mas o Grêmio ficou com o título exatamente com André, que errara durante a partida, convertendo a derradeira cobrança. Com drama, o Grêmio tornou-se bicampeão gaúcho com justiça. Sem derrotas e com apenas um gol sofrido ao longo de toda a competição, terminada em uma noite de delírio na Arena.

 

Fonte: CP

Casal que já adotou menino de Guiné-Bissau faz campanha para trazer irmã dele ao RS

Processo jurídico de adoção internacional chega a R$ 30 mil.

Foto: Arquivo Pessoal

Um casal de Ivoti, faz campanha na internet para aumentar a família. Deisi e Fernando Scherer já adotaram um menino de Guiné-Bissau e agora querem trazer a irmã biológica dele ao Rio Grande do Sul. Para isso, precisam entrar com processo internacional de adoção, que pode custar R$ 30 mil. Os dois conheceram as crianças quando fizeram trabalhos voluntários no país africano.

Ele atua na construção de casas e escolas. Deisi, que é professora, participa de um projeto de formação de professores na Guiné-Bissau.

Eles tiveram a ideia de adotar Abel na segunda viagem ao país. “O Abel vinha em volta, olhava o que a gente fazendo e logo a gente começou a brincar, se olhar. Deu uma conexão diferente das outras crianças”, lembra Fernando, que é industriário.

Na primeira vez que eles foram para o país, em 2014, fizeram um empréstimo de três anos. “Quando fomos de novo, em 2016, o empréstimo nem estava pago”, conta Deisi. Então, os dois fizeram ações para conseguir recursos.

O casal já estava na fila de adoção no Brasil, mas ainda não havia sido chamado. Decididos a adotar Abel, que na época tinha cinco anos de idade, Deisi e Fernando foram atrás de ajuda para contratar um advogado de Guiné-Bissau e para arcar com os custos de documentos e passagens aéreas.

Eles juntaram as economias que tinham, e amigos contribuíram com uma quantia que completou o valor necessário. Além disso, Fernando saiu do emprego e sacou o Fundo de Garantia.

“Aconteceu alguma coisa que eu não sei bem explicar, que nos ligou. Ou já estávamos ligados de algum jeito. Foi a melhor viagem da vida, poder ter conhecido o Abel e ter tido esse encontro”, diz Deisi. Fernando conta que o menino até disse que gostaria que ele fosse seu pai.

Quando estiveram na África pela última vez, para trazer Abel, Deisi e Fernando conheceram uma irmã biológica dele, a Djariatu, chamada por eles de Dja. Nesses quase dois anos que o menino está no Brasil, a família adotiva mantém contato com familiares dele na Guiné. E os pais da menina disseram que gostariam que ela também fosse adotada.

“Às vezes a gente pensa que as pessoas que liberam seus filhos para adoção não amam, mas eu não vejo isso na família do Abel. Eu vejo o quanto eles amam. E porque eles amam, querem uma história diferente do que a Guiné pode proporcionar”, diz Deisi. Grande parte do país vive com muita pobreza, sem energia elétrica nem água tratada.

Abel se adaptou bem a Ivoti. Estuda e já aprendeu a ler e a escrever.

Fonte: G1 RS