Confira a ordem do Desfile Cívico de 20 de Setembro em Crissiumal

 

A Comissão Organizadora do Desfile Cívico de Crissiumal divulgou nesta segunda-feira, dia 16 de setembro, a ordem do Desfile, que ocorrerá na próxima sexta-feira, 20 de setembro, na Avenida Presidente Castelo Branco.

O desfile cívico terá a participação de 28 entidades, instituições, escolas e clubes.

A Administração Municipal de Crissiumal convida toda a população do município para prestigiar o Desfile Cívico que marca as comemorações de 7 de Setembro (Dia da Independência do Brasil) e 20 de Setembro (Dia da Revolução Farroupilha – Dia do Gaúcho).

Confira a ordem abaixo:

  • Brigada Militar;
  • Banda Marcial de Crissiumal;
  • Administração;
  • EMEI Celina de Deus;
  • EMEI Neli Ilse Thomé;
  • EMEI Mirian Gonçalves de Souza;
  • EMEI Rotermund;
  • EMEF Riachuelo;
  • EMEF Rotermund;
  • EMEF Benno Bender;
  • APAE;
  • EEEF Tuiuti;
  • GEMP;
  • Comunidade Evangélica Trindade;
  • EEEF Alcido Brust;
  • EEEF Uruguai;
  • EEEM Rocha Pombo;
  • EEEM Ponche Verde;
  • UNOPAR;
  • ABEMEC;
  • Leo Clube;
  • EMATER/ASCAR;
  • EEEF La Salle;
  • Escolinha do Tupi;
  • Cotricampo;
  • CVC – Crissiumal Veteran Car;
  • Equipe Baixos Crissiumal;
  • CIA da Trilha;
  • Viaturas da Administração

 

Por: Andréia Cristina Queiroz

Governo assina acordo para instalar mais de 500 novas câmeras em 36 cidades do RS

Sistema de videomonitoramento e cercamento eletrônico tem investimento de R$ 18,7 milhões e prazo de conclusão até julho de 2020

Cid Martins

 O governo do Estado assinou nesta segunda-feira (16) um acordo de implementação de 500 novas câmeras para videomonitoramento e cercamento eletrônico em 36 cidades gaúchas. A instalação começa nos próximos dias e, apesar de o prazo ser julho de 2020 para que todo o sistema esteja funcionando, o executivo acredita que em fevereiro todas as cidades contempladas já estarão com equipamentos para combater principalmente furtos e roubos de veículos.

Segundo as informações da Secretaria de Segurança Pública (SSP), Novo Hamburgo e São Leopoldo são os municípios que mais terão pontos destinados para cercamento. Já Santa Maria e Bento Gonçalves são as cidades com mais câmeras a serem instaladas. Em toda a Região Metropolitana, 11 municípios estão sendo contemplados.

A maior parte do valor da instalação, pouco mais de R$ 17 milhões, é proveniente de verbas de emendas parlamentares da bancada gaúcha no Congresso. O governo gaúcho participa com pouco mais de R$ 1,7 milhão, totalizando R$ 18,7 milhões.

O investimento previsto para o sistema faz parte de um total de R$ 73,6 milhões já disponibilizados desde 2017 para a área da segurança por meio de verbas de emendas de senadores e deputados federais, com a contrapartida do Executivo estadual. Ao todo, cerca de 4,5 milhões de gaúchos serão beneficiados com este sistema, que vai auxiliar no trabalho de 16 mil policiais civis e militares.

Equipamento

O vice-governador e secretário de Segurança, Ranolfo Vieira Júnior, acredita que este sistema vai reduzir significativamente os índices de furtos e roubos de veículos no Rio Grande do Sul.

— Já conseguimos diminuir em 31% nos primeiros oito meses do ano, em comparação com o mesmo período do ano passado, e acredito numa redução ainda maior a partir de agora — ressalta Ranolfo.

A empresa que está implementando o videomonitoramento e o cercamento eletrônico informou que a redução pode chegar até 40% neste tipo de crime em cada uma das 36 cidades. A base da estimativa é a redução que já ocorre em outros municípios do Brasil onde já foram instalados esses sistemas pela empresa.

Se um carro em situação irregular passar por uma câmera do cercamento eletrônico, um alerta sobre a irregularidade será emitido na central de videomonitoramento — com um ângulo de 360 graus e sete possibilidades de zoom — e, imediatamente, repassado para a guarnição da Brigada Militar mais próxima do fato para que realize a abordagem ao veículo.

Municípios beneficiados

O sistema é composto por 151 pontos de videomonitoramento e 187 de cercamento eletrônico. Cada ponto de cercamento é composto de duas câmeras para leitura, totalizando 525 câmeras. A SSP explica, em linhas gerais, que o videomonitoramento capta imagens de um local para uma verificação mais geral. Já o cercamento eletrônico permite captar placas de veículo, principalmente, verificar e fazer alertas em caso de irregularidades.

  1. Alvorada – 9 pontos de cercamento, 9 pontos de vídeo e 1 sala de vídeo
  2. Bento Gonçalves  – 14 pontos de vídeo
  3. Cachoeira do Sul  – 2 pontos de cercamento, 2 pontos de vídeo e 1 sala de vídeo
  4. Cachoeirinha  – 11 pontos de vídeo
  5. Campo Bom  – 16 pontos de cercamento e 1 sala de cercamento
  6. Candelária  – 1 ponto de cercamento, 1 ponto de vídeo e 1 sala de vídeo
  7. Canoas  – 18 pontos de cercamento e 1 sala de cercamento
  8. Cruz Alta – 6 pontos de vídeo e 1 sala de vídeo
  9. Dois Irmãos – 6 pontos de cercamento e 1 sala de cercamento
  10. Encantado – 11 pontos de vídeo e 1 sala de vídeo
  11. Encruzilhada do Sul – 5 pontos de cercamento, 5 pontos de vídeo e 1 sala de vídeo
  12. Espumoso – 2 pontos de vídeo e 1 sala de vídeo
  13. Esteio – 7 pontos de cercamento e 1 sala de cercamento
  14. Gravataí – 10 pontos de cercamento e 1 sala de cercamento
  15. Guaíba – 6 pontos de cercamento e 1 sala de cercamento
  16. Harmonia – 2 pontos de vídeo e 1 sala de vídeo
  17. Ibirubá – 6 pontos de vídeo e 1 sala de vídeo
  18. Iraí – 3 pontos de vídeo e 1 sala de vídeo
  19. Lindolfo Collor – 4 pontos de cercamento e 1 sala de cercamento
  20. Não Me Toque – 3 pontos de vídeo e 1 sala de vídeo
  21. Nova Prata – 2 pontos de vídeo e 1 sala de vídeo
  22. Novo Hamburgo – 22 pontos de cercamento e 1 sala de cercamento
  23. Pantano Grande – 1 ponto de cercamento, 1 ponto de vídeo e 1 sala de vídeo
  24. Parobé – 6 pontos de vídeo e 1 sala de vídeo
  25. Quaraí – 3 pontos de vídeo e 1 sala de vídeo
  26. Rio Pardo – 7 pontos de cercamento e 5 pontos de vídeo
  27. Santa Cruz do Sul – 13 pontos de cercamento e 7 pontos de vídeo
  28. Santa Maria – 22 pontos de vídeo e 1 sala de vídeo
  29. São Francisco de Paula – 3 pontos de vídeo e 1 sala de vídeo
  30. São Leopoldo – 32 pontos de cercamento e 1 sala de cercamento
  31. Sapiranga – 11 pontos de cercamento e 1 sala de cercamento
  32. Sapucaia do Sul – 8 pontos de vídeo e 1 sala de vídeo
  33. Sobradinho – 6 pontos de vídeo e 1 sala de vídeo
  34. Vacaria – 4 pontos de vídeo e 1 sala de vídeo
  35. Venâncio Aires – 11 pontos de cercamento e 6 pontos de vídeo
  36. Vera Cruz – 6 pontos de cercamento e 3 pontos de vídeo

 

Fonte: ZH

Receita libera pagamento do 4º lote de restituição do IR 2019

Crédito bancário será depositado em mais de 2,8 milhões de contas

A Receita Federal libera nesta segunda-feira o pagamento do quarto lote de restituição do Imposto de Renda 2019. O crédito bancário será feito para 2.819.522 contribuintes, no valor total de R$3,5 bilhões. Segundo a Receita Federal, o dinheiro será depositado nas contas dos contribuintes.

O lote também contempla restituições residuais dos exercícios de 2008 a 2018. A consulta para saber se a declaração foi liberada poderá ser feita acessando a página da Receita na internet, pelo Receitafone 146, informando o CPF e a data de nascimento. Caso tenha entrado no lote, a situação da declaração será “crédito enviado ao banco”.

Se o valor não foi creditado, o contribuinte deve ligar nos telefones 4004-0001 (capitais), 0800-729-0001 (demais localidades) ou ir a uma agência do Banco do Brasil para agendar o crédito em conta-corrente ou poupança, em seu nome, em qualquer banco.

Os lotes de restituição são liberados mensalmente. O Fisco libera os pagamentos por ordem de chegada da declaração. Isso significa que quem entregou a declaração mais cedo recebe a restituição primeiro. A restituição ficará disponível no banco durante um ano. Se o contribuinte não fizer o resgate nesse prazo, deverá requerê-la pela internet.

Fonte: Agência Brasil

Cotação do petróleo dispara após ataques a instalações sauditas

Barril em Londres teve a maior alta em uma sessão desde a guerra do Golfo em 1991

O preço do petróleo disparou nesta segunda-feira(16) em Londres após os ataques do fim semana contra infraestruturas petroleiras na Arábia Saudita, que o governo dos Estados Unidos atribuiu ao Irã e que provocaram a redução à metade da produção do maior exportador mundial. Às 9h30min GMT (6h30min de Brasília), o barril de Brent do Mar do Norte, referência na Europa, para entrega em novembro registrava alta de 9,52% na comparação com sexta-feira, a 65,97 dólares no Intercontinental Exchange (ICE) de Londres. Ao mesmo tempo, o barril de “light sweet crude” (WTI) para o contrato de outubro subia 8,71%, a 59,63 dólares, no New York Mercantile Exchange (Nymex).

Na abertura do mercado, a cotação do barril disparou quase 20% em Londres, a maior alta em uma sessão desde a guerra do Golfo em 1991. Na opinião de Ipek Ozkardeskaya, analista do London Capital Group, os ataques com drones de sábado, que provocaram incêndios na unidade saudita de Abqaiq, a maior do mundo dedicada ao processamento de petróleo, e na instalação de Jurais, são a “maior perturbação pontual da oferta de petróleo de toda a história”. “O ataque anulou quase metade da produção saudita, ou seja, 5% da produção mundial, o que evidencia a vulnerabilidade destas infraestruturas aos ataques com drones”, destacou Craig Erlam, da corretora Oanda.

As autoridades sauditas anunciaram que os ataques não provocaram vítimas, mas não informaram quanto tempo será necessário para restabelecer plenamente a produção nas instalações. Analistas acreditam que seriam necessárias várias semanas para o país voltar à normalidade. Os preços do petróleo estavam relativamente reduzidos nos últimos meses, uma consequência das reservas abundantes e dos temores de desaceleração da economia mundial, fatores que afetavam a demanda.

A Organização de Países Exportadores de Petróleo (OPEP) chegou a estabelecer limites de produção para tentar manter a faixa de preço. Mas os ataques demonstram a vulnerabilidade do país com maior capacidade de produção mundial, aponta o analista Amarpreet Singh, do Barclays, e inclui um elemento de risco geopolítico aos preços.

“China pede moderação”

A China fez um apelo nesta segunda-feira a Irã e Estados Unidos para que demonstrem “moderação” após as acusações de Washington a Teerã pelos ataques contra instalações do grupo estatal saudita Aramco. Os bombardeios foram reivindicados por rebeldes huthis do Iêmen, que enfrentam há cinco anos uma coalizão militar liderada pela Arábia Saudita e contam com o apoio do Irã.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou no domingo que estava disposto a responder aos ataques. “Na ausência de uma investigação incontestável que permita tirar conclusões, talvez não seja sensato imaginar quem deve ser responsabilizado por este ataque”, afirmou Hua Chunying, porta-voz do ministério das Relações Exteriores da China. “Pedimos às partes envolvidas que se abstenham de adotar medidas que levariam a uma escalada das tensões na região”. “Esperamos que as duas partes possam demonstrar moderação e, juntas, preservem a paz e a estabilidade no Oriente Médio”, completou Hua, cujo país é membro permanente do Conselho de Segurança da ONU.

A tensão entre Estados Unidos e Irã aumentou desde que Washington abandonou de maneira unilateral em 2018 o acordo internacional sobre o programa nuclear iraniano assinado em 2015. O governo americano restabeleceu sanções econômicas contra Teerã. Trump autorizou o uso das reservas estratégicas americanas de petróleo, se necessário, para compensar a queda de produção na Arábia Saudita.

O secretário de Estado americano, Mike Pompeo, afirmou no sábado que não há provas de que o ataque tenha procedido do Iêmen, apontando diretamente para o Irã, e acrescentou que Washington “trabalhará” com seus parceiros para garantir o abastecimento. O porta-voz do ministério iraniano das Relações Exteriores, Abbas Mussavi, respondeu no domingo que as acusações são “insensatas” e “incompreensíveis” e que só buscam justificar “futuras ações” contra o Irã.

O príncipe herdeiro saudita, Mohamed bin Salman, cujo país é o grande rival regional do Irã, assegurou que Riad está “disposto e capacitado” responder a esta “agressão terrorista”. “As tensões no Oriente Médio aumentam com rapidez, o que significa que este caso seguirá dando o que falar durante a semana, além do momento de pânico desta manhã nos mercados de petróleo”, destacou Jeffrey Halley, analista da Oanda.

Fonte: AFP/CP

Crissiumal: Falecimento do vereador Jeferson Arndt de Carvalho

Jeferson tinha apenas 44 anos. Foto: Metrópole/Arquivo

Faleceu no início da manhã desta segunda-feira, dia 16 de setembro de 2019, o vereador crissiumalense Jeferson Arndt de Carvalho, aos 44 anos. Ele estava internado desde julho no hospital de Cruz Alta onde havia realizado uma cirurgia no cérebro.

Jeferson estava em seu terceiro mandato como vereador de Crissiumal.

Deixa enlutados a esposa, dois filhos, os pais, irmãos e um grande círculo de parentes e amigos.

Confira a NOTA DE FALECIMENTO completa:

A esposa Sandra Derlise de Carvalho, filhos Junior de Carvalho e namorada Maila Bohn, Vitória Luiza de Carvalho, os pais Ivanir e Marlene de Carvalho,  irmãos Simone, Emerson e Ederson, sogra, cunhado, cunhadas e sobrinhos comunicam o falecimento de Jeferson Arndt de Carvalho ocorrido no início da manhã desta segunda-feira (16) na cidade de Cruz Alta.

Seu corpo será velado na Câmara Municipal de Vereadores de Crissiumal a partir do início da tarde dessa segunda.

 

#Metrópole

 

Previsão do tempo no RS: semana começa com chuva e avanço de frente fria

No Oeste, condições são favoráveis para temporais com raios e trovoadas

Após um domingo (15) de sol e calor, a semana inicia com o avanço de uma frente fria pelo Estado. O dia deve começar com muita nebulosidade em boa parte das regiões. No Oeste, as condições são favoráveis para temporais com raios e trovoadas já no período da manhã. Volumes elevados de chuva também são esperados para as áreas centrais e para o sul gaúcho.

De acordo com a Somar Meteorologia, o predomínio da nebulosidade faz com que as temperaturas não se elevem muito. Na Capital, a máxima deve ser de 24°C.

O dia começa com tempo firme na faixa norte, mas pancadas de chuva não são descartadas durante a tarde. Com isso, a temperaturas sobe, mas sem extremos. Em Passo Fundo, a máxima não deve passar de 22°C.

Na terça-feira (17), a nebulosidade também deve predominar. Há chance de chuva a qualquer hora do dia entre áreas centrais e a Região Norte. O sol aparece pouco e as temperaturas não sobem muito. Na Região Sul e na Campanha, as instabilidades vão perdendo força e o tempo vai ficando firme, com o avanço de uma massa de ar seca e fria.

Fonte: ZH/Somar

Número de cirurgias bariátricas aumenta 84,73% em sete anos

Estimativa é 13,6 milhões de brasileiros precisem do procedimento

O número de cirurgias bariátricas realizadas no Brasil aumentou 84,73% ao passar de 34.629 em 2011 para 63.969 em 2018, segundo balanço feito pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Metabólica e Bariátrica (SBCBM).  Nos oito anos em que o levantamento foi feito, 424.682 pessoas fizeram a operação de redução do estômago, o que corresponde a 3,12% das pessoas que estão dentro do grupo de pacientes aptos e para quem há indicação de cirurgia (13,6 milhões em todo o país).

Segundo a Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), de 2018, do Ministério da Saúde, a obesidade afeta 18,8% dos brasileiros e mais da metade (55,7%) tem excesso de peso. Essas pessoas podem ter a qualidade de vida afetada por doenças como hipertensão arterial, diabetes tipo 2, alterações do colesterol e triglicérides, além de aumentar as chances de arteriosclerose, além de outras patologias.

“A obesidade tem que ser encarada hoje como uma doença. Não é falta de força de vontade, não é desleixo, é uma doença que não deixa a pessoa emagrecer. Existe um desequilíbrio entre a sensação de fome a de saciedade e com isso a pessoa come mais do que deveria ou mesmo comendo pouco gasta pouca caloria e vai engordando ao longo da vida”, explicou o cirurgião bariátrico e membro da SBCBM, Admar Concon Filho.

Os dados mostram ainda que, das 63.969 cirurgias bariátricas realizadas em 2018, 77,4% foram através de convênio médico; 17,8% foram pelo SUS (Sistema Único de Saúde) e 4,8%, com recursos particulares. “Algumas pessoas não têm acesso, seja pelo local onde moram, por não terem um convênio médico ou outros motivos; outras têm medo de fazer o procedimento e outras não têm informação mesmo. Para outras, falta que o próprio indivíduo obeso se reconheça como portador de uma doença crônica incurável”, disse.

Outro motivo que afasta os pacientes da cirurgia é o medo. Segundo Concon, no passado a taxa de mortalidade ficava em torno de 2% a 3%, enquanto hoje é feita por videolaparoscopia e passou a ser minimamente invasiva, deixando a taxa de complicações semelhante à de uma cesárea ou uma cirurgia de vesícula, que é de menos de 0,5%.

“A população não sabe disso, então é preciso uma campanha muito grande de conscientização. Hoje já se sabe que o melhor tratamento para a obesidade mórbida é a cirurgia bariátrica, porque no tratamento clínico conservador o emagrecimento é muito pequeno e a recidiva é muito alta. A chance do obeso que não opera morrer pela obesidade é muito maior do que a chance de morrer pela cirurgia”, disse.

A cirurgia bariátrica é indicada para aqueles que tem obesidade por mais de dois anos, que tenham tentado o tratamento clínico com o endocrinologista ou com o especialista em obesidade para emagrecer e não obteve sucesso. “Nós levamos em conta o IMC (Índice de Massa Corpórea) que é calculado com base no peso e na altura da pessoa. O IMC de 40 para cima tem indicação de cirurgia e aquele que tem de 35 para cima, mas já tem doenças provocadas ou agravadas pela obesidade, também tem essa indicação”.

Concon destacou ainda a importância de o paciente ser acompanhado por uma esquipe multidisciplinar formada por psicólogo, nutricionista, endocrinologista, cardiologista, preparador físico, enfermeira, fonoaudióloga. “Ele tem que ter a consciência de que vai ter uma ferramenta que vai ajudá-lo a emagrecer, mas ele tem que ter sua participação, seguindo todas as recomendações do pós cirurgia, incluindo o acompanhamento do endócrino para o resto da vida, porque a doença obesidade continua lá”.

Por meio de nota, o Ministério da Saúde informou que as cirurgias bariátricas são recomendadas nos casos em que o obeso mórbido não consegue emagrecer com dieta, sendo o último recurso para esses casos. O procedimento é permitido somente para aqueles que passaram por avaliação clínica e acompanhamento com equipe multidisciplinar por, pelo menos, dois anos, observando se os resultados obtidos na preparação foram positivos.

“O SUS oferta cirurgias bariátricas e reparadoras aos cidadãos maiores de 16 anos diagnosticados com obesidade grave desde 2008.” O Sus já oferecia cinco tipos de cirurgias bariátricas e incorporou a técnica da gastroplastia videolapariscópica. “Técnica menos invasiva, que possibilita a perda de peso tanto por uma diminuição do tamanho do estômago, quanto por uma diminuição da superfície intestinal”, disse o Ministério da Saúde.

Segundo dados do Ministério, em 2018 foram realizadas 11.402 cirurgias bariátricas que tiveram custeio federal na ordem de R$ 72,9 milhões. Até o mês de maio de 2019 foram realizados 5.073 procedimentos em todo o país e o custo já chega a R$ 31,5 milhões. Os valores são repassados às gestões locais que monitoram a lista de pacientes que farão cirurgia bariátrica, com base na indicação médica.

O Ministério esclareceu ainda que para ajudar a adoção de uma alimentação mais saudável, a pasta disponibiliza o Guia Alimentar para a População Brasileira e o livro Alimentos Regionais Brasileiros, que trazem informações e orientações para facilitar a adoção de escolhas mais adequadas, baseada principalmente no consumo de alimentos in natura ou minimamente processados.

“O Brasil também se comprometeu a reduzir 144 mil toneladas de açúcar de bolos, misturas para bolos, produtos lácteos, achocolatados, bebidas açucaradas e biscoitos recheados, seguindo o mesmo parâmetro do feito para a redução do sódio, que foi capaz de retirar mais de 17 mil toneladas de sódio dos alimentos processados em quatro anos”, diz a nota.

Fonte: Agência Brasil

Número de beneficiários do 13º do INSS cresce quase 3 milhões desde 2014

Em agosto deste ano, foram pagos cerca de R$ 22,1 bilhões na primeira parcela do benefício

O número de beneficiários do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) que recebem o 13º salário cresceu 9,89% de 2014 a agosto de 2019. Os dados foram enviados pelo INSS ao R7 a pedido da reportagem. Em 2014, o benefício foi pago a 27.590.895 pessoas. Já em agosto de 2019, o número passou para 30.320.244, 2.729.349 brasileiros a mais. Também houve aumento no número de 2018 para este ano, com 206.230 novos beneficiários.

A professora de economia do Insper Juliana Inhasz afirma que o 13º do INSS é importante para movimentar a economia. Em agosto de 2019, foram pagos cerca de R$ 22,1 bilhões na primeira parcela do benefício. Para a especialista, a injeção do dinheiro não chega a criar um grande crescimento. “Com a reforma da Previdência, muita gente começou a procurar se aposentar antes com medo das novas regras”, afirma Inhasz.

Para ela, o medo de perder recursos impulsionou brasileiros a tomarem decisão. Inhasz ainda argumenta que o 13º é “uma garantia de renda, que cria um ambiente positivo de consumo”.  O INSS informa que o 13º salário é pago aos beneficiários que recebem aposentadoria, pensão por morte, auxílio-doença, auxílio-acidente, auxílio-reclusão e salário-maternidade. No caso dos dois últimos, o valor do abono é proporcional ao período recebido. As pessoas que recebem benefícios assistenciais, como é o caso do BPC (Benefício de Prestação Continuada), não têm direito.

O advogado João Badari, especialista em direito previdenciário e sócio do escritório Aith, Badari e Luchin Advogados, afirma que dois fatores impulsionam o resultado: o receio sobre a reforma da Previdência e o envelhecimento da população. “A expectativa de sobrevida do brasileiro está aumentando. Aquela pirâmide que a gente tinha de idade, onde a base eram os mais jovens, está mudando completamente”, afirma. Ele também diz que o aumento foi um pouco atípico justamente por causa da reforma. A primeira parcela do abono foi paga aos brasileiros entre os dias 26 de agosto e 6 de setembro deste ano, junto com o valor mensal do benefício. A segunda parcela deve ser paga entre os dias 25 de novembro e 6 de dezembro.

Veja a quantidade de abonos pagos de 2014 a 2019:

2014: 27.590.895
2015: 28.076.512
2016: 29.016.715
2017: 29.646.061
2018: 30.114.014
2019: 30.320.244*

*A assessoria de imprensa do INSS informa que o valor pode variar até o pagamento da segunda parcela, já que o número de beneficiários pode mudar de agosto para novembro. A mudança pode acontecer devido a mortes, pente-finos ou fim do pagamento de benefícios. 

 

Fonte: R7

Colisão envolve automóvel e caminhão na BR 472 em Boa Vista do Buricá

Acidente ocorreu na madrugada deste domingo

Um acidente de trânsito no final da madrugada deste domingo (15), envolveu um caminhão Ford com tanque transportador de leite, e um automóvel VW Golf. Nos dois veículos estavam apenas o motorista, que não ficaram feridos. Os airbags do carro foram acionados.

O acidente ocorreu por volta das 5h, no trajeto entre o acesso para São José do Inhacorá e o trevo de Boa Vista do Buricá.

De acordo com relatos do motorista do caminhão de Crissiumal, ele conduzia o veículo carregado com 15,5 mil litros de leite, que seriam entregues na Lactalis em Três de Maio, e foi surpreendido pelo automóvel que era conduzido em sentido contrário, e por motivos desconhecidos bateu contra o caminhão.

Quando a Brigada Militar chegou, o motorista do Golf com placas de Nova Candelária, não se encontrava no local do acidente.

A PRF de Ijuí foi acionada para registrar a ocorrência.

Fonte: Paulo Marques

OMS mostra que 5 pessoas morrem a cada minuto por erro médico

Erros médicos abrangem desde diagnósticos errados a medicamentos errados

Foto: CP Memória

Relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS) mostra que todos os anos milhões de pessoas sofrem as consequências, muitas vezes fatais, de erros médicos. As vítimas são sobretudo pessoas de camadas sociais mais pobres.

Em entrevista em Genebra, o chefe da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, informou que “morrem por minuto cinco pessoas devido a tratamento inadequado”.

Outro representante da organização, Neelam Dhingra-Kumar, comentou que se trata de “um problema global”, muitas vezes explicável por uma hierarquia demasiadamente rígida nos sistemas de saúde, em que médicos ou enfermeiros mais jovens não se atrevem a falar, ou funcionários encobrem erros cometidos por temer represálias.

Ainda segundo a OMS, quase metade (40%) dos pacientes sujeitos a tratamento ambulatório sofre os efeitos de erros médicos, percentual que baixa significativamente nos hospitais, embora permaneça, ainda assim, em preocupantes 10%.

A pesquisa mostra que anualmente 2,6 milhões de pessoas morrem nos 150 países de baixo ou médio rendimento devido a tratamentos médicos errados.

Os erros médicos abrangem desde diagnósticos errados a medicamentos errados, desde radiações inapropriadas a infecções hospitalares. A esses e outros erros possíveis são acrescentadas, por exemplo, a amputação de um membro quando a indicação era de amputar outro, ou a operação de um hemisfério cerebral quando a indicação era de operar o outro.

A ideia de que os erros médicos podem ser justificados por medidas de contenção financeira é contestada pelos peritos da OMS, mostrando que, pelo contrário, os sistemas onde os pacientes são, com frequência, vítimas desses erros acabam por gastar mais dinheiro para remediar os danos.

O exemplo inverso é o dos hospitais Medicare, nos Estados Unidos, que teriam poupado o equivalente a cerca de 25 bilhões de euros entre 2010 e 2015 devido a melhores controles de segurança, para evitar os erros. A Alemanha é também apontada como um bom exemplo na prevenção dos erros médicos.*Emissora pública de televisão de Portugal.

Fonte: Agência Brasil