Posts

Dupla ataca escola em Suzano/SP, mata oito pessoas e se suicida

Foto: Reprodução/TV Globo

Entre as vítimas, estão alunos do ensino médio e funcionários. Ao menos 23 pessoas foram levadas a hospitais.

Um adolescente e um homem encapuzados mataram oito pessoas na Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano (SP), e cometeram suicídio em seguida. Quatro dos mortos no local são alunos do ensino médio. Outros dois adolescentes foram socorridos, mas morreram no hospital. Duas das vítimas são funcionárias da escola. O ataque ocorreu por volta das 9h30 desta quarta-feira (13).

Resumo

  • Ataque a escola deixou 8 pessoas mortas; os dois assassinos se mataram
  • As vítimas ainda não foram identificadas
  • Os autores do crimesão Guilherme Taucci Monteiro, de 17 anos, e Henrique de Castro, de 25 anos
  • 23 pessoas foram levadas a hospitais. Entre elas, há pessoas que ficaram feridas e outras que passaram mal após o ataque
  • Ainda não se sabe o motivo do ataque e o vínculo dos autores com a escola
  • Uma testemunha disse que viu um deles com arma de fogo e outro, com uma faca
  • A PM encontrou no local um revólver 38, uma besta (um artefato com arco e flecha), objetos que parecem ser coquetéis molotov e uma mala com fios
  • Antes de os autores do ataque entrarem na escola, um homem foi baleado em uma loja de veículos nas proximidades. A polícia ainda apura se há relação entre os dois crimes

Um vídeo, feito por câmera de segurança, mostra o momento em que os criminosos chegam à escola. Eles estavam em um carro branco, estacionam no portão, descem e entram pela porta da frente, que estava aberta.

“Eles ingressaram na escola, atiraram na coordenadora pedagógica, atiraram numa outra funcionária. Estava na hora do lanche, eles se dirigiram ao pátio, atiraram em mais quatro alunos do ensino médio. Nesse horário, só havia alunos do ensino médio, e [os autores do ataque] dirigiram-se ao centro de línguas. Os alunos do centro de línguas se fecharam na sala com a professora e eles [criminosos] se suicidaram no corredor”, disse o coronel Marcelo Salles, comandante-geral da PM.

O coronel Salles afirmou que, antes de entrar na escola, os criminosos balearam um homem em um lava-rápido próximo à escola. Ele passa por cirurgia na na Santa Casa de Suzano e está em estado gravíssimo.

Mais cedo, a capitão Cibele, da comunicação da PM, um carro da polícia estava a caminho desse comércio, quando passou perto da escola e ouviu gritos dos alunos. “Policiais estavam indo para esse primeiro chamado e ouviram gritos das crianças. Foram então até a escola, onde os dois criminosos acabaram se matando”, disse ela

Arsenal

Dentro da escola, a polícia encontrou um revólver 38, quatro jet luders, que são plástico para recarregamento de arma, uma besta (um tipo de arco e flecha que dispara na horizontal), um arco e flecha tradicional e garrafas que aparentam ser coquetéis molotov. Um dos autores do ataque tinha uma espécie de machado na cintura.

Há ainda uma mala com fios. O esquadrão antibombas fi chamado, mas a polícia ainda não informou se havia material explosivo no local.

O coronel Fábio Pelegrini, da Comunicação Social da Polícia Militar, informou que a polícia ainda divulgou se os autores do massacre têm registro de crimes anteriores.

A polícia não tem informações sobre a motivação do crime. “Provavelmente um ato que foi premeditado. Eles entraram na escola equipados, com máscara. A gente não tem ainda essa motivação, não tem a correlação do motivo e do ato feito.”

Relatos de testemunhas

Rosni Marcelo Grotliwed, de 15 anos, estudante de 15 anos, disse que o ataque ocorreu durante o intervalo e que um dos criminosos tinha uma arma e outro, uma faca

Segundo ele, um dos garotos passou com faca ao seu lado, mas ele conseguiu desviar. “Fui para a diretoria e tinha muita gente morta no chão. Eles gritavam, mas eu não entendi o que era.”

“Meu amigo levou facada no ombro e outro levou um tiro. Fugi com um amigo para minha casa e voltei para buscar um amigo.”

A merendeira Silmara Cristina Silva de Moraes, de 54 anos, contou que ajudou a esconder 50 estudantes na cozinha.

“Nós estávamos servindo merenda e aí começou os ‘pipoco’ e as crianças entraram em pânico. Abrimos a cozinha em começamos a colocar o maior número de crianças dentro e fechamos tudo e pedimos para eles deitarem no chão”, conta chorando. “Foi muito desesperador, porque foi muito tiro, muito tiro mesmo e era muito pânico”.

Autoridades

O governador de São Paulo, João Doria, cancelou a agenda do dia e chegou à escola em um helicóptero, acompanhado do secretário Estadual de Educação, Rossieli Soares da Silva, do secretário de Segurança, general João Camilo Pires de Campos, e do comandante da PM, o coronel Salles. Doria disse que estava “muito impactado”.

Atendimento a vítimas e famílias

O Corpo de Bombeiros e equipes do Samu estão no local. Bombeiros de Mogi das Cruzes também foram chamados, às 9h50, para apoiar o atendimento. O helicóptero Águia, da PM, sobrevoou a escola. Toda a polícia de Suzano está mobilizada no caso.

A prioridade agora é identificar as vítimas e avisar as famílias, segundo as autoridades.

A Prefeitura de Suzano informou que as equipes da Defesa Civil, do Trânsito, da Segurança Cidadã, da Assistência Social e do Fundo Social de Solidariedade estão dando suporte no local para as famílias.

A Associação Cultural Suzanense, o Bunkyo, localizado na avenida Armando Salles de Oliveira, Centro, será ponto de acolhida para familiares, enquanto aguardam informações, e também para receber a imprensa.

Escola Estadual Raul Brasil

Segundo o Censo Escolar de 2017, a instituição possui 358 alunos da segunda etapa do fundamental (6º ao 9º ano) e 693 estudantes do ensino médio. No local também funcionava um centro de idiomas.

Fonte: G1

4 mortes: Bebê é encontrado morto junto com a cadeirinha no mato, próximo ao acidente na BR 386

Veículos se chocaram frontalmente e incendiaram em Montenegro | Fotos: PRF / Divulgação / CP

Uma colisão envolvendo três veículos deixou três mortos e quatro feridos, na tarde deste sábado, 15, no km 426 da BR 386, em Montenegro, na Região Metropolitana. Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), após o acidente dois carros incendiaram. Uma equipe da PRF controla o fluxo de veículos no local.
De acordo com a PRF, o condutor de um dos veículos seguia no sentido interior-capital e invadiu a pista contrária. Os bombeiros já controlaram o fogo e a PRF aguarda a chegada da perícia. O trânsito está fluindo nos dois sentidos pela faixa do sentido interior-capital.
Um casal e uma criança que estavam em um Peugeot 208 Sedan Passion, com placas de Sapucaia. morreram carbonizados, eles ainda não foram identificados.
Por volta das 18h30min foi localizada uma cadeirinha no mato e o bebê morto. Com o impacto foi lançada para fora do veículo. São quatro mortos todos do mesmo veículo e, possivelmente, da mesma família.

PRF/CP

Mais de 1,3 milhão de pessoas no mundo morrem anualmente no trânsito

Agência Brasil/EBC

Estudo da Organização Mundial da Saúde (OMS), divulgado hoje (7), mostra aumento contínuo das mortes no trânsito. Pelos dados do relatório, 1,35 milhão de pessoas perde a vida todos os anos em decorrência de acidentes de trânsito. Os dados mais alarmantes estão em países da África. Para especialistas, os governos reduziram os esforços na busca por solução para o problema.

O Relatório da Situação Global da OMS sobre segurança no trânsito de 2018 destaca que as lesões causadas pelo trânsito são hoje a principal causa de morte de crianças e jovens entre 5 e 29 anos. O documento inclui informações sobre o aumento no número total de mortes e que as taxas de mortalidade da população mundial se estabilizaram nos últimos anos.

“Essas mortes são um preço inaceitável a pagar pela mobilidade”, disse o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus. “Este relatório é um apelo aos governos e parceiros para que tomem medidas muito maiores para executar essas medidas”, acrescentou o especialista.

Os relatórios de status global da OMS sobre segurança no trânsito são divulgados a cada dois ou três anos e servem como ferramenta de monitoramento para a Década de Ação para Segurança Viária 2011-2020.

Mortes

Pelo relatório, o risco no trânsito é três vezes maior nos países de baixa renda do que nos de alta renda. As taxas são mais elevadas em países da África e mais baixas na Europa. Três regiões do mundo relataram um declínio nas taxas de mortalidade no trânsito: Américas, Europa e Pacífico Ocidental.

Segundo as informações, os pedestres e ciclistas são responsáveis ​​por 26% de todas as mortes no trânsito, enquanto os motociclistas e passageiros ​​por 28%. De acordo com o relatório, apenas 40 países, representando 1 bilhão de pessoas, implementaram pelo menos sete ou todos os oito padrões de segurança de veículos das Nações Unidas.

Investimentos

Para o fundador e CEO da Bloomberg Philanthropies e embaixador global da OMS, Michael R Bloomberg, é preciso investir mais na educação no trânsito, na prevenção e atenção à segurança nas estradas e pistas. Segundo ele, é necessário adotar “políticas fortes” e fiscalização, repensar as estradas para que se tornem inteligentes e adotar campanhas de conscientização.

“A segurança no trânsito é uma questão que não recebe nem perto da atenção que merece. [E] é realmente uma das nossas grandes oportunidades para salvar vidas em todo o mundo”, ressaltou.

Avanços

De acordo com o estudo, apesar do alerta, houve progressos, pois a legislação de forma geral foi aperfeiçoada, visando à redução de riscos, o excesso de velocidade e vetos à ingestão de bebida alcoólica antes da direção. Também há menção à obrigatoriedade ao uso de cintos de segurança e capacetes.

Há ainda citações sobre a preocupação com cuidados relativos às crianças, a adoção de infraestrutura mais segura, como calçadas e pistas exclusivas para ciclistas e motociclistas, melhores padrões de veículos, como os que exigem controle eletrônico de estabilidade e frenagem avançada e aprimoramento dos cuidados pós-colisão.

O relatório mostra que essas medidas contribuíram para a redução das mortes no trânsito em 48 países de renda média e alta. O documento informa que não há dados sobre redução no total de mortes nos países de baixa renda.

*Agência Brasil

Estradas da Região Celeiro já somam 26 mortes em 2018

Levantamento do DETRAN/RS contabiliza os dados entre janeiro e setembro

O Departamento Estadual de Trânsito (DETRAN/RS) atualizou os dados da acidentalidade no Rio Grande do Sul. Entre janeiro e setembro deste ano, foram 1.115 acidentes com vítimas fatais. Do total de 1.249 mortes, 38% são decorrentes de colisões frontais, 23% de atropelamentos e 11% de colisões laterais. Conforme os órgãos fiscalizadores, as colisões frontais estão relacionadas, frequentemente, a ultrapassagens mal sucedidas, feitas em locais indevidos e sem a necessária visibilidade e segurança.

No âmbito estadual, em quase 28% dos acidentes de trânsito dentro do período analisado, quem perdeu a vida foram os motoristas dos veículos. Em 24% das ocorrências, houve o óbito de motociclistas. Pedestres atropelados representam cerca de 20% e passageiros 18%. Quanto ao tipo de veículos envolvidos nos acidentes com vítimas fatais, 37% foram automóveis, 20% motos e 16% caminhões.

De acordo com as estatísticas do DETRAN/RS, entre janeiro e setembro de 2018, as estradas da Região Celeiro registraram 24 acidentes com vítimas fatais, o que ocasionou a morte de 26 pessoas. A maioria das ocorrências aconteceu em trechos estaduais (10), seguido por vias municipais (9) e rodovias federais (5).

Redentora, Tenente Portela e Três Passos tiveram o maior número de vítimas fatais no trânsito no período analisado, com quatro óbitos cada. Por outro lado, nove municípios da Região Celeiro não contabilizam nenhum acidente com morte entre janeiro e setembro. São eles: Braga, Campo Novo, Chiapetta, Crissiumal, Derrubadas, Esperança do Sul, Humaitá, Inhacorá, São Valério do Sul e Sede Nova.

Metodologia:

No caso específico da acidentalidade, o DETRAN/RS adotou a metodologia da Organização das Nações Unidas (ONU), que sugere que os feridos em acidentes de trânsito devem ter sua evolução acompanhada por 30 dias a contar da data do fato e, caso venham a falecer, serão incluídos nas estatísticas de mortalidade no trânsito.

Fonte: Clic Portela

Mortes por gripe no RS já passam o total registrado em 2017

Félix Zucco / Agencia RBS

Secretaria da Saúde revela que 46 novos casos foram notificados na última semana

Subiu para 54 o número de mortes causadas pela gripe no Rio Grande do Sul neste ano. Segundo o último balanço divulgado pela Secretária Estadual da Saúde (SES), foram 10 novos óbitos relacionados aos variados tipos de vírus Influenza, até o último sábado (4). São 46 novos casos notificados. Por Influenza H1N1, a chamada gripe A, são 38 óbitos. Pelo Influenza H3N2, são sete.

 Até o momento, os casos confirmados de influenza ocorreram em 90 municípios. Porto Alegre, Canoas, Alvorada e Gravataí concentram 41% dos casos. Caxias do Sul tem 11,6%, e Passo Fundo, 4,9%.

 O número de mortes já é maior do que o registrado durante todo o ano de 2017, quando houve 48 casos de mortes por gripe (sendo que nenhuma foi por Influenza H1N1.

Segundo o boletim epidemiológico apresentado pela SES, a previsão para 2018 era de que se repetisse o predomínio do vírus Influenza H3N2, seguido do vírus Influenza B, como ocorreu na América do Norte. No entanto, no Brasil, a predominância atual é do vírus Influenza H1N1 e, atualmente, no RS, a frequência de H1N1 ultrapassou a da H3N2.

Fonte: Zero Hora

Boletim da Defesa Civil atualiza levantamento sobre danos pelo temporal

Comunidade pode ajudar com doações para a Defesa Civil – Foto: Defesa Civil

 

O boletim distribuído na tarde desta quarta-feira (13) pela Defesa Civil do RS atualiza dados relativos ao levantamento de danos causados pelos ventos e forte chuva de domingo a terça-feira
Municípios atingidos
28
Residências atingidas
2.917
Óbito
02
Desabrigados
9
Desalojados
142
 Tabela de danos:
Município
Regional
Dano
01
Água Santa
Passo Fundo
Atingidos: 50
residências
14 desalojados/ 2 feridos
02
Araricá
Metropolitana
Atingidos: 75
residências /
1 escola/ 1 ginásio / 1 família desalojada
03
Bento Gonçalves
Caxias do Sul
Atingidos: 80 residências/2 escolas / queda de árvores / falta de energia elétrica/
04
Canela
Caxias do Sul
Atingidos: 12 residências
05
Caraá
Metropolitana
Atingidos: 1 ginásio
06
Caxias do Sul
Caxias do Sul
Queda de árvores
07
Ciríaco
Passo Fundo
1 óbito
Atingidos: 100
residências / 15 desalojados
08
Coxilha
Passo Fundo
Atingidos: 50 residências/ 30 desalojados
09
Dois irmãos
Metropolitana
Atingidos: estrutura da feira municipal
10
Dois Irmãos das Missões
 Frederico Westphalen
Atingidos: 80 residências / 05 famílias desalojadas/ queda de energia elétrica
11
Faxinalzinho
Frederico Westphalen
 02 feridos/ 10 aviários
12
Giruá
Santo Ângelo
Atingidos: 600 residências
13
Guaporé
Lajeado
Atingidos: 6 residências
14
Ibarama
Santa Maria
Atingidos: 12 residências
15
Igrejinha
Metropolitana
Atingidos: 09 residências / 1 escola
16
Itati
Metropolitana
Atingidos: 02 residências
17
Marau
Passo Fundo
Atingidos: 10 residências
18
Porto Xavier
Santo Angelo
Atingidos: em torno de 500 residências / 10 famílias desalojadas
19
Pontão
Passo Fundo
 Atingidos: 72 residências/ 40 desalojados
20
 Redentora
Frederico Westphalen
 Atingidos: 70 residências / 02 famílias desalojadas
21
Salvador do Sul
Caxias do Sul
Atingidos: 100 residências / 1 família desalojada / danos na prefeitura/ creche/ escola / ginásio
22
Sapiranga
Metropolitana
Atingidos: 6 residências
23
Santa Bárbara
Frederico Westphalen
Atingidos: 600 residências/ 11 famílias desalojadas/ 9 desabrigadas
24
Santa Rosa
Santo Ângelo
Atingidos: 48
Residências
25
São Francisco de Paula
 Caxias do Sul
Atingidos: 20 residências
26
Sarandi
Frederico Westphalen
1 óbito/ 05 feridos/ 100 postes caídos
27
Tupanciretã
Santa Maria
Atingidos: 400 residências
28
 Vila Langaro
Passo Fundo
Atingidos: 15 residências / 13 desalojados/ 10 Aviários
Municípios com decreto de situação de emergência
Pontão
Giruá

A Defesa Civil segue com o acompanhamento das Coordenadorias Regionais em conjunto com os municípios, oferecendo toda ajuda necessária às localidades atingidas. Qualquer informação ou pedido de auxilio pode ser encaminhado pelo telefone 199.

Fonte: Defesa Civil

Mortes no trânsito no RS caem 6,8% nos primeiros três meses de 2018

Registros oficiais entre janeiro e março deste ano indicam 29 óbitos a menos em acidentes na comparação com o mesmo período de 2017

Vias estaduais, como a ERS-122, na Serra, concentraram 31,4% dos 350 acidentes registrados entre janeiro e março de 2018 (Felipe Nyland)

Depois de crescer em 2017, o número de acidentes com morte nas vias do Rio Grande do Sul voltou a cair. No primeiro trimestre de 2018, dados do Departamento Estadual de Trânsito (Detran) indicam redução de 7,2% nas ocorrências do tipo e de 6,8% na quantidade de óbitos em comparação com o mesmo período de 2017.
Na prática, isso significou 29 óbitos a menos. A queda foi puxada pelas estatísticas dos primeiros 30 dias de 2018, quando houve menos casos trágicos do que nos meses de janeiro dos anos anteriores (a série histórica começa em 2007). Foi a primeira vez que os registros letais ficaram abaixo de cem no Estado (foram 91 no mês).
É difícil, segundo especialistas, apontar com certeza as razões do decréscimo. Uma das possibilidades é a alta no preço da gasolina, que pode ter levado motoristas a limitarem viagens, expondo-se menos a riscos. Outro fator citado por pesquisadores é o efeito inibidor das ações de controle.
– Em 2017, depois de alguns anos em queda, as mortes nas estradas voltaram a crescer. Foi uma grande decepção. A reação das autoridades tem se traduzido em esforço na tentativa de redobrar a fiscalização. Isso é positivo – avalia João Fortini Albano, doutor em Transportes.
A chefe da Divisão de Educação para o Trânsito do Detran, Laís Silveira, lembra que, em janeiro, os motoristas sentiram o impacto do início da Operação Verão. Nesse período, as blitze da Balada Segura ganharam reforço: passaram a ocorrer, também, em dias úteis, no Litoral e em municípios do Interior.
– É possível que isso tenha contribuído para a redução da acidentalidade. Outro aspecto a destacar é a união de forças entre os órgãos de trânsito, em todas as esferas. Sem isso, é muito difícil mudar a cultura – ressalta Laís.
Incerteza quanto à continuidade da queda
Há dúvidas se a tendência se manterá, porque os números voltaram a crescer em fevereiro e em março – ainda que, na soma do trimestre, o resultado tenha sido melhor do que o registrado em 2017. As informações de abril ainda não estão disponíveis.
– É cedo para fazer projeções. Não dá para descartar nem mesmo que o bom resultado tenha sido obra do acaso. Ainda assim, se uma única pessoa deixa de morrer, já é uma vitória – pondera o professor do departamento de Engenharia de Produção e Transporte da UFRGS Luiz Afonso Senna, ex-secretário de Mobilidade Urbana de Porto Alegre.
Para conter o avanço dos indicadores, o Detran aposta em dois fatores. Um deles é o Plano Nacional de Redução de Mortes e Lesões no Trânsito, sancionado em janeiro, cuja meta é cortar pela metade, em 10 anos, o índice de óbitos em relação a 2018. No Estado, as audiências públicas para definir ações já começaram.
O outro fator que pode trazer benefícios é a inclusão de disciplina sobre trânsito na nova base curricular nacional. Em junho, o Detran distribuirá material aos colégios da rede estadual. A ideia é aprofundar o tema com estudantes na esperança de formar futuros motoristas mais conscientes.

Fonte: Gaúcha ZH

Pedra gigante invade residência e causa duas mortes em Esperança do Sul

409ba970171136b62a00ff442467842a_L

Onze pessoas estavam na casa; oito escaparam ilesas. Foto: Três Passos News

Um passeio terminou de forma trágica para moradores de Estrela que visitavam uma família na madrugada deste domingo, 12, em Esperança do Sul. A tragédia aconteceu, por volta das 4h, em uma residência, em Lajeado Paixão, no interior do município.

Onze pessoas dormiam na casa quando uma rocha de várias toneladas deslizou de um morro, invadiu a moradia de madeira, passando por cima de um casal de idosos que estava no quarto e parando em cima de um jovem que dormia na sala. Outras oito pessoas, que se encontravam em cômodos separados, escaparam ilesas.

Luan Cauê Pereira Conceição, de 22 anos, natural de Taquara e morador de Estrela, permaneceu sob a pedra por mais de 3 horas até que fosse removida por uma máquina da prefeitura. O jovem foi resgatado ainda consciente pelo Samu e Corpo de Bombeiros, mas não resistiu aos graves ferimentos, vindo a óbito no Hospital de Caridade de Três Passos.

Elídio Roatt Bairros, de 72 anos e Doracília Roatt Bairros, de 66, proprietários da casa, também foram levados feridos e conscientes ao hospital, onde o agricultor aposentado veio a falecer. A esposa sofreu escoriações nos pés, recebeu atendimento médico e foi liberada.

A residência onde aconteceu a tragédia está localizada em uma área de risco, no sopé de um morro, próximo ao rio Uruguai, na divisa com a Argentina. As chuvas contínuas do dia anterior teriam provocado o desmoronamento que, por pouco, não deixou mais vítimas fatais no local.

DSCF9405

DSCF9400

DSCF9407

Fonte/Fotos: Três Passos News

Mortes em acidentes no RS, teve queda nos últimos anos

Em 2016, ruas e rodovias gaúchas registraram 1.679 mortos. Dados preliminares do ano passado foram divulgados nesta quinta-feira pelo Detran-RS

IMG-20160309-WA0010

Foto: Arquivo Rádio Metrópole

Segundo dados preliminares divulgados nesta quinta-feira (19) pelo Departamento Estadual de Trânsito (Detran-RS)  , em 2016 foram registrados 1.679 óbitos.

Do percentual de mortos em 2016, 30% eram motoristas de automóveis, caminhões e outros veículos. Outros 23% eram motociclistas. Os pedestres responderam por 20,4% do total de óbitos no trânsito gaúcho no ano passado.

Veja comparativos dos últimos anos

22813727

22813873

22813917

Fonte: Detran-RS

Brasil tem mais de 1,9 mil mortes por H1N1 em 2016, diz ministério

h1n1_620

O vírus H1N1, que iniciou uma pandemia de gripe em 2009 (Foto: Reprodução)

O Mnistério da Saúde divulgou o número total de casos de influenza em 2016. O H1N1 matou 1.982 pessoas e foram feitas 10.625 notificações. O conjunto dos vírus influenza vitimou 2.220 pacientes. O balanço quase alcançou os números de 2009, quando o H1N1 se tornou uma pandemia* e matou 2.060 brasileiros. Naquele ano, a vacina ainda estava em desenvolvimento.

Os dados foram contabilizados da semana epidemiológica 01 até a 52 – de 3 de janeiro até 31 de dezembro. Ao todo, foram 54.224 notificações da Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), uma complicação da gripe. Tais números são um registro dos diferentes tipos de influenza (12.174 casos) – incluindo H1N1 – e de outros vírus respiratórios (4.871 casos).

Além das mais de 10 mil notificações do vírus H1N1, 858 registros eram influenza A não subtipado, 642 eram influenza B e 49 eram influenza A. Os casos de SRAG atingiram, em média, brasileiros de 39 anos. A região sudeste foi a mais afetada, com 56,5% dos casos. O estado com mais mortes por influenza foi São Paulo, com 38,3% dos registros.

Óbitos de H1N1 por estado do Brasil em 2016

Rondônia – 3
Acre – 5
Amazonas – 4
Roraima – 1
Pará – 27
Amapá- 4
Tocantins – 0
Maranhão – 1
Piauí – 1
Ceará – 14
Rio Grande do Norte – 7
Paraíba – 13
Pernambuco – 16
Alagoas – 12
Sergipe – 0
Bahia – 30
Minas Gerais – 193
Espírito Santo – 45
Rio de Janeiro – 80
São Paulo – 779
Paraná – 216
Santa Catarina- 112
Rio Grande do Sul – 205
Mato Grosso do Sul – 95
Mato Grosso – 17
Goiás – 88
Distrito Federal – 18

*Informações Ministério da Saúde