PRF apreende no Paraná dois fuzis, pistola e quase mil munições que viriam para o RS

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Veículo onde estavam escondidas armas também transportava cerca de dois quilos de crack

Armas e drogas foram apreendidas na manhã deste domingo (PRF / Divulgação)

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) apreendeu na manhã deste domingo (3) mais um carregamento de armas de grosso calibre que tinha como destino o Rio Grande do Sul. Dois fuzis, ambos de calibre 5.56, uma pistola e quase mil munições foram descobertos em um compartimento de um veículo abordado em Lindoeste, a cerca de 170 quilômetros da fronteira com o Paraguai.
Tudo estava dentro do painel de instrumentos de um Idea, com placas de São Paulo. Os policiais abordaram o carro na BR-163, por volta das 6h40min, em frente à unidade da PRF. O motorista, de 29 anos, que não teve o nome divulgado, foi preso em flagrante.
Os agentes apreenderam ainda 13 carregadores para fuzil e quatro para pistola 9 mm adaptada para disparar rajadas. Foram localizadas no total 960 munições, 450 para fuzil e 510 para pistola. Dentro do carro ainda foram encontrados cerca de dois quilos de crack.
O condutor afirmou aos agentes que havia saído de Cascavel, a cerca de 60 quilômetros de onde foi preso, e que receberia R$ 4 mil para transportar a carga até Porto Alegre.
Foi também em Cascavel que a Receita Federal apreendeu em setembro sete fuzis que tinham como destino Lajeado, no Vale do Taquari. As armas, fabricadas nos Estados Unidos e em Israel, encontradas dentro de uma Space Fox, seriam entregues a uma facção criminosa.
O mesmo grupo criminoso que receberia as armas apreendidas em Cascavel em setembro armazenava em Santa Cruz do Sul, no Vale do Rio Pardo, um arsenal descoberto no fim de outubro pela Polícia Civil. Os agentes apreenderam dentro do apartamento de um estudante universitário 15 fuzis, de fabricação russa, romena e americana, e 21 pistolas Glock. Foi a maior apreensão de fuzis no Rio Grande do Sul, conforme a Polícia Civil.
Segundo a investigação, o estudante de engenharia civil Jerônimo Jardim Lopes, 26 anos, preso em flagrante, recebia R$ 10 mil mensais para esconder as armas para a facção em seu apartamento. O universitário, que responde por porte ilegal de armas de fogo de uso restrito,  segue preso preventivamente. Esse tipo de crime é considerado hediondo desde outubro.

Fonte: Gaúcha ZH

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.