Três municípios da Região Celeiro ainda não atingiram a meta de vacinação contra a poliomielite e o sarampo

No estado, 137 cidades estão abaixo da porcentagem estipulada pelo ministério da Saúde

Foto: Radio Província FM

Faltando apenas dois dias para encerrar a Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite e o Sarampo, 137 municípios do Rio Grande do Sul estão abaixo da meta definida pelo ministério da Saúde para este ano. O público-alvo é formado por meninos e meninas de um ano a menor de cinco anos e o objetivo é imunizar pelo menos 95%.

Números preliminares do Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunização (SI-PNI) revelam que o Rio Grande do Sul vacinou 91,82% das crianças contra a poliomielite e 91,48% contra o sarampo. Até o momento, no estado, foram aplicadas 969,5 mil doses das duas vacinas.

Dos 137 municípios gaúchos que ainda não alcançaram o percentual estipulado pelo ministério da Saúde, três ficam na Região Celeiro.

Em Crissiumal, a imunização contra a pólio atinge 92,1% e contra o sarampo 91,8%. No município de Humaitá, o índice vacinal contra as duas doenças é idêntico: 93,8%. Já em São Valério do Sul, a cobertura contra a poliomielite e o sarampo chega a 87,5%.

Todas as crianças na faixa etária da campanha devem se imunizar independentemente da situação vacinal. O ministro da Saúde, Gilberto Occhi, destaca a importância da mobilização de toda a sociedade para atingir a meta de vacinação. – A campanha termina na próxima sexta-feira (14). Pais e responsáveis devem buscar os postos de vacinação. A vacina é a forma mais eficaz de proteger nossas crianças contra doenças já eliminadas no país – enfatizou o ministro.

Campanha:

A média nacional de vacinação está em 94%. Foram aplicadas em todo o Brasil, cerca de 20,8 milhões de doses das vacinas (10,4 milhões de cada). Onze estados e mais de quatro mil municípios já atingiram a meta. Mas cerca de 1.500 cidades ainda devem buscar alternativas para imunizar 95% do público-alvo até a próxima sexta-feira, quando se encerra a Campanha Nacional de Vacinação.

Na faixa etária de três e quatro anos, a cobertura vacinal está acima da meta, com 96,95% e 95,44%, respectivamente. A maior preocupação é com faixa de um ano de idade, cuja cobertura ainda está em 85,45%.

O sarampo e a poliomielite são doenças infectocontagiosas que podem resultar em complicações graves para as crianças, podendo provocar a morte.

Fonte : Radio Província FM

Ipe Saúde reajusta em cerca de 35% o valor das consultas médicas

Medida busca diminuir a defasagem de médicos no plano de saúde

Foto: Henrique Massaro / Especial CP

O Instituto de Assistência à Saúde dos Servidores Públicos do RS (Ipe Saúde) anunciou, nesta terça-feira, reajuste no valor das consultas médicas. A partir de 1º de outubro, ao invés de pagar entre R$ 7 e R$ 21 de coparticipação, o paciente terá de investir entre R$ 9 e R$ 28 por atendimento. Em média, o aumento será de cerca de 35%. O preço mensal do plano de saúde, no entanto, não sofrerá reajuste.

Com os novos valores das consultas, os profissionais habilitados como pessoa física passam a receber R$ 62 por consulta – atualmente é R$ 47. Já os credenciados como pessoa jurídica receberão R$ 90 por antedimento, ao invés de R$ 68. O aumento representa R$ 35 milhões a mais por ano pelo pagamento de consultas. Médicos atualmente credenciados como pessoa física podem migrar para o modelo PJ. As informações estão disponíveis no site do instituto.

Segundo o presidente do Ipe Saúde, João Gabbardo dos Reis, a medida busca incentivar os cerca de 8 mil médicos a permanecerem no plano e, assim, diminuir o tempo de espera dos pacientes por consultas.”Com essa medida, mostramos um novo posicionamento do IPE para trabalhar na recomposição da remuneração dos médicos, em negociações com o Simers (Sindicato dos Médicos do Rio Grande do Sul). Também esperamos aumentar a oferta de consultas, resolvendo um dos grandes problemas do IPE Saúde que era a dificuldade em agendar consultas”, destacou.

O reajuste na remuneração dos médicos não acontecia desde 2011. Apesar de não ser considerado o ideal, o presidente Simers, Paulo de Argollo Mendes avalia o aumento como uma tentativa de inverter a tendência de decréscimo da remuneração dos médicos. “Estamos dando o primeiro passo de uma sequência de conversações que estão sendo realizadas para promover a remuneração adequada à excelência dos serviços prestados pelos médicos”, ressalta.

Fonte: CP

UTI do Hospital Santo Antônio de Tenente Portela está fechada temporariamente

Segundo a direção, a previsão é de até o dia 10 de outubro a unidade volte a funcionar

Foto: Hospital Santo Antônio, de Tenente Portela. (Jalmo Fornari)

Desde o último sábado (8) a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Santo Antônio de Tenente Portela está de portas fechadas, segundo afirmou a presidente da entidade, Mirna Braucks, em entrevista feita  na tarde de segunda-feira (10).

Mirna afirma que devido a uma série fatores, incluindo problemas financeiros, falta de profissionais, entre outros aspectos a direção optou por paralisar as atividades pelo período de 30 dias. Os atendimentos que chegarem até a casa dentro deste período, segundo a presidente, serão encaminhados para vagas em outras UTI’s consistes dentro da regulação estadual.

Os esforços da administração hospitalar para assegurar o atendimento a comunidade regional iniciaram desde março deste ano, quando a unidade passou a atender pacientes.  A UTI atende pacientes em estado potencialmente grave. Nestes casos, toda uma equipe médica trabalha 24 horas para monitoramento do paciente durante a evolução do quadro clinico, o que demanda um recurso financeiro alto. Em Tenente Portela, a unidade disponibilizava os serviços para mais de 30 cidades da região noroeste.

Fonte:  Sistema Província de Comunicação

Ministério quer vacinar mais de 20 milhões de adolescentes contra HPV

O Ministério da Saúde iniciou hoje (4) uma campanha publicitária para impulsionar a vacinação de adolescentes contra o HPV. A convocação tem como alvo 20,6 milhões de meninas de 9 a 14 anos e meninos de 11 a 14 anos. Eles devem ir aos postos de saúde para se imunizar pela primeira vez ou tomar a segunda dose da vacina e completar a proteção contra o HPV.

O vírus HPV (Papilomavírus Humanos) é sexualmente transmissível e infecta pele e mucosas da boca ou das áreas genital e anal provocando verrugas e diferentes tipos de cânceres em homens e mulheres (cólo do útero, anal, pênis, vagina, orofaringe).

Segundo o ministério, cerca de 30% dos tumores provocados por vírus no mundo são causados pelo HPV.

Para esta nova etapa da campanha, foram investidos R$ 567 milhões para adquirir 14 milhões de vacinas. Na etapa anterior, mais de 63% das meninas de 9 a 14 anos já foram imunizadas com a primeira dose e 41% das crianças receberam a segunda dose.

No caso dos meninos, cerca de 2,6 milhões receberam a primeira dose (35,7% do público-alvo), e 911 mil (13%) já receberam a segunda dose.

Duas doses

O Ministério da Saúde alerta que a cobertura contra o HPV só está completa com as duas doses. O intervalo entre a primeira e a segunda dose da vacina é de seis meses.

A pasta assegura que a vacina não aumenta o risco de eventos adversos graves, aborto ou interrupção da gravidez.

A vacinação tem impacto significativo na redução da incidência do HPV, como nos Estados Unidos, que reduziram em 88% as taxas de infeção oral pelo vírus com imunização, disse o Ministério da Saúde.

Esclarece ainda que a vacina não é eficaz para tratamento de infecções ou lesões por HPV já existentes.

A campanha deste ano tem como tema “Não perca a nova temporada de Vacinação contra o HPV” e será veiculada até 28 de setembro por meio de várias peças.

As escolas receberão material informativo para que professores, alunos e familiares possam debater sobre as doenças.

No Brasil, estima-se que a prevalência do HPV é de 54,3%, sendo que mais de 37% têm HPV de alto risco para câncer, de acordo com pesquisa preliminar feita pelo Ministério da Saúde, universidades e secretarias municipais de saúde das capitais.

Os resultados finais deste estudo serão divulgados até o fim do ano.

Fonte: Agência Brasil

Campanha contra pólio e sarampo é prorrogada até 14 de setembro

Marcelo Camargo/Agência Brasil/Agência Brasil

O Ministério da Saúde prorrogou até 14 de setembro a Campanha Nacional de Vacinação contra Pólio e Sarampo. Pelos dados preliminares, a média de vacinação está em 88%. Em apenas sete estados a meta de vacinar pelo menos 95% do público-alvo foi atingida.

Estados e municípios que não atingiram a meta devem manter a campanha por mais 15 dias. Devem ser vacinadas contra a poliomielite o sarampo crianças de 1 ano a 4 anos e 11 meses.

Até o momento, mais de 1,3 milhão de crianças não recebeu o reforço dessas vacinas. A recomendação é que estados e municípios façam busca ativa para garantir que o público-alvo da campanha seja vacinado.

Dados

Os estados que atingiram a meta de vacinação são Amapá, Santa Catarina, Pernambuco, Rondônia, Espírito Santo, Sergipe e Maranhão.

O Rio de Janeiro continua com o menor índice de vacinação, seguido por Roraima, Pará, Piauí, Distrito Federal, Acre, Bahia, Rio Grande do Sul, São Paulo, Alagoas, Rio Grande do Norte e Amazonas.

Em todo o país, foram aplicadas mais de 19,7 milhões de doses das vacinas (cerca de 9,8 milhões de cada).

Fonte: Agência Brasil

Ministério da Saúde orienta postos a abrirem no sábado para vacinar contra pólio e sarampo

Rio Grande do Sul está com quase 70% do público-alvo vacinado

 

Foto: Guilherme Testa

Municípios que ainda não atingiram a meta de vacinar 95% das crianças contra a poliomielite e o sarampo devem abrir os postos de saúde no próximo sábado. A orientação foi divulgada nesta quarta-feira pelo Ministério da Saúde. Cerca de 3,3 milhões de poliomielite e o sarampo ainda não foram imunizadas contra as doenças. A pasta alertou que a organização da mobilização no fim de semana é de responsabilidade de cada município e que, portanto, é necessário verificar com as secretarias municipais quais postos estarão abertos.

Até a última terça-feira, 70% das crianças brasileiras haviam sido vacinadas. Foram aplicadas, ao todo, mais de 15,7 milhões de doses das vacinas. Até o momento, Amapá é o único estado que já superou a meta de vacinação, atingindo 99,81% para pólio e 99,43% para sarampo. As capitais Macapá e Porto Velho também superaram a meta, atingindo 100,3% para pólio e 99,8% para sarampo e 98,3% para pólio e 98,3% para sarampo, respectivamente.

Entre os estados com menor cobertura vacinal estão Rio de Janeiro, com 51,2% para pólio e 52,4% para sarampo e Distrito Federal, que tem 54% para pólio e 53,7% para sarampo. Já entre as capitais, as piores taxas de imunização estão em Boa Vista, com 38,4% para pólio e 38,3% para sarampo e Salvador, com 38,8% pólio e 38,4% sarampo. O Rio Grande do Sul está com praticamente 70% do público-alvo vacinado contra ambas doenças.

Campanha

Este ano, a vacinação é feita de forma indiscriminada, o que significa que mesmo as crianças que já estão com esquema vacinal completo devem ser levadas aos postos de saúde para receber mais um reforço. No caso da pólio, as crianças que não tomaram nenhuma dose ao longo da vida vão receber a vacina injetável e as que já tomaram uma ou mais doses devem receber a oral. Para o sarampo, todas as crianças com idade entre um ano e menores de 5 anos vão receber uma dose da tríplice viral, desde que não tenham sido vacinadas nos últimos 30 dias.

Casos de sarampo

Até o dia 28 de agosto, foram confirmados 1.553 casos de sarampo no Brasil, enquanto 6.975 permanecem em investigação. O país enfrenta dois surtos da doença: no Amazonas, que já computa 1.211 casos confirmados e 6.905 em investigação, e em Roraima, onde há 300 casos confirmados e 70 em investigação.  Casos isolados e relacionados à importação foram identificados nos seguintes estados: São Paulo (2); Rio de Janeiro (18); Rio Grande do Sul (16); Rondônia (2); Pernambuco (2); e Pará (2). Foram confirmadas ainda sete mortes por sarampo, sendo quatro em Roraima (três em estrangeiros e uma em brasileiro) e três no Amazonas (todos brasileiros, sendo dois óbitos em Manaus e um no município de Autazes).

Fonte: CP

Mortes por gripe sobem para 72 no Rio Grande do Sul

No total, foram confirmados 528 casos em 2018, sendo que a maioria é de H1N1.

(Foto: Cristine Rochol/PMPA)

O número de mortes por gripe no Rio Grande do Sul subiu para 72 em 2018, conforme boletim divulgado pela Secretaria Estadual da Saúde. Destas, 51 são por H1N1 e 11 são por H3N2. Cinco casos não foram subtipados, e outros cinco óbitos ocorreram por Influenza B.

A última atualização, na semana passada, registrou 67 vítimas da doença no estado este ano. Em cerca de um mês, o número de mortes por gripe no estado dobrou. Até 21 de julho, eram 32 óbitos. Em todo o ano passado, foram 440 casos e 48 mortes.

Conforme o boletim, 528 casos de gripe foram confirmados, principalmente em crianças com menos de 10 anos e adultos com mais de 50.

Porto Alegre é a cidade com mais registros, com 143 casos e nove mortes. Caxias do Sul, na Serra, registrou 59 casos e sete óbitos pela doença.

A previsão para 2018, segundo a Secretaria Estadual da Saúde, era que se repetisse o predomínio do vírus H3N2, seguido do vírus influenza B, como ocorreu na América do Norte. No entanto, no Brasil a predominância atual é do vírus H1N1 e, atualmente, no Rio Grande do Sul, a frequência de H1N1 ultrapassou a da H3N2, assim como ocorre no país.

Fonte: G1

Modelo de funcionamento da estrutura da UPA em Três Passos é pioneiro no Estado

A proposta de funcionamento para a estrutura da UPA de Três Passos ganha repercussão como o primeiro projeto do Rio Grande do Sul a ser apresentado ao Governo.

Na manhã desta quinta-feira (23), o prefeito Municipal José Carlos Amaral concedeu entrevista à jornalista Carolina Bahia para explicar como será o Centro Integrado de Atendimento ao Cidadão – CIAC/SUS.

O modelo de funcionamento integra uma ESF, o NASF, a Farmácia Básica e o Transporte Sanitário, que será qualificado e centralizado.

Neste sentido o município além de qualificar o atendimento na área da saúde, vai gerar economicidade aos cofres públicos, uma vez que vai poder reorganizar e realocar serviços já existentes, bem como, a parte administrativa da Secretaria da Saúde, possibilitando vagar espaços na estrutura do Paço Municipal.

O projeto já foi aprovado pelo Conselho Municipal de Saúde, e agora segue para as instâncias Estadual e Federal.

Três Passos é pioneiro no Estado, adequando o funcionamento da estrutura as condições financeiras do Município.

CONFIRA A NOTÍCIA VEICULADA NO JORNAL DO ALMOÇO DESTA QUINTA(23/08)

http://g1.globo.com/rs/rio-grande-do-sul/jornal-do-almoco/videos/t/porto-alegre/v/carolina-bahia-fala-sobre-possivel-solucao-para-predios-de-upas-paradas/6966617/

Fonte/Fotos: Elenara de Oliveira – Assessora de Comunicação da Prefeitura de Três Passos

Cerca de 5 milhões de crianças ainda precisam se vacinar contra a pólio e o sarampo

No RS, 500 mil crianças já foram vacinadas | Foto: Guilherme Almeida

Faltando dez dias para o fim da Campanha Nacional de Vacinação, ainda faltam ser vacinadas 5 milhões de crianças de 1 até 5 anos no país. Isso representa cerca de 47% da meta do Ministério da Saúde, que é atingir 95% das 11,2 milhões de crianças contra pólio e sarampo. Segundo os dados divulgados nesta quarta-feira pelo governo federal, 56% das crianças em todo o país foram vacinadas. No RS, a cobertura contra a pólio é de 57,27%, e de sarampo, 56,6%.   A campanha termina oficialmente no dia 31 de agosto. As doses estão disponíveis em todos os postos de saúde.

O Ministério alerta para o fato de que as crianças devem ser levadas independente da situação vacinal, para que seja possível criar uma barreira sanitária de proteção da população. “Convocamos pais e responsáveis a levarem as crianças que ainda não foram vacinadas, independente da situação vacinal anterior, já que neste ano a campanha é indiscriminada. O esforço do país é impedir que  doenças já eliminadas não retornem o Brasil. Esse é um trabalho de toda a sociedade”, ressalta o ministro da Saúde, Gilberto Occhi.

Para a poliomielite, as crianças que ainda não tomaram nenhuma dose da vacina na vida serão vacinadas com a Vacina Inativada Poliomielite (VIP). As crianças que já tiverem tomado uma ou mais doses receberão a gotinha (Vacina Oral Poliomielite – VOP). Em relação ao sarampo, todas as crianças devem receber uma dose da vacina tríplice viral, independente da situação vacinal. A exceção é para as que tenham sido vacinadas nos últimos trinta dias, que não necessitam de uma nova dose.

O Ministério da Saúde oferta todas as vacinas recomendadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Ao todo, são 19 para combater mais de 20 doenças, em todas as faixas etárias. Por ano, são cerca de 300 milhões de doses de imunobiológicos distribuídos em todo o país. Atualmente, o país enfrenta dois surtos de sarampo, em Roraima e Amazonas. No Rio Grande do Sul já foram identificados 16 casos.

Fonte: CP

Hábitos alimentares e estilo de vida podem evitar o câncer

Muita gente não sabe, mas 80% dos casos de câncer no mundo estão relacionados ao nosso modo de vida. Os dados são da Organização Mundial da Saúde, a OMS. De acordo com o oncologista Daniel Gimenes, a ingestão de alimentos pouco saudáveis e a falta de exercícios físicos estão entre os principais fatores para este cenário.

“A falta de atividade física e a alimentação pouco saudável podem aumentar as chances de desenvolver câncer justamente porque estão envolvidos com o aumento do índice de massa corpórea.”

Segundo o especialista, existem alterações metabólicas no tecido gorduroso, que pode aumentar o desenvolvimento, principalmente, do câncer de mama. A boa notícia é que pequenos ajustes na rotina podem ajudar a reduzir os fatores de risco.

Por exemplo, fazer caminhadas, andar de bicicleta e subir ou descer escadas são algumas dicas de exercícios que devem ser feitos de 20 a 30 minutos por dia.

Segundo o especialista Daniel Gimenes, uma dieta rica em frutas, peixes, grãos e azeite é uma forma de prevenir o câncer. No caso das mulheres, após os 40 anos, é importante fazer mamografia todo ano, afinal, a detecção precoce aumenta em até 95% as chances de recuperação em casos de câncer de mama.

No caso do câncer de pulmão, a doença está associada, na maioria dos casos, ao consumo de cigarro ou derivados. Por isso, para manter sua saúde, é importante ficar longe do hábito de fumar.

O câncer de pele é o tipo mais comum em todo o mundo, e pode ser prevenido. Por isso, evite e exposição ao sol entre dez da manhã e três da tarde. Não importa a cor da sua pele, os dermatologistas recomendam o uso de, no mínimo, um protetor com Fator de Proteção Solar 30.

Além dessas dicas, o importante é lembrar que a detecção precoce do câncer pode salvar vidas. Então, consulte sempre um médico e faça exames periodicamente.

Reportagem, Cintia Moreira

Fonte: Agência do Rádio