Semana começa com calor acima dos 30°C antes de temporais

Temperaturas muito altas se mantêm até quarta, quando o tempo terá virada

Foto: Emerson Gomes

A MetSul alerta para período de calor muito intenso nesta primeira metade da semana, no Rio Grande do Sul. A temperatura já atingiu 33ºC na tarde deste domingo e sobe muito mais nesta segunda-feira, quando as máximas superam 35ºC. O sol predomina no Estado com períodos de céu claro e nuvens esparsas.

O calor será ainda mais intenso na terça-feira e as máximas vão ficar ao redor de 40ºC na Grande Porto Alegre e no interior. Segue muito quente quarta-feira antes da chuva e dos temporais que atingirão o território gaúcho. Neste período de calor muito intenso será bastante alto o risco de incêndio em vegetação com elevados índices UV.

As mínimas rondam os 8°C em São José dos Ausentes e os 20°C em Alegrete. As máximas, por sua vez, podem chegar a 36°C em Santa Rosa e a 37°C em Santa Cruz do Sul. Em Porto Alegre, os termômetros variam entre 18°C e 36°C.

O fim de semana começou com frio histórico. No Rio Grande do Sul, a temperatura caiu abaixo de zero em pleno dezembro e verão climático. São José dos Ausentes teve -1,2ºC no sábado. Foi o 37º dia de mínima negativa no Estado em 2018, o que não ocorria desde 28 de agosto. Porto Alegre experimentou a madrugada mais fria no mês de dezembro em 15 anos. Fez 9,7ºC na Lomba do Pinheiro.

Geou nas partes mais altas do Rio Grande do Sul e Santa Catarina. O frio atípico e incomum dará lugar agora a uma onda de calor que vai elevar a temperatura a valores próximos de 40ºC.

Fonte: Correio do Povo

Em pleno Dezembro, geada é registrada na Serra Catarinense

Foto: Mycchel Legnaghi

A cidade de São Joaquim, no alto da Serra Catarinense registrou, durante o gélido amanhecer desta segunda-feira (03/12), a geada de número 100 no ano de 2018. A geada foi registrada em um ponto de baixada no Vale do Caminhos da Neve, há pouco mais de 03 quilômetros do centro da cidade.

Segundo informações do Climaterra, entre 64 anos, desde que se começou a ter dados climatológicos em São Joaquim, o 2018 é o primeiro em que deu geada em todos os meses de Janeiro a Dezembro.

SC/FRIO! É DEZEMBRO… As mínimas:

1,2ºC Urupema*
1,9ºC Urubici/F.Keiser
2,5ºC S.Joaquim/F.Keiser
3,2ºC Painel/G.Hugen e F.K
3,8ºC B.Jardim/Inmet
5,9ºC Lages*
7,0ºC Campo Belo do Sul*
7,2ºC Curitibanos/UFSC
7,5ºC Campos Novos*
7,5ºC Palmeira*
7,6ºC Frei Rogério*
7,8ºC Bom Retiro*

Fonte: São Joaquim Online

Propriedade do interior de Tiradentes do Sul sofre com estragos causados por raios

O fato aconteceu por volta das 21h de ontem (26) em Lajeado Bonito

Foto: Tirsul

Um triste relato do que a natureza e capaz, raios causaram grandes estragos na noite desta segunda-feira (26-11) em uma propriedade  na localidade de Lajeado Bonito, interior de Tiradentes do Sul.

Por volta das 21h várias descargas elétricas foram registradas no município, em alguns pontos foram registrados diversos danos em residencias e eletrodomésticos.

Na propriedade do senhor ADEMIO MANSKE em Lajeado Bonito, raios causaram grandes estragos, vários suínos morreram após as descargas elétricas,  outros ficaram com sequelas. Foram registrados danos na estrutura onde estão acomodados os suínos, vários eletrodomésticos como maquina de lavar,  televisor, ar condicionado, resfriadores de leite, também queimaram.

Os suínos foram encontrados mortos por toda extensão do chiqueiro. Muitos ainda terão que ser sacrificados.

Fonte: Tirsul

Geada é registrada próximo à divisa com o RS, em SC

Foto: Mycchel Legnaghi

A gélida cidade de São Joaquim, no alto da Serra Catarinense, teve novo registro de geada durante o amanhecer desta quarta-feira (21/11) no Vale do Caminhos da Neve, onde a baixada, de um pouco mais de 1.200 metros e há cerca de 3km do centro da cidade amanheceu recoberta por um fina camada de gelo, proporcionando mais um belo espetáculo típico de inverno, porém já próximo do verão.

A mínima no Estado de Santa Catarina foi registrada pela Rede de Estações Keiser no Rancho Mescalero, próximo a ponte do Rio Pelotas em Bom Jardim da Serra, onde também pode ter ocorrido a incidência de geada. Em Bom Jardim da Serra a temperatura ficou na casa dos 2.7ºC.

De acordo com o Climaterra, este é a geada de número 99 somente ano de 2018 no Campos de Cima da Serra.

Fonte: São Joaquim Online

Rio Grande do Sul tem risco de temporais e granizo

Depois de dias de intenso calor, o Rio Grande do Sul terá uma drástica virada de tempo ao longo desta terça-feira. Segundo a MetSul Meteorologia, o Estado deve ter chuva desde cedo no Oeste com pancadas fortes e altos volumes, com risco de temporais com granizo e vendavais.

A Defesa Civil emitiu um alerta para a possibilidade de chuvas muito forte pelo Estado. O órgão classificou que o nível de severidade é de “perigo potencial” para a Metade Oeste/Noroeste até parte do Centro, Sul e Campanha.

A instabilidade avança para a Região Sul e no decorrer do dia, desloca-se lentamente para o resto do território que ainda contará com sol e nuvens, calor e abafamento acompanhado de vento seco. Há chance de rajadas fortes, adverte a MetSul. A chuva pode chegar na Metade Norte somente à noite ou no começo da quarta-feira.

Em Porto Alegre, apesar da presença do sol, a previsão é que a chuva atinja a Capital ainda nesta terça. A temperatura deve ficar entre 22°C e 37°C.

 

Fonte: MetSul

Inicia germinação da soja no RS

Foto: José Schafer, Emater/RS-Ascar na região de Santa Rosa

O plantio da soja foi intensificado na maioria das regiões e atinge 10% da área projetada para esta safra. As lavouras semeadas apresentam boa germinação, emergência e ótimo estande de plantas. Somente nas áreas com maior umidade, evoluiu pouco, como no Médio Alto Uruguai. Já nas regiões do Alto Jacuí, Celeiro e no Noroeste Colonial, as áreas utilizadas com pastagens para os bovinos de leite, que apresentam menor resíduo de culturas e solo mais denso, possibilitaram o avanço da semeadura. De acordo com o Informativo Conjuntural divulgado pela Emater/RS-Ascar nesta quinta-feira (01/11), ainda é significativo o movimento por parte dos sojicultores para aquisição dos insumos, mas a partir desta semana começa a reduzir a procura em relação à elaboração de projetos de crédito para custeio.

No milho, a semeadura do primeiro plantio já está encerrada nas regiões do Planalto Médio e Alto Uruguai. Nas demais regiões produtoras, a implantação avança e atinge no Estado 68% da área prevista para esta safra. As lavouras do cedo se encontram em desenvolvimento vegetativo (60%), com seis folhas abertas, receptivas à adubação nitrogenada e iniciando a floração (6%). O padrão das lavouras é muito bom, favorecido pelos dias ensolarados, temperaturas altas durante a tarde e amenas à noite, e livre de pragas e doenças. Lavouras com uniformidade de crescimento. Os produtores beneficiados com sementes do Programa Troca-troca estão sendo visitados para repasse de orientações sobre a cultura.

No feijão 1ª safra, há ainda poucas áreas a serem implantadas no Estado, especialmente na Zona Sul, no Vale do Rio Pardo e no Alto da Serra do Botucaraí. As demais já se encontram em fases mais adiantadas de desenvolvimento. As áreas de produção comercial dos Campos de Cima da Serra, que realizam a semeadura num período intermediário entre as duas safras da leguminosa, ainda não foram trabalhadas para a cultura do feijão, o que deverá ocorrer a partir de meados de dezembro.

Mesmo com o avanço da semeadura do arroz no Estado, que já atinge 64% da área prevista para esta safra, em algumas zonas da Fronteira Oeste e Campanha ocorre um pequeno atraso, em decorrência do inverno chuvoso, mas a expectativa é de conclusão do plantio das lavouras até o final da próxima semana. Nas demais áreas, o plantio deve ocorrer até o final de novembro. As barragens apresentam volumes elevados, que devem garantir a irrigação para o período necessário à cultura.

CULTURAS DE INVERNO
Segue a colheita das culturas de inverno, como do trigo, que já atinge 48% da área, restando apenas o Planalto Médio e o Alto da Serra do Botucaraí para iniciá-la. Atualmente, 41% das lavouras estão maduras e por colher, 10% em enchimento de grãos e 1% em floração. Os primeiros rendimentos estão variados, conforme os danos provocados pelos eventos climáticos. A forte incidência de doenças fúngicas, como giberela, septória e brusone, está levando à redução da produtividade e à perda de qualidade do produto. Tal fato está determinando que os triticultores recorram ao Proagro em parte das operações financeiras. A qualidade do produto colhido varia entre 76 e 78 de pH, (abaixo de 78 inviabiliza o aproveitamento para a industrialização), e a avaliação qualitativa dos grãos apresenta baixa força de glúten (W).

A colheita da aveia branca está encerrada nas lavouras destinadas para grãos e sementes na região Noroeste, e em final de colheita nas regiões Centro-Norte e Planalto, com produtividade e qualidade dos grãos bem abaixo do esperado.

A qualidade da cevada também foi prejudica pelas condições climáticas desfavoráveis, que ocasionaram severo ataque de doenças fúngicas nas espigas (septória e giberela). A maioria das cargas retiradas das lavouras é destinada para forragens, com valor abaixo do esperado pelo produtor, que recorre ao Proagro.

A canola está em final de colheita no Norte do RS. Na região Noroeste, já está finalizada, com produtividade média de cerca de 1,5 t/ha. Nas demais áreas do Centro-Norte, a lavoura de canola apresenta produtividade média um pouco abaixo da esperada, mas melhorando nas últimas lavouras em colheita, demonstrando produtividade final mais elevada. A qualidade em geral varia de regular a boa.

HORTIGRANJEIROS
A semana foi de condições favoráveis à horticultura No Vale do Rio Pardo e no Alto da Serra do Botucaraí. As culturas a campo e em ambientes parcialmente protegidos intensificam o desenvolvimento. Cultivos sem irrigação foram favorecidos pela ocorrência de chuva leve.

As lavouras de cebola e coentro para produção de sementes no município de Hulha Negra estão com bom desenvolvimento vegetativo, favorecidas pelo clima das últimas semanas. A venda de mandioca embalada a vácuo tem se intensificado na região e tem sido uma boa alternativa de renda para diversas famílias.

Milho verde – Toda área já foi plantada no Vale do Taquari, encontrando-se em desenvolvimento vegetativo inicial. Já no Litoral Norte, os produtores de milho verde para venda nas praias já realizaram adubação nitrogenada em algumas parcelas. O avanço do plantio está gradativo e lento sobre as áreas cultivadas com olerícolas. O preparo do solo está dificultado pelas chuvas constantes. O plantio do milho é feito em etapas para sempre ter a oferta do produto.

FRUTÍCOLAS
Citros – Com as últimas frutas colhidas da bergamoteira Montenegrina, do tangor Murcott e da laranjeira Valência, chega ao fim a safra de citros de 2018 na região do Vale do Caí. Esta safra iniciou em abril, com a colheita da bergamota Satsuma, continuou com a colheita das cultivares precoces de bergamoteiras e laranjeiras e agora culmina com a colheita das cultivares tardias. A safra transcorreu sem eventos climáticos extremos que pudessem prejudicar a produtividade dos pomares.

Com o fim da colheita das bergamotas e laranjas, a única fruta cítrica que ainda será colhida em 2018 até o início da próxima safra é a lima ácida Tahiti, o popular limão da caipirinha, que tem floração e colheita durante todo o ano.

CRIAÇÕES
Bovinocultura de corte – No sistema de produção baseado em pastagem natural, o período de calor, luz e umidade tem levado alguns animais mais fragilizados a apresentarem quadro de tristeza parasitária, devido à baixa imunidade e ao aumento da carga parasitária que se desenvolve de forma acentuada nessas condições. Praticamente todo o gado já foi retirado das pastagens de inverno nas áreas destinadas ao cultivo da soja; assim os espaços para a pecuária ficam reduzidos, sendo possível faltar alimentos para o rebanho.

Apicultura – Abelhas em intenso período de forrageamento; apicultores colocam melgueiras e fazem desbloqueio de ninho. A expectativa é de uma alta produção nessa safra. Apicultores fazem também a troca de quadros velhos, a fim de possibilitar favos novos para indução de maior postura da rainha. As floradas estão intensas neste período de primavera, provocando aumento de produção das colmeias, principalmente nas que tiveram alimentação suplementar. Devido ao aumento da florada e entrada de pólen na colmeia, rainhas aumentam a postura. Recomenda-se aos apicultores realizar o manejo de “ninho claro” a fim de liberar espaço para a postura da rainha. Observa-se boa entrada de pólen; abelhas operárias chegam ao alvado com as corbículas cheias de pólen.

 

Fonte: Assessoria de Imprensa da Emater/RS-Ascar

Vendaval localizado deixa rastro de destruição no interior de Horizontina

Fotos: Jornal Folha Cidade

O fenômeno que os produtores rurais não sabem identificar ao certo, se uma explosão de vento ou um mini-tornado foi registrado na madrugada desta quarta-feira, dia 31 de outubro, por volta das 4h30 na localidade de Esquina Tunas e parte do Lajeado Patos.

O vento varreu lavouras de milho deixando-as completamente acamadas ou inclinadas, destelhou casas e galpões, derrubou um chiqueirão e quebrou um número incontável de árvores, não importando espécie ou tamanho, e como saldo, deixou ainda automóveis, tratores, rações e insumos como fertilizantes e sementes danificados e/ou impróprios para uso.

De acordo com os moradores foram entre 5 e 8 minutos de um verdadeiro filme de terror. Por sorte ninguém ficou ferido, nossa família está toda aqui e está bem disse Bruno Schneider.

O vendaval também deixou a rede de energia avariada com queda de postes, rompimentos da fiação, queima e desarme de alimentadores. Só quando o dia amanheceu é que os produtores tiveram a dimensão real do fenômeno. Os telefones celulares também não funcionavam e o socorro do Corpo de Bombeiros teve de ser acessado pessoalmente junto ao quartel.

As equipes prontamente foram em algumas propriedades. Na propriedade de Nilo Lázzari as telhas de barro que desabaram do galpão deixaram com danos de grande monta o carro da família, além de mais de R$ 5 mil em alimentação para peixes que estava armazenada e ficou completamente molhada e terá de ser inutilizada.

Na Granja Schneider um pavilhão de terminação de suínos foi derrubado pela força do vento, juntamente com toda a arborização de proteção. Pelo menos 800 animais que seriam entregues hoje para a indústria ficaram no tempo. Os proprietários aguardavam a equipe da integradora para acessar as dependências do pavilhão caído para avaliar se havia animais mortos.

Dirlei Schneider, um dos proprietários, afirmou que não tem seguro dos pavilhões. “É sempre para fazer, mas tudo é custo hoje na propriedade, estávamos construindo um segundo pavilhão e fariamos agora então dos dois. Esse primeiro está destruído perda total, perdemos a metade de nossa renda em 5 minutos, emociona-se. Era visível a angústia dos outros proprietários e seus familiares, que ainda não sabem como recomeçar tendo que reconstruir muitas de suas instalações quase que por completo.

Árvores até mesmo centenária ficaram destroçadas. No pátio da comunidade católica da localidade a destruição das árvores de sombra entre o campo de futebol, a igreja e o cemitério. Folhas metálicas de cobertura de um silo de cereais foram arrastadas por mais de mil metros e ficaram espalhadas pelas lavouras e as margens da estrada.

Fonte: Jornal Folha Cidade

Chuva e fortes rajadas de vento assustam moradores de Crissiumal

O mês de Outubro está sendo o mais chuvoso do ano em Crissiumal.

Fotos: Emerson Gomes

O vento forte que atingiu Crissiumal na madrugada desta quarta-feira, 31 de outubro de 2018 ( feriado municipal do Dia da Reforma), não causou grandes estragos, mas gerou aflição na população que ainda sofre com as consequências do temporal de granizo ocorrido no dia 03/10 que destruiu milhares de telhados.

O vento intenso seguido de chuva forte durou mais de 20 minutos e a cidade ficou sem energia elétrica por aproximadamente três horas.

Na cidade, algumas casas tiveram suas telhas removidas dos telhados e  outras que ainda possuíam lonas, foram arrancadas pelo vento, inclusive o telhado da cancha de bocha do Planalto ficou totalmente destruído. Em várias ruas e avenidas do centro, o lixo ficou espalhado.

Há relatos de que os ventos fortes causaram queda de árvores nas localidades de Lajeado Grande e Linha Cotricampo. Queda de granizo em pequena quantidade também foi registrada.

Na estação de captação de água da Corsan próximo a Linha Principal, não há energia elétrica devido a vários cabos caídos, portanto a cidade já tem pontos sem água e não há previsão de normalização.

A chuva acumulou até às 9h desta manhã, 88mm.

Ao longo desta quarta-feira e madrugada de quinta devem se formar novas áreas de instabilidade trazendo mais riscos de temporais em alguns pontos.

 

Fonte: Rádio Metrópole

Granizo e vento forte causam estragos em cidades gaúchas

São Gabriel, na Fronteira Oeste, é um dos municípios mais atingidos, com 150 casas danificadas

Marcelo Passarella / Agência RBS

O temporal que atingiu o Rio Grande do Sul entre a noite de terça-feira e a madrugada desta quarta-feira (31) causou estragos em cidades do Vale do Rio Pardo, da Fronteira Oeste e da Serra. Há relatos de que o granizo e o vento forte causaram destelhamentos de casas, queda de árvores e bloqueio de ruas.

Em Vera Cruz, no Vale do Rio Pardo, houve destelhamentos de pelo menos 27 casas. As regiões mais afetadas na cidade foram na área rural, em locais com poucas residências. Árvores caíram e chegaram a bloquear uma das saídas da cidade para a RS-287, uma das principais rodovias da região.

Cidade vizinha a Vera Cruz, Santa Cruz do Sul também registrou estragos. Segundo o Corpo de Bombeiros, há ao menos oito localidades sem luz, que afetam inclusive a sede da corporação. Houve registro de granizo na região de Erveiras, uma área afastada do centro da cidade. Residências foram destelhadas, mas o número ainda não foi contabilizado.

São Gabriel, na Fronteira Oeste, teve pelo menos 150 casas danificadas após queda de granizo, segundo a Defesa Civil. Não há relatos de desabrigados ou desalojados. São Francisco de Assis, Alegrete e Dom Pedrito também tiveram queda de granizo.

Estragos na Serra

Os bombeiros deCaxias do Sul registraram 15 destelhamentos e 10 quedas de árvores na madrugada desta quarta-feira. Só na Rua Luiz Covolan, no bairro Reolon, pelo menos duas árvores de grande porte tombaram. Também houve registro de casas destelhadas em São Marcos e Bento Gonçalves.

A Defesa Civil informou que trabalha nas cidades afetadas e distribui lonas para famílias que tiveram as residências destelhadas.

Abastecimento de energia

O forte vento e o granizo deixam pelo menos 190 mil clientes sem energia elétrica na manhã desta quarta-feira (31) no Rio Grande do Sul. São 100 mil clientes sem luz na área da RGE e outros 90 mil na região de concessão da RGE Sul.

Os vales do Taquari e do Rio Pardo estão entre os mais atingidos. As companhias dizem que estão totalmente mobilizadas para resolver os problemas, mas não há horário previsto para normalização.

Fonte: Gaúcha Zh

Chuva torrencial alaga ruas de Erval Seco

O temporal começou por volta das 5h e provocou o transbordamento do rio Lambedor

Foto: Eduardo Wagner / Rádio Nativa FM

Uma chuva torrencial que começou por volta das 5h desta quinta-feira em Erval Seco, no Norte do Estado, provocou alagamentos de ruas e danos em residências. O rio Lambedor, que corta a cidade, transbordou depois de precipitações de mais de 80 milímetros. A água alagou várias quadras da avenida Capitão Balbino e causou danos na cabeceira da ponte sobre o rio na rua Sete de Setembro, no Centro. A água inundou 70 residências.

Segundo o prefeito Leonir Koche, as precipitações ocorreram das 5h às 7h. “Há muitos anos não ocorria uma chuva tão intensa como aconteceu nesta madrugada”, disse Koche. Ele cita que, ao serem registradas chuvas num volume superior a 50 milímetros, o rio Lambedor transborda. Na metade da manhã, o rio voltou ao leito.

Região

As periódicas chuvas, com volumes que variam de 40 a 80 milímetros, ocorridas nos últimos dez dias causaram danos nas estradas de chão batido que interligam as localidades do interior dos municípios do Norte do Estado. A correnteza remove cascalhos e acaba levando terra das lavouras para dentro das vias públicas, causando entupimento e danos em bueiros e pontilhões.

O secretário de Obras de Frederico Westphalen, Valmor Pavan, disse que as constantes precipitações causam transtornos e prejuízos. “É que há cada poucos dias temos que mobilizar o parque de máquinas no trabalho de recuperação das estradas.” Dirigentes de entidades ligadas ao setor agrícola afirmam que as constantes chuvas geram excesso de umidade e prejudicam as lavouras de trigo e o trabalho de plantio das lavouras de verão.

Fonte: Correio do Povo