Conselho propõe criação de versão gaúcha do programa Médicos pelo Brasil

Iniciativa, que será anunciada nesta quarta-feira, consiste na possibilidade de contratação de médicos por meio de uma espécie de permuta

O Conselho das Secretarias Municipais de Saúde do Rio Grande do Sul (Cosems/RS) anuncia nesta quarta-feira (21), durante o Seminário Estadual de Fortalecimento da Atenção Primária em Saúde, sua proposta de criação do programa Médicos pelo Rio Grande. A iniciativa surge com o objetivo de reverter os impactos negativos gerados pelo déficit que será causado com a implantação do Médicos pelo Brasil, iniciativa do governo federal — anunciada em agosto — que irá substituir o Mais Médicos. Das atuais 1.320 vagas, o Estado passaria a dispor de somente 634, segundo projeção do Cosems/RS.

A queda no número de profissionais da saúde deve-se a uma mudança de posicionamento do programa, que deve entrar em vigor somente em 2020. O foco do projeto passará a ser prestar atendimento nas regiões Norte e Nordeste, onde há maior vazio assistencial. Além disso, a União classificará as cidades em uma escala de maior ou menor vulnerabilidade para fazer a destinação dos médicos. Na avaliação de Diego de Ávila, diretor do Cosems/RS, a alteração nas diretrizes do programa é danosa ao Estado.

— O impacto é negativo, porque perdemos médicos, perdemos assistência em unidades de saúde. Nossa proposta (com o Médicos Pelo Rio Grande) é atender os municípios que não serão mais contemplados pelo programa do governo federal, e isso se aplica àqueles menores, mas também a grandes centros, que realizam um trabalho importante de atenção básica e que evitam a necessidade de internação hospitalar, por exemplo — diz Ávila.

A proposta, pensada pelo Cosems/RS e pela Federação das Associações de Municípios do Rio Grande do Sul (Famurs), consiste na possibilidade de contratação de médicos para  as localidades que, no momento, estão com falta destes profissionais, por meio de uma espécie de permuta. Ao invés de receber os repasses do governo do Estado a que têm direito, os municípios receberiam médicos para trabalhar nas Unidades Básicas de Saúde, por meio das Equipes de Saúde da Família. O salário destes profissionais seria pago pelo Estado. Atualmente,  o governo do Rio Grande do Sul deve R$ 480 milhões referentes ao setor da saúde a municípios, relacionadas ao período de 2014 a 2018.

Levantamento

Neste modelo, as cidades que perderam vagas do Mais Médicos teriam prioridade. Porém, outros municípios também poderiam ser atendidos. Deste modo, a dívida poderia ser quase sanada e ainda seria promovida oferta direta de serviço de saúde às pessoas, acredita Ávila. Dentro deste cenário, a Famurs e o Cosems/RS fariam o levantamento de quantos médicos seriam necessários para cada cidade e a compatibilidade com a dívida para oferta do profissional em questão.

A contratação dos profissionais médicos se daria por meio de bolsas de estudo para estimular a especialização em Medicina da Família e Comunidade que, por sua vez, auxiliam a fixação destes médicos nas áreas onde eles foram alocados, conforme necessário. A bolsa valeria até o momento em que a dívida fosse sanada, após esse período, fica a cargo da gestão municipal, no qual o prefeito e secretário de saúde têm a autonomia de decidir a permanência do médico, explica o presidente do Cosems/RS.

— Essa é a proposta que temos em mãos. Esperamos que o governador olhe para os termos apresentados e pense nesta estratégia de saúde que estamos propondo, porque a população gaúcha não pode ficar desassistida — afirma Ávila.

Outra proposta do programa gaúcho é o estímulo à capacitação do gestor municipal, por meio da Escola de Saúde, do Cosems/RS, no que tange a saúde básica. A ideia é que os recursos sejam melhor investidos. Além disso, o conselho prevê a ampliação no serviço de atendimento à família por meio da contratação de fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, psiquiatras, entre outros profissionais, por meio do Médicos pelo Rio Grande.

Fonte: ZH

Estado paga nova parcela da dívida com municípios na Saúde

A Secretaria da Saúde realizou na última terça-feira (20), o pagamento da terceira parcela da dívida do Estado com os municípios, no valor de R$ 13,5 milhões. O repasse refere-se aos incentivos estaduais destinados à Política Estadual de Incentivo para Qualificação da Atenção Básica (PIES) para todos os municípios do RS e também para 74 hospitais públicos municipais.

O anúncio do pagamento foi feito pela secretária estadual da Saúde, Arita Bergmann, durante reunião com o presidente do Conselho das Secretarias Municipais de Saúde (Cosems-RS), Diego Espíndola, e secretários de saúde de municípios da Região Sul do Estado.

Para Arita, o pagamento é “uma demonstração do compromisso firmado com o Cosems e com a Famurs (Federação das Associações de Municípios do Rio Grande do Sul), reconhecendo a dívida herdada de outros anos, que soma R$ 162 milhões com os municípios, que serão pagos em 16 parcelas”. O parcelamento inclui a dívida de R$ 54 milhões com os hospitais públicos municipais, totalizando R$ 216 milhões a serem quitados.

Os recursos destinados ao PIES devem ser utilizados na Atenção Básica e Saúde da Família, para despesas de custeio e investimento, como pagamento de salários e gratificações de profissionais, ampliação dos serviços, equipamentos e veículos, reforma e ampliação de Unidades Básicas de Saúde, entre outros.

O presidente do Cosems-RS agradeceu o anúncio da secretária e elogiou o governador Eduardo Leite por estar cumprindo o compromisso honrado com os municípios. “O municipalismo agradece.” Diego explicou que a área do PIES, priorizada neste pagamento, é a mais próxima do usuário. “Os repasses dão um fôlego a gestão dos municípios permitindo melhorar o atendimento à população”, afirmou Diego.

Fonte: Assessoria de Comunicação Social – SES/RS

Saúde recomenda dose extra contra o sarampo em bebês menores de 1 ano

Dia D de mobilização da Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite e Sarampo.

O Ministério da Saúde passou a recomendar a vacinação contra o sarampo em crianças com idade entre 6 meses e 11 meses e 29 dias para combater a disseminação do vírus no país. Nessa faixa etária, segundo a pasta, será ofertada uma dose complementar, chamada de dose zero, como já acontece em campanhas como a de combate à poliomielite. A orientação foi apresentada ontem (20) em entrevista coletiva na sede do órgão, em Brasília.

Entre 19 de maio e 10 de agosto deste ano, foram confirmados 1.680 casos de sarampo no Brasil, além de 7,5 mil casos em investigação. No período, de acordo com o ministério, não houve mortes confirmadas decorrentes da enfermidade.

Após um surto envolvendo estados da Região Norte no início do ano, um novo surto foi registrado no estado de São Paulo, que concentra, atualmente, 1.662 casos em 74 municípios – 98,5% do total de casos. Em seguida aparecem Rio de Janeiro, com seis casos, e Pernambuco, com quatro. Com um caso estão Goiás, Paraná, Maranhão, Rio Grande do Norte, Espírito Santo, Bahia, Sergipe e Piauí.

A recomendação da vacinação adicional de crianças com idade entre 6 meses e 11 meses e 29 dias se deve ao fato deste ser o público com maior potencial de contágio. O coeficiente de incidência em bebês de até 1 ano é de 38,28 casos para cada grupo de 100 mil, enquanto a média de todas as faixas etárias ficou em 4,12. Normalmente, a imunização acontece por meio de duas doses, aos 12 meses e aos 15 meses de vida.

“Temos observado uma incidência elevada em menores de 1 ano. É fundamental estabelecermos estratégia diferenciada para essa faixa etária, olhar para as crianças menores de 1 ano com especial atenção”, declarou o secretário de vigilância em Saúde, Wanderson de Oliveira.

Jovens adultos

Além dos bebês, outro público que preocupa o ministério é o de jovens adultos. A pasta destacou a necessidade de pessoas de 20 a 29 anos regularizarem a vacinação contra o sarampo – o grupo tem coeficiente de incidência de 9 casos para cada grupo de 100 mil, mais que o dobro da média nacional. A orientação vale especialmente para São Paulo, estado com muitos casos e alta densidade populacional.

De acordo com o ministério, pela rotina de imunização estabelecida, pessoas com até 29 anos devem já ter recebido duas doses contra o sarampo. Já quem tem entre 30 e 49 anos deve ter tomado pelo menos uma dose. O secretário ponderou, contudo, que não há necessidade de corrida aos postos de saúde e que a regularização pode ser feita tranquilamente.

Difícil controle

Questionado sobre as razões da propagação do sarampo no país, Oliveira argumentou que a natureza do vírus e de sua transmissão dificultam o controle, especialmente com um surto em uma região como o estado de São Paulo.

“O sarampo é doença de transmissão respiratória. É rastilho de pólvora. Para cada caso, podemos ter 18 pessoas infectadas. É extremamente complexa a contenção da situação viral, principalmente num estado com a densidade demográfica que São Paulo tem”, disse. Entre os principais obstáculos, segundo ele, estão a falta de imunização em adultos jovens e a dificuldade de conscientização desse público.

Estoque

O secretário relatou que já foram disponibilizadas 7,5 milhões de doses da vacina para o estado de São Paulo, além do apoio a campanhas de comunicação para sensibilizar os públicos mais afetados pelo vírus. Ele acrescentou que as vacinas adicionais para bebês devem totalizar cerca de 1,6 milhões de doses e que os estados estão abastecidos, mas que o governo está buscando um estoque complementar com fornecedores externos.

O representante do ministério apontou como problema a atuação de movimentos antivacina que, segundo ele, se alimentam de desinformação e notícias falsas para recusar a imunização necessária. O ministério disponibilizou uma seção em seu sitepara desmentir notícias falsas e oferecer outras informações.

Fonte: EBC

Carro cai no rio e família é resgatada por motorista e cobrador de ônibus em São Miguel das Missões

Veículo se desgovernou e caiu no rio Urubuquaru, na BR-285. Cinco pessoas foram retiradas, entre elas, uma mulher grávida e duas crianças.

Carro com cinco pessoas caiu no rio Urubuquaru, na BR-285, em São MIguel das Missões — Foto: BM Vitória das Missões / Divulgação

Uma tragédia foi evitada em São Miguel das Missões, na Região Noroeste, devido à presteza e proatividade de um motorista e um cobrador de ônibus. A dupla auxiliou no resgate de cinco pessoas que haviam caído no rio Urubuquaru, na BR-285, na manhã da terça-feira (20).

Os ocupantes do carro — um homem, duas mulheres, uma delas grávida, e duas crianças, um menino de nove anos e outro de um ano e oito meses — foram encaminhadas para o Hospital São Miguel Arcanjo, em São Miguel das Missões. Eles foram atendidos com suspeita de hipotermia, pois, no momento do acidente, a temperatura era de 4ºC e a água estava muito gelada.

As vítimas do acidente tiveram apenas ferimentos leves, e foram medicadas e liberadas logo após o meio-dia. O menino mais novo, contudo, permeneceu sob observação, pois teria engolido muita água.

Como foi o acidente

Por volta das 7h, o motorista de transporte intermunicipal Gilson Borges dos Santos e o cobrador Cesar da Silva Albrecht, trafegavam na rodovia no sentido São Miguel das Missões a Santo Ângelo quando viram um carro, que vinha no sentido contrário, sair da pista e cair no rio. O motorista parou o ônibus, e ambos desceram para iniciar o resgate.

Enquanto o cobrador ficou na estrada pedindo ajuda, o motorista desceu até a margem para ajudar a família. Em seguida, um policial militar de Vitória das Missões chegou e ajudou na retirada das pessoas.

O resgate foi improvisado, com a ajuda de uma taquara que era alcançada para que as pessoas subissem os cerca de dois metros de altura do barranco.

Fonte: G1

Motociclista morre após colisão com carro na BR-471, em Santa Cruz do Sul

Foto: PRF/Divulgação

Uma colisão frontal entre um Peugeot 206, com placas de Indaial (SC), e uma motocicleta de Santa Cruz do Sul foi registrada por volta do meio-dia desta terça-feira (20), causando a morte do motociclista. O acidente ocorreu na altura do km 151, na BR-471, no sentido Rio Pardo a Santa Cruz do Sul.

De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), o homem, de 20 anos, morreu no local.

Segundo o motorista do carro, ele desviou para o acostamento a fim de evitar o choque com outro veículo que estaria realizando uma ultrapassagem. Porém, perdeu o controle e colidiu frontalmente com a motocicleta, que seguia no sentido contrário.

O casal que estava no carro foi encaminhado para atendimento no Hospital Santa Cruz, mas não corre perigo.

Fonte: G1 RS

PF investiga contrabando de agrotóxicos na fronteira do Rio Grande do Sul

Policiais cumpriram quatro mandados de busca e apreensão nos municípios de São Borja e Bozano

Foto: PF / Divulgação

A Polícia Federal investiga contrabando de agrotóxico na fronteira do Rio Grande do Sul.

Na manhã desta terça-feira, os agentes da PF cumpriram quatro mandados de busca e apreensão nos municípios de São Borja e Bozano. A operação teve como objetivo a obtenção de provas que comprovem o envolvimento dos investigados com o transporte ilícito do produto na região. Documentos e celulares foram apreendidos para análise.

O inquérito foi instaurado a partir da apreensão de 96 quilos de agrotóxicos pela Polícia Rodoviária Federal em 10 de outubro de 2017. Vindo do Uruguai, uma caminhonete Volkswagen Saveiro foi abordada na BR 290, no município de Uruguaiana.

Os produtos estavam na carroceria do veículo, escondidos sob uma lona. A partir do flagrante, a Polícia Federal instaurou inquérito e realizou diversas diligências que levaram a identificação dos possíveis destinatários da mercadoria apreendida na época.

Fonte: CP

Rádio Merópole

Procurado por assassinar adolescente em SC, pode estar em FW ou Iraí

Acacio da Silva Cardias teve sua foto divulgada pela Polícia Civil de Santa Catarina

A Polícia Civil de Santa Catarina, através da Delegacia de Polícia de Planalto Alegre, elucidou um homicídio qualificado de uma adolescente de 15 anos de idade.

O corpo da menina, brutalmente morta no mês de maio de 2018, foi encontrado às margens da rodovia que dá acesso ao município. Devido à carbonização, a identificação da vítima ocorreu por exame de DNA.

Durante meses foram realizadas diversas diligências investigativas, sendo que ainda no ano de 2018 identificou-se o autor do crime como sendo Acacio da Silva Cardias.

O Delegado de Policia, à época, representou pela prisão preventiva de Acacio. A medida foi deferida pelo Poder Judiciário.

Desde então policiais civis têm tentado capturar o acusado. Sabe-se que provavelmente ele está na região Oeste de Santa Catarina ou Noroeste do Rio Grande do Sul, mais precisamente nas imediações da cidade de Iraí e Frederico Westphalen.

Entretanto, considerando que o indiciado está foragido, representou-se também pela divulgação da imagem de Acacio, com manifestação favorável do Ministério Público e, novamente, decisão judicial favorável.

Sendo assim, a Polícia Civil vem solicitar colaboração da imprensa de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul, por meio da divulgação de fotografias do acusado, a fim de que a população possa identificar o paradeiro do autor desse crime bárbaro.

Havendo qualquer notícia de Acacio, o cidadão pode procurar a Delegacia de Polícia mais próxima, denunciar anonimamente pelo número 181 ou pelo telefone/Whatsapp (49) 991710152.

Fonte: PC

Apostador de Caxias do Sul acerta as quinze dezenas e ganha mais de R$ 1 milhão na Lotofácil

Sorteio desta segunda-feira (19) premiou, além da aposta gaúcha, um jogador de Goiânia, e cada um levou R$ 1.059.149,27

Uma aposta de Caxias do Sul, na serra gaúcha, levou R$ 1.059.149,27 no sorteio número 1.855 da Lotofácil, nesta segunda-feira (19). O jogador acertou as 15 dezenas, junto com outro apostador, de Goiânia (GO), que também levará o mesmo valor.

Os números sorteados foram: 01, 04, 05, 07, 11, 12, 13, 14, 15, 16, 17, 20, 23, 24 e 25.

A Caixa Econômica Federal não divulgou o nome do vencedor. Para o próximo sorteio, na quarta-feira (21), o prêmio é de R$ 2 milhões.

Em março deste ano, outro gaúcho levou o prêmio máximo da Mega-Sena. Acertando as seis dezenas, o apostador de Gravataí, na Região Metropolitana de Porto Alegre, ganhou R$ 78,9 milhões. Ele retirou o prêmio duas semanas depois do sorteio.

Fonte: G1 RS

Piratini pagará parcelas da folha de julho dos servidores nesta terça-feira

Governo estadual disse que serão “integralizados os salários de 80% do funcionalismo do Poder Executivo”

Foto: Felipe Dalla Valle / Palácio Piratini

A Secretaria da Fazenda pagará parcelas do calendário de julho e fará, na terça-feira, depósito no valor de R$ 5.000 aos servidores que recebem acima de R$ 2.500 líquidos. O anúncio foi feito nesta segunda pelo governo gaúcho. Segundo nota divulgada no site do Piratini, “serão integralizados os salários de 80% do funcionalismo do Poder Executivo (quem recebe líquido até R$ 2.500 teve o salário quitado dia 13 de agosto)”.

De acordo com o governo, o próximo depósito será dia 30 de agosto, no valor de R$ 2.000, quitando a folha para quem recebe líquido até R$ 7.000 (88,8%). Os servidores que recebem acima desse valor terão os salários de julho integralizados pelo Tesouro do Estado em 10 de setembro.

Ainda segundo o Executivo estadual, a mudança foi permitida “pelo sucesso da venda de créditos do Fundopem/RS, cujo leilão foi realizado há 10 dias, resultando em receita de R$ 467,4 milhões”. O recurso permitirá cobrir parte do déficit previdenciário e recompor o caixa, consumido pelo pagamento de despesas de exercícios anteriores.

Créditos do Fundopem

A venda de créditos do Fundopem/RS envolveu a oferta de 14 contratos de empresas, que foram adquiridos pelo Banco ABC Brasil. O pregão presencial foi realizado pela Central de Licitações (Celic) no dia 9 de agosto. Ao todo foram 55 rodadas de lances e 3 interessados. O vencedor da licitação foi o que ofereceu o menor deságio para esses contratos, que se trata de valores que o Estado tem direito a receber, conforme previstos nos contratos, com recebimento antecipado.

Fonte: CP

Audiência para debater venda de ações do Banrisul será no dia 4 de setembro

Governador Eduardo Leite ainda não confirmou presença no encontro

Será no dia 4 de setembro, às 10h, no Espaço Convergência, da Assembleia Legislativa, a audiência pública sobre a venda de ações do Banrisul. O governador Eduardo Leite foi convidado para explicar as motivações do Executivo para essa medida. À Comissão de Economia, ainda não houve a confirmação se o governador participará, já a assessoria do governador informou que a solicitação formal ainda não chegou ao Palácio.

O pedido de presença de Leite foi apresentada pelos deputados Fábio Ostermann (Novo) e Sebastião Melo (MDB). Também foram convidados para a audiência pública o secretário da Fazenda, Marco Aurélio Cardoso, o procurador-geral do Estado, Eduardo Cunha da Costa, e o presidente do Banrisul, Cláudio Coutinho, o ex-presidente do Banrisul, Mateus Bandeira, entre outras pessoas.

O governador Eduardo Leite (PSDB) disse, na última quarta-feira, que irá analisar o convite da Comissão de Economia, Desenvolvimento Sustentável e Turismo da Assembleia Legislativa para participar de audiência pública sobre a venda de ações do Banrisul e explicar as razões que levaram o Piratini a tomar tal decisão.

O requerimento para a realização da audiência aborda a necessidade de esclarecimentos sobre o modelo de venda parcial das ações a ser adotado, os valores propostos para a venda das ações e qual vai ser a metodologia empregada para chegar aos valores que serão oferecidos na Bolsa de Valores.

Parte de controvérsia ocorre porque, ao se desfazer das ações, o Piratini fará com que o Estado abra mão de receber uma fatia considerável da receita que obtém com o banco. A perda nos dividendos é estimada em R$ 150 milhões por ano. Além disso, vender ações pulverizadas até o limite do controle acionário impede que no futuro o banco amplie seu capital e realize novas ofertas.

Fonte: CP